Dicastérios

Carta aos Irmãos Velhos do Conselheiro para as Missões

Carta aos Irmãos Velhos do Conselheiro para as Missões


                 

Roma, 11 de novembro de 2017.

Caríssimos Irmãos,

saúdo-vos com muito afeto desde a Basílica do Sagrado C. de Jesus, junto à estação Termini, de Roma. Como bem sabeis, esta é agora a Casa do Sucessor de Dom Bosco. E, com Ele, a Casa de todos nós!

De aqui, pois, caros Irmãos, penso em vós, evocando a figura do nosso Pai, Dom Bosco, que - embora cansado e esgotado – conseguiu, mesmo por entre enormes esforços e lágrimas, realizar a sua 20ª – e última! –  visita a Roma, deixando-nos em herança uma Congregação jovem, vibrante e missionária.

Mais uma vez, neste ano, vos mando uma saudação, a vós, caríssimos Irmãos, que, ou pela idade ou pela doença ou por outros motivos, vos encontrais habitualmente afastados do diário contato educativo-pastoral da nossa missão.

Como sabeis, mando-vos esta saudação fazendo memória também da 1ª Expedição Missionária enviada pelo nosso amado Pai, Dom Bosco, no dia 11 de novembro de 1875, porque aquele mesmo fogo missionário continua a inflamar a nossa querida Sociedade de São Francisco de Sales. Não poucos jovens, de todo o mundo, ao verem a coragem e a generosidade dos missionários de hoje, se sentem atraídos pelo chamado do Senhor Jesus.

E todos Vós, caros Irmãos, tendes a enorme responsabilidade de colaborar para que não se apague essa chama missionária salesiana. “Não nos deixemos roubar o entusiasmo missionário!”,“não nos deixemos roubar a alegria da evangelização!” – repete-nos o Papa Francisco, na ‘Evangelii Gaudium’ (nn. 80 e 83). Todo vosso pequeno ou grande sofrimento, todo vosso pequeno ou grande gesto de paciência e ternura, toda a vossa longa ou breve oração, será uma brasa acesa a impedir àquele fogo de se apagar!

Não são poucas as tentações que hoje afligem tanto os missionários quanto as nossas comunidades que se encontram na linha de frente da atividade missionária salesiana nos cinco Continentes. Tentações de desânimo, de enfraquecimento – e até da perda – da Fé! Tentações de intolerância, de divisões, de individualismo, de poder. Tentações que atacam diretamente a  fidelidade do missionário nos seus três votos: de obediência, de pobreza, de castidade.

Entretanto, Deus continua a dizer a cada missionário: “Torne-se humilde,forte e robusto!”.

Querido Irmão, imploro-te, suplico-te: faze tua esta oração:
Coração de Jesus,torna humildes os nossos missionários!
Coração de Jesus,torna fortes os nossos missionários!
Coração de Jesus,torna robustos os nossos missionários!

É claro que tenho também a obrigação de agradecer-vos vivamente, a cada um de Vós, pelas abundantes e sempre crescentes orações deste ano que já se encaminha para o fim. Um fruto evidente das vossas orações foi a última ‘Expedição Missionária’, a de número 148. Foi enviada pelo nosso caríssimo Reitor-Mor, P. Ángel Fernández Artime,  no dia 24 de setembro passado, em Valdocco. Foram mandados 21 novos missionários, com idades entre 22 e 61 anos, a todos os Continentes. Coadjutores, Clérigos, Sacerdotes. Com votos temporários ou perpétuos. Todos prontos para anunciar Jesus Cristo em todos os lugares.

Sei também que todos estivestes muito perto, com a vossa oração e sacrifícios, da difícil prova pela qual passou o nosso querido coirmão missionário, P. Tom Uzhunnalil, sequestrado por 18 meses, no Iêmen. O seu testemunho de oração, fortaleza e serenidade pôs em evidência quanto devam rezar os missionários e quanto devemos apoiá-los com as nossas orações.

Finalmente, a Beatificação do nosso coirmão eslovaco, P. Titus Zeman, mártir, fez-nos compreender quantos frutos vocacionais e missionários Deus soube doar à Congregação e a toda a Sua Igreja, através do seu longo sofrimento, dos tormentos suportados e a sua confiante e perseverante oração. Enquanto o seu ativo e corajoso trabalho, orientado a salvar as vocações, durou menos de um ano, foi mais tarde – através de uma longa paixão – que o Senhor o conduziu no completamento em sua carne “do que faltava aos padecimentos de Jesus Cristo,em favor do seu Corpo que é a Igreja (Cl 1,24).

Sei, por isso, caros Irmãos, que o exemplo do P. Tom e agora a intercessão do Bv. P. Titus Zeman, os sentistes muito perto de vós e da própria vida cotidiana .
Para terminar, confio-vos, além das orações diárias pelos missionários salesianos em todo o mundo, mais estas duas intenções particulares:

  • pelos Refugiados, especialmente por aqueles do Sudão do Sul que se encontram no norte de Uganda. São no momento mais de 1.400.000, em sua maioria crianças e jovens. Como salesianos já estamos presentes, mas devemos ainda fortalecer tal presença;
  • pelas nossas Presenças salesianas entre os povos indígenas da Região Amazônica. Estamos no Peru, Equador, Brasil e Venezuela. A convocação de um Sínodo especial para 2019 sobre o tema, aumenta a nossa responsabilidade missionária nessa área.

Enquanto vos agradeço, confio-vos – a todos! – à bênção materna e consoladora de Nossa Sra. Auxiliadora!
            Com muito afeto salesiano, em Dom Bosco Santo,

P. Guillermo Basañes
Conselheiro para as Missões