Conselho Recursos

Cagliero11 - Marco 2014

MISSIONES


MISSIONES - Cagliero 11

Cagliero11 SLKDownload file

1 2

Titolo notiziario
Nome società
N. 63 - Março de 2014
Boletim de Animação Missionária Salesiana
Uma publicação do Dicastério das Missões para as Comunidades salesianas e os Amigos da missão salesiana
C aríssimos irmãos e amigos das missões salesianas,
o Capítulo Geral 27 criou, por seis semanas, uma grande comunidade de
220 irmãos de todo o mundo: uma riqueza de culturas, línguas, experiências de
Fé e de Carisma. É o Rosto de Dom Bosco hoje em mosaico! Uma ocasião em
que se reflete, avalia, sonha e projeta – juntos – em muitas línguas!
Mas em 11 de março quereria partilhar um agradecimento especial, porque
fará 30 anos que fugi do meu País para ir às Missões; porque faz também doze
anos da minha vida no Conselho Geral; e fará seis desde que partilhei,
durante o CG26, o meu Lema: ‘Tudo a Jesus, Jesus a todos!’
Um ‘Muito obrigado!’ de coração a todos os que fomentam a cultura
missionária no mundo:
* a todos os irmãos (inspetores, formadores, confessores, diretores
espirituais) que contribuíram suscitando e acompanhando mais de 200 novos
missionários ‘ad gentes’ nas 56 inspetorias salesianas durante o sexênio passado;
* a todos os Delegados Inspetoriais de animação missionária (e a suas Equipes) que, com seu
entusiasmo, alimentaram (em colaboração com tantos outros) a chama missionária;
* a todos os Membros da Consultoria
Mundial para as Missões, que, mediante
conselhos, inspirações e avaliações,
iniciaram e acompanharam diversos
processos;
* a todos os Diretores e Equipes das
Procuradorias Missionárias, das Ongues
pelas missões (especialmente de
‘DBNetwork’) e das PDOs, por seu
trabalho incansável a serviço das Missões
salesianas;
* a todos os meus Predecessores (P.
Bernard Tohil, † 2010); Dom Luc Van
Looy, P. Luciano Odorico, e P. Francis
Alencherry);
* a todos os meus Irmãos colaboradores no Dicastério durante o sexênio (P. Pietro Santilli, P. Dionisio
Pacheco, P. Placide Caravá, P. Stanislaw Rafalko, P. Jose Anikuzhikattil e P. Alfred Maravilla);
* a tantos Imãos missionários com quem me encontrei nas visitas, sobretudo em lugares difíceis (por
clima, situação sociopolítica, discriminação, opressão, insegurança...), que todos os dias dão tudo o que
têm pelas missões;
* a tantos Jovens missionários que responderam ao chamado missionário com coragem e
generosidade, alguns dos quais também partilharam o seu testemunho através de Cagliero11;
* a tantos Irmãos e membros da FS, graças aos quais o CAGLIERO11 nasceu e está vivo, há já cinco
anos. De modo especial, aos Tradutores (P. Dionisio Pacheco, P. Hilário Passero, P. Ângelo Dante Biz,
René Dassy e Renée Sagher...); ao Editor (P. Alfred Maravilla); ao Leiautista (Luciano Acarese); e a
tantos outros que ajudam na difusão e produção das versões locais.
OBRIGADO a todos! Assim, juntos, estivemos dando a nossa humilde contribuição à transformação
missionária da Igreja, pedida pelo Papa Francisco!
P. Václav Klement, SDB
Conselheiro Geral para as Missões


OBRIGADO Inten Inten Inten Intenção Mission o Mission o Mission o Missionária Salesiana ria Salesiana ria Salesiana ria Salesiana
Minha mãe pediu um ‘filho missionário’: Minha mãe pediu um ‘filho missionário’: Minha mãe pediu um ‘filho missionário’:
recebeu um ‘bispo voador’! recebeu um ‘bispo voador’! recebeu um ‘bispo voador’!
D epois de participar de um retiro pregado por dois missionários, minha Mãe começou
a rezar para ter um “filho missionário”. Assim, minha vocação missionária teve
início antes mesmo da minha concepção! Deus certamente ouviu as preces de minha Mãe,
porque o meu primeiro propósito, no dia da Primeira Comunhão, foi: “Quero ser um padre
missionário”. Anos depois, durante o meu Noviciado, o SdeD P. Carlos Braga – somos ambos
de Cologna di Tirano, nos Alpes italianos – veio visitar-nos e perguntou quem de nós
gostaria de ser missionário na incipiente presença salesiana das Filipinas. Dentre os que se
apresentaram, foram assumidos três.
Vivi 34 maravilhosos anos como missionário nas Filipinas. Como Diretor do oratório, minha
maior alegria foi trabalhar com a comunidade para ser uma presença relevante e
significativa entre o povo humilde e os jovens de Mandaluyong, subúrbio pobre de Manila. Mais tarde, como
Encarregado da Pastoral do ‘Don Bosco College Ho’, pude realmente apreciar a
confiança franca dos jovens, sobretudo dos jovens mais problemáticos. Ouvia confissões
de alunos universitários em qualquer lugar: também no campo de futebol. Foi-me grato
ver no meio deles milagres de conversão e curas. No meu ministério de animação e
governo na Inspetoria das Filipinas Norte (FIN), trabalhei com Cristãos empenhados e
Colaboradores leigos, que causavam grande impacto na vida dos alunos, impostando
sólidas bases às nossas presenças salesianas. A coragem, o entusiasmo e o dinamismo
missionário dos meus Coirmãos encorajaram-me a aceitar o convite dos Superiores de
deixar o meu segundo País e, “fazendo-me ao largo”, ir às Ilhas Salomão.
Nessas Ilhas, trabalhei desde 1999. Em 2007 fui nomeado Bispo de Gizo, Diocese já
inteiramente sustentada pela Ordem dos Dominicanos. Ali o maior desafio é o
isolamento das sete Paróquias e das mais de 100 Estações missionárias. As demais
Dioceses emprestaram dez sacerdotes e os Catequistas mantiveram viva a fé em
muitíssimas dessas Comunidades aonde o sacerdote só podia chegar uma vez por ano. Tive de aprender a pilotar um
avião para poder visitar regularmente as estações isoladas. Passei assim a ser conhecido como “o Bispo voador”.
Depois de 50 anos, a Diocese tem apenas dois sacerdotes diocesanos e seis seminaristas.
Exceto poucos Dominicanos e três Irmãos Maristas, não há outros carismas na Diocese. As demais Congregações
que eu convidei foram uma após outra recusando o convite. Os Salesianos estão ainda por me responder ao constante
convite de vir à Diocese.
Os desafios são muitos. O do precário serviço educativo é um deles: contamos com pouquíssimos seminaristas
diocesanos também porque ninguém atinge o nível mínimo para entrar no pré-seminário.
Outro desafio são os Serviços de saúde. Praticamente não existem. Além disso, o terremoto de 2007 e o
tsunâmi destruíram igrejas, escolas e clínicas da Diocese... Sou por isso mui grato à ‘Corrida dos Santos 2013’,
organizada pela ‘Fundação Dom Bosco no Mundo’, em Roma, para a construção e a gestão dos Centros de Saúde na
Diocese. Mas sou sobretudo mui grato ao meu Povo: dEle aprendi a viver o dia de hoje, a paciência, a contentar-me
com pouco. Com o necessário! Dom Luciano Capelli
Italiano, missionário nas Ilhas Salomão
(http://www.youtube.com/channel/UC4xYHhr-vFsm_r9-v0XybKg)
Vocação missionária na Congregação na Ásia Sul (aspirantados missionários) Vocação missionária na Congregação na Ásia Sul (aspirantados missionários) Vocação missionária na Congregação na Ásia Sul (aspirantados missionários)
Contexto da Índia: apesar de constituir uma pequena minoria católica (1,8% da
população, isto é, 17,5 milhões), sendo perseguida em várias partes do país, a Igreja
vive um forte espírito missionário. Até o presente, milhares de missionários ad gentes
foram enviados pela Índia (somente na África estão presentes cerca de 2000!) em 168
países do mundo. Os Salesianos iniciaram dois aspirantados missionários (jovens de 18-
20 anos) para formar explicitamente aqueles que se sentem chamados a deixar seu país
e trabalhar pela difusão do Evangelho e educação dos jovens pobres em todo o mundo.
Tanto em Sirajuji (Nordeste do país) como em Chennai (Sul do país), desde 2011, há
dezenas de jovens em formação missionária.

Todos os números anteriores de ‘Cagliero 11’ encontram-se em purl.org/sdb/sdl/Cagliero


Para que muitos jovens católicos sejam inspirados pelo Senhor para abrirem seu coração para
além das necessidades locais e contribuir na difusão do Evangelho em outros continentes
(incluindo também os países de antiga cristandade) com a autenticidade do testemunho de vida.
Para que os dois novos aspirantados missionários na Índia possam atrair e formar muitas
vocações de todas as Inspetorias da Região.