video   
video zip file

Español
English
Italiano
Français
Português
Polski
Bahasa Indonesia
Belorussian
Česky
Deutsch
Hrvatski
Japanese
Magyarul
Mongolian
Në Gjuhë Shqipe
Română
Sloveno
Slovensky
Tetun
 

Meus queridos Irmãos,
saúdo-os com muito afeto! Também ‘Minha querida Família Salesiana’, porque muitos irão ver esta mensagem. Meus queridos Jovens, em tantas presenças do mundo! Saúdo a todos com muita cordialidade e a maior das simpatias. Estou a lhes falar desde Ypacaraí, no Paraguai, quer no contexto de um calor formidável,
quer no da Visita de Conjunto que cá estamos a fazer com todas as Inspetorias da Região salesiana da América Cone Sul: um contexto e marco maravilhoso, portanto, de vivência e de salesianidade. E digo-lhes mais: tive há cinco dias a graça de participar de algumas celebrações maravilhosas pelo transcurso do 1º Centenário de Morte do nosso missionário Mons. José Fagnano, enviado às terras austrais por Dom Bosco. Pude conhecer grande parte tanto da realidade em que viveu quanto da ação missionária que desenvolveu junto com outros Irmãos salesianos e com a grande missionária Filha de Maria Auxiliadora, Ir. Angela Vallese e Coirmãs.

Foram realmente santos, heróis, apaixonados por seu labor missionário. E isso faz-me pensar no maravilhoso legado que eles nos deixaram. Foram autênticos apaixonados de Deus e daquelas Gentes. E julgo ser esse também o nosso legado – o mesmo que Dom Bosco nos deixou – : sermos, em primeiro lugar, autênticos apaixonados de Deus, isto é, Homens e Mulheres consagrados,
que já experimentamos o fascínio de seguir a Jesus Cristo.

E esse entusiasmo – de ser, antes de tudo, testemunhas do Senhor – nos enche da Sua plenitude e, em seguida, nos envia aos nossos meninos, meninas e jovens. É neles que achamos realmente a nossa plenitude vocacional. Meus queridos Irmãos, jamais cansarei de repetir que todos já fizemos a experiência de ter sido felizes no meio dos jovens, e de que ainda o somos. Portanto, não permitamos que algo deles nos afaste. Tampouco deixemos que algo nos desvie da centralidade de Deus e de irmos, com tal fogo e calor, ao encontro dos jovens, movidos por verdadeira paixão educativo- pastoral. Neste tempo de Páscoa, exorto-os a que continuemos a dar razão quer da nossa Fé, quer da Alegria do Ressuscitado no meio de nós! Até já, meus queridos Irmãos!
Deus os abençoe! Adeus!