Conselho Recursos

Newsletter julho 2012

Você está recebendo este boletim porque é o Delegado, ou o ponto de referência, da Comunicação Social 
Você tem algum problema lendo este correio eletrónico?Examine-o em seu browser..

SSCS

Boletim n. 35.   julho de 2012

Uma olhada
Noticias breves

Rumo ao bicentenário: Logo e Pôster

bicentenario

Pronto e disponível o pôster para o segundo ano de preparação ao Bicentenário de nascimento de Dom Bosco. Da sua composição, na linha do projeto gráfico elaborado pelo “Don Bosco Institute of Communication Arts” (DBICA), de Chennai, Índia, participou também o Reitor-Mor.
A um mês da passagem do primeiro para o segundo ano temático, o Dicastério para a Comunicação Social apresenta o seu pôster. “O projeto gráfico proposto no ano passado foi adotado por quase toda a Congregação – atesta o P. Filiberto González, Conselheiro per a Comunicação Social –. É um sinal positivo, porque oferece uma imagem única da caminhada que se está a realizar”.
Caracterizado pela cor verde, escolhida para indicar o ano dedicado à pedagogia de Dom Bosco, o pôster se caracteriza por três elementos:
* o rosto de Dom Bosco reproduz o calco que obteve Cellini no dia seguinte à sua morte e com o qual se fez a máscara de cera que hoje o representa na Urna, tanto na que se conserva na Basílica de Maria Auxiliadora, de Turim, quanto na que está a peregrinar pelo mundo salesiano;
* um detalhe do acrílico sobre tela, de Mario Bogani – “Dom Bosco com os meninos” –, que está na Basílica do Colle Don Bosco. Evidentes em primeiro plano os jovens, destinatários da ação de Dom Bosco (meninos e meninas), em cujo fundo se encontram os que lhe continuam a obra: religiosos e leigos. No segundo plano os frutos de santidade floridos em torno de Dom Bosco: Domingos Sávio, Francisco Besucco, Miguel Magone;
* os três pilares em que se funda o Sistema Preventivo: razão, religião e bondade ('amorevolezza').
O Dicastério para a CS renova o convite a continuar a assumir o projeto gráfico, utilizando o segundo logo, caracterizado pelo verde, e o novo pôster para os Sítios, Boletins Salesianos e as várias iniciativas programadas no decorrer deste segundo ano, dedicado à Pedagogia de Dom Bosco.
O pôster em diversas línguas, está anexo ao número de ANSfoto de junho. No sítio sdb.org estão disponíveis os ‘files’ dos três logos e do segundo pôster. Na mesma seção pode-se pedir o file originário para as adaptações em outras línguas

“Miscelánea Comillas” louva a obra do P. Arthur Lenti

Lenti

A Pontifícia Universidade Comillas, da Companhia de Jesus, na sua revista “Miscelánea Comillas” – principal instrumento de distribuição científica da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais – publicou recentemente uma recensão, em termos mui positivos, do primeiro volume da edição espanhola da obra “Dom Bosco, História e Carisma”, do P. Arthur Lenti SDB.
A edição em língua espanhola esteve aos cuidados do P. Juan José Bartolomé e P. Jesús Graciliano González, publicada pela “Central Catequística Salesiana” (CCS), de Madri. De acordo com o Autor, os dois editores concentraram em três volumes a monumental obra em 7 livros do P. Lenti, atualizando notas e citações, e acrescentando uma bibliografia espanhola.
William Rodriguez Campos, autor da recensão do primeiro volume, recomenda a obra do P. Lenti, historiador que sabe individuar o fio condutor e unir as vicissitudes humanas, fixando-lhes de modo objetivo a lembrança. Isto é o que faz o P. Lenti apresentando magistralmente a vida e as obras de São João Bosco (1815-1888). “Os primeiros dois capítulos dedicados ao estudo das fontes e da tradição biográfica sobre Dom Bosco, são jóias de inestimável valor para os historiadores, cientistas sociais e pesquisadores” – afirma Rodriguez Campos.
Recorrendo à hermenêutica, o P. Lenti individua, valoriza, contrasta e, com freqüência, corrige, documentos e interpretações sobre Dom Bosco considerados, até pouco, indubitáveis. Abate com força e definitivamente mitos e visões superficiais. Para tal fim, sublinha o trabalho feito sobre o texto das “Memórias do Oratório”, porque submete a exame crítico fatos da vida de Dom Bosco transformados em “categorias”: Dom Bosco contraposto a párocos, revolucionário perseguido pelas autoridades civis, abandonado e só, não metido em política. O P. Lenti mostra que todas essas visões são falsas.
Ao situar o santo no seu contexto religioso, o P. Lenti põe em evidência um elemento fundamental: a influência direta, consciente, desejada, de Jesuítas, Paulinos, Franciscanos, Oblatos, Oratorianos... Para estudar a ação social de Dom Bosco, a sua espiritualidade e a pastoral, não se pode ignorar o fato de que Dom Bosco sintetiza essas influências de modo vital, espiritual, pedagógico.
O ambiente do Colégio (Convitto) Eclesiástico vivido por Dom Bosco foi uma experiência de equilíbrio formativo e teológico. O ambiente do Colégio era contrário ao jansenismo, ao liberalismo, ao galicanismo. Sentia-se uma forte influência dos Jesuítas, entre outras coisas, através das “associações de amizade”. Os modelos de teologia moral e pastoral propostos eram, de resto, mui diversos entre si: São Carlos Borromeu, São Filipe Néri e S. Francisco de Sales. E a ajudar Dom Bosco na guinada para uma espiritualidade fundada sobre o amor e sobre a caridade pastoral estava o P. José Cafasso. “De fato – afirma Rodriguez Campos – são o P. Luís Guala e o P. Cafasso os fundadores e a alma do Colégio Eclesiástico”.
Nota o autor da recensão que o capítulo 14 é o capítulo de maior impacto e cuja documentação é mais vasta. Manifesta a “descoberta explosiva de Dom Bosco dos jovens pobres e abandonados de Turim”. Relata de modo desencantado a situação social, moral e religiosa da juventude. O crescimento da população e a expansão urbana contribuíam a piorar as condições de vida da população rural, com fome, exploração do trabalho e desemprego, pobreza, analfabetismo, peditório. Por sua vez no Oratório os jovens encontravam uma casa, uma aula, um pátio em que brincar. A novidade do Oratório de Dom Bosco era a finalidade fundamentalmente religiosa.
Rodriguez Campos assinala também que, através dos Regulamentos para o Oratório se pode notar outra qualidade de Dom Bosco: a do escritor. E conclui: “Obra extraordinária. Plena de temas e percursos. Excelente o esforço e a realização, onde se unem harmoniosamente uma visão realista da vida e da obra de Dom Bosco e a sua autêntica motivação religiosa”.

Enviar a un amigo

¿Cónoces a alguien que podría estar interesado en este e-mail? ¿Por qué no se lo reenviás?

Reuniões

Guadalajara-México: SC Delegados, América. 04-07 agosto em Guadalajara, e 7-09 agosto na Cidade do México.
Índia - Kolkata: Delegados da CS da Região Ásia do Sul de 08-13 de novembro, depois que o P. Filiberto fará uma visita de animação para as atividades de comunicação em Guwahati, Shillong, Chennai, Hyderabad

     
Animação - Carta do P. Filiberto
Fili

Caríssimos Irmãos e amigos da CS, ao longo destas semanas tive a fortuna de ler boas notícias e dialogar com salesianos de diferentes nacionalidades a respeito da tradição comunicativa salesiana.
Dom Bosco soube intuir a bondade e a força das linguagens da comunicação, para incidir de modo original e eficaz em seus jovens. Soube tocar as fibras do coração. Conseguia por isso educar e evangelizar. Era não só um evangelizador–educador. Era um comunicador. E este trinômio da ecologia comunicativa bolada por Dom Bosco propunha-se formar “bons cristãos e honestos cidadãos”.
Expressões dessa ecologia comunicativa popular são: o teatro, a música, o canto, os cartazes, o raconto de sonhos, a boa-noite. Essas expressões inteligentemente entretecidas com tantas outras propostas, formam a “ecologia educativa, evangelizadora e comunicativa do Oratório”. Esse conjunto não surge de modo mágico. Nasce da profunda experiência de Deus e da grande paixão apostólica, sempre para a maior glória de Deus e a salvação das almas. Essa era a fonte de Dom Bosco. E nenhuma outra.
O Delegado para a CS estimula e coordena essa ecologia de acordo com o SSCS, fazendo síntese de tradição e modernidade, possuindo a mesma Fonte de Dom Bosco, e, portanto, atualizando Dom Bosco.
Ao visitar as comunidades, as escolas, os oratórios, as paróquias, animem a todos – salesianos e leigos, jovens e educadores – a fim de recuperar essa ecologia e essas expressões, como um tesouro inestimável da tradição salesiana, do primeiro e do moderno oratório, sem esquecer as TIC e o novo Continente Digital.
Saúdam-nos – a todos – os Membros da Equipe do Dicastério para a CS.
Com afeto fraterno em Dom Bosco,
P. Filiberto González,
Conselheiro para a comunicação social.

Informação : ‘Convention’ da Mídia Católicas; palabras de louvour a ANS 
Catholic media

De 20 a 22 de junho, em Indianápolis, EUA, realizou-se a ‘Convention’ da Mídia Católica, evento que serviu para reunir cerca de 400 jornalistas e especialistas do mundo da comunicação, procedentes de todo o mundo. Participou também o P. Michael Mendl, Coordenador da Comunicação Social da Inspetoria dos Estados Unidos Leste (SUE).
A Convenção da Mídia Católica é um encontro anual promovido pela “Catholic Press Association” (CPA) (associação de imprensa católica), entidade que congrega a mídia católica dos EUA e do Canadá. Neste ano os numerosos participantes se confrontaram a partir do passo da Carta de São Paulo que reza: “Nós, embora sendo muitos, formamos um só corpo”. (1Cor 12,12).
A convenção apresentou aos participantes numerosas ocasiões e atividades para conhecer a vasta galáxia da mídia católica e para aprofundar os temas propostos através de laboratórios, mesas redondas, conferências, trabalhos de grupo, relações, .… Entre as falas mais apreciados esteve a do Arcebispo Dom Claudio Maria Celli, Presidente do Pontifício Conselho das Comunicações Sociais.
Depois de lembrar que, embora nas várias especificidade profissionais, todos os agentes da comunicação católica pertençam ao único corpo de Cristo, Dom Celli comparou a vida de trabalho com a vida da Fé dos participantes, devendo ser ambas “orientadas à excelência”. Sucessivamente, com referência à Mensagem do Santo Padre para a 46º Dia Mundial das Comunicações Sociais, sublinhou que «mais importantes que as novas tecnologias são os novos modos através dos quais as pessoas se relacionam, através dos ‘social media’ por exemplo».
Dom Celli observou a seguir como o empenho criativo dos comunicadores católicos espelhe o Amor Trinitário, que é criativo, comunicativo e unificante; e, concluindo, indicou as características da comunicação católica: correta e respeitosa da verdade; fautora de comunhão dentro e fora da Igreja; e de apoio à Missão.
Num dos trabalhos de grupo foram usadas também palavras de louvor relativamente a ANS, que, segundo alguns profissionais do setor, oferece “a melhor contribuição informativa procedente dos institutos religiosos”.
À margem da Convenção foram entregues os troféus “São Francisco de Sales”, a mais alta honraria concedida pela CPA a uma pessoa, devido à “excepcional contribuição ao jornalismo católico”; e a “Medalha do Presidente”, reconhecimento à carreira, concedida pela Academia Católica para os Profissionais das Artes de Comunicação pelo empenho duradouro na Comunicação Católica.

Formação: na vida consagrada
Click

Formazione a portata di Click
Pina Riccieri, Paoline 2011
A Irmã Pina Del Core FMA, presidenta da Faculdade de Ciêncis da Educação “Auxilium”, apresenta o livo de Pina Riccieri, com estas palavras (entre outras):
É um título que desperta a curiosidade e o interesse não apenas dos entendidos, mas também de um público de leitores mais amplo, que, se por um lado se sente atraído pela palabra 'formação', pode também por outro se sentir cativado por o termo 'comunicação digital', estranhamente associado a 'santificação da mente'. O livro de Pina Riccieri, irmã paulina, por conseguinte 'comunicadora' por vocação, traz um tema de grande atualidade, digamos que crucial, talvez 'espinhoso', para a formação no âmbito da vida consagrada.
Como deveria fazer, hoje em dia, para se dedicar à formação, em tempos de web, sem perder nada em absoluto do patrimônio da praxis e a transmissão cultural herdada, de séculos de experiência formativa vivida por gerações e gerações de religiosos e religiosas? Quais são os desafios que enfrentam a formação, tal como a globalização e as novas tecnologias comunicativas? Qual é sua implicação nos processos de crescimento das pessoas e nos itinerários formativos dos institutos e congregações religiosas? Como fazer frente às novas instâncias, derivada não apenas das mudanças culturais, históricas e sociais, especificamente e sobretudo dos jovens, gerações digitais já desde o nascimento?
A resposta a estas e a tantas outras perguntas, temos um um livro que, enquanto trata de uma temática por si só vasta e complexa, retrata a realidade de maneira nítida, servindo-se da riqueza que se espera da voz dos “experts” nos diversos assuntos. O tema da formação na vida consagrada, contudo, se circunscreve e se relaciona com a problemática das novas tecnologias da comunicação, para avaliar sua influência, seja nos processos de conhecimento, seja na aquisição das competencias, assim chamadas “transversais”, exigidas para a vocação/missão específica de quem se sente chamado a seguir a Cristo e a comunicar seu evangelho hoje.
O ponto central do livro é a hipotese de que o compromisso de conhecer e valorizar a comunicação, com todas suas inovações tecnológicas, constitui uma instância urgente para atender aos novos modelos de conhecimento e de formação, especialmente a intelectual, que surgem do contexto atual e que exigem usuários críticos e pessoas livres e responsáveis, capazes de interagir com as mídias, convertendo-se por conseguinte em “apóstolos digitais”
De fato, a formação que encontramos hoje, tem vivido uma mudança cultural em proporções inéditas e de alguma maneira até imprevisíveis, que necessita ser repensada e reorganizada, antes de tudo, em seus modelos formativos que vem continuamente se confrontando com as instâncias culturais e as novas perguntas/ necessidades formativas das pessoas e das comunidades.
Aqui, a necessidade de se confrontar com os fenômenos e processos culturais na sociedade atual, cada vez mais complexa e globalizada, com a sociedade digital já inserida no contexto, dentro do qual as novas gerações constróem sua identidade pessoal, social e vocacional, a fim de individualizar estratégias formativas adequadas, que permitam a maturidade integral da pessoa, e possíveis itinerários formativos para atuar no interior das instituições formativas.

Produção:  as aplicações
app

Outra área de crescimento da produção no mundo salesiano são as aplicações para iOS, Android e outros dispositivos similares. No ano passado, informou sobre o iBreviarium (Hong Kong) pelo Pe. Paul Leung. Depois, há "Shake & Pray" por Don Bosco Publications de GBR. Edebé produziu aplicações educacionais. Agora vem esta notícia de Espanha:Em vista do Bicentenário de nascimento de Dom Bosco, salesianos e alunos da Inspetoria salesiana da Espanha-Sevilha realizaram uma aplicação para ‘smartphone’ que reporta 1000 das melhores frases, aforismos e máximas de Dom Bosco.
Dom Bosco foi um homem que se antecipou aos seus tempos. Muitos falavam dele como de um padre conhecido por estar presente nos pátios de recreio, nas prisões, nas praças e ruas de Turim, para promover um construtivo trabalho educativo em favor dos jovens mais necessitados. É por isso que a presença de Dom Bosco hoje nos celulares dos jovens aparece como o natural desenvolvimento de uma caminhada iniciada há muitos anos atrás.
É isto hoje possível graças à primeira aplicação para dispositivos Android, baixáveis gratuitamente do sítio, ou site, www.donbosco2015.es e do Google Play, que permite ler uma seleção de 1000 frases de Dom Bosco – em língua espanhola – organizadas em categorias.
A aplicação foi desenvolvida pelos alunos do I Ano de Bacharelado Tecnológico do Instituto Salesiano S. Francisco de Sales, de Córdova, Espanha, sob a guia do programador informático Sergio Martínez. Os estudantes efetuaram a seleção das frases como tarefa da matéria Religião.
O resultado foi um precioso trabalho que o salesiano mexicano P. Rafael Sánchez Vargas, desaparecido em 1986, já havia levado a termo vários anos antes, sobre os escritos de Dom Bosco, movido pela sua grande admiração pela poesia, pelas cartas, pela obra de São João Bosco.
Com mais esta nova aplicação, os utentes terão à sua disposição um motor de pesquisa que achará as frases que contêm a palavra selecionada: um sistema que permite a qualquer Membro da Família Salesiana, educador, simpatizante do mundo salesiano ou jovem usufruir desse material, em qualquer momento dele tenha necessidade.
Em poucas horas, a aplicação foi descarregada em número superior às expectativas – atualmente as estatísticas referem o segmento de 500 a 1.000 utentes – e parece dar razão exatamente a uma das máximas presentes na aplicação: “Propagai a devoção a Maria Auxiliadora e vereis o que são milagres”.