Dom Bosco

Conformidade com as regras

DON BOSCO - CIRCULARES

CONFORMIDADE COM AS REGRAS

 

Meu. queridos e amados filhos,

Grande conforto, sinto, toda vez que me é dado ouvir palavras de respeito e afeto de vocês, meus queridos filhos. Mas as expressões afetuosas, que você manifestou para mim em cartas de boa vontade ou bom ano para os bons e velhos feriados, exigem razoavelmente de mim um agradecimento especial, que é uma resposta para as crianças afetadas que você expressou para mim.

Digo-lhes, portanto, que estou muito satisfeito com você, com a solicitude com que você lida com qualquer tipo de trabalho, assumindo também trabalhos sérios, a fim de promover a maior glória de Deus em nossas Casas e entre os jovens que a Divina Providência nos dirige todos os dias. confiando, porque nós os conduzimos no caminho da virtude, da honra, pelo caminho do Céu. Mas de muitas maneiras e com várias expressões, você me agradeceu pelo que fiz por você; vocês se ofereceram para trabalhar comigo corajosamente e comigo para compartilhar os trabalhos, a honra e a glória na terra, para alcançar o grande prêmio que Deus preparou para todos nós no Céu; você me disse que nada mais desejava, exceto saber o que eu julgo bom para você, e que você teria inalteravelmente ouvido e praticado isso.

Portanto, gosto destas palavras preciosas, às quais, como pai, simplesmente respondo que lhe agradeço de todo o coração e que fará a coisa mais querida do mundo, se me ajudar a salvar sua alma. Você bem sabe, amados filhos, que eu os aceitei na Congregação, e tenho usado constantemente todas as possíveis solicitudes para o seu bem, a fim de assegurar a salvação eterna; portanto, se você me ajudar neste grande empreendimento, fará o que meu coração paterno pode esperar de você. Então as coisas que você tem que praticar, para ter sucesso neste grande projeto, você pode de um palpite. Observe nossas Regras, aquelas Regras que a Santa Madre Igreja se dignou a aprovar para nossa orientação e para o bem de nossa alma e para o benefício espiritual e temporal de nossos amados estudantes. Nós lemos estas Regras, estudamo-las e agora elas formam o objeto de nossas promessas e dos votos com os quais somos consagrados ao Senhor. Por isso vos louvo de todo o coração, para que ninguém deixe escapar palavras de pesar, e pior ainda, de arrependimento por ter consagrado de tal maneira ao Senhor. Isso seria um ato de ingratidão negra. Tudo o que temos, seja na ordem espiritual ou na ordem temporal, pertence a Deus; portanto, quando na profissão religiosa nos consagramos a Ele, nada fazemos além de oferecer a Deus o que Ele mesmo nos disse, por assim dizer, mas que Ele é Sua propriedade absoluta.

Portanto, retirando-se da observância de nossos votos, roubamos do Senhor, enquanto diante de seus olhos nós retalhamos, nós pisoteamos, profanamos o que oferecemos a ele, é o que colocamos em suas mãos sagradas.

Alguns de vocês podem dizer: a observância das Regras é difícil para aqueles que olham para eles a contragosto, naqueles que são negligenciados. Mas nos diligentes, naqueles que amam o bem da alma, esta observância se torna, como o Salvador Divino diz, um jugo suave, um fardo leve: Jugum meum suave est, et onus meum leve.

E então, queridos, queremos ir ao Paraíso de carruagem? Nós nos tornamos religiosos, não para desfrutar, mas para sofrer e obter mérito para a outra vida; nós nos consagramos a Deus não para comandar, mas para obedecer; não se ligar às criaturas, mas praticar a caridade para com o próximo, movido apenas pelo amor de Deus; não ter uma vida confortável, mas ser pobre com Jesus Cristo, sofrer com Jesus Cristo acima da terra, para nos tornar dignos de sua glória no céu.

Animar, portanto, ou queridos e amados filhos; pusemos a mão no arado, ainda estamos; Nenhum de nós voltou a mirar no mundo falaz e traiçoeiro. Vamos seguir em frente. Isso nos custará esforço, custará-nos dificuldades, fome, sede e talvez até a morte; sempre responderemos: se ele deleitar a grandeza dos prêmios, eles não devem de forma alguma desanimar os esforços que temos de fazer para merecê-los: Si delectat magnitudo prumiorum, non deterreare certamen laborum.

Uma coisa que eu ainda penso em demonstrar. Por todos os lados, nossos irmãos escrevem para mim e eu ficaria feliz em dar a todos a resposta. Mas isso não sendo possível, tentarei enviar cartas com mais frequência; as cartas que, como me dão a oportunidade de abrir meu coração para você, também podem servir de resposta, ou melhor, de guia para os que vivem em países distantes por razões santas e, portanto, não podem escutar a voz daquele pai que os ama em Jesus Cristo.

Que a graça do Senhor e a proteção da Santa Virgem Maria estejam sempre conosco e ajudem-nos a perseverar no serviço divino até os últimos momentos da vida. Assim seja.

Turim, 6 de janeiro de 1884.
Aff.mo em G. C.

Sac .. Giovanni Bosco