Conselho Recursos

Cagliero11 - setembro 2013

MISSÕES



1      2

Boletim de Animação Missionária Salesiana Uma publicação do Dicastério das Missões para as Comunidades salesianas e os Amigos da missão salesiana

C a r í s s i m o s irmãos e amigos das missões salesianas!

Em quase todas as casas de formação que visitei, ouvi esta pergunta: é possível um compromisso missionário temporário – limitado no tempo? O envio de sacerdotes diocesanos fidei donum, a partir de Pio XII (1957), pressupõe um convênio temporário; na tradição salesiana, porém, o compromisso missionário temporário é previsto apenas em casos excepcionais, como quando: (1) um Inspetor quer facilitar o discernimento de um irmão, enviando-o por 1-2 anos às missões para verificar sua vocação missionária; (2) um irmão de idade avançada gostaria de partir por toda a vida, mas não está seguro de si mesmo; (3) há uma necessidade de tarefas específicas e urgentes nas missões (no campo da formação ou docência, em obras específicas que precisam de um especialista etc.). Nestes casos, firma-se um convênio entre os dois Inspetores (Regulamentos 151).

Enquanto o voluntariado missionário é um compromisso por alguns anos, a vocação missionária explícita é um dom de si ad gentes - ad exteros - ad vitam. Para ser missionário salesiano – educador e pastor em outra cultura – é preciso, sem mais, um compromisso por toda a vida porque não se conclui o itinerário de inculturação em poucos anos; é um empenho por toda a vida.

Rezemos pelos novos missionários durante o curso de preparação a partir de 4 de setembro em vista da 144ª expedição missionária salesiana no próximo 29 de setembro !

P. Václav Klement, SDB Conselheiro para as missões

Com gente simples, aprendi a ver como Deus age em nossa realidade

A s apresentações durante o Curso para Novos Missionários em Roma e Piemonte, com as temáticas ligadas à cultura, criaram em mim uma atitude justa para com as demais culturas e novas realidades. Dessa forma, quando cheguei à Guatemala, pus-me à escuta, porque é muito fácil julgar com os critérios que trazemos conosco, procurando ver a obra que Deus fizera nesta parte do mundo. Aprendi a ter um olhar de fé que sabe ver além do dado meramente empírico, mas que se abre às imensas potencialidades inscritas naquela realidade. Com abertura, falando com muita gente, permanecendo em contato com a sua realidade, comecei a crescer como padre e como salesiano.

Aconteceu-me conversar com um jovem de 15 anos que frequentava a escola, e que, por isso, estava economicamente bem. As coisas que me disse foram verdadeira água fria: “na Europa, vocês gastam dinheiro por bobagens quando nós com esse dinheiro poderíamos estudar.

Eu sou afortunado porque em casa tenho comida e quem pense em mim, mas não poderei estudar informática na universidade porque em casa o dinheiro não é suficiente”. Após esta primeira água fria, ele continuou: “... Ouvi dizer que vocês dão milho aos animais, enquanto, entre nós, é o principal alimento, e também único, e, para muitos é também uma sorte tê-lo nas três refeições... Aqui, muitos jovens morrem de fome e preferem morrer a viver assim!... Dizem que há crise na Europa. Mas, não será que na realidade vocês têm muito e agora que lhes cabe redimensionar o consumo parece-lhes uma coisa incrível?” Aqui, porém, também conheci gente que, apesar da situação difícil, sabe construir um mundo melhor. Causou-me grande impressão uma senhora que acolheu em sua casa um menino que os pais lhe deixaram, e o está criando como se fosse seu filho. Disse-me: “meu marido abandonou-me há onze anos com dois filhos. Não tenho ideia de onde esteja ou o que esteja fazendo. Vivi o que significa ser recusada por quem te deveria amar e, quando a vizinha de casa me pediu para cuidar do menino, porque estavam partindo para os Estados Unidos e não podiam levá-lo com eles, não duvidei nem um instante sequer”. É o exemplo de uma mulher que sabe compartilhar apesar não de não ter muito, e que não fechou o coração ao amor apesar das próprias feridas.

Graças ao Curso para Novos Missionários, soube deixar-me surpreender por aquilo que tinha ao redor e, assim, aprendi a ver com os olhos da fé que Deus age nesta cultura e realidade. Estou realmente feliz pelo dom de Deus fazendo-me entender o quanto é importante o nosso ministério e o quanto é grande o dom que Deus me fez chamando-me para ser missionário!

P. Giampiero De Nardi italiano, missionário na Guatemala

Os membros da 144 Expedição Missionária Salesiana