Conselho Recursos

Diretório Inspetorial-seção Formação

DOCUMENTOS DO DICASTÉRIO DE LA FORMAÇÃO




Diretório inspetorial – Seção formação

DIREZIONE GENERALE OPERE DON BOSCO
Via della Pisana, 1111 – 00163 ROMA Italia

Il Consigliere Generale  per la Formazione

Roma, 14 de maio de 2003.

Este texto é um anexo à carta do Vigário do Reitor-Mor enviada aos Inspetores com data de 14 de maio de 2003 para a convocação dos Capítulos Inspetoriais. A estes Capítulos se pede a revisão da Seção formação do Diretório inspetorial.

Diretório inspetorial – Seção formação

Uma vez aprovada a nova edição da “Ratio” pelo Reitor-Mor e o seu Conselho Geral no ano de 2000, torna-se necessário rever a seção de formação do Diretório inspetorial. Trata-se, assim, de dar à norma inspetorial na área da formação coerência com as orientações e as normas da “Ratio”.

1. Conteúdos da seção formação do diretório

No Anexo 1 da “Ratio” podem-se encontrar referências úteis para a revisão do diretório inspetorial – seção formação (FSDB, 566-571). Nesse anexo está explicitada a natureza do diretório, os conteúdos do processo formativo e das fases formativas, as modalidades de avaliação. Note-se que a respeito dos conteúdos o Anexo apresenta 24 assuntos que podem ser objeto da norma inspetorial.

2. Diretório e projeto inspetorial de formação

Na “Ratio” pede-se a cada inspetoria elaborar o projeto inspetorial de formação; este é um novo instrumento de ‘projetação’ orgânica de que a inspetoria dispõe. No Anexo 2 a “Ratio” indica algumas reflexões e orientações a respeito de tal projeto. É preciso por isso notar que uma inspetoria, tendo agora também o próprio projeto de formação, pode tornar mais ágil a norma do diretório em matéria de formação.
O diretório expõe as normas essenciais, enquanto que as indicações de caminho e os processos formativos, que por sua natureza não têm o valor de norma jurídica estável, podem ser explicitados no projeto inspetorial. Recomenda-se por isso que se garanta a agilidade e o caráter jurídico do diretório. "Nem tudo deve fazer parte do diretório” (ACG 365,49); muitos aspectos podem ser desenvolvidos no projeto.

3. Diretório e colaboração interinspetorial

Na revisão do diretório é preciso ter presente que na área formativa existem hoje numerosas e novas expressões de colaboração interinspetorial. Uma inspetoria, onde exista uma co-responsabilidade interinspetorial, que age mediante o "curatórium", e é garantida por uma convenção entre Inspetorias, não poderá sem mais legiferar de modo autônomo.
Nas situações de colaboração interinspetorial é preciso portanto prestar atenção ao introduzir normas no diretório inspetorial, sabendo que algumas matérias são objeto de decisões em conjunto entre inspetorias. Em alguns casos tais colaborações estão por iniciar, não estando por isso ainda codificadas.

4. Texto precedente e texto renovado do diretório

Ao apresentar ao Reitor-Mor as variações efetuadas no diretório, com a finalidade de obter-lhe a aprovação, é oportuno que se enviem ambos os textos, o precedente e o renovado, de modo que se possam individuar com facilidade as mudanças feitas ou as partes novas introduzidas.