Dicastérios

Cagliero11 e Intenção Missionária Salesiana - Setembro de 2020

Cagliero11 e Intenção Missionária Salesiana - Septembro de 2020

Cagliero11 Scarica il file pdf    

INTENÇÃO MISSIONÁRIA SALESIANA

À LUZ DA INTENÇÃO DE ORAÇÃO DO SANTO PADRE

Pela nossa Casa Comum

Que os recursos do Planeta não sejam saqueados, mas compartilhados de modo justo e respeitoso.

Em sintonia com a «Laudato Si’», realizou-se a Conferência Salesiana “Energy Forever”, que propõe atividades para uma energia renovável. Rezemos para que a Família Salesiana se possa colocar activamente ao serviço da Casa Comum com ações concretas e urgentes.


CAGLIERO11_141, SETEMBRO de 2020

 

Eis-me aqui! Mande-me!

Há já muitos anos que no último domingo de setembro o Reitor-Mor preside o mandato missionário na Basílica de Maria Auxiliadora, em Valdocco. Devido à pandemia, este ano o envio da Expedição Missionária 151 foi adiado ‘sine die’.

Jesus é o Missionário do Pai: foi mandado pelo Pai. Sua vida e ministério revelam sua vontade de ser mandado, a sua total obediência à vontade do Pai (Jo 4,34). Quanto a Jesus, não só nos atrai à sua missão. Também nos envia em missão para todo o Mundo. A missão da Igreja é evangelizar: hoje continua a mandar evangelizadores para todo o Mundo (v. Evangelii Nuntiandi, 15) para que, através do nosso testemunho de Fé e do anúncio do Evangelho, as Pessoas possam conhecer Jesus Cristo. A vocação missionária na Igreja é, de fato e sobretudo, uma resposta sempre nova à pergunta de Deus: “A quem mandarei?”. É um convite a sair de nós mesmos. A sair dos nossos cantinhos de comodidade. A dar uma resposta livre e consciente com que tornar-nos totalmente disponíveis para ir a qualquer que seja o lugar aonde Deus nos enviar: “Eis-me aqui! Mande-me!” (Is 6,8).

A vocação salesiana missionária é uma participação da natureza missionária da Igreja ('Ad gentes', 2). Enquanto cada salesiano é chamado a viver o espírito missionário – elemento essencial do carisma de Dom Bosco – , alguns coirmãos são chamados a ser missionários ‘ad exteros’ (aos que estão fora do próprio País ou da própria cultura) e ‘ad vitam’ (como compromisso por toda a vida). De fato, a vocação salesiana missionária é um chamado a mais, dentro da nossa igual vocação salesiana. Pede como tal oração e discernimento com a ajuda de um guia espiritual. Graças aos salesianos missionários, o carisma de Dom Bosco, levado em 1875 (V. foto), está presente em 134 Países.

Uma vez acertada a própria vocação ‘missionária’, pode-se escrever diretamente ao Reitor-Mor manifestando a sua total disponibilidade para ser enviado aonde quer que ele queira. Estaria Deus chamando a ser missionário também Você?!

Para a Reflexão

  • Será que Deus me está chamando a ser missionário também a mim?
  • Como podemos viver hoje o espírito missionário de Dom Bosco?

Pe. Alfred Maravilla, SDB
Conselheiro para as Missões

A CRUZ SALESIANA MISSIONÁRIA - 1

 

Todos os anos, desde 1875, os salesianos missionários recebiam e recebem uma Cruz densa de sentido. Nela cada elemento apresenta um aspecto profundo da espiritualidade salesiana missionária.

A Cruz

O primeiro – poderoso – símbolo é a cruz em si mesma. Receber a Cruz desperta muitas emoções e desafios espirituais: centra a vida missionária na pessoa de Cristo e em Cristo crucificado. Implica, primeiro, receber e, depois, oferecer o grande ensinamento da Cruz: o amor infinito do Pai que doa o melhor de Si, o seu Filho; e o amor total do Filho, que, obediente e generoso, se entrega à vontade do Pai pela salvação da humanidade.

A Missão e a Cruz

Na iconografia tradicional missionária, pode-se apreciar a figura do missionário que mostra a Cruz às Gentes. Tal gesto – que para alguns poderia parecer ingênuo, se não colonizador – significa, para nós, Salesianos, que "a nossa ciência mais eminente é [....] conhecer Jesus Cristo; e a alegria mais profunda é revelar a todos as insondáveis riquezas do seu mistério” (v. Constituições Salesianas, n. 34 ).

O Bom Pastor

A cruz, segundo o carisma salesiano, se vive na desmedida entrega pastoral. O ‘Bom Pastor’ revela a Cristologia Salesiana: a caridade pastoral, núcleo do espírito salesiano, “a atitude que conquista com a bondade e a doação de si” (v. Constituições Salesianas, nn.10 e 11).

 

SER MISSIONÁRIOS PARA UMA VIDA SIGNIFICATIVA

 

Ayubowan! (Longa vida!) Desde 1996 – quando voltei das Missões de Papua-Nova Guiné (onde fizera o Tirocínio) para as Filipinas, a fim de estudar a Teologia – o desejo de voltar às missões me ficara dentro como uma centelha de luz a faiscar. Desde aspirante sempre sonhara ir para as missões. E embora me tenha custado um bom bocado de tempo para dar, mais uma vez, a esse desejo ardente, a possibilidade de brilhar novamente, sinto que valeu a pena esperar.

Por fim, no dia 11 de outubro de 2015, enquanto celebrava meu 25° ano de Profissão, o 15° de Sacerdócio e o 45° de vida aqui na terra, tive a coragem de mergulhar mais uma vez nas águas profun-das da vida nas missões.

Voei para uma pequena ilha chamada "Lágrima da Índia”: o Sri Lanka. Foi necessário enfrentar os desafios de uma nova cultura, prevalentemente influenciada pelo budismo e pelo hinduísmo; adaptar-me à comida, que ao prepará-la normalmente “a endiabram com pimentinha vermelha e picante"; entretecer a língua com o «Sinhala» e a língua tâmil, ou cingalês, essencial para poder comunicar-se com o povo do lugar; e tornar-me disponível para ajudar e ir ao encontro da Visitadoria no que diz respeito ao pessoal, ao apostolado criativo e sustentável, e a centenas de outras exigências. Tudo isso requer muita paciência, amor e humildade da parte de alguém que, como eu, está procurando ser ‘missionário’.

Muito mais que "fazer", espera-se "ser": porque, na realidade, nas missões voltei a ser como criança que deve aprender tudo de novo. Aprendi, p. ex., que nas missões "AMOR" se pronuncia "DOAÇÃO": renúncia à minha vida passada, aos meus desejos presentes e aos meus projetos futuros, para assumir o que a situação me pede.

E embora esta vida corra densa de exigências, contei também com alguma inesperada fonte de real consolação. Um dia, enquanto pregava um retiro, pedi a um coirmão salesiano (estudante de Teologia do lugar) que imaginasse como ele se... via a dez anos daquele momento. Respondeu: "Padre, vejo-me como salesiano sacerdote... Mas – acrescentou – não como um simples sacerdote: quero ser um salesiano sacerdote ‘missionário’, que se oferece para ir a um lugar distante..., porque desejo viver uma vida significativa". Ouvindo isto, sorri.

Aos que sonham ir para as Missões lhes diria que o estar numa terra de missão não nos torna automaticamente missionários. Ser missionário é um processo. E certamente exigirá um pouco de tempo. Acreditem! Quem lho diz é uma pessoa séria! Jesu Phitai! Jesus os abençoe!

P. Noel Sumagui, filipino, salesiano missionário no Sri Lanka

 

Testemunho de santidade missionária salesiana

 

P. Pierluigi Cameroni SDB, Postulador Geral para as Causas dos Santos

Venerável P. José Quadrio SDB (1921-1963), docente de Teologia em Turim-Crocetta, ia com frequência visitar os jovens detentos no cárcere de menores da «Generala». Num escrito endereçado a eles escrevia: “Depois do inverno vem a primavera; não fiquem tristes ou desesperados Vocês, que estão ali por trás das grades! Para todos há uma esperança. Todos podemos errar: mas quem errou pode reparar. E quem reparou também pode olhar de frente para as pessoas, sem se envergonhar. Para um jovem que deseje começar, nunca é tarde demais. Lembrem-se que não são sucata, mas material reciclável. Amigos, confiem em si e em Deus. Ele quer regenerá-los: fazer de todos, homens honestos e felizes. Vocês são jovens: há ainda para todos um maravilhoso e sereno amanhã. A última coisa que possam perder seja a esperança, e a boa vontade”.