Conselho Recursos

Diretrizes para formação intelectual

FORMAÇÃO

Avaliação e diretrizes para
formação intelectual em formação inicial

1
DIRECÇÃO-GERAL DAS OBRAS DON BOSCO
Via della Pisana 1111 - 00163 Roma

O Conselheiro Geral para a Formação

Roma, 31 de julho de 2012

Prot. 12/0311

Para o reverendo

Sr. Inspetor

Sua Sede

Para o reverendo

Delegado inspetorial de formação

Sua Sede

Assunto: Avaliação e diretrizes para formação intelectual em formação inicial

Caro Inspetor e Delegado,

            com a aprovação do Reitor-Mor e do Conselho Geral, em 25 de julho de 2012, foi concluída a "Avaliação da formação intelectual na formação inicial", que envolveu toda a Congregação a partir de 2008.

No final deste processo, para cada fase formativa são oferecidas as seguintes: "Avaliação", "Diretrizes" e indicações para os "Programas de estudo". Tudo isso ajudará a melhorar o crescimento intelectual e a superar o rebaixamento do nível cultural que estamos presenciando na Congregação.

Convido a Comissão Inspetorial de Formação, o Conselho Inspetorial e o "Curatorium" de cada comunidade de formação a levar em consideração estas indicações e tomar as decisões apropriadas. Agora vou adicionar alguns elementos de apresentação dessas conclusões.

1. A preocupação fundamental das "Diretrizes" e dos "Programas de Estudo" é estimular a formação intelectual a contribuir mais para o amadurecimento da vocação e da missão salesiana. A formação intelectual deve ser mais integrada, em unidade harmônica, com todas as outras dimensões da formação; Por essa razão, é necessário prestar mais atenção aos aspectos afetivos da pessoa. Ela se preocupa em formar não apenas a mente, mas também o coração, para oferecer motivações, para despertar convicções, para mover as afeições da formação. Envolvendo em profundidade a pessoa da pessoa em formação, ajudará a identificar-se cada vez mais com a vocação e a missão salesiana e, portanto, a vivê-las com dedicação.

2. Uma segunda atenção a ser dada diz respeito à promoção de centros de estudopara as etapas de pós-noviciado e formação específica. Se queremos estabelecer centros de qualidade que formam uma identidade carismática salesiana, devemos unir forças. É necessário ter coragem para abrir novos centros de estudo salesianos, onde a Congregação está crescendo, ou para participar da colaboração interprovincial, onde a Congregação está em declínio. A indicação da "Ratio" sobre a preferência pelos centros de estudo salesianos (Cf. FSDB 145) e sobre a necessidade de colaboração interinspetorial (Cf. FSDB 146) continua válida, e eu diria agora mais fortemente. Neste sentido, o Conselheiro para a Formação continuará o discernimento e o diálogo com as Províncias para ver os possíveis passos. Os centros de estudo exigem cuidado e apoio não apenas das autoridades acadêmicas,

3. A proposta de formação intelectual passa então por programas de estudo. A "Ratio" oferece algumas "orientações sobre a ordenação dos estudos", ou seja, indica alguns conteúdos sobre os programas a serem desenvolvidos nas diversas fases (cf. FSDB 579-603). Durante alguns anos, havíamos percebido como a tradução operacional dessas diretrizes costumava ser fraca; os resultados foram díspares e incertos. Este foi o caso dos estudos salesianos; no entanto, depois que o Reitor-Mor com o Conselho aprovou os programas de salesianidade, estamos testemunhando uma maior sistematicidade nesses estudos. Isso também foi encontrado nos programas dos noviciados ou na escassa atenção pedagógica dos pós-noviciados. A disparidade dos programas finalmente fez e ainda dificulta a coordenação dos estudos para a colaboração interprovincial.

4. Os estudos pós- nipediados também merecem atenção especial. Em 28 de janeiro de 2011, o "Decreto para a reforma dos estudos eclesiásticos de filosofia" foi publicado pela Congregação para a Educação Católica. Nele, uma nova abordagem é dada aos estudos filosóficos na preparação de sacerdotes e pessoas consagradas. Aprofundamos este Decreto com a Faculdade de Filosofia da UPS e, em março passado, com os diretores e encarregados dos estudos pós-noviciado. No "Programa de estudos" do pós-noviciado, agora indicado, há os cursos necessários para implementar a reforma e obter um diploma pontifício de dois anos em filosofia. Pedimos aos nossos centros de estudos salesianos que adiram a este Diploma e, portanto, "associem-se" à Faculdade de Filosofia da UPS. Estas indicações do programa são a base mínima para todos os pós-noviciados,

5. Por fim, indico a preparação dos professores salesianos como a quinta prioridade . Não poderemos ter estudos de qualidade, elevar o nível cultural na Congregação, assegurar a identidade carismática nos estudos, se não prepararmos professores salesianos, mesmo com doutorado. Nem todos os centros de estudo têm um programa de qualificação de professores. Por vezes observa-se que, face às urgências e necessidades das Províncias, os professores formados são atribuídos a outras tarefas, empobrecendo assim o centro de estudos. Em outros casos, os centros de estudo não têm professores salesianos; nem sempre foram feitas escolhas adequadas para a sua preparação. Portanto, é necessário que cada centro de estudo tenha sua própria programação para a preparação do corpo docente.

Agradeço calorosamente a todas as comunidades de formação e centros de estudo que colaboraram neste trabalho de avaliação. Agora confio a vocês, às comunidades formadoras e aos centros de estudo as conclusões, com a confiança de que elas podem ser assumidas e realizadas.

Cumprimentos Em Dom Bosco

Don Francesco Cereda

 

DIRECÇÃO-GERAL DON BOSCO WORKS

Via della Pisana, 1111, CP 18333 - 00163 ROMA

O Conselheiro Geral para a Formação

AVALIAÇÃO E DIRETRIZES

 

SOBRE TREINAMENTO INTELECTUAL

 

NA FORMAÇÃO INICIAL

Avaliação e diretrizes aprovadas

pelo Reitor-Mor e pelo Conselho Geral

Roma, 25 de julho de 2012

 

PRENOVIZIATO

1. AVALIAÇÃO

1. Contribuição dos estudos para o amadurecimento vocacional e a preparação para a missão salesiana

Os pré-noviços que possuem um programa de estudos específico e sistemático consideram a contribuição que a formação intelectual oferece para a maturação vocacional e a preparação para que a missão seja positiva. As disciplinas ensinadas ajudam os pré-noviços a amadurecer humanamente, a crescer na fé, a conhecer Cristo e Dom Bosco, a desenvolver convicções e motivações, a compreender melhor a vida consagrada salesiana e suas duas formas.

Por outro lado, vários pré-novatos encontram dificuldades na proposta de formação intelectual. A origem dos pré-noviços de famílias pobres ou problemáticas, a escolaridade débil, a experiência superficial da vida cristã, a falta de conhecimento da língua usada na formação não ajudam a maturação vocacional. A esses fatores somam-se a fraqueza da equipe de treinadores e a falta de sua preparação.

2. Programa de estudos e estudos salesianos

Há pré-noviços que têm um currículo substancial, com horas diárias de aulas e exames. Alguns pré-novatos se comprometeram a mudar o programa e não anteciparam o estudo da filosofia. Muitas vezes há um estudo sistemático da linguagem que é usada na educação inicial e uma tentativa é feita para preencher as lacunas na preparação da escola anterior. O programa de estudos salesianos é avaliado positivamente.

No entanto, existem províncias onde o pré-noviciado é reduzido a alguns meses, por isso é difícil realizar um programa sério de estudo. Em alguns pré-noviços não há programa de estudo próprio, porque os pré-novatos frequentam o ensino médio ou a universidade ou realizam o primeiro ano de filosofia. Em outros pré-noviços há uma quantidade tão grande de sujeitos de estudo que os objetivos da fase são negligenciados; em alguns casos, são previstos cursos que devem ser realizados nas seguintes fases. Finalmente, onde os pré-noviços são poucos, há dificuldade em estabelecer um programa de estudo pré-noviciado.

3. Metodologia de aprendizagem e ensino

Em muitos pré-iniciados, diferentes métodos são usados ​​para desenvolver a capacidade de pensar, falar e se comunicar, e para criar uma mentalidade crítica. Normalmente existe um ambiente de estudo; em alguns pré-noviciados durante a semana, o tempo de estudo pessoal chega a duas ou três horas.

Onde os compromissos pastorais são muito importantes, não há tempo para estudo pessoal. Há pré-noviciados, nos quais os pré-noviços nem sempre são motivados a estudar, não têm habilidade e não têm gosto pela leitura, não usam a biblioteca. Os pré-noviços nem sempre visam estimular e ajudar os pré-noviços a adquirir um método sério de estudo pessoal.

2. DIRETRIZES

1. Para a admissão de candidatos ao pré-noviciado, cada Província deve especificar alguns critérios que dizem respeito à base cultural necessária e ao nível de posse da língua usada na formação. A consideração das capacidades intelectuais dos candidatos e pré-noviços deve ser levada em consideração como critério vocacional de admissão ao noviciado. Além disso, o pré-noviciado, como a experiência do aspirantado, deve ajudar a fortalecer as bases culturais e superar as lacunas na preparação escolar e linguística. A presença de boas escolas salesianas pelos aspirantes é uma ajuda ao crescimento intelectual.

2. A formação intelectual do pré-noviciado é orientada para o crescimento humano e cristão . É necessário, portanto, que os conteúdos e métodos de estudo facilitem o conhecimento de si mesmo, de suas experiências passadas e de suas motivações. Os estudos dessa fase devem também favorecer e levar "a uma experiência viva de fé e a um relacionamento profundo com o Senhor; ... sem uma experiência pessoal, motivada e convicta da vida cristã, a vocação para a vida consagrada não é possível ”(FSDB 339); Deste modo, o crescimento cristão também é garantido.

3. O estudo deve ser integrado com uma boa experiência pastoral. Os temas de estudo e exercícios pastorais devem ser escolhidos e realizados de maneira a despertar o amor à vocação salesiana e favorecer seu crescimento. Isto significa que o trabalho pastoral deve ser acompanhado pela reflexão, para que possa se tornar uma verdadeira experiência vital.

4. Cabe a cada Província elaborar um programa de estudos específico para alcançar os objetivos fundamentais dessa fase. O pré-noviciado “dificilmente deixa espaço para outros estudos exigentes. Em particular, neste estágio, os estudos filosóficos próprios do pós-noviciado não são antecipados; Se, no entanto, as circunstâncias de uma Província exigirem o contrário, é necessário pedir autorização ao Reitor-Mor ”(FSDB 342). Onde as Províncias enviam os noviços a um noviciado interprovincial, é necessário que os pré-noviços coordenem os programas de formação intelectual. A comparação entre os programas de pré-noviciado da mesma Região também é importante.

5. Alguns conteúdos psicológicos são necessários para a maturação humana ; em particular, resulta particularmente frutuosa "a apresentação sistemática dos aspectos relacionais e do processo de comunicação interpessoal, juntamente com os aspectos de autoconhecimento, maturação emocional, emocional e sexual, do celibato" (FSDB 342).

6. O crescimento cristão requer a consolidação da fé cristã e da ação moral por meio de uma catequese sistemática e experiencial. Para esta fase indicamos o estudo e a assimilação dos conteúdos do Catecismo da Igreja Católica na primeira e terceira partes, referentes a "A profissão de fé" e "A vida em Cristo". Este estudo será completado com os conteúdos da segunda e quarta parte do Catecismo da Igreja Católica no noviciado.

7. O programa indicado para o pré-noviciado pelas "Diretrizes para os Estudos Salesianos " aprovado pelo Reitor-Mor com o Conselho é considerado válido . Além da biografia de Dom Bosco, a apresentação da Congregação Salesiana de hoje, o conhecimento de algumas figuras significativas da vida consagrada salesiana, devemos acrescentar o tema da vida consagrada salesiana e suas duas formas ministeriais e leigas (cf. FSDB 342).

8. O ensino e a aprendizagem visam adquirir uma metodologia pessoal de trabalho intelectual: um bom método de estudo, um gosto pela leitura, um hábito de reflexão, uma capacidade de compartilhar que leva do acadêmico ao nível vital e do cognitivo ao o afetivo. Considera-se importante aprimorar a metodologia laboratorial; nem todos os tópicos são tratados de forma teórica; alguns exigem trabalho em equipe e aprendizado prático. Alguns breves testes escritos ou resumos orais ou reflexões escritas sobre uma experiência de treinamento, feita periodicamente, poderiam ajudar na personalização dos estudos.

3. PROGRAMA DE ESTUDO

Área de maturação humana

Auto-conhecimento

Relações e comunicação interpessoal

Maturação afetiva e emocional

Área de catequese

Catecismo Igreja Católica: a profissão de fé

Catecismo Igreja Católica: Vida em Cristo

Área de Estudos Salesianos

Biografia e retrato espiritual de Dom Bosco

Congregação Salesiana hoje

Vida consagrada salesiana e suas duas formas ministeriais e leigas

Figuras significativas das duas formas de vida consagrada salesiana

Área de linguagem

Linguagem usada na educação, e onde é bem conhecida, outra língua como, por exemplo, a italiana

Workshops e prática pessoal

Dinâmica de grupo

Comunicação social

Expressão teatral

Aprendizagem e prática de um instrumento musical

 

NOVICIADO

1. AVALIAÇÃO

1. Contribuição dos estudos para o amadurecimento vocacional e a preparação para a missão salesiana

As respostas afirmam que a formação intelectual nos noviciados contribui para a assunção de atitudes e convicções e para o amadurecimento vocacional dos noviços. Eles enfatizam a necessidade de uma síntese entre o conteúdo, a realidade do próprio contexto e a vida pessoal.

Por outro lado, nas respostas, os achados mais frequentes são: falta de seriedade em relação aos estudos, maior motivação para atividades práticas do que para estudo, pouco comprometimento com o estudo, insuficiente assimilação pessoal, incapacidade de refletir sobre as experiências. Em geral, essas deficiências são atribuídas à cultura básica escassa, à compreensão de um pequeno adulto dos elementos fundamentais da fé cristã, ao conhecimento insuficiente da linguagem usada na educação. Em alguns casos, há também falta de capacidade intelectual.

2. Programa de estudos e estudos salesianos

As respostas expressam uma satisfação geral em relação aos estudos realizados no noviciado, mas quando se olha para os detalhes, a enorme divergência nos programas de estudo imediatamente vem à tona, com o risco de repetição e sobreposição com outras fases de formação.

Em alguns programas de estudo existem cursos que não são desta fase: Iniciação à filosofia, método científico, cristologia e mariologia, introdução às religiões, geografia, história e arqueologia bíblica, teologia espiritual, ... Vários noviciados negligenciam a comunicação social. Em alguns casos, o conhecimento deficiente e a falta de estudo da linguagem usada na educação são reclamados. Alguns noviciados dizem que o programa está fragmentado e que a avaliação não é eficaz; como também mostra que a formação intelectual não é muito importante.

Sobre os estudos salesianosQuase todos os noviciados pensam que estão seguindo o programa estabelecido pelo Reitor-Mor e pelo Conselho do Noviciado. Em vez disso, a realidade é diferente: todos os noviciados estudam as Constituições, mesmo que alguém considere insuficiente o tempo para esse estudo; só poucos mencionam o estudo de Dom Bosco - História e meio ambiente e da Família Salesiana; alguns outros mencionam o estudo da hagiografia salesiana. Alguns noviciados têm um nome genérico no programa: "Salesiano". Muitos noviciados fazem cursos que pertencem a outras fases: História da Congregação, Sistema Preventivo, Pastoral juvenil, Pedagogia Salesiana, Espiritualidade Juvenil Salesiana, Biografia de Dom Bosco de Teresio Bosco, Espiritualidade salesiana, ... É significativo que alguns noviciados tratem do tema salesiano coadjutor. ,

Sobre os professores, vários noviciados afirmam que nem sempre possuem uma qualificação acadêmica. Às vezes, o pequeno número de formadores significa que o número de matérias ensinadas no noviciado é limitado a apenas duas: as Constituições e a vida consagrada.

3. Metodologia de aprendizagem e ensino

Respostas em geral são positivas. Além da aula magistral, em muitos noviciados a reflexão pessoal, a pesquisa na biblioteca, os trabalhos escritos, as discussões em grupo, a comparação em sala de aula são incentivadas. Um bom número de noviciados também é mencionado no uso de ferramentas e auxiliares de áudio e vídeo, computadores, projeções de vídeo. Um noviciado considera muito eficaz a elaboração semanal de reflexões pessoais escritas sobre os principais temas da vida consagrada e da espiritualidade salesiana.

Algumas respostas reclamam que os novatos não têm o hábito de ler e não usam a biblioteca. As horas de estudo nos noviciados variam entre 2 e 4 horas por dia; há algum noviciado que tem apenas 1 hora de estudo. Há aqueles que pensam que é necessário mais tempo para estudo e reflexão pessoal e que é necessário mais trabalho de síntese; enquanto alguns falam da incapacidade dos novatos serem sistemáticos e assíduos no estudo. Duas respostas gostariam de dar mais atenção à internalização do que é ensinado e não apenas aos exames.

2. DIRETRIZES

1. É necessário reforçar a convicção de que a avaliação da capacidade intelectual é um elemento a ser considerado para a admissão de candidatos à primeira profissão; Nesse aspecto, é necessário exercer um discernimento vocacional mais sério, mesmo no aspirantado e no pré-noviciado. A capacidade intelectual "deve ser suficiente para levar a cabo estudos que correspondam a compromissos futuros, tanto dos salesianos como dos chamados ao ministério sacerdotal" [1] . Mesmo o salesiano coadjutor, como o salesiano sacerdote, é chamado a ser educador e pastor dos jovens e, portanto, hoje, mais do que no passado, precisa de boas habilidades intelectuais para enfrentar os estudos que o qualificam em seu apostolado.

2. Nas reuniões dos formandos do noviciado e do pré-noviciado, a formação intelectual no pré-noviciado, os critérios de admissão ao noviciado em matéria de habilidades intelectuais, a deterioração do nível intelectual em curso e as medidas para combatê- lo também são comparados . A Comissão Inspetorial de Formação e o "Curatorium" de cada noviciado interprovincial identificam os critérios para assegurar uma capacidade intelectual adequada no discernimento dos candidatos, "o domínio da língua usada no noviciado", [2] uma cultura geral e formação adequadas. Christian.

3. A motivação para o estudo é importante no noviciado . É necessário superar a mentalidade de que o noviciado é um tempo de formação espiritual e que o aspecto intelectual é secundário. "A dedicação ao estudo" [3] é uma expressão da nossa caridade pastoral, isto é, uma maneira concreta de expressar amor pelo Senhor Jesus e pelos jovens: ele nos prepara para um serviço de qualidade; dá profundidade à nossa vida consagrada; nos permite enfrentar os desafios emergentes no mundo; é uma escola de muitas virtudes. Isso exige que, no início do ano, os formadores e noviços dialoguem, esclarecendo o propósito do noviciado em seus vários aspectos, incluindo a formação intelectual. Pode ser útil oferecer aos novatos uma visão geral dos estudos na formação inicial.

4. Aumentar a contribuição dos estudos para a jornada profissional . Precisamos de instrutores qualificados que saibam como comunicar motivações e convicções, despertar o envolvimento da mente e do coração. São necessárias metodologias adequadas que atinjam a pessoa em profundidade, porque o treinamento deve ajudar o novato a se transformar. É necessário garantir um tempo diário para estudo e reflexão pessoal, para ser harmonizado com as horas de aulas e trabalho manual.

5. A conferência diária do Mestre dos noviços merece uma consideração especial , que ajuda a formar uma unidade formativa e uma síntese vital no processo de formação do noviciado. Existe uma estreita ligação entre a conferência, reflexão e verificação pessoal, o diálogo em diálogo com o Mestre.

6. Nos noviciados é necessário melhorar a seriedade dos estudos. Para isso, é preciso um programa de estudo exigente que exija comprometimento e envolva toda a pessoa. Como o noviciado é o início da vida consagrada salesiana como seguimento de Cristo nos passos de Dom Bosco, os conteúdos referentes à vida consagrada e à salesianidade são importantes. Para esta fase concluem-se o estudo e a assimilação dos conteúdos do Catecismo da Igreja Católica na segunda e quarta partes, referentes a "A celebração do mistério cristão" e a "oração cristã". Finalmente, é necessário fortalecer a posse da linguagem usada no treinamento. Consistente com estes objetivos e com a "Ratio" (FSDB 585-588), indica uma concretização do programa de estudos: veja nesta seção do noviciado o seguinte ponto "Programa de estudos" .

7. São confirmados os quatro cursos de estudo salesianos propostos nas "Diretrizes aprovadas pelo Reitor-Mor com o Conselho: Constituições, Dom Bosco - História e meio ambiente, hagiografia salesiana, Família Salesiana". Eles são adequados para esta fase de treinamento. Para o estudo das Constituições, recomenda-se o comentário intitulado "O Projeto de Vida dos Salesianos de Dom Bosco".

8. Na metodologia de ensino também consideramos a possibilidade de laboratórios; nem todo o conteúdo deve ser apresentado através de cursos; alguns conteúdos das oficinas podem fazer parte da conferência do Mestre. Para aprender, dê espaço para estudo pessoal, leitura de livros, reflexão, avaliação e habilidades de síntese. A personalização pode ajudá-lo a ter um diário pessoal para escrever suas próprias reflexões, que podem ser compartilhadas com outros novatos e com o professor. No final de cada semestre, haverá um exame ou avaliação dos assuntos estudados.

3. PROGRAMA DE ESTUDO

Lição datada

- Ano de 42 créditos com 21 créditos por semestre

- Dois semestres com avaliação no final de cada semestre

- Cada crédito tem pelo menos 15 horas; portanto, o semestre deve ter pelo menos 15 semanas

- Semanal 20 horas com 5 dias de aulas e 4 horas por dia

- Um dia por semana há oficinas sem master classes

 

Área de Vida Consagrada: 16
Conferência Diária do Mestre
10 créditos
História e Teologia da Vida Consagrada
4 créditos
Maturidade afetiva e sexual
2 créditos
Área de Estudos Salesianos: 18
Constituições e Regulamentos
10 créditos
Dom Bosco - História e meio ambiente
4 créditos
Agencia salesiana
2 créditos
Família Salesiana
2 créditos
Área de catequese: 4
Catecismo Igreja Católica: A celebração do mistério cristão
2 créditos
Catecismo Igreja Católica: oração cristã
2 créditos
Área de linguagem: 4
Italiano
4 créditos

 

Workshops

Lectio divina e meditação

Escola de oração

Liturgia das Horas e Salmos

Discernimento vocacional: as duas formas

Planejamento pastoral e assistência

Comunicação social

Expressão teatral

Prática de um instrumento musical

 

POSTNOVIZIATO

1. AVALIAÇÃO

1. Contribuição dos estudos para o amadurecimento vocacional e a preparação para a missão salesiana

Os pós-noviços consideram a formação intelectual um meio eficaz para a formação de formandos; oferece uma visão aberta do mundo e da sociedade; ajuda a comparar a visão cristã da cultura com a mentalidade de alguém; ensina a usar a razão corretamente para chegar a julgamentos objetivos. Os pós-noviços acreditam que esses estudos favorecem a formação de convicções, a promoção da síntese da fé-vida-cultura, o aprofundamento das escolhas vocacionais; Particularmente, as ciências da educação e salesianidade, juntamente com as experiências pastorais, fortalecem os estudantes em seu entusiasmo pela vocação salesiana e pela preparação para a formação.

Por outro lado, há uma tendência a oferecer e solicitar uma grande quantidade de noções, que nem sempre são bem assimiladas. O compromisso de criar uma síntese filosófica e uma visão unificadora como base para suas convicções vitais também é ineficaz. Vários estudantes muitas vezes não entendem a necessidade de estudos filosóficos para sua vida ou cuidado pastoral; eles estudam principalmente para exames ou qualificações acadêmicas; Essa atitude às vezes é reforçada pelos próprios centros de estudo, mais interessados ​​em realizações acadêmicas do que em um verdadeiro acompanhamento do crescimento intelectual. Muitos estudantes não têm o hábito de ler e refletir. O processo de personalização nos estúdios é fraco: os que estão em formação, portanto, deixam de assumir responsabilidade por seu crescimento intelectual. Parte disso é a falta de preparação intelectual anterior e a falta de posse da língua.

2. Programa de estudos e estudos salesianos

Vários pós-noviciados declaram que seu programa de estudos é bem estruturado, sólido e equilibrado. Em seguida, afirmam que o programa de salesianidade é seguido, promulgado pelo Reitor-Mor com seu Conselho; Estes são estudos acadêmicos ministrados por professores qualificados.

Deve-se notar, no entanto, que quando os estudos pós-noviciados levam a um grau acadêmico civilmente reconhecido, às vezes há uma sobrecarga de disciplinas, sem a devida importância dada aos assuntos de filosofia, ciências da educação e salesianidade. Onde, então, os formandos freqüentam centros de estudo não salesianos, é frequente que nossa influência no currículo seja mínima e isso é em detrimento da formação salesiana. Em alguns centros salesianos o currículo dos estudos não parece equilibrado: o programa é fragmentário, os temas filosóficos são vastos, não há atenção adequada às ciências da educação e, portanto, há pouca preparação pedagógica em vista do estágio. A metodologia pedagógica é frequentemente negligenciada.

No que se refere aos estudos salesianos, alguns pós-noviços consideram que o programa é excessivo e que o currículo pastoral juvenil não está suficientemente sintonizado com os desafios de hoje e com a preparação para o treinamento. Em vários casos, esses estudos são da responsabilidade da comunidade formadora; mas não consegue encontrar tempo suficiente e professores qualificados.

3. Metodologia de aprendizagem e ensino

Um bom número de pós-novatos incentiva a participação dos alunos, utilizando métodos ativos de envolvimento: pesquisa na biblioteca ou na Internet, leituras pessoais, trabalhos em grupo, seminários, discussões, análise de situações, trabalhos escritos, ... e até debates filosóficos. Em alguns pós-noviciados, os alunos são convidados a escrever artigos para a revista do centro de estudos. Vários pós-noviciados têm um exame abrangente no final do ano. Apenas alguns pós-noviciados fazem regularmente a cada seis meses uma avaliação de ensino para todos os cursos, em termos de conteúdo e ensino. Quase todos os pós-noviciados dizem que seus candidatos têm o hábito e tempo suficiente para o estudo pessoal, que é de cerca de 3 ou 4 horas por dia.

No entanto, há também pós-noviciados que se concentram quase exclusivamente em palestras de professores e na memorização de alunos. Há também uma aversão de alguns alunos por tarefas que exigem leitura e reflexão sobre textos ou documentos originais. Alguns pós-noviços notam que os alunos nem sempre sabem como administrar bem seu tempo. Outros admitem que o tempo de estudo não é suficiente devido a reuniões comunitárias, atividades pastorais e eventos provinciais, e que, mesmo que o tempo seja suficiente, esses fatores são "distrações" que não ajudam aqueles em formação a se concentrarem em seus estudos. .

4. Centros de estudo

As situações na Congregação sobre os centros de estudo pós-noviços são diversificadas: alguns pós-noviciados têm um centro de estudo salesiano apenas para seus pós-noviços; outros, um centro de estudos salesiano aberto a outros religiosos e também aos leigos; em outros pós-noviciados, os formandos freqüentam um centro de estudos não salesiano, dirigido por diocesanos ou outros religiosos. Existem 32 centros de estudos salesianos, enquanto os centros não salesianos são 22 + 1; As regiões em que todos os pós-noviciados têm centros de estudos salesianos são 2: Sul da Ásia e Itália-Oriente Médio.

Em numerosos centros, tanto salesianos como não salesianos, obtém-se um grau civilmente reconhecido; em alguns casos isso leva a um fardo nas disciplinas de estudo; em outros, há uma boa integração entre os dois tipos de estudo; em um centro universitário, os estudos são realizados em particular durante as férias e, portanto, não afetam o programa acadêmico e educacional do ano. Há também o caso de um centro que leva dois anos num seminário diocesano e mais um ano com disciplinas de natureza psicológica, pedagógica, antropológica e sociológica.

Alguns centros de estudos salesianos têm um número suficiente de professores salesianos, qualificados para o magistério e com certa estabilidade no ofício; além disso, em diferentes Províncias existe um plano para a sua preparação. Juntamente com os professores salesianos, muitas vezes há professores diocesanos, religiosos e leigos. Alguns centros afirmam ter estatutos ou regulamentos acadêmicos. Alguns centros salesianos são afiliados ou em processo de filiação à Faculdade de Filosofia da UPS e um é agregado. Para estimular a corresponsabilidade e a participação, os centros salesianos têm corpo docente para professores e alunos, exceto quando seu número é pequeno.

No entanto, existem centros de estudos salesianos onde os professores são poucos ou não qualificados para ensinar filosofia; Há também outras disciplinas nas quais é necessário preparar professores: psicologia, pedagogia, sociologia e salesianidade. Alguns centros salesianos reclamam da falta de estabilidade dos professores; enquanto em outros há uma desproporção entre professores leigos e professores salesianos, em favor dos primeiros; em outros não há professores salesianos. Em muitos casos, não há plano para a qualificação de professores. O centro de estudos nem sempre possui corpos acadêmicos para professores e alunos. Em muitos casos, a assembléia de classe dos estudantes deve ser estabelecida. Vários centros reconhecem a necessidade de melhorar a biblioteca.

Em geral, nos centros de estudo não salesianos, há boa colaboração com a comunidade de formação; professores e formadores reúnem-se uma ou duas vezes por ano. Em alguns casos, há professores salesianos que ensinam nesses centros; em outros não há professor salesiano. Nos centros não salesianos não é fácil caracterizar estudos com a identidade carismática.

Centros de estudo salesianos: 32

África em Madagáscar 5: Kansebula (AFC), Ibadan (AFW), Lomé (AFO, ATE), Moshi (AFE, AFM, ZMB, Sudão, LKC), Palanca (ANG, MOZ).

América do Sul Cone 5: Assunção (PAR), Córdoba (ARN, ARS, URU), Lorena (BSP, BPA), Manaus (BMA), Campo Grande (BCG), Santiago do Chile (CIL). Um processo de discernimento está em andamento para a BMA e o BCG encontrarem colaboração interprovincial.

Ásia e Oceania 4: Canlubang (FIN, FIS, PNG-SI), Pyin Sim Lwin (MYM), Dalat (VIE), Díli (ITM).

Ásia Sud 6: Nasik (INB, INP), Sonada (INC, INN, ING), Dimapur (IND, ING, DCI), Karunapuram (INH), Aluva (INK), Yercaud (INT, INM).

Europa Nord 2: Lád (PLS, PLN, OLP, PLE, EST), Zilina (SLK)

Interamérica 8: Città del Messico (MEM, MEG), Cochabamba (BOL), Copacabana (COM, COB), Guatemala (CAM), Lima (PER), Los Teques (VEN), Port au Prince (HAI), Quito (ECU ).

Itália e Oriente Médio 2: Navio (ILE, INE, ICP, MOR, UCRAINA), UPS (ICC, IME, ISI, CRO, POR).

Centros de estudos não salesianos: 22

África e Madagascar 4: Seminário Diocesano de Adigrat (AET Etíopes), Seminário Diocesano de Fianarantosa (MDG), Seminário Diocesano de Kabgayi (AGL), Seminário Diocesano de Asmara (Eritreus de AET).

América Cono Sud 1: Recife (BRE, BBH)

Asia Est e Oceania 6: Seminário Regional do Pacífico em Suva (AUL), Colégio Seminário do Espírito Santo (CIN), Universidade Sophia (GIA), Seminário diocesano em Kwang-ju (KOR), Jacarta (ITM), Colégio Saengtham em Sampran (THA) )

Europa do Norte 7: João XXIII Seminário Diocesano de Leuven (BEN), Universidade Ceske Budejovice (CEP), GBR, Universidade Dingli (MALTA), Faculdade Teológica de Ljubljana (SLO), GER, AUS

Europa Ocidental 2: Facoltà dei Gesuiti di Granada (SBA, SBI, SMA, SLE, SSE, SVA), Instituto Pastoral da Arquitetura Religiosa de Lyon (FRB).

Interamerica 2: Seminário Pontifício de Santo Domingo (ANT), Universidade Seton Hall de Orange (SUE, SUO).

Centros de estudo colaborativo: 1

Asia Est e Oceania 1: Faculdade Teológica Católica (AUL),

2. DIRETRIZES

1. É necessário reafirmar a preferência da Congregação pelos centros de estudo salesianos pelo pós-noviciado, que é a fase mais delicada da formação; então você tem que fazer tudo para torná-los sempre que possível. E quando há escassez de formadores ou formadores, em vez de ingressar em um centro não salesiano, deve-se procurar, tanto quanto possível, uma colaboração interprovincial com outro centro salesiano (FSDB 145-146; 167-180). Por isso, os Inspetores que não possuem um centro de estudos salesiano, juntamente com o Conselheiro para a Formação e o Conselheiro Regional, estudarão se e como poderão realizar tal centro ou uma colaboração interprovincial.

2. No caso de se escolher centros de estudos não salesianos para os formandos, deve-se assegurar que alguns professores salesianos, dentre os professores do centro, ofereçam uma contribuição salesiana ao planejamento dos estudos. É preciso também assegurar que a comunidade formadora complete o programa estabelecido pela "Ratio" para o pós-noviciado salesiano.

3. Todas as disciplinas ajudam o crescimento na vocação e missão salesiana ; Por isso, visam construir uma visão cristã da vida, levar à maturidade as convicções, fundar o processo de discernimento do irmão, fortalecer o sentido da vocação consagrada salesiana e da missão, fomentar a síntese entre fé, cultura e vida. Por isso, as disciplinas prestam atenção aos aspectos afetivos e motivacionais do saber e organizam-se de maneira a criar "uma mentalidade pedagógica pastoral" (FSDB 150).

4. Um programa de estudos deve ser garantido para todos os pós-noviços, sejam clérigos ou assistentes.de filosofia e ciências humanas por pelo menos dois anos. Para os centros de estudos salesianos, solicita-se a conexão com a Faculdade de Filosofia da UPS, pelo menos através da forma jurídica da "Associação", que garante a concessão do Diploma Bienal Pontifício. As disciplinas filosóficas têm um desenvolvimento histórico e sistemático; as disciplinas de metodologia pedagógica e ciências humanas são de importância adequada. Se os estudos filosóficos são combinados com outros estudos universitários reconhecidos pelo Estado, um equilíbrio deve ser assegurado no currículo, tomando especial cuidado com os assuntos eclesiásticos e salesianos. De acordo com as indicações da "Ratio" (FSDB 585-588) indica uma concretização do programa de estudos que é consistente com o "Decreto de reforma dos estudos eclesiásticos de filosofia" da Congregação para a Educação Católica "(Cidade do Vaticano, 28 Janeiro de 2011): veja nesta seção do pós-noviciado o seguinte ponto "Programa de estudos"; este programa é integrado e dá importância à pedagogia e às ciências da educação, oferecendo a possibilidade de adquirir um título civil ou pontifício em filosofia ou pedagogia.

5. Dada a importância de enraizar os pós-noviços no carisma salesiano, é importante assegurar que o programa de estudos salesianosestabelecido pelo Reitor-Mor com o seu Conselho, seja seguido fielmente e incluído no horário do centro de estudos. Isso exigirá a preparação de professores salesianos e seu compromisso de comunicar amor e entusiasmo a Dom Bosco e à missão salesiana. No programa estabelecido pelo Reitor-Mor, três disciplinas devem ser consideradas: Sistema Preventivo Dom Bosco, História da Congregação e Obra Salesiana, Introdução ao Estudo das Fontes; Considera-se oportuno que a Pastoral Juvenil Salesiana seja realizada durante a formação específica junto à Pastoral Juvenil Salesiana II, de modo a constituir um único curso; alguns conteúdos de preparação para o estágio são realizados como laboratórios.

6. A seriedade do compromisso formativo no pós-noviciado requer que a Província prepare suficientes professores salesianos para os diversos temas; no caso dos centros de estudo interprovincial, a responsabilidade pela preparação dos professores é o "Curatorium". É necessário garantir aos professores uma certa estabilidade em suas tarefas; Por esta razão, as várias disciplinas são distribuídas em cátedras. Devemos garantir a formação cristã e salesiana dos professores leigos. Cada centro de estudos salesiano tem um programa para a preparação e qualificação de professores. Especialmente os professores de disciplinas filosóficas têm qualificações adequadas, incluindo doutorado, obtidas nas Pontifícias Faculdades.

7. É necessário despertar nos candidatos o amor ao estudo e ajudá-los a assumir responsabilidade por sua formação intelectual. Os professores, particularmente de filosofia, devem assegurar que os sujeitos tenham um impacto na vida daqueles em formação; eles devem fazer todos os esforços para mostrar através de uma metodologiaativo que envolve os alunos, os elos que existem entre as disciplinas e a vocação salesiana. Cabe a eles ajudar os alunos a entender melhor o contexto cultural, oferecer-lhes critérios para a interpretação da realidade, incentivar a aquisição de uma capacidade de refletir em profundidade sobre as situações. Estes são os pré-requisitos para uma aprendizagem contínua e uma atitude de auto-treinamento. Os requisitos para o conhecimento da língua usada no centro de estudo devem ser garantidos por meio de testes de entrada. No final de cada curso, o gerente de estudos do centro organiza a avaliação do ensino pelos alunos.

8. Um equilíbrio deve ser alcançado entre o estudo e outras atividades educacionais, a fim de garantir os objetivos do pós-noviciado, que não se limita a estudar sozinho. Um desses objetivos consiste em fortalecer a formação recebida no noviciado; portanto, o pós-noviciado deve favorecer a vida espiritual e consagrada dos formandos. Mesmo o tempo da comunidade de formação deve efetivamente equilibrar estudo, ação pastoral, oração e atividades comunitárias. Nem tudo deve ser feito através de cursos acadêmicos, que devem ser mais concentrados e essenciais. Assegurar outros aspectos educacionais são questões muito importantes tratadas em forma de laboratório, tais como: maturação afetiva e sexual, preparação para treinamento, elementos de catequese, comunicação social, prática musical, ...

9. Nos centros salesianos de estudo abertos aos leigos , assegurar-se de que o programa de estudos, a escolha dos temas, o calendário, o calendário sejam equilibrados com as necessidades formativas de ambas as vocações, consagradas e leigas. A interação com os leigos no centro de estudo e nas palestras é uma coisa boa para a formação de pós-noviços; no entanto, deve-se ter o cuidado de fortalecer a identidade vocacional para toda forma de vocação presente no centro de estudos.

10. Para facilitar o compromisso pessoal do estúdio, é necessária uma biblioteca atualizada e bem organizada. Cabe aos professores incentivar o bom uso dos livros e revistas da biblioteca.

11. O bom funcionamento do centro de estudos requer que existam corpos acadêmicos para professores e alunos; cada centro tem seus regulamentos acadêmicos.

3. PROGRAMA DE ESTUDO

Para atender às exigências do "Decreto de reforma dos estudos eclesiásticos de filosofia" da Congregação para a Educação Católica "(Cidade do Vaticano, 28 de janeiro de 2011) e as exigências da" Ratio "(FSDB 585-588), os cursos são obrigatórios relatado abaixo. Garantindo estes cursos e um número adequado de professores com qualificações eclesiásticas, pode-se tornar um centro de estudo "associado" com a Faculdade de Filosofia da UPS e, assim, os alunos podem obter um Diploma de dois anos em filosofia da Universidade.

 

Disciplinas obrigatórias fundamentais: 84 ECTS ou 52 créditos
Metodologia preparatória e filosófica
3 ECTS
2 créditos
Logica
5 ECTS
3 créditos
Filosofia do conhecimento
5 ECTS
3 créditos
Filosofia Teórica I (Metafísica)
8 ECTS
5 créditos
Filosofia Teórica II (Teologia Natural)
5 ECTS
3 créditos
Antropologia Filosófica (Filosofia do homem)
8 ECTS
5 créditos
Filosofia moral
8 ECTS
5 créditos
Filosofia política
5 ECTS
3 créditos
Filosofia da Ciência (Filosofia da Natureza)
5 ECTS
3 créditos
História da filosofia antiga
8 ECTS
5 créditos
História da filosofia medieval
8 ECTS
5 créditos
História da filosofia moderna
8 ECTS
5 créditos
História da filosofia contemporânea
8 ECTS
5 créditos

 

Sujeitos obrigatórios complementares: 53 ECTS
Introdução ao cristianismo
3 ECTS
2 créditos
Língua latina I
5 ECTS
3 créditos
Língua latina II
5 ECTS
3 créditos
Relação entre filosofia e teologia (Fides et ratio)
5 ECTS
3 créditos
Filosofia da educação
5 ECTS
3 créditos
Introdução às Ciências da Comunicação
5 ECTS
3 créditos
Pedagogia geral
5 ECTS
3 créditos
Psicologia geral
5 ECTS
3 créditos
Sociologia geral
5 ECTS
3 créditos
Curso escolhido pelo centro de estudos *
5 ECTS
3 créditos
Curso escolhido pelo centro de estudos *
5 ECTS
3 créditos
* A Faculdade de Filosofia da UPS propõe 2 cursos a serem escolhidos: História das Religiões, Filosofia da Religião, Filosofia da Cultura, Estética

 

Disciplinas Obrigatórias para Salesianos
Introdução ao estudo das fontes salesianas
3 ECTS
2 créditos
Educador Dom Bosco - Sistema Preventivo
3 ECTS
2 créditos
História da Congregação e da Obra Salesiana
3 ECTS
2 créditos


A comunidade formadora terá que cuidar dos dois cursos que não têm valor acadêmico, mas que são úteis tanto para a vida espiritual do formador como para sua ação pastoral:

Preparatório para o estudo da Sagrada Escritura I
2 créditos
Preparatório para o estudo da Sagrada Escritura II
2 créditos

 

A comparação entre créditos e ECTS é a seguinte:

    2 créditos correspondem a 3 ECTS,

    3 créditos correspondem a 5 ECTS,

    5 créditos correspondem a 8 ECTS.

Créditos significam horas semanais de aulas; os ECTS correspondem às horas semanais de aulas + as horas semanais de estudo pessoal, ou seja, ECTS = créditos + horas semanais de estudo pessoal.

 

TREINAMENTO ESPECÍFICO PARA OS SALESIANOS DA CHIERICI

1. AVALIAÇÃO

1. Contribuição dos estudos para o amadurecimento vocacional e a preparação para a missão salesiana

Em geral, o programa de estudos nos centros, salesianos e não salesianos, ajuda os formandos a assumir a responsabilidade de sua própria formação e a preparar-se para ser sacerdotes salesianos. Os estagiários, em particular, são ajudados a comparar, aprofundar e consolidar idéias, crenças e motivações; para fortalecer a fé de alguém; abrir-se à realidade e aos desafios da sociedade e das diferentes culturas; encontrar soluções através da partilha, pesquisa, reflexão; Reforçar sua vocação consagrada salesiana como presbíteros. Em alguns casos, ter que interagir com outros religiosos ajuda os candidatos a apreciar sua própria vocação salesiana.

Vários professores demonstram a preocupação não só de oferecer contribuições científicas, mas também de nutrir a vida espiritual dos alunos; De fato, muitos formandos reconhecem que alcançaram uma experiência autêntica de Deus através do estudo da teologia. As disciplinas ensinadas também têm uma orientação pastoral: elas ajudam a formar um sentido pastoral e oferecem respostas para as questões do próprio contexto e ferramentas para enfrentar os desafios emergentes. Nos centros de estudo salesianos, sendo em grande parte salesianos, os professores dão uma inclinação salesiana ao que ensinam, enquanto seu testemunho ajuda os formandos a personalizar os valores de sua vocação.

No entanto, há Províncias que afirmam que nos centros de estudo há uma ênfase forte e quase exclusiva no aspecto acadêmico: a abordagem do conteúdo é intelectualizada demais; há pouca integração entre teoria e prática pastoral; não há inspiração espiritual nas disciplinas. Não se aprende a raciocinar por crentes e pastores. Muitas vezes não há mediação entre a reflexão teológica e a experiência salesiana. De modo geral, o que pode ser usado para a formação dos formandos em sua vocação sacerdotal salesiana é confiado à comunidade formadora, incluindo a formação para a missão salesiana. A escassa reflexão teológica pastoral é escassa e nem sempre há uma conexão entre a reflexão e a prática pastoral dos exercícios ou da ação apostólica salesiana.

2. Programa de estudos e estudos salesianos

A maioria das Províncias encontra o currículo dos centros de estudo, salesianos e não salesianos, sólidos, equilibrados e bem organizados: os diferentes temas recebem seu peso adequado. Em alguns centros, é feito um esforço para atualizar o currículo; outros têm um currículo que é sensível ao contexto e procura preparar os formandos para viver e trabalhar entre os jovens e as pessoas.

No entanto, alguns centros precisam melhorar em vários aspectos. O programa oferecido é freqüentemente fragmentado e não ajuda a fazer uma síntese teológica. Alguns assuntos não têm relação com a formação teológica. Os cursos de liturgia, pastoral, moral e música não recebem importância suficiente; preparação para administração e liderança deve ser incluída. Em alguns casos, os estudos concluem com o bacharelado de três anos e, portanto, o quarto ano está faltando com a conseqüente preparação na teologia pastoral. Em alguns centros internacionais existe a necessidade de uma reflexão mais global e menos eurocêntrica.

No que se refere aos estudos salesianos , com exceção de alguns casos, nos centros de estudo salesianos e nas comunidades de formação, o programa não é realizado em sua totalidade, sistemático e acadêmico. Muitas vezes, a formação em salesianidade toma a forma de palestras feitas pelo Diretor ou pelo Delegado para a formação; ou é feito como um pequeno curso nos feriados. Em algumas Províncias há pouca apreciação entre os estudantes para os cursos de estudo salesiano porque eles acham os estudos teológicos pesados ​​ou porque os professores não estão preparados.

3. Metodologia de aprendizagem e ensino

Além das palestras, muitos professores usam vários métodos ativos: seminários, trabalhos escritos, leituras, reflexão pessoal, apresentação de livros ou artigos por estudantes, pesquisa, discussão em grupo, avaliação periódica, audiovisuais, ... Importância é dada a formação de crenças pessoais. Alguns professores vinculam as disciplinas aos ensinamentos da Igreja e da Congregação, promovendo o crescimento na vida consagrada e a preparação para o sacerdócio.

Em geral, os estudantes estão interessados ​​e se inscrevem no estudo; Eles têm 3-5 horas de estudo pessoal a cada dia e encontram um ambiente adequado para reflexão. Eles usam manuais, textos e anotações feitas durante as aulas, participam de seminários, têm a oportunidade de leituras pessoais, discussões em grupo, trabalhos escritos. Eles chegam à síntese pessoal de diferentes maneiras: a entrevista com a pessoa responsável pelos estudos, discussão em grupo, trabalhos escritos, tese final, exame abrangente.

No entanto, há situações em que métodos ativos não são usados ​​e somente a aula é usada. Em alguns casos, muitos sujeitos dificultam o trabalho de síntese; muitos trabalhos escritos solicitados pelos professores deixam pouco tempo para pesquisa e reflexão. Acontece que, enquanto alguns professores são brilhantes no ensino e estimulam intelectualmente, isso nem sempre ocorre. Em outros casos, não é fácil consultar os professores, pois a comunidade de formação está longe do centro de estudos. Apenas em alguns centros de estudo é feita uma avaliação do ensino e metodologia de cada professor no final de cada curso.

O fato é reconhecido que às vezes os alunos não se envolvem em treinamento intelectual; eles basicamente não têm motivação; eles não têm curiosidade intelectual; eles não usam a biblioteca convenientemente; tem pouca inclinação para leituras pessoais. Às vezes há certa preguiça quando se trata de trabalhar em grupo. O hábito do trabalho intelectual nem sempre é adquirido e notamos falta de caráter científico nos trabalhos escritos. Às vezes, atividades comunitárias ou pastorais distraem do estudo; por outro lado, notamos que há tempo e que é uma questão de usá-lo bem. Vários formandos têm uma mentalidade que considera o estudo e, em geral, a reflexão, pouco útil para o cuidado pastoral. Outros questionam o tipo de vida e missão a que são treinados.

O trabalho de estudo geralmente consiste apenas em memorização. Alguns estudantes sentem-se satisfeitos por cumprir o mínimo necessário para serem promovidos a exames, ou estão mais preocupados em obter diplomas acadêmicos e não tanto para crescer em sua vocação. O compromisso com a personalização é fraco e, portanto, a formação intelectual não alcança a mudança de mentalidade e a criação de convicções, atitudes e motivações. Às vezes, isso se deve ao fato de alguns não terem capacidade intelectual suficiente ou não possuírem adequadamente a linguagem. Uma dificuldade particular é encontrada em alguns missionários formadores, que foram solicitados a estudar teologia no idioma local; não tendo a língua bem, eles tomam uma boa parte do tempo para entender o significado dos termos,

4. Centros de estudo

Existem 14 centros de estudos salesianos; aqueles que não são salesianos 15; aqueles em colaboração com dioceses ou congregações religiosas 3. Os centros de estudos salesianos são quase todos realizados em colaboração interinspetorial e estão abertos a receber formandos de outras Províncias da Região. As razões para freqüentar centros não salesianos se devem principalmente ao fato de a Província ter poucos formandos.

Quase todos os formandos que freqüentam centros de estudos, salesianos ou não, recebem o bacharelado pontifício no final de seus estudos, pois os centros são afiliados à UPS ou a outras universidades como Louvain, Teresianum, Sant'Anselmo. Além disso, os estudantes que frequentam nossos dois centros em Bangalore e Shillong, na Índia, recebem um mestrado em Estudos Cristãos da Universidade de Chennai. Outros centros estão em conexão com as universidades salesianas, como o Unisal de San Paolo, ...

Em quase todos os centros existem regulamentos acadêmicos e também diversas organizações de participação e corresponsabilidade, como o conselho acadêmico, o corpo docente, a assembléia dos estudantes. Com algumas exceções, todas as bibliotecas são boas, e algumas também são excelentes; eles estão equipados com os livros e revistas necessários. Em alguns casos, a comunidade de formação também possui uma biblioteca discreta.

Em geral, pode-se dizer que os professores desfrutam de certa estabilidade. Eles geralmente estão disponíveis para consulta e os alunos os abordam. As relações entre a comunidade de formação e o centro são geralmente boas. Por outro lado, os centros de estudo salesianos têm um corpo de professores enfraquecido; apenas alguns professores têm doutorado; às vezes não há professores salesianos. Na maioria dos casos, não há plano para a preparação e qualificação de professores.

Centros de estudo salesianos: 14

África e Madagáscar 2: Lubumbashi (AFC, ANG, ODM, MOZ), Nairobi Utume (AFE, AFW, AFM, AET, AGL, ZMB, SUDÃO).

América Cono Sud 2: Buenos Aires (ARS, ARN), São Paulo Lapa (BBH, BSP, BCG, BMA, BPA, BRE).

Ásia Est e Oceania 2: Paranaque (FIN, FIS, ITM), Cidade de Ho Chi Minh (VIE).

África do Sul 3: Shillong (ING, INC, LKC, Índia, IND), Bangalore (INK, INH), Kavarapettai (INM, INT).

Norte da Europa 1: Cracóvia (PLS, PLN, OLP, PLE, EST).

Interamerica 2: Guatemala (CAM), Tlaquepaque (ANT, MEG, MEM, SUE, SUO).

Itália e Oriente Médio 2: Turin Crocetta (ICP, ILE, INE, IME, SLO, CRO, SLK, UCRÂNIA), Messina San Tommaso (ISI, IME).

Centros de estudos não salesianos: 15

África e Madagáscar 2: Asmara (Eritrei di AET), Escola Teológica de São Cipriano em Yaoundé (ATE, AFO, AFW).

América do Sul Cone 1: Universidade Católica de Santiago do Chile (CIL).

Asia Est e Oceania 3: Colégio do Seminário Espírito Santo (CIN), Seul (KOR), Seminário Diocesano de Yangon (MYM).

Sul da Ásia 1: Put (INB, INP).

Norte da Europa 5: Ceske Budejovice (CEP), João XXIII Seminário Diocesano de Leuven (BEN), Sapientia de Budapeste (UNG), GER, AUS.

Europa Ocidental 2: Universidade Católica de Lyon (FRB), Comillas de Madri (SMA, SBA, SBI, SLE, SSE, SVA).

Interamerica 1: Universidade Javeriana de Bogotá (COB, COM, BOL, ECU, PER).

Centros de estudo colaborativo: 3

América do Sul Cone 1: A Faculdade Teológica Soler de Montevidéu (URU, PAR).

Asia Est e Oceania 1: Faculdade Teológica Católica (AUL, THA).

Interamerica 1: ITER de Caracas (HAI, VEN).

2. DIRETRIZES

1. É necessário reafirmar a preferência da Congregação pelos centros de estudo salesianos , porque eles ajudam a formar melhor a identidade carismática do salesiano padre. Os centros salesianos provinciais ou interprovinciais devem ser encorajados sempre que possível. Como os candidatos nesta fase já estão comumente enraizados em sua cultura desde sua primeira formação, eles devem ter uma experiência de interculturalidade ou globalidade. Por isso, os Inspetores que não têm centro salesiano de estudos ou colaboração com as Dioceses ou outras Congregações, junto com o Conselheiro para a Formação e o Conselheiro Regional, estudarão se e como realizar uma colaboração interprovincial.

2. No caso de se escolher centros ou centros não salesianos em colaboração com dioceses ou congregações religiosas, deve-se assegurar que há alguns professores salesianos entre os professores do centro para oferecer uma contribuição salesiana ao planejamento dos estudos. É necessário, então, assegurar que a comunidade formadora complete o programa estabelecido pela "Ratio" para esta fase.

3. O estudo da teologia é uma grande ajuda no processo de formação da vida sacerdotal salesiana consagrada. Os professores transmitem aos alunos a convicção de que o estudo da teologia não está dissociado da vida. Teologia, centrada como é na Palavra de Deus, leva a um conhecimento afetivodas três pessoas divinas, ao desejo de participar na sua obra de salvação, a uma profunda experiência espiritual de fé e amor que permeia toda a vida: a oração, o apostolado, o estudo em si, as relações com os outros. Cabe aos professores motivar os formandos, incutir neles amor ao estudo, ajudá-los a perceber a relevância do que estudam para a vida e missão salesiana. Também é útil treinar o futuro presbítero na teoria e na prática da autoridade, preparando-o para a liderança, para a animação das comunidades educativas pastorais, para a capacidade de guiar processos de discernimento comunitário e pessoal, para o envolvimento dos leigos, ...

4. É mais necessário do que nunca cuidar da metodologia de ensino e aprendizagem. Aqueles em formação assumem a responsabilidade por sua formação intelectual com a ajuda de seus professores; cultivar a convicção de que cabe a eles nutrir sua fé, dar-lhe uma base sólida, saber transmiti-la efetivamente aos jovens, identificar a relevância espiritual e pastoral das disciplinas, cultivar caminhos e interesses pessoais. Isso não acontecerá sem o compromisso de passar de um conhecimento conceitual e intelectual para uma experiência convincente que envolva a mente e o coração. Cabe aos formadores criar nos formandos a mentalidade de querer personalizar a sua formação intelectual e, ao mesmo tempo, favorecê-la utilizando métodos de ensino ativos que envolvam os formandos, ajudá-los a criar o hábito da leitura e do trabalho pessoal, pesquisar na biblioteca, refletir, confrontar.avaliação do ensino quanto ao seu conteúdo e metodologia. Assim como os centros de estudo devem encontrar o caminho para os alunos chegarem ao final do currículo para uma síntese teológica verdadeira e efetiva.

5. A seriedade do compromisso formativo requer que a Província prepare suficientes professores salesianos para os diversos temas; no caso dos centros de estudo interprovincial, a responsabilidade pela preparação dos professores é o "Curatorium". É necessário garantir aos professores uma certa estabilidade em suas tarefas; Por esta razão, as várias disciplinas são distribuídas em cátedras. Cada centro de estudos salesiano tem um programa para a preparação e qualificação de professores. Os professores possuem qualificações adequadas, incluindo doutorado, obtidas nas Pontifícias Faculdades.

6. O estudo da salesianidadedeve estar no nível do estudo teológico e não pode ser reduzido a algumas conferências. É preciso um estudo sério, crítico, mas também apaixonado, com exames e créditos como todos os outros assuntos: isso é exigido pelo programa de estudo salesiano promulgado pelo Reitor-Mor com seu Conselho. A implementação deste programa requer uma vontade política por parte das Províncias e centros de estudo, que é atribuir o devido espaço à salesianidade no currículo de estudos, preparar professores, ter os livros necessários disponíveis. É uma obrigação que não pode ser ignorada se quisermos preparar bons padres salesianos. Os quatro cursos previstos para esta fase permanecem inalterados: Dom Bosco Fundador, Espiritualidade Salesiana, Duas formas de vocação consagrada salesiana;

7. Todo o programa de estudos em formação específica contribui direta e indiretamente para a formação pastoral dos candidatos. No entanto, um estudo específico é necessário para estabelecer as bases para o trabalho pastoral na Igreja e na Congregação. O CG26 lembra-nos essa falta em nossa formação (cf. CG26 40). Precisamos de cursos sobre teologia pastoralfundamental, pastoral juvenil, pastoral vocacional, pastoral familiar, missiologia, ecumenismo, pastoral da comunicação, acompanhamento espiritual ...; isso também deve ser acompanhado por experiências pastorais apropriadas. A teologia pastoral ajuda a sintetizar disciplinas teológicas e precisa encontrar o peso certo no currículo. Para aqueles que têm um currículo que termina com um bacharelado de três anos, é necessário estudar um ano de treinamento e estudos para obter o diploma em teologia pastoral.

8. Existem alguns temas que podem ser desenvolvidos na forma de laboratórios : maturidade afetiva e sexual, habilidades de liderança, administração, acompanhamento espiritual. Alguns temas, por exemplo, de salesianidade, podem ser feitos com leigos da Família Salesiana ou com animadores e educadores; de fato, o CG24 chama "as etapas da formação inicial para incluir conteúdos e experiências de formação mútua e complementar para o crescimento comum" (CG24, 142).

9. O bom funcionamento do centro de estudos requer que existam corpos acadêmicos para professores e alunos; cada centro tem seus regulamentos acadêmicos.

3. PROGRAMA DE ESTUDO

O programa de estudos inclui os cursos necessários para obter o bacharelado pontifício; para os centros de estudos salesianos afiliados à UPS, estes são estabelecidos pela Faculdade de Teologia da UPS. Estes programas estão sob revisão e serão indicados pela Faculdade de Teologia após a reunião dos chefes dos centros de teologia em novembro deste ano. Após esta reunião, os cursos de teologia pastoral também serão indicados.

O que já é certo são os seguintes cursos de salesianidade: 8 créditos e 4 cursos

 

Fundador de Dom Bosco
2 créditos
Espiritualidade salesiana
2 créditos
Vocação consagrada salesiana em suas duas formas
2 créditos
Pastoral Juvenil Salesiana
2 créditos

>

 

TREINAMENTO ESPECÍFICO PARA COADIADORES SALESIANOS

1. AVALIAÇÃO

Atualmente, na Congregação, existem 6 centros para a formação específica de irmãos salesianos, estes centros são de caráter regional ou inter-regional e estão localizados em Manila para o leste da Ásia e Oceania, em Shillong para o sul da Ásia, em Yaoundé para a África francófona e lusitofona, para Sunyani para a África anglófona, para a Guatemala para as duas regiões da América, para Turim para as três regiões da Europa.

A experiência de Turim em Valdocco também está aberta às outras regiões da Congregação, de modo a oferecer aos Irmãos Salesianos desta fase uma oportunidade semelhante à oferecida para a mesma fase aos clérigos salesianos nas comunidades formadoras de Roma Gerini e Jerusalém. Um processo está em andamento para criar nas Províncias e Regiões uma consciência desta proposta, que também faz uso da característica especial de ser realizada em sites salesianos.

Em Manila, Shillong, Guatemala e Valdocco, os irmãos salesianos freqüentam o centro de estudos, que também conta com clérigos salesianos, mas com programas específicos; no final do período de dois anos, um diploma em teologia pode ser obtido pela UPS. Em Yaoundé, frequentam um centro de estudos para os religiosos; Os estudos salesianos são realizados em conjunto com o clero do teologado. Em Sunyani eles freqüentam a Universidade Católica de Gana; o que falta no programa da universidade é concluído na comunidade. A partir deste ano, o currículo de dois anos dos irmãos salesianos de Valdocco foi dividido em dois mestres: um em teologia e espiritualidade e outro em teologia e pastoral.

O atual currículo de estudos que é seguido em todos os centros é fundamentalmente o proposto pelo Dicastério, com algumas variações dependendo dos lugares e necessidades. 

 

2. DIRETRIZES

Atualmente esta fase de treinamento está sendo testada; as diretrizes para cada centro de estudo são dadas pelo "Curatorium", que é acompanhado pelos Conselheiros Regionais e pelo Conselheiro para a formação. Em 2013, uma reunião de verificação é agendada com todos os diretores das comunidades de treinamento e os diretores dos centros de estudo. Na ocasião, será possível identificar orientações mais específicas, além daquelas já presentes na "Ratio".

3. PROGRAMA DE ESTUDO

 

1. Sagrada Escritura: 12 créditos e 6 cursos
Introdução à Sagrada Escritura
2 créditos
Pentateuco e livros históricos
2 créditos
Profetas, Sabedoria e Salmos
2 créditos
Sinóticos e Atos
2 créditos
João: evangelho, letras, apocalipse
2 créditos
Paul, judeus, cartas católicas
2 créditos
2. Teologia: 18 créditos e 7 cursos
Revelação e fé
3 créditos
Cristologia e Mariologia
3 créditos
Trinitaria e Pneumatologia
2 créditos
Eclesiologia e sacramentos
3 créditos
Antropologia e Escatologia
3 créditos
Liturgia Fundamental
2 créditos
História da Igreja
2 créditos
3. Moral: 12 créditos e 4 cursos
Moral fundamental
3 créditos
Moralidade sexual e familiar
3 créditos
Moralidade sexual e familiar
3 créditos
Moralidade social
3 créditos
4. Pastoral: 9 créditos e 4 cursos
catechetica
2 créditos
Teologia pastoral
2 créditos
Teologia das religiões
3 créditos
Teologia da cultura
2 créditos
4. Pastoral: 5. Espiritualidade: 6 créditos e 3 cursos
Teologia espiritual
2 créditos
Teologia da vida consagrada
2 créditos
Teologia dos leigos
2 créditos
6. Salesianidade: 8 créditos e 4 cursos
Fundador de Dom Bosco
2 créditos
Espiritualidade salesiana
2 créditos
Vocação consagrada salesiana em suas duas formas
2 créditos
Pastoral Juvenil Salesiana
2 créditos
7. Humanidades *: 15 créditos e 5 cursos
Comunicação social
3 créditos
Organização e treinamento de pessoal
3 créditos
Psicologia social
3 créditos
Organização do trabalho
3 créditos
Gestão econômica de um trabalho
3 créditos

 

* Os cursos nesta área são indicativos e podem ser alterados de acordo com as necessidades expressas pelo "Curatorium", mas devem ter relevância para os aspectos do profissionalismo leigo.

               

Além disso, há dois seminários e um último artigo escrito.

Total: 80 créditos em 2 anos


[1] FSDB, Critérios e normas para a vocação salesiana , 98.

[2] FSDB 342.

[3] JOÃO PAULO II, Vita consecrata , 98.