Dom Bosco

Orientações para um cristianismo coerente e acionável

SEÇÃO TRÊS

DIRETRIZES PARA UM CRISTIANISMO CONSISTENTE E DE AÇÃO

 

apresentação

Esta terceira seção consiste de uma seleção de textos dirigidos ao povo, aos católicos comprometidos, aos cooperadores salesianos leigos e eclesiásticos. Dom Bosco insiste no espírito que deve animar o bom cristão, imerso no mundo, ativo na caridade, coerente com sua fé.

O catolicismo do século XIX, em todas as classes sociais, é caracterizado por um marcado fervor espiritual e operacional, combinado com o sentido muito vivo da própria vocação na Igreja e na sociedade, que leva ao testemunho evangélico, militância e obras de caridade. Vivas iniciativas pastorais, educacionais e sociais nascem neste solo fértil; surgem associações leigas, novas formas de vida consagrada masculina e feminina; Empresas missionárias e apostólicas proliferam. Um forte sentido de coesão e coesão eclesial animava estes generosos católicos, inspirados por um clero zeloso e bem formado, consagrado à sua missão, engenhoso e criativo.

As obras de Dom Bosco se beneficiaram enormemente desse clima. Os eclesiásticos e generosos leigos, polarizados pela caridade do santo, desde os primeiros momentos do Oratório generosamente emprestaram seu trabalho, nunca o abandonaram, a ponto de se tornarem parte integral e estratégica de sua família. A consciência de sua vocação cristã animou-os por uma vida interior mais ardente, por uma cooperação não ocasional com a missão salesiana.

Dom Bosco não cessou de alimentar este anseio de caridade em função educativa e apostólica, não só pela animação e organização da cooperação, mas também pelo cuidado espiritual. Os textos aqui recolhidos mostram-nos o seu empenho em promover uma visão integral, dedicada e activa da vida cristã: ao misericordioso e terno amor de Deus, à sua ilimitada caridade, responde-se com uma fé viva e uma ardente caridade, com a "Implacável imitação de Jesus Cristo. Apoiados pela graça dos sacramentos, unidos a Deus em oração" por meio de pensamentos santos e sentimentos devotos, desapegados das lisonjas do mundo e lutando pela santidade no exercício das virtudes, confiando na Providência, os cristãos estão ligados a uma vida interior mais consciente e cultivada, ao testemunho evangélico cotidiano, a "exercer sua caridade trabalhando pela salvação das almas", a ajudar-se mutuamente "a fazer o bem e a manter o mal".

'Giovanni Bosco, O católico previa as práticas de piedade com instruções semelhantes de acordo com a necessidade dos tempos. Turin, dica. do Oratório de São Franc. das vendas 1868, p. 1 (OE XIX, 9).

Essa visão também surge em correspondência, nos conselhos oferecidos aos amigos, leigos e sacerdotes. Segundo Dom Bosco, o católico é chamado a ser o fermento da sociedade no tecido da vida cotidiana: testemunha de sua fé, trabalha na caridade ", se doa com generosidade e sem medo, promove a piedade, luta pela educação cristã dos juventude, espalha a boa imprensa, cuida das vocações, apóia a ação missionária.

Esta seção consiste em três partes.

Na primeira (recursos espirituais de Christian), seis textos de Dom Bosco destinados à formação espiritual dos leigos católicos (n. 266-271) são recolhidos, a título de exemplo, ensaios simples de um vasto compromisso formativo e instrutivo do povo, que encontra em algumas publicações do santo os melhores exemplos: a Chave do Paraíso (1856), o Mês de Maio (1858), a Católica fornecida (1868).

Na segunda parte transcrevem-se duas conferências de Dom Bosco (nºs 272 e 273), que ilustram a vocação dos Salesianos Cooperadores e o papel específico que lhes é confiado para o desenvolvimento do trabalho salesiano.

A terceira parte contém doze exemplos de cartas (nn. 274-285) para amigos, benfeitores e cooperadores, com endereços e conselhos para a vida espiritual.

2 João Bosco, Cooperadores Salesianos, ou uma maneira prática de beneficiar a boa sociedade e a sociedade civil. San Pier d'Arena, Tipografia e Biblioteca de S. Vincenzo de 'Paoli 1877, pp. 4 e 27 (OE XXVIII, 342 e 365).

I. OS RECURSOS ESPIRITUAIS CRISTÃOS

Todos os meios de salvação são encontrados na Igreja, a santidade e a caridade florescem ali. Dom Bosco convida incessantemente os adultos e os jovens a cooperar na ação da graça com fé, esperança e caridade, com a generosa oferta de si mesmos, com constante oração, com acompanhamento dos santos sacramentos; acima de tudo fazendo-se imitador de Jesus Cristo através de uma vida virtuosa e rica em obras de caridade.

266. Fé, esperança e caridade

Ed. Na impressão em [Giovanni Bosco], O católico previa as práticas de piedade com semelhante
instruções de acordo com a necessidade dos tempos. Turin, dica. do Oratório de São Franc. das vendas 1868,
pp. 87-91 (OE XIX, 95-99) 3.

O apóstolo São Paulo diz que sem fé é impossível agradar a Deus, sine fide impossível aplacar Deo [Hb 11: 6]. Por isso, devemos sempre manter esta tocha de fé em nossos corações. Precisamos de fé para nos iluminar em todos os passos de nossas vidas. A fé deve ser o alimento que nos sustenta na vida espiritual, de acordo com o que a Sagrada Escritura diz: iustus ex fide vivit, o homem certo vive pela fé. Para que essa fé que recebemos de Deus no santo batismo nunca falhe em nossos corações, devemos excitá-la com frequência. Para isso, devemos frequentemente realizar atos de fé; protestar com o coração que acreditamos firmemente nas principais verdades da religião católica e em tudo o que Deus, por meio de sua Igreja, queria que se ensinasse. O que fazemos recitando a fórmula do ato de fé.

Mas, querida cristã, a fé não é suficiente para a saúde eterna, porque a virtude da esperança é também necessária, o que nos faz abandonar-nos nas mãos de Deus, como um filho nos braços da tenra mãe. Precisamos obter muitos favores de Deus e estes não permitem que Deus nos conceda, se não esperamos por eles. Nós cometemos quem sabe quantos pecados; portanto, precisamos que Deus nos use com misericórdia e nos perdoe. Precisamos continuamente da ajuda da graça de Deus para vivermos santamente nesta terra. Agora, esta misericórdia, esse perdão, essa ajuda de sua graça, Deus não quer concedê-lo, exceto para aqueles que o esperam. Além disso, Deus mantém um mar de delícias preparado na outra vida; mas ninguém pode vir a apreciá-lo sem a virtude da esperança. Para o qual devemos fazer freqüentes atos dessa virtude; revivendo em nossos corações uma grande confiança em tudo para obter da soma total da bondade de Deus pelos méritos de nosso Senhor Jesus Cristo. Para despertar e manter viva essa virtude em nós, recitamos com devoção a fórmula do ato da esperança.

3 Este pequeno volume foi compilado por Dom Bosco com a colaboração de Don Giovanni Bonetti.

Entre todas as virtudes, a caridade é a maior e a mais excelente. Sem isso, todos os outros não poderiam nos fazer alcançar a saúde eterna. Mas qual é essa virtude da caridade? Consiste em amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos por causa dele. O amor, portanto, para com Deus e para com o próximo deve sempre ser como um fogo que arde em nossos corações. Antes de tudo, devemos amar a Deus de todo o coração, porque ele é o espírito mais perfeito, um ser infinito de bondade, um bem supremo. Também devemos amá-lo porque ele nos encheu de inúmeros benefícios; ele nos tirou do nada, criando-nos; nos deu nascimento na religião católica que é a única que pode nos levar ao porto da saúde. Ele, embora ofendido por nós muitas vezes, não nos feriu com a morte como ele poderia ter feito e como fez com muitos outros a quem não deu mais tempo para se arrepender após o primeiro pecado. Por nosso amor, ele desceu do céu à terra entre dificuldades e sofrimentos; Para nós, a morte mais dura sofreu. Através de um excesso de amor, ele se deixou por nossa comida na Sagrada Eucaristia. Ele finalmente detém um belo lugar no céu por uma eternidade. E quem é ele que, considerando esses traços do amor de Deus para conosco, não sente seu coração queimando em direção a Deus?
Mas também devemos amar nosso próximo como a nós mesmos. Todos os homens do mundo são nossos irmãos, porque são filhos do mesmo pai que é Deus, todos têm o direito de amá-los. E Jesus Cristo fez um comando expresso desta declaração; hoc est praeceptum meum ut diligatis invicem [Jo 15,12]: isto eu ordeno que amem uns aos outros. E não devemos apenas amar amigos, mas também nossos inimigos. Nosso divino Salvador nos deu o exemplo de perdoar e orar por seus próprios crucificadores. Que esse fogo da caridade seja sempre incendiado em nós. Para esse fim, fazemos frequentes atos dessa virtude recitando a fórmula do ato de caridade.

267. Jesus Cristo, modelo de todo cristão

Ed. Impresso em Giovanni Bosco, A chave para o paraíso nas mãos do católico que pratica os deveres de um bom cristão. Turin, dica. Paravia e Comp. 1856, pp. 20-23 (OE VIII, 20-23).

Um dia Deus disse a Moisés: "Lembre-se bem de seguir minhas ordens e fazer tudo de acordo com o padrão que te mostrei acima da montanha". O mesmo diz Deus aos cristãos. O modelo que todo cristão deve copiar é Jesus Cristo. Ninguém pode se gabar de pertencer a Jesus Cristo, se ele não trabalhar para imitá-lo. Portanto, na vida e nas ações de um cristão, é preciso encontrar a vida e as ações do próprio Jesus Cristo.

O cristão deve orar, como ele orou a Jesus Cristo na montanha com lembrança, com humildade, com confiança.

O cristão deve ser acessível, como Jesus Cristo, aos pobres, ignorantes e filhos. Ele não deve estar orgulhoso, não ter pretensão, não arrogância. Ele faz tudo para que todos ganhem a todos por Jesus Cristo.

O cristão deve lidar com o próximo, ao tratar Jesus Cristo com seus seguidores: portanto, seu entretenimento deve ser edificante, caridoso, cheio de gravidade, doçura e simplicidade.

O cristão deve ser humilde, como foi Jesus Cristo, que se ajoelhou e lavou os pés de seus apóstolos e os lavou também a Judas, embora soubesse que esse homem pérfido tinha que traí-lo. O verdadeiro cristão considera-se como o mais jovem dos outros e como servo de todos.

O cristão deve obedecer como Jesus Cristo obedeceu, quem estava sujeito a Maria e a São José, e obedeceu a seu Pai celestial até sua morte e morte na cruz. O verdadeiro cristão obedece a seus pais, seus senhores, seus superiores, porque ele não reconhece neles, se não o próprio Deus, de quem eles tomam o lugar.

O verdadeiro cristão em comer e beber deve ser como Jesus Cristo nas bodas de Caná da Gallica e Betânia, isto é, sóbrio, temperado, atento às necessidades dos outros e mais ocupado com o alimento espiritual do que com os pratos que alimentam seu corpo.

O bom cristão deve estar com seus amigos como ele era Jesus Cristo com São João e São Lázaro. Ele deve amá-los no Senhor e pelo amor de Deus; ele cordialmente confidencia os segredos de seu coração; e se eles caírem no mal, ele emprega toda solicitude para fazê-los retornar ao estado de graça.

O verdadeiro cristão deve sofrer privação e pobreza com resignação como Jesus Cristo sofreu, que nem sequer tem um lugar para sustentar sua cabeça. Ele sabe como tolerar contradições e calúnias, como Jesus Cristo tolerava as dos escribas e fariseus, deixando a Deus justificá-lo. Ele sabe tolerar insultos e ultrajes, como Jesus fez quando o esbofeteou, cuspiu em seu rosto e insultou-o de mil formas no pretório.

O verdadeiro cristão deve estar pronto para tolerar as dores do espírito, uma vez que Jesus Cristo foi traído por um dos seus discípulos, deserdado por outro e abandonado por todos.

O bom cristão deve estar disposto a acolher com paciência todas as perseguições, todas as doenças e até a morte, como fez Jesus Cristo, que com a cabeça coroada de espinhos espinhosos, o corpo dilacerado por espancamentos, os pés e as mãos perfuradas por unhas, ele restaurou sua alma à paz nas mãos de seu Pai celestial.

De modo que o verdadeiro cristão deve dizer com o apóstolo São Paulo: Não sou eu quem vive, mas é Jesus Cristo quem vive em mim. Quem quer que siga a Jesus Cristo, de acordo com o modelo descrito aqui, está certo de que um dia será glorificado com Jesus Cristo no céu e reinará com ele para sempre.

268. Oração

Ed. Na impressão em [G. Bosco], O católico desde ..., pp. 1-3, 7-13 (OE XIX, 9-11. 15-21).

Orar significa elevar o coração a Deus e passar tempo com ele através de pensamentos santos e sentimentos devotados. Portanto, todo pensamento de Deus e todo olhar para ele é oração, quando se une a um sentimento de piedade. Quem pensa no Senhor ou em suas infinitas perfeições e neste pensamento sente uma afeição de alegria, de veneração, de amor, de admiração, ele ora. Quem considera os grandes benefícios recebidos do Criador, Conservador e Pai, e sente-se de gratidão, ele reza. Quem, nos perigos de sua inocência e virtude, consciente de sua própria fraqueza, implora ao Senhor que o ajude, ele ora. Quem finalmente se volta para Deus em contrição do coração e se lembra de que ele ultrajou seu próprio Pai, ofendeu seu próprio juiz e perdeu o maior bem e implora por perdão e se propõe a emendar, ele ora.

Orar é, portanto, muito fácil. Todos podem, em qualquer lugar, a qualquer momento, elevar seu coração a Deus através de sentimentos piedosos. Palavras preciosas e refinadas não são necessárias, mas pensamentos simples são suficientes acompanhados por dedicados devotos internos. Uma oração que consiste apenas em pensamentos, por exemplo, numa admiração silenciosa da grandeza e onipotência divinas, é uma oração interna ou meditação ou contemplação. Se você usa palavras, você chama a oração vocal.

Tanto uma como a outra maneira de rezar devem ser caras para o cristão, que ama a Deus. Um bom filho pensa de bom grado em seu próprio pai e abandona com ele as afeições de seu coração. Por que então um cristão não pode pensar de bom grado em Deus, em seu Pai mais amoroso e em Jesus, seu Redentor misericordioso, e expressar sentimentos de reverência, gratidão, amor e com gentil confiança, ora por ajuda e graça? [...]
Para a oração do cristão ser totalmente aceita por Deus e infalivelmente obter seu efeito, ela deve ter certas condições:
1. Quem reza deve estar no estado de graça santificante, isto é, não tendo nenhum pecado mortal em sua consciência que não tenha sido cancelado com confissão ou arrependimento sacramental. Porque, como diz a Escritura, o Senhor se mantém longe dos iníquos e responde a oração dos justos (Pv 15, 29). No entanto, aqueles que estão em estado de pecado mortal, se pelo menos algum desejo de se corrigirem e orarem com a intenção de honrar a Deus, embora ele não tenha o direito de ser ouvido, porque ele não é amigo de Deus, sua oração é extremamente útil e para a infinita bondade divina nunca falha em obter graças.

2. Ele deve orar inspirado pela fé viva, porque sem a fé é impossível agradar a Deus (Hb 11: 6) e onde a fé está faltando ou nenhum coração é orado, a honra não é devolvida à bondade, sabedoria e onipotência de Deus que ele exige de nós.

3. Ele deve humildemente orar e sentir por uma parte a necessidade de graça, para o outro a total falta de qualquer mérito ou título em si para obter o que é requerido. Porque Deus resiste aos orgulhosos e dá sua humilde graça (Tg 4, 6).

4. Além disso, o cristão em oração deve observar uma ordem concernente às coisas que ele pede. Busque primeiro o reino de Deus e sua justiça e o resto será dado a você (Mt 6, 33), Jesus Cristo nos diz. Portanto, devemos primeiro buscar os bens espirituais, tais como o perdão dos pecados, a iluminação para conhecer a vontade divina e nossos erros, força, aumento e perseverança na virtude. Depois disso, podemos também pedir bens temporais, para a saúde, para a mídia viver a vida, para a bênção celestial em nossas ocupações, em nossas lojas, em nosso campo e em nossas famílias, a remoção de infortúnios, tristezas e aflições em onde estamos Assim, a quarta questão do Pater noster e o exemplo de Jesus Cristo no Jardim das Oliveiras nos ensina. Mas esta pergunta deve ser feita com a condição de que seja a vontade de Deus, não prejudicial à nossa alma. Pai, não como eu quero, mas como você quer (Mt 26:39).

5. Devemos orar em nome de Jesus Cristo, porque nenhuma graça pode ser obtida de Deus, exceto pelos méritos de nosso divino Redentor.

6. Devemos orar com esperança ilimitada de sermos ouvidos. Quem reza, duvidando que será ouvido, faz mal a Deus, que assegura que o cumpriremos, desde que oremos com fé viva, isto é, com firme esperança de sermos ouvidos e ouvidos por ele. Portanto, quando lhe pedimos um favor, vamos nos abandonar nele como um filho se abandonaria nas mãos da querida mãe, certo de ser ajudado por ela. A oração feita desta maneira é onipotente; e nunca foi ouvido no mundo, nem nunca será ouvido que alguém que confiou em Deus com confiança não foi ouvido.

Nosso divino Redentor nos garante: tudo o que você pedir em oração, tenha fé para alcançá-lo e você o obterá. O apóstolo São Tiago adverte o cristão a orar sem hesitar e sem duvidar se deseja obter o que deseja.

7. Junte-se a nossa oração às orações e méritos de Maria Santíssima, dos anjos e santos que estão no céu, das almas do purgatório e de todos os justos que vivem na terra.

8. Finalmente, devemos perseverar em oração de acordo com o que Jesus Cristo nos recomenda. Ele diz: Devemos orar sempre e nunca cessar. E se você perguntar até que tenhamos que suportar em oração, nós respondemos: até o fim da vida.

Muitos cristãos pensam que suas orações são inúteis porque não vêem imediatamente o efeito ou não obtêm as graças determinadas que exigem. Mas é necessário saber que Deus responde nossas orações dessa maneira e naquele tempo que ele vê mais oportuno e conveniente para a santificação de nossas almas e para o avanço de seu reino, sem nos deixar sempre saber desta maneira e desta vez. Quando estamos no outro mundo, veremos claramente que nem mesmo uma palavra de nossas orações permaneceu sem efeito. Além disso, sempre que nossas orações não têm frutos, a culpa é nossa porque não oramos com as devidas disposições.

Para a realização desta breve instrução, devemos observar que não podemos orar bem sem preparação. Prepare sua alma antes da oração e não seja um homem que tenta a Deus (Sir 18, 23). Pense na honra que é apresentar-se ao Senhor, rei do céu e da terra, também refletir sobre o que você quer pedir a Deus; escolha uma fórmula de oração adaptada às suas circunstâncias e necessidades; coloque-se na presença de Deus e deixe que aquelas palavras que você pronuncia de cor ou leia sobre o livro sejam do coração. Desta forma, você vai orar em espírito e verdade.

Embora você possa orar devotamente em qualquer posição, é bom que escolha o mais apto a demonstrar externamente sua fé e devoção interiores. Assim vemos o divino Salvador, o apóstolo Paulo, o coletor de impostos, Maria Madalena, Moisés, Salomão, Daniel, Micah orando com as mãos unidas, ajoelhados, olhando o céu como sinal de fé ou para a terra como que por sentimento. 'humildade. Entende-se que, ao orarmos na Igreja, devemos assumir de modo particular uma atitude respeitosa e devotada, tanto pelo respeito ao Santíssimo Sacramento do altar, em que Jesus Cristo está presente, como para não dar um mau exemplo a outros, a quem devemos realmente ser construindo com nossa atitude externa.

269.Os santos sacramentos

Ed. Impresso em Giovanni Bosco, O mês de maio consagrado a Maria SS. Imaculada para o uso das pessoas. Turin, dica. Paravia and Company 1858, pp. 55-60 (OE X, 349-354).

1. Quanto mais consideramos nossa santa religião católica, mais aprendemos sobre sua beleza, sua grandeza e quanto mais ela manifesta a bondade, a sabedoria e a misericórdia de Deus, que é seu fundador. Isso aparece brilhantemente nos santos sacramentos. Ele é a verdade da fé que esses sacramentos são sete, nem mais nem menos; Eles foram todos estabelecidos por nosso Senhor Jesus Cristo enquanto ele estava neste mundo. Estes sacramentos são: Batismo, Confirmação. Eucaristia, Penitência, Extrema Unção, Ordem e Casamento. Esses sacramentos são tantos sinais sensíveis estabelecidos por Deus para dar às nossas almas as graças necessárias para nos salvar, o que significa dizer que os sete sacramentos são como sete canais com os quais os favores celestiais são comunicados pela divindade à humanidade.

2. Por meio do Batismo, somos acolhidos no ventre da santa igreja-mãe, deixamos de ser escravos do diabo, somos feitos filhos de Deus e, portanto, herdeiros do paraíso. Na Confirmação ou Confirmação, recebemos a plenitude dos dons do Espírito Santo e nos tornamos cristãos perfeitos. Na Eucaristia, Jesus Cristo nos dá seu corpo, seu sangue, sua alma e sua divindade sob as espécies de pão e vinho consagrados. 'Este é o maior prodígio do poder divino. Com um ato de imenso amor por nós, Deus encontrou uma maneira de dar às nossas almas comida proporcional e espiritual, dando-nos a mesma divindade nossa. Na Penitência, os pecados cometidos após o Batismo são perdoados. Na unção extrema, ou óleo santo, Deus vem em auxílio dos enfermos e através da sagrada unção nos comunica as graças necessárias para apagar da alma os pecados com suas relíquias, para nos dar forças para suportar o mal com paciência, para fazer uma boa morte se Deus decretou nos chamar para a eternidade e também para dar saúde corporal se for útil para a saúde da alma. No sacramento da ordem ou na sagrada ordenação, Deus comunica aos ministros sagrados as graças necessárias para adquirir aquele alto grau de santidade que é necessário para eles; e também ser capaz de orientar e instruir os fiéis cristãos nas verdades da fé, na fuga do vício e na prática da virtude. Finalmente, o Casamento é aquele sacramento que dá a graça ao povo casado para viver entre eles em paz e caridade e para elevar cristianamente sua própria filiação, se Deus em sua infinita sabedoria julgar concedê-lo.

3. Observe, ó cristão, brevemente os grandes meios que Jesus Cristo instituiu para a nossa saúde. Ele nos deu grandes benefícios através de sua encarnação, mas todos esses benefícios são comunicados através de seus santos sacramentos. Se, entretanto, você não se dedicar a aproveitar esses meios de salvação de acordo com o estado em que se encontra, não poderá participar do grande mistério da redenção e, portanto, não poderá salvar sua alma. Pare alguns momentos para considerar como você correspondeu a esses grandes sinais do amor divino; pois se você perceber que a sua consciência está lhe lembrando qualquer pecado, tente remediá-lo o mais rápido possível, especialmente preparando-se para fazer uma boa confissão e uma boa comunhão.

Exemplo - Nas vidas dos santos pais, lemos um fato que mostra quanta pena beneficia nossos interesses espirituais e temporais. Dois sapateiros viviam na cidade de Alexandria, no Egito; a pessoa tinha uma família grande, mas enquanto ele trabalhava para mantê-la, ele estava muito preocupado com as coisas da alma seguindo o conselho de Cristo, que dizia: busque primeiro o reino de Deus e sua justiça, e de outras coisas que Deus proverá para você. Ele era muito freqüente na igreja, ou seja, interveio voluntariamente para ouvir a palavra de Deus, era freqüente na santa confissão e comunhão e nos outros exercícios de piedade cristã; ainda assim, parecia que Deus multiplicava seus bens temporais. O outro fez o oposto, isto é, ele estava preocupado com ganhos temporais, não se importando em ir à igreja e pensar na alma. Por isso, seus negócios também recuavam e, embora estivesse sozinho, sem família e trabalhando mais do que seu companheiro, dificilmente conseguiria se alimentar sozinho. Vendo que seu vizinho, que com menos esforço se manteve e sua família, começou a se maravilhar e invejá-lo. Um dia, ele não pôde deixar de abordar estas palavras: como está indo esse negócio! Eu trabalho mais do que você no trabalho e não ganho o suficiente para me alimentar; e você trabalha menos e fornece para você e sua família? Ao que ele perguntou, temendo que ele enganasse seu companheiro e o deixasse freqüentar a igreja, ele lhe respondeu assim: sabe, irmão, que eu vou a um certo lugar onde encontro dinheiro, pelo qual sou enriquecido; se você quiser vir comigo, todo dia eu te ligo e o que encontraremos será metade do meu e meio do seu. Com prazer, o outro respondeu; e ele começou a ir juntos e todo dia ele o levava para a igreja. Como ele agradou a Deus, em pouco tempo ele se tornou rico e rico. Então seu companheiro disse a ele: "Veja, meu irmão, quanto bem tem sido para você freqüentar a igreja!" Saiba que aqui é encontrada a graça de Deus, que é o melhor tesouro do mundo; e como você mesmo provou, Deus é solícito por aquele que é solícito por Deus. Faz, portanto, como você começou, freqüenta a igreja e Deus não irá falhar com você. Cristãos, muitos querem fazer fortuna com o pecado, enquanto vivem nos inimigos de Deus, não freqüentam igrejas, não oram, não se aproximam dos sacramentos, não santificam as festas e, enquanto isso, gostariam que Deus os prosperasse e os fizesse felizes. Você engana! Eles não sabem que o pecado é o que torna as pessoas infelizes e infelizes? Miseros fecit populos peccatum (Pr 14).


Oração ejaculatória: Senhor Jesus, que você nos redimiu / ao céu para os sacramentos me guiarem. // E você, grande Virgem, mãe do amor, / no coração me acende com o ardor re.

270. Confissão

Editado em G. Bosco, The month of may ..., pp. 124-129 (OE X, 418-422).

1. Um grande traço da misericórdia de Deus para com os pecadores que temos no sacramento da confissão. Se Deus tivesse dito para nos perdoar nossos pecados somente com o batismo e não mais aqueles que infelizmente teriam se comprometido depois de receberem este sacramento, oh quantos cristãos certamente iriam para perdição! Mas Deus, conhecendo nossa grande miséria, estabeleceu outro sacramento, com o qual os pecados cometidos após o batismo são perdoados. Este é o sacramento da confissão. Aqui está como o Evangelho fala: Oito dias depois de sua ressurreição, Jesus apareceu aos seus discípulos e disse: paz esteja convosco. Assim como o Pai celestial me enviou, assim eu lhe envio, essa é a faculdade dada a mim pelo Pai celestial para fazer o que é bem julgado pela salvação de almas, o mesmo que eu dou a você. Então o Salvador, soprando sobre eles, disse: receba o Espírito Santo, aqueles a quem você perdoa os pecados, são perdoados; aqueles a quem você os considera serão retidos. Todo mundo entende que as palavras sentem ou não querem dizer, dar ou não dar absolvição. Esta é a grande faculdade dada por Deus aos seus apóstolos e seus sucessores na administração dos santos sacramentos. A partir dessas palavras do Salvador, surge uma obrigação para os ministros sagrados de ouvir confissões e a obrigação do cristão de confessar suas faltas, para que ele possa se conhecer quando ele deve dar ou não a absolvição, que conselho sugerir para reparar o pecado. mal feito, em suma, para dar todos aqueles avisos paternos que ele julga necessários para reparar os males da vida passada e não os comprometer mais para o futuro.

2. Nem era confissão praticada apenas em algum tempo e lugar. Assim que os apóstolos começaram a pregar o Evangelho, o sacramento da penitência logo começou a ser praticado. Nós lemos que quando São Paulo pregou em Éfeso, muitos dos fiéis que já haviam abraçado a fé vieram aos pés dos apóstolos e confessaram seus pecados. Confitentes et annunciantes actus suos [Atos 19:18]. Desde o tempo dos apóstolos até nós, a prática desse grande sacramento sempre foi observada. A Igreja Católica condenou a qualquer momento como hereges aqueles que tiveram a coragem de negar essa verdade. Nem você começou qualquer um que pudesse. dispensar. Ricos e pobres, servos e senhores, reis, monarcas, imperadores, sacerdotes, bispos, os mesmos altos pontífices, todos devem dobrar os joelhos aos pés de um ministro sagrado para obter o perdão daqueles defeitos que haviam cometido após o batismo pela aventura. Mas ai de mim! Quantos cristãos raramente aproveitam ou aproveitam este sacramento! Quem se aproxima sem fazer um exame, outros confessam com indiferença, sem dor ou sem resolução, outros então permanecem em silêncio sobre coisas importantes na confissão ou não cumprem as obrigações impostas pelo confessor. Eles tomam a coisa mais sagrada e mais útil para usar como sua ruína. A este respeito, Santa Teresa teve uma visão tremenda. Ela viu que as almas caíram para o inferno quando a neve do inverno caiu nas costas das montanhas. Assustada por esta revelação, ela pediu a Jesus Cristo uma explicação e teve em resposta que aqueles que foram à perdição por confissões mal fizeram em sua vida.

3. Coragem, ó cristãos, aproveitemos este sacramento de misericórdia, mas aproveitemo-lo com as devidas provisões. Ela precede um exame diligente de nossas faltas, confessemo-las todas, certas como certas, duvidosas e duvidosas dessa maneira que as conhecemos, mas com grande pesar de tê-las cometido; Prometemos não comprometê-los no futuro. Mas acima de tudo, mostramos o fruto de nossas confissões com uma melhora em nossas vidas. Deus diz no Evangelho que a bondade da árvore é conhecida a partir do fruto, então a partir do aperfeiçoamento de nossa vida a bondade ou o nada de nossas confissões aparecerá: ex fructibus eorum cognoscetis eos [Mt 7,20].

Exemplo - Um jovem da cidade de Montmirail, na França, vivera cristão até a idade de quinze anos, quando teve a infelicidade de frequentar maus companheiros. Maus discursos, ler maus livros o lançaram no abismo da incredulidade e libertinagem. Seus pais trabalharam para levá-lo a bons sentimentos, mas sendo incapazes de ter sucesso, eles foram à igreja na noite da Imaculada Conceição (8 de dezembro de 1839) e recomendaram-no às orações dos agregados ao Sagrado Coração de Maria. Na mesma noite em que foi recomendado, o jovem chega em casa e, sem dizer nada, contra o seu habitual, ele vai descansar. Ele não pensou em Mary, mas ela pensou nele. 10 de dezembro, quase fora de si, chama o pai e diz: "Meu pai, sou infeliz e sofro muito, são trinta e seis horas, já que não posso mais comer nem dormir. Sou um leão furioso e já não sei nem o que dizer ou fazer, a força é que eu vou ao padre ". Se ele for embora, ele vai ao encontro e tudo o que é agitado pelas dores da consciência implora que ele confesse. "Por favor, ele disse ao padre, para confessar imediatamente. Eu não posso mais viver neste estado". O pastor o animou, consolou-o e pouco depois ele ouviu sua dolorosa confissão. Recebendo absolvição, ele logo sentiu o coração de tal consolo que não conseguiu conter. Quando chegou em casa, expressou ao pai a graça recebida e a tranquilidade do paraíso que desfrutava. O que ainda importava para ele era o arrependimento daqueles que ele tinha com seus escândalos atraídos pelo mal. Cheio de coragem cristã, não prestando atenção ao que seus antigos companheiros teriam dito, ele lhes mostrou o que havia acontecido com ele, as consolações que ele sentia após a confissão, e pediu-lhes o que ele sabia, para fazer o mesmo. Em resumo, esta nova presa da misericórdia de Maria agiu como o penitente Davi quando, para reparar o escândalo que ele deu, ele tentou ganhar almas para Deus.

Oração ejaculatória: De Deus impetrami, Mãe de amor / dos meus defeitos, dor viva.

271. Santa Comunhão

Editado em G. Bosco, The month of may ..., pp. 139-144 (0E X, 433-438).

1. Você entende, ó cristão, o que significa fazer a santa comunhão? Significa aproximar-se da mesa dos anjos para receber o corpo, o sangue,
a alma e a divindade de nosso Senhor Jesus Cristo que é dado alimento à nossa alma sob as espécies de pão e vinho consagrado. Na missa, no momento em que o padre fala do pão e do vinho, as palavras de consagração, pão e vinho tornam-se o corpo e o sangue de Jesus Cristo. As palavras usadas pelo nosso divino Salvador ao instituir este sacramento são: Este é o meu corpo, este é o meu sangue: hoc est corpus meum, hic estálix sanguinis mei [Lc 22,19-20]. Essas mesmas palavras usam os sacerdotes em nome de Jesus Cristo no sacrifício da santa missa. Portanto, quando vamos à comunhão, recebemos o mesmo Jesus Cristo no corpo, sangue, alma e divindade, que é o verdadeiro Deus e o verdadeiro homem, vivo como ele é no céu. Não é sua imagem, nem mesmo sua figura, como é uma estátua, um crucifixo, mas é o próprio Jesus Cristo como nasceu da Imaculada Virgem Maria e morreu por nós na cruz. O próprio Jesus Cristo assegurou-nos da sua presença real na Sagrada Eucaristia quando disse: "Este é o meu corpo que será dado para a salvação dos homens: corpus, quod pro vobis tradetur [Jo 6,51]. Este é aquele pão vivo que desceu do céu: hic est panis vivus, qui de caelo descend. O pão que eu darei é minha carne. A bebida que eu dou é meu sangue real. Quem não come deste corpo e não bebe deste sangue, não tem vida com ele.

2. Jesus, tendo instituído este sacramento para o bem de nossas almas, deseja que nos aproximemos dele muitas vezes. Aqui estão as palavras com as quais ele nos convida: Venham a mim todos, ou vocês que estão cansados ​​e oprimidos e eu os levantarei: venham a mim omnes qui laboratis e onerati estis, et ego reficiam vos [Mt 11,28]. Em outro lugar ele disse aos Hebreus: "Seus pais comeram maná no deserto e morreram, mas aquele que come comida figurado em maná, aquela comida que eu dou, aquela comida que é meu corpo e meu sangue, ele não morrerá mais em O que come a minha carne e bebe o meu sangue mora em mim e eu nele, porque a minha carne é uma verdadeira comida e o meu sangue uma verdadeira bebida ”. Quem poderia resistir a esses convites amorosos do divino Salvador? Para corresponder a esses convites, os cristãos dos primeiros dias iam todos os dias para ouvir a palavra de Deus e todos os dias eles se aproximavam da santa comunhão. É neste sacramento que os mártires encontram sua força, as virgens seu fervor, os santos sua coragem. E com que frequência nos aproximamos desta comida celestial? Se examinarmos os desejos de Jesus Cristo e nossa necessidade, devemos nos comunicar com muita frequência. Como o maná todo dia servia de alimento corporal para os judeus durante todo o tempo em que viviam no deserto, até serem trazidos para a terra prometida, a santa comunhão deveria ser o nosso conforto, a comida diária nos perigos deste mundo para nos guiar para a verdadeira terra. promessa do paraíso. Santo Agostinho diz o seguinte: Se todos os dias pedimos a Deus o pão corporal, por que não devemos também tentar nos alimentar diariamente com o pão espiritual com a santa comunhão? São Filipe Neri encorajou os cristãos a confessarem-se a cada oito dias e a se comunicar com ainda mais frequência, segundo o aviso do confessor. Finalmente, a Santa Igreja manifesta seu desejo vivo de comunhão freqüente no Concílio de Trento, onde ela diz: "Seria desejável que todo fiel cristão se mantivesse em tal estado de consciência que pudesse fazer a Santa Comunhão sempre que intervém na Santa Missa". . O Papa Clemente XIII, para encorajar os cristãos a se aproximarem da santa confissão e comunhão com grande freqüência, concedeu o seguinte favor: os fiéis cristãos que têm o louvável hábito de se confessarem a cada semana podem adquirir uma indulgência plenária sempre que fizerem a Sagrada Comunhão.

3. Alguns dirão: sou muito pecador. Se você é um pecador, tente se colocar na graça com o sacramento da confissão e então se aproxime da santa comunhão e você terá uma grande ajuda. Outro dirá: Eu raramente me comunico para ter mais fervor. E isso é um engano. Coisas que raramente são feitas são principalmente feridas. Além disso, desde que suas necessidades são freqüentes, ajuda freqüente deve ser dada à sua alma. Alguns acrescentam: estou cheio de enfermidades espirituais e não me atrevo a me comunicar com frequência. Jesus Cristo responde: quem está bem não precisa de médico; portanto, aqueles que estão mais sujeitos a inconvenientes, são frequentemente negociados pelo médico. Coragem então, ó cristão, se você quer fazer a mais gloriosa ação a Deus, a mais agradável a todos os santos no céu, a mais eficaz para vencer as tentações, a mais segura para fazer você perseverar no bem, ela é certamente a comunhão santa.

Exemplo - Um jovem chamado Sávio Domenico, pelo vivo desejo de agradar, Maria ofereceu-lhe algumas orações todos os dias, mas todos os sábados fazia a santa comunhão em homenagem a ela, a quem costumava chamar de querida mãe. O ano de 1856 fez o mês de Maria com tanto fervor que seus companheiros foram todos construídos. Todos os dias ele pedia a Mary para removê-lo do mundo, em vez de perder a virtude da pureza. No dia da comporta ele pediu uma única graça: poder fazer uma boa comunhão antes de morrer. A Santíssima Virgem ouviu-o. Nove meses depois (9 de março de 1857) ele morreu com a idade de quinze anos depois de receber a mensagem sagrada com os maiores transportes de ternura e devoção. Nos momentos que transcorreram entre a recepção do viático até sua morte, ele sempre dizia: "Ó Maria, você me ouviu, eu sou rico o bastante. Não te peço a menos que me ajude nestes últimos momentos da vida e me acompanhe desta vida até a eternidade ". Quase no mesmo momento em que ele deixou de proferir estas palavras, sua alma certamente voou para o céu, acompanhada por Maria, cuja vida tinha sido um fervoroso devoto.

Ejaculação: Eu te adoro a cada momento / ou ao vivo pan do céu / grande sacramento.

II. COOPERADORES DA MISSÃO SALESIANA

O primeiro texto (n. 272) aqui reproduzido é um recorte da longa conferência de Dom Bosco por ocasião da inauguração do Patrocínio de São Pedro em Nice, em 12 de março de 1877. Depois de resumir os acontecimentos que levaram à fundação da primeira casa Salesiana na França, graças ao empenho de um grupo de leigos da Sociedade de São Vicente de Paulo, apoiados pelo Bispo Mons. Pietro Sola, o santo afirma que o trabalho só poderia ser estabelecido em virtude da frutuosa colaboração entre salesianos e cooperadores. Então, ilustrado o propósito final da instituição ("o bem da humanidade e a salvação das almas", conclui com a reflexão que propomos aqui, todos centrados na caridade operativa, nas obras de misericórdia, como traços constitutivos do verdadeiro discipulado cristão, e sobre a recompensa eterna que dela derivará (d'Il 25, 34-35).

O segundo documento (nº 273) é a transcrição da primeira conferência feita por Dom Bosco aos Cooperadores de Turim, em 16 de maio de 1878. O texto é importante porque o fundador, refazendo trinta e cinco anos de história do Oratório, mostra o papel decisivo que teve. da cooperação (no sentido mais amplo) na criação de obras providenciais que não poderiam ter sido estabelecidas sem a contribuição substancial de um grupo de colaboradores generosos, benfeitores e cooperadores. Desde a colonização da pobre casa de Valdocco, destinada aos jovens discípulos do bairro, até a expansão mundial da Ópera Salesiana, "com a ajuda de muitos cooperadores e cooperadores, se poderia fazer coisas que cada um não faz." ele nunca mais poderia fazer ". Agora que a Providência divina ampliou os horizontes da missão salesiana, a ficção dos Cooperadores é mais do que nunca decisiva: sem eles - diz Dom Bosco - os salesianos "não podiam exercer seu zelo"; já que "as pessoas não são suficientes, são necessários meios" e estas são confiadas à cooperação salesiana. O vibrante apelo final define de maneira mais completa a vocação da família salesiana: "Quer fazer algo de bom? Educar a juventude. Quer fazer coisa santa? Educar a juventude. Quer fazer o que é mais sagrado? Educa a juventude. Quer fazer algo divino? Eduque a juventude.Na verdade, [isso] entre o divino é mais divino ".

272. Caridade para com os pequenos e os pobres

Ed. Impresso em Giovanni Bosco, Inauguração do Patrocínio de São Pedro em Nice a Mare. Objetivo do mesmo ... com um apêndice sobre o sistema preventivo da educação da juventude. Turim,
Tipografia e Biblioteca Salesiana 1877, pp. 34-40 (OE XXVIII, 412-418).

[12 de março de 1877]
Deus é infinitamente rico e de infinita generosidade. Como homem rico, ele pode nos dar um grande guia por tudo o que fez por ele; como pai da generosidade infinita, ele paga com todas as medidas que fazemos por seu amor com boa e abundante medida. Você, o Evangelho diz, você não vai dar um copo de água fresca em meu nome para um dos meus menos, ou para uma pessoa carente, sem você ter seu salário.

Esmola, Deus nos diz no livro de Tobit, liberta-nos da morte, expurga a alma dos pecados, encontra misericórdia diante de Deus e nos conduz à vida eterna. Alms oriental quae a morte liberat: purgat peccata, facit invenire misericordiam et vitam aeternam [Tb 12.9].

Entre as grandes recompensas, isso também começa quando o divino Salvador se considera feito toda caridade feita aos infelizes. Se víssemos o divino Salvador implorando por nossas praças, batendo nas portas de nossas casas, haveria um cristão que não oferecesse generosamente a última moeda de sua bolsa? O Salvador também está representado na pessoa dos pobres, dos mais abandonados. Tudo o que, ele diz, você vai fazer com os mais abjetos, você faz isso comigo mesmo. Portanto, não são mais crianças pobres que pedem caridade, mas é Jesus na pessoa de seu povo pobre.

O que então diremos da recompensa excepcional que Deus mantém reservada no momento mais importante e difícil em que nosso destino será decidido com uma vida sempre abençoada ou sempre infeliz? Quando nós, ou cavalheiros, nos apresentamos na corte do juiz supremo para explicar as ações da vida, a primeira coisa que eles nos lembrarão amorosamente não são as casas manufaturadas, as economias feitas, a glória adquirida ou as riquezas adquiridas; disso ele não fará uma palavra, mas apenas dirá: Vem, abençoado por meu Pai celestial, venha para a possessão do reino que está preparado para você. Eu estava com fome e você me deu pão na pessoa dos pobres; Eu estava com sede e você me deu algo para beber; Eu estava nua, você me vestiu; Eu estava no meio de uma estrada e você me deu abrigo. Tunc dicet rex dele aqui um dextris eius erunt: • Venha, benedicti Patris mei, possidete paratum vobis regnum um constitutione mundi. Esurivi enim et dedistis mihi manducare; sitivi et dedistis mihi bibere; hospes eram et collegistis me; nudus et cooperuistis me (Mt 25,34-35).

Estas e mais outras palavras o Juiz divino dirá como estão registradas no Evangelho: depois do qual ele lhes dará a bênção e as levará à posse da vida eterna.

Mas Deus, pai da bondade, sabendo que o nosso espírito está pronto e a carne muito doente, quer que a nossa caridade tenha cem vezes até na vida presente. Quantas maneiras, senhores, nesta terra Deus nos dá o centenário de boas obras? Cem por cento são as graças especiais de bem viver e morrer bem; são a fertilidade do campo, a paz e a harmonia das famílias, o sucesso dos assuntos temporais, a saúde dos parentes e amigos; conservação, boa educação da criança. Recompensar a caridade cristã é o prazer que todos sentem em seu coração ao fazer um bom trabalho. Não é um grande consolo quando se reflete que, com uma pequena esmola, ela contribui para remover seres nocivos à sociedade civil, para torná-los homens lucrativos para si mesmos, para seus semelhantes, para a religião? Seres que estão prestes a se tornar o flagelo das autoridades, os infratores das leis públicas e ir consumir o suor dos outros nas prisões e colocá-los em posição de honrar a humanidade, trabalhar e ganhar um sustento honesto com o trabalho e isso com a dignidade de países em que vivem, com a honra das famílias a que pertencem?
Além de todas essas recompensas que Deus concede na vida presente e no futuro, ainda há uma que os beneficiários devem oferecer aos seus benfeitores. Sim, senhores, não queremos defraudar o salário que está em nosso poder. Ouçam: todos os sacerdotes, os clérigos, todos os jovens reunidos e educados nas casas da Congregação Salesiana, e mais especialmente os do Patronato de São Pedro, farão orações especiais pelos seus benfeitores, de manhã e à tarde. De manhã e à noite seus beneficiários com orações especiais invocarão as bênçãos divinas sobre você, sobre suas famílias, sobre seus parentes, sobre seus amigos. Eles vão implorar a Deus que você mantenha a paz e a harmonia em suas famílias, conceda a você uma saúde estável e uma vida feliz, mantenha suas infelicidades nas coisas espirituais e temporais e tudo isso acrescente perseverança na bondade e, o mais tardar, Deus agradará, seus dias serão coroados com uma morte santa. Se então no curso da vida mortal, senhores, teremos a sorte de encontrá-lo nas ruas da cidade ou em qualquer outro lugar, oh sim, então nos lembraremos com alegria dos benefícios recebidos e respeitosos, descobriremos nossa cabeça como um sinal de gratidão indelével terra, enquanto um Deus compassivo irá mantê-lo assegurado a recompensa dos justos no céu. Acipietis Centuplum et vitam aeternam possidebitis [Mt 19,29].

273. "Você quer fazer coisa divina? Educar a juventude"

ASC A0000205 Cronachetta, Quad. V, 1877-1878, ms de Giulio Barberis, pp. 48-614.

16 de maio de 1878
Eu não sei, merecendo Cooperadores e Cooperadores, não sei se devo primeiro agradecer ou convidar vocês juntos a agradecer ao Senhor, por nos terem reunido em um corpo compacto e colocado na posição de podermos fazer um grande bem e nos reunimos aqui esta noite juntos fazer a primeira conferência a ser realizada pelos Salesianos Cooperadores em Turim.

Mas antes de chegar a outra coisa, quero lhe contar um pouco da história, que nos permitirá saber o que os Salesianos Cooperadores já fizeram aqui em Turim e qual é a sua tarefa neste momento. Ouça.

Trinta e cinco anos atrás, a área que atualmente é ocupada por essa igreja serviu como ponto de encontro para muitos jovens mergulhadores que vieram para fazer batalhas, brigas, blasfêmias. Ali perto havia duas casas em que o Senhor ficou muito ofendido: uma era uma taverna onde vinham bêbados e todos os tipos de pessoas más; o outro, colocado aqui no lugar onde o púlpito está e estendendo-se para a esquerda, era uma casa de imoralidade e imoralidade. Naquela época, um pobre padre chegou e deu dois quartos da mesma casa a um preço muito alto. Aquele padre foi acompanhado por sua mãe. Seu objetivo era ver como fazer um pouco de bom para as pessoas pobres do bairro. Todas as suas propriedades consistiam em uma cesta que era carregada no braço, na qual havia vários objetos. Bem, este padre viu os jovens que se reuniram aqui por causa da malícia, ele foi capaz de se aproximar deles e o Senhor fez sua palavra ser ouvida e entendida. Vimos imediatamente a necessidade de ter uma capela para se dedicar ao culto divino. Começando pelo lado da epístola desse altar principal, indo para a direita do observador, havia um galpão que servia de barracão. Ele poderia tê-lo e não ter mais nada, ele se adaptou em uma igreja. Esses garotinhos gradualmente atraíram um ao outro e vieram para a igreja, e seu número aumentou tanto que estava cheio e na pequena praça em si, onde esta igreja está agora, o catecismo estava sendo realizado, já que a igreja não poderia mantê-los todos.

Agora esse padre estava sozinho. Ele teve a ajuda muito zelosa
Teólogo de Borel que fez muito bem em Turim; mas ele, ocupado como estava nas prisões, ajudando os condenados à morte, nas obras de Cottolengo, da marquesa Barolo, do Refúgio e outros, podia esperar por pouco, tendo toda a sua vida em outro lugar. O Senhor providenciou o que faltava e, pouco a pouco, vários dignos eclesiásticos se juntaram ao pobre sacerdote e, quem confessar, aqueles a pregar, aqueles a fazer catecismos, emprestaram o seu trabalho. E aqui está esse trabalho do Oratório para ser apoiado por esses dignos eclesiásticos. Mas isso não foi suficiente. À medida que as necessidades das escolas noturnas e dominicais aumentavam, alguns padres não eram suficientes. E então vários cavalheiros também trouxeram seu trabalho. Foi a Divina Providência que os enviou e com eles o bem multiplicado. Esses primeiros Salesianos Cooperadores, tanto eclesiásticos como seculares, não olhavam para as dificuldades nem para as dificuldades, mas vendo o bem que se fazia e quantas crianças eram reduzidas à virtude, sacrificaram-se. Muitos eu os vi deixarem-se à vontade e vêm não só todos os domingos, mas também todos os dias da Quaresma, embora em seu agora muito desconfortável, mas que era o mais confortável para os meninos, vieram para ajudar o trabalho de Oratório.

É a primeira conferência de Dom Bosco aos Salesianos Cooperadores de Turim; foi realizada na tarde de 16 de maio de 1878, em Valdocco, na igreja de San Francesco di Sales (cf. MB XIII, 624-630).
Enquanto isso, havia uma necessidade crescente de ajudar essas crianças materialmente. Havia aqueles cujas calças e jaqueta estavam em frangalhos e as peças pendiam de todos os lados, mesmo à custa da modéstia; ele era um daqueles que nunca tiveram que mudar o fragmento de camisa que estavam usando. Foi aqui que a bondade e utilidade que os Cooperadores trouxeram começaram a acampar. Agora, para a glória das damas de Turim, gostaria de contar sobre tantas delas em toda parte, embora de famílias muito delicadas, mas não conseguiam tirar aquelas jaquetas, aquelas calças as remendavam com as mãos; Pegue essas camisas todas esfarrapadas, mas talvez nem sequer tenham passado para a água, leve-as, digamos, lave-as, remende-as e entregue-as aos pobres garotos atraídos pelo cheiro da caridade cristã que persevera no Oratório e pratica. de virtudes. Várias dessas senhoras louváveis ​​mandaram roupas, dinheiro, comida e qualquer outra coisa que pudessem. Alguns estão aqui ouvindo a mim e muitos outros já foram chamados pelo Senhor para receber a recompensa de seus trabalhos e obras de caridade.

Aqui, então, como com a ajuda de muitas pessoas, Cooperadores e Cooperadores, as coisas poderiam ser feitas, o que cada uma nunca poderia ter feito separadamente. Com a poderosa ajuda de padres, senhores e senhoras, o que aconteceu? Milhares de jovens vieram para receber instrução religiosa naquele mesmo lugar onde [antes] aprenderam a jurar; eles vieram para aprender a virtude naquele mesmo lugar que era o centro da imoralidade. Escolas noturnas e dominicais poderiam ser abertas e os mais pobres e abandonados dos jovens foram retirados, e a pequena praça em 1852 se tornou esta igreja e essa casa tornou-se o asilo dos meninos pobres. Tudo isto é o seu trabalho ou cooperadores e cooperadores dignos.

O mesmo continuando sua ajuda e outros acrescentando-se um dia em dois outros pontos desta cidade foi possível abrir dois outros Oratórios, um em Vanchiglia chamado de Anjo da Guarda, que então, erigiu a igreja paroquial de Santa Júlia, se transportou próximo ao dito paroquial; o outro ditado de Saint Louis foi aberto em Porta Nuova. Além disso, a igreja de São João Evangelista está sendo erguida.

Mas as necessidades sentidas em Turim começaram a parecer poderosas mesmo em outras cidades e países e, continuando sempre a ajuda dos cooperadores, as regras podiam ser estabelecidas e depois estendidas para além de Turim. Era necessário que a grande deficiência do clero, que se fazia sentir em todo o Piemonte e além, pudesse ser suprida pelos Cooperadores. Como fazer isso? A religião católica não olha para o lugar, cidade, país; é universal e onde quer que o bem seja feito e onde quer que você mais precise, a religião requer esforços maiores. E aqui começa a abrir uma casa em Mirabello, depois outra em Lanzo, depois outras e outras. Agora existem cem ou mais igrejas e casas abertas e mais de 25.000 meninos internos e externos que recebem instrução religiosa em nossos lares. Quem fez todas essas coisas? Um padre? Não! dois, dez, cinquenta? Nem eles poderiam ter feito tanto. Eles eram os muitos cooperadores e cooperadores que, em cada parte, em todos os países e cidades, se uniram para ajudar esses poucos padres. Sim, eles são, mas não apenas eles. Nós devemos, oh! é necessário reconhecer a mão de Deus, que do nada queria levantar tanto trabalho. Sim, é a Divina Providência que enviou tantos meios para salvar tantas almas. Se não fosse pelo desejo do Senhor, eu consideraria impossível que alguém pudesse fazer tanto. Mas a necessidade era real e grande e o Senhor para grandes necessidades envia grande ajuda. Essas necessidades são feitas a cada dia maiores e mais sinceras. O Senhor nos abandonará?
O que eu lhe digo, essas necessidades são sentidas a cada dia mais, não é senão uma verdade muito sólida. Ah, se você visse quantas perguntas estão sendo feitas de todo o mundo, porque abrimos casas para jovens pobres e abandonados. Se você soubesse em quantos lugares você agora sente essa necessidade em tempos passados ​​não parece necessária se não nas grandes cidades. Isso é surpreendente.

E então para as missões, quanto a necessidade não cresce agora? E note que não é mais uma questão de testar a vida de uma pessoa entre selvagens com o perigo de martírio ou grande sofrimento. Agora são os próprios bárbaros que começam a conhecer seu estado miserável e desejam se educar. Eles são eles mesmos, eu diria, que esticam os braços para nós, pedindo que vamos civilizá-los, ensinar-lhes essa religião sem a qual percebem que sua vida é infeliz. Estas questões de missões vêm de todos os lados. Da Índia, da China, de Santo Domingo, Brasil e da República Argentina, perguntas são feitas, de modo que se eu falar com você neste momento eu tivesse dois mil missionários, eu saberia onde colocá-los imediatamente, com certeza do fruto que eles trariam. Bem, mesmo nas missões do bem já foi feito com o trabalho dos Oratórios e esperamos que com o apoio e a ajuda dos Cooperadores e Cooperadores, esse bem possa ser aumentado para mil duplas, para uma maior glória de Deus.

Depois, há outro trabalho feito e produzido por estes Oratórios, um trabalho que eu não desejo ser publicado, mas que é bem conhecido por você. Isso é procurar jovens de boa vontade e colocar os meios em suas mãos para se tornarem padres. Você vê, o número de ministros do Senhor diminui a cada dia com uma proporção assustadora. Por isso, procuraram-se mutuamente onde jovens que mantinham firmes esperanças, reuniam-se, estudavam-se e aqui, abençoando ao Senhor esta obra, já centenas e centenas de sacerdotes deixavam os nossos lares. Você quer que eu lhe diga em completo sigilo o número de clérigos que fez no ano passado? Ouça. De todas as nossas casas espalhadas na Itália, França, Uruguai e República Argentina, 300 clérigos se fizeram no ano passado. Estes vão principalmente para as suas próprias dioceses e apenas para falar sobre um deles, veja a diocese de Casale, de 42 clérigos que estão no seminário, 34 deixaram nossas casas. Outros então se tornam religiosos, outros vão para missões ou até param conosco para nos ajudar com todas as suas forças. Você vê onde sua esmola vem, sua ajuda, sua caridade?
Outro trabalho que não é pequeno é acabar com a heresia que ameaça invadir tantas cidades e países. É um massacre nos países católicos e está se expandindo cada vez mais à medida que cresce a liberdade no mundo político; pois quando, com o título de liberdade, um campo aberto é dado ao mal do trabalho, e enquanto isso o trabalho do bem está tropeçando, sempre haverá consequências fatais. Foi feita, portanto, uma tentativa de se opor a uma barreira contra a heresia e a impiedade e com livros bem ordenados para esse fim, que foram feitos e espalhados entre o povo católico com grande esforço e despesa. Mas os livros não são tudo. Vimos a necessidade como um sentinela de pé nos mirantes nos locais onde o perigo é maior e nos lugares certos onde o perigo é contínuo colocando um piquete de soldados para paralisar pelo menos o mal e aqui em Turim, perto da igreja dos protestantes Até 1847 foi inaugurado o Oratório de São Luís, e agora, depois de muitos estudos e esforços, está sendo construída a igreja de San Giovanni Evangelista.

Em San Pier d'Arena, a heresia também era ameaçadora e havia um hospital lá. Em Nizza Mare, ao lado da igreja protestante, o Patronato de São Pedro foi construído. Na heresia das Temperas, já fez um progresso extraordinário: aqui foram feitos todos os esforços e aqui estão abertas as escolas especiais. Mas para evitar nomear tudo, vou lhe contar o que aconteceu em Ventimiglia. Lá, em poucos anos, à medida que o número de habitantes aumentava, um vale chamado Valle Crosia estava cheio de casas. O número de habitantes cresceu para centenas e até para milhares. Como todas eram casas novas, nenhuma igreja foi pensada ou construída. Os protestantes, dada a conveniência, ergueram um grande edifício no belo centro, para servir como hospício e escolas, e uma igreja própria. Os habitantes deste vale, não tendo outras escolas, foram atraídos para ir a estes e depois também a várias pessoas que foram para a sua igreja. O bispo não sabia como fazê-lo; erigir uma igreja, equipá-la como paróquia, são coisas que hoje não podem mais ser feitas como uma pessoa privada. Chamado nós de bom grado emprestou nosso trabalho. Não havia meios, mas a Providência ajudou-nos e, não sendo capazes de fazer mais, alugamos uma casa, no galpão no andar térreo nos ajustamos um pouco, fazemos um altar e aqui é feita a igreja. Nos quartos à direita e no primeiro andar há duas escolas para meninos; nas salas à esquerda desta pequena igreja se chamam as Irmãs de Maria Auxiliadora e abrem-se escolas para meninas. Aqui está a mutação! O oratório festivo atrai os pequenos, e os adultos e todos os habitantes do entorno têm o conforto de ouvir a santa missa; as escolas das crianças são atendidas imediatamente; as das meninas também. As coisas são tão difíceis, que agora as escolas dos protestantes estão absolutamente fechadas porque não existe mais nem uma, nem entre as crianças nem entre as meninas que as frequentam. Mesmo aqueles que haviam começado a frequentar a igreja protestante, que poderia atrair os sacramentos da Páscoa de uma maneira bonita, deixaram um local que se tornaria o centro da heresia na Ligúria abandonado.

Todos estes vários trabalhos é impossível que eles sejam feitos por um. É necessário ter Cooperadores. Seus subsídios ajudam, por exemplo, a poder ir até lá e fazer as primeiras usinas: quando você está lá, os Cooperadores se juntam ao mesmo lugar e seguem em frente. Sem o trabalho dos cooperadores, os salesianos ficariam bem feridos e não poderiam exercer seu zelo. É verdade que sempre foram encontradas dificuldades para realizar essas obras; mas o Senhor providenciou que eles sempre pudessem ser superados.

Este ano as dificuldades se multiplicaram; no entanto, vemos que a mão do Senhor sempre nos apóia. Nosso incomparável benfeitor Pio IX morreu este ano; aquele Pio IX que aprovou a associação dos cooperadores e a enriqueceu com tais indulgências; aquele Pio IX que quis ser matriculado para o primeiro entre os Salesianos Cooperadores; aquele Pio IX que nunca permitiu que uma oportunidade passasse diante dele para nos beneficiar. Ele morreu, mas o Senhor ordenou que um Leão XIII o sucedesse. Apresentei-me a ele, falei com ele sobre os Salesianos Cooperadores. Rezei para que ele permitisse que seu augusto nome, como o nome de seu antecessor de feliz memória, aparecesse entre os Salesianos Cooperadores. Informou-se bem de seu espírito, acrescentou: "Queremos não apenas ser um Salesiano Cooperador, mas um operador. O Papa não deveria ser o primeiro a aumentar as obras de caridade?" Portanto, eis que, como pai perdido, o Senhor trouxe para nós outro não menos benevolente do que o primeiro. Nesse mesmo ano, vários cavalheiros dignos morreram () propensi para beneficiar o Oratório; mas o Senhor ordenou que os outros os substituíssem e a caridade dos fiéis não nos deixa perder o que é necessário.

Então, agora, qual é o objetivo dos Salesianos Cooperadores? é o que eles têm que fazer. Devemos continuar os trabalhos iniciados, dos quais falei; de fato, essas obras devem ser multiplicadas por cem. Para isso, há necessidade de pessoas e meios. Nós sacrificamos nosso povo: o Senhor nos envia todos os funcionários do dia prontos para qualquer sacrifício, até dando a vida pela saúde das almas. As pessoas não são suficientes: precisamos dos meios. Os meios são para você procurá-los, ou Cooperadores louváveis. Confio-te meios materiais; verifique se eles não estão faltando. Observe quão grande é a graça do Senhor que coloca os meios para cooperar na saúde das almas em suas mãos. Sim, nas suas mãos está a saúde de muitas almas. Vimos, com o nosso fato, até agora narrado, que a saúde de tantas almas resulta da cooperação do bem.

Agora seria o caso que eu te agradeço. Mas o que obrigado? Eu não posso fazer isso com você. Seria muito pequeno para agradecer por suas boas ações. Vou deixar que o Senhor lhe agradeça por isso. Sim, ele disse várias vezes que o considera algo feito ao seu vizinho. Por outro lado, é certo que a caridade não é puramente corporal, mas que também tem um propósito espiritual, tem um mérito ainda maior. E eu gostaria de dizer que ele não apenas tem um mérito maior, mas tem o divino. Os santos padres concordam em repetir o dito de São Dionísio, que diz: Divinorum divinissimum est cooperari Deo in salutem animarum. E explicando esta passagem com Santo Agostinho diz-se que esta obra divina é uma promessa absoluta de sua própria predestinação: Animam salvasti, animam tuam praedestinasti.

Você quer fazer uma coisa boa? Eduque a juventude. Você quer fazer uma coisa santa? Eduque a juventude. Você quer fazer o que é mais sagrado? Eduque a juventude. Você quer fazer coisa divina? Eduque a juventude. Realmente [isto] entre o divino é o mais divino.

Oh! portanto, contribuindo para fazer esses grandes bens mencionados acima, você pode ter certeza de salvar sua alma. Por isso, deixo-vos para lhe dar um agradecimento especial. Apenas saibam que na igreja de Maria Auxiliadora de manhã e à noite, e posso dizer o dia todo, orações especiais são feitas por você, para que o Senhor possa agradecer-lhe com aquelas palavras que ele lhe dirá no dia decisivo do julgamento. Euge, servir ossos etfidelis ... [Mt 25,23]. Você faz sacrifícios, mas tenha em mente que Jesus Cristo fez um sacrifício muito maior de si mesmo e nunca chegaremos perto o suficiente do sacrifício que ele fez por nós. Mas aqueles que se esforçam para imitá-lo [no] fazendo sacrifícios para salvar almas, podem ter certeza de que o animam salvo, animam tuam praedestinasti não é exagerado e certamente será coroado no gaudium Domini tui [Mt 25:23] que a todos Eu ardentemente desejo e rezo.

III. CONSELHO ESPIRITUAL AOS AMIGOS, COOPERADORES E BENEFATORES

A correspondência de Dom Bosco com os cooperadores e amigos, leigos e eclesiásticos, contém sempre sugestões espirituais pontuais e substanciais, destinadas a propor um caminho de vida interior que une devoção e fervor espiritual com o exercício da virtude, caridade operativa , o cumprimento amoroso e fiel dos deveres do próprio estado.

A partir desses pequenos textos, surge a inspiração "salesiana" de nosso santo, a harmonia com os ensinamentos expressos por São Francisco de Sales na Introdução à vida devota e nas cartas de direção espiritual.

Aqui estão doze correspondências que documentam o alcance das relações de Dom Bosco e a concretude de sua escola espiritual.

274. Para um leigo ansioso pela perfeição

Ed. Crítica em E (m) I, pp. 525-526.

Turim, 24 de setembro de 1862
Querida no Senhor
Que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja sempre conosco.

Recebi em seu tempo as duas cartas que ele teve a bondade de me dirigir e não respondi porque não tinha certeza do lugar de sua estada.

Eu combino o bilhete vermelho [da loteria], ou melhor, dois para ganhar dois prêmios. Os bilhetes que lhe enviei não eram suficientes para serem vendidos, mas sim para serem considerados por ela e por isso ajudou o pobre Dom Bosco a dar pão aos seus jovens pobres.

Pegando as coisas de sua primeira carta, eu admiro muito o momento
de seu coração em seguir cegamente o conselho de um pobre padre como eu. A coisa é difícil para ambos, mas vamos tentar.

Como eu vou fazer uma vida, ela disse, que você se separa do mundo e me liga a este coração com o Senhor para que você constantemente ame a virtude?
R. A boa vontade apoiada pela graça de Deus produzirá esse maravilhoso efeito. Mas para ter sucesso, ela deve se esforçar para conhecer e saborear a beleza da virtude e a alegria que aqueles que tendem a Deus sentem em seus corações.

Então considere a nulidade das coisas do mundo. Eles não podem nos dar o menor consolo. Coloque todas as suas viagens juntas, o quanto você viu, gostou, leu e observou. Compare tudo com a alegria que um homem sente depois de ter se aproximado dos sagrados sacramentos, ele perceberá que os primeiros não são nada, que o segundo tem tudo.

Uma vez estabelecida uma base, chegamos a praticar. Ela: 1ª a cada manhã Massa e meditação. 2 No meio do dia uma pequena leitura espiritual. 3º Todos os domingos ele prega e abençoa. 4 ... Adagio, ela grita comigo, pouco a pouco. Ele está certo; comece a pôr em prática o que lhe escrevo aqui de passagem e, se sentir que estou acompanhando, espero, com a ajuda do Senhor, poder levá-lo ao terceiro céu.

Quando ele vier a Turin, falaremos sobre projetos um pouco maiores. Enquanto isso, não deixem de orar ao Senhor por mim, que eu sinceramente lhe desejo do Senhor e me professa o seu querido senhorio.
Amigo muito carinhoso
Sac. Bosco Gio.

275. Para uma pessoa religiosa

Critical ed Em E (m) II, p. 276.

Turim, 22 de julho de 1866
Senhora preciosa,
A suscetibilidade, quando não é promovida pela vontade, deve ser totalmente livre de culpa. De fato, creio que essa indiferença, que leva o nome de aridez de espírito, é meritória diante do Senhor. No entanto, se ele quer alguns jogos que excitam faíscas de fogo, eu os encontro em ejaculações em direção ao Santíssimo Sacramento, alguma visita ao mesmo, para beijar a medalha ou o crucifixo. Mas mais do que qualquer outra coisa, o pensamento de que as tribulações, as dores e a secura do tempo são tantas rosas perfumadas para a eternidade.

Não deixarei de recomendar-vos fracamente ao Senhor na Santa Missa e, no ato que recomendo a mim e aos meus pobres rapazes à caridade das suas santas orações, tenho a honra de poder manifestar-me com sincera gratidão ao vosso mais estimado senhorio.
Servo abençoado
Sac. Bosco Gio.

276. Ao Marquês Ignazio Pallavicini

Ed. Crítica em E (m) II, pp. 423-424.

Setembro de 1867
Vossa Excelência,
Que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja sempre conosco. Amém.

Aqui estou falando com sua excelência como eu faria com meu irmão. O que lhe escrevi em agosto não é ameaçador nem de tempo; mas é tudo amoroso e preventivo. Tendo dito isto, ela deve trazer seus pensamentos para três coisas: ela mesma - ela - suas coisas.

Self. Dê uma olhada nas intenções feitas em confissão e não mantidas; no conselho ele teve que evitar o mal e praticar bem, mas esquecido. Mesmo uma grande falha na dor dos pecados. Isso pode ser remediado pela meditação e um exame de consciência à noite ou em outro momento mais adaptado a ela. Até o presente, Deus quer mais paciência em suas ocupações, especialmente na família; mais confiança na bondade do Senhor; mais tranqüilidade de espírito, nem nunca tem medo de que a morte te surpreenda à noite ou a outro tempo inesperado. Faça um esforço para praticar a virtude da humildade e confiança no Senhor e não tenha medo de nada. Para o futuro, você assiste à confissão e à comunhão para servir de modelo para aqueles que a conhecem.

Sua. Ver que seus empregados cumprem e têm tempo para cumprir seus deveres religiosos, dispor das coisas que lhes dizem respeito de tal maneira que, na morte e depois da morte, eles têm razões para abençoar seu mestre. Na família, caridade e bondade com todos; mas nunca deixe escapar qualquer oportunidade para dar avisos ou conselhos que possam servir como regra de vida e um bom exemplo.

As coisas dele. Aqui devemos escrever muito. Segunda-feira eu tenho que ir para Alexandria e de lá eu vou fazer uma viagem para Mombaruzzo, onde espero escrever ou falar com ela com alguma paz de espírito. A coisa que Deus quer especialmente dela é. é promover, tanto quanto possível, a veneração do sacramento de Jesus e a devoção à bem-aventurada Virgem Maria.

Deus nos ajude a andar pelo caminho do céu. Assim seja.

Com gratidão eu professo o seu
Servo obrigatório
Sac. Giovanni Bosco

277. Para Cesare Callori

Critical Ed. Em E (m) H p. 426.

Turim, 6 de setembro de 1867
Caro Sr. Cesare
Desta vez não é mais César, mas é Dom Bosco quem confessa a culpa.

Vire-se daqui, trote de lá e enquanto isso eu não cumpri meu dever enviando o livro que nosso Cesare foi oferecido para traduzir para nossas leituras católicas.

Agora vamos consertar as coisas na família. Um arquivo para ela, o outro para a dama de honra Gloria; e desde que me atrasei na expedição, ela ajustará ou compensará melhor o tempo perdido com uma diligência e solicitude especiais na execução do trabalho.

Que facilidade Dom Bosco tinha em comandar! Felizmente, ele tem que lidar com pessoas dóceis e obedientes, caso contrário, ele me deixaria em paz para cantar e carregar a cruz.

Enquanto, por outro lado, confesso-me culpado, gostaria de lhe ordenar, direi melhor, gostaria de recomendar-lhe duas coisas, que já discutimos algumas vezes.

Nos vários compartimentos de seu tempo ele decide ir confessar a cada quinzena ou uma vez por mês; nunca omita um dia sem fazer uma leitura espiritual ... Mas cale a boca: nós não fazemos o sermão. Bem, vamos terminar.

Atenciosamente pai e mãe e todos em sua respeitável família. Me dê um bom conselho; Aprecie que você me deseja todas as bênçãos celestiais e acredite em mim com a gratidão mais sincera
Do seu querido senhorio
Servo obrigatório
Sac. Giovanni Bosco

278. Para uma mãe de família

Critical ed., Em E (m) III, pp. 133-134.

11 de setembro de 1869
Nas mãos da zelosa irmã Filomena, recebi a notável soma de fr. 10.000 que em sua caridade oferece a honra de Maria Auxiliadora e de ser empregado para as várias e sérias necessidades deste novo edifício. Não pude deixar de conversar com o religioso, se não o voo, e por isso não pude confiar-lhe os meus sinceros agradecimentos pelos quais queria rezar a ela. Agora, cumprindo o meu dever de gratidão, asseguro-lhe que continuarei a fazer preces especiais todos os dias no altar de Maria Auxiliadora, e espero que a graça que pedirdes lhe seja concedida sem falta.

Ela diz que até agora isso ainda não foi alcançado; ele me diz que é uma tribulação da família, que eu não sei o que é, mas aqui está o que posso dizer positivo: continue a orar e resignar-se à vontade divina. A tribulação se transforma em seu fim. Há coisas que agora parecem espinhos, que Deus transformará em flores. Um olhar sobre o crucifixo e um fiat voluntas tua, é o que Deus quer dela.

Enquanto isso, siga este conselho: as feridas da família devem ser medicadas e não amputadas. Dissimular o que está arrependido, conversar com todos e aconselhar com toda a caridade e firmeza é o remédio com o qual ela curará tudo. Perdoe-me esta liberdade: Eu ensino lições de Minerva, perdoe-me.

Amanhã (12) celebrarei a santa missa e meus meninos farão sua comunhão de acordo com o piedoso de sua intenção. Deus abençoe você e toda a sua família e conceda a todos longos anos de vida feliz com o precioso dom da perseverança final.

Por favor, aceitem os atos profundos da minha gratidão com os quais tenho a honra de poder professar a você seu digno senhorio
Servo obrigatório
Sac. Giovanni Bosco

279. Para uma viúva aflita

Critical ed., Em E (m) III, pp. 211-212.

Turim, 28 de maio de 1870
Muito clara senhora,
Recebi a carta de honra dele e fiquei muito satisfeito.

Disto eu percebo que seu coração é todo exacerbado pela perda de seu falecido marido, mas ele se acalmou um pouco para dar lugar à resignação à vontade divina que, quer deseje ou não, deve ser subjugada. Não tema que o afeto do marido diminua para ela na outra vida, de fato, será muito mais perfeito. Tenha fé; ela o verá em uma posição muito melhor do que quando ele estava entre nós. A coisa mais bem-vinda que ela pode fazer por ele é oferecer a Deus todo o descanso para o resto de sua alma.

Agora me dê alguma liberdade para conversar. É da fé que no céu se desfruta de uma vida infinitamente melhor que a terrena. Então, por que reclamar se o marido dela se apossou? É da fé que a morte entre nós cristãos não é separação, mas um atraso para nos vermos. Portanto paciência quando alguém nos precede; ele não faz nada além de preparar o lugar.

E também da fé de que a qualquer momento ela pode fazer o bem * com as obras de piedade e caridade para com a alma do defunto: portanto ela não deve gozar em seu coração se Deus permitiu que ela sobrevivesse? Então a assistência das crianças, o conforto ao bon pai, a prática da religião, espalhar bons livros, dar bilhões de conselhos aos necessitados não são todas as coisas que devem, a cada momento, fazer o Senhor abençoar por anos quem nos concede?
Então, ainda há outras razões que ainda não julguei manifestar.

Em resumo, nós adoramos a Deus em tudo, nos consolos e nas aflições e temos a certeza de que ele é um bom pai e que ele não permite aflições além da nossa força e é onipotente e, portanto, pode nos levantar quando quiser.

Entretanto, eu sempre recomendei você e sua família ao Senhor na santa missa e continuarei a fazer o mesmo em particular e nas orações comuns que são feitas no altar de Maria.

Deus a abençoe e seus trabalhos; reze por mim que eu me confesse com o seu mais ilustre senhorio com gratidão
Servo obrigatório
Sac. G. Bosco

280. Para um católico comprometido

Critical ed., Em E (m) III, pp. 227-228.

Turim, 13 de julho de 1870
Querida no Senhor
Deus seja abençoado em tudo. Eu não pedi desculpas porque ele não pode fazer muitas coisas. Antes de Deus, ele faz muito o que em pouco tempo faz a sua santa vontade. Portanto, tome da mão sagrada do Senhor os inconvenientes a que está sujeito, faça o mínimo que puder e permaneça para cada lado quieto.

Nestes tempos sente-se seriamente a necessidade de propagar a boa imprensa. E um vasto campo, todo mundo fazendo o que pode, vai ganhar muito.

Não deixarei de orar por você e por todos os seus companheiros. Respeite-os para mim no Senhor. Ore por mim também. que eu me professo com verdadeiro carinho
Amigo muito carinhoso
Sac. Giovanni Bosco

281. Para um padre amigo

Critical ed Em E (rh) V, p. 142. '
Roma, 8 de maio de 1876
Querido Don Perino
Eu realmente gosto de sua promoção como pároco de Piedicavallo.

Você terá um campo mais amplo de ganhar almas para Deus.A fundação do sucesso de sua paróquia é cuidar dos filhos, ajudar os doentes, amar os velhos.

Para você: confissão freqüente, todos os dias um pouco de meditação, uma vez por mês o exercício de uma boa morte.

Para Dom Bosco: divulgar as leituras católicas e ir almoçar no Oratório sempre que você vier a Turim. O resto por voz.

Deus te abençoe, seus trabalhos, sua futura paróquia e ore por mim, que eu sempre serei você em Jesus Cristo
Amigo muito carinhoso
Sac. Giovanni Bosco

282. Para um padre em dificuldade

ASC A1780133 Orig: aut. recuperou recentemente, Fassio. Ed. Em E III, pp. 271-272.

Roma, 12 [janeiro] 1878
Meu querido Don ...

Deus permite uma grande provação, mas você terá um grande ganho. A oração excederá tudo. Trabalho, temperança, especialmente à noite, não descansar durante o dia, nunca superior a sete horas na cama, são coisas muito úteis.

Pricipiis obsta; portanto, assim que você perceber que é tentado, vá para o trabalho, se for dia; rezar, se à noite; não suspenda a oração, se não for superada pelo sono. Coloque essas sugestões em prática; Eu te recomendarei na santa missa, Deus fará o resto. Vamos, querido Don ...; feche seu coração, espere no Senhor e siga em frente sem se preocupar.

Ore por mim para que eu seja sempre você em Jesus Cristo
Amigo muito carinhoso
Sac. Giovanni Bosco

283. Para Mons. Edoardo Rosaz, bispo de Susa (abençoado)

Ed. Em E III, pp. 293-294.

Roma, 7 de fevereiro de 1878
Querido e Reverendíssimo Monsenhor5,
Em seu tempo, recebi de Turim e, depois, de sua querida carta, como o grande pontífice Pio D C. levou seu pensamento paternal sobre ela e o proclamou bispo de Susa. Eu não fiquei um pouco surpresa, porque sei o quão baixa ela se sente sobre si mesma e como ela terá que adotar uma nova atitude de verbos e ações. Mas logo abençoei o Senhor, porque ele estava e estou convencido de que a Igreja adquiriu um bispo segundo o coração de Deus e que teria feito muito bem para a diocese de Susa.

5 Mons. Edoardo Giuseppe Rosaz (1830-1903), fundador das Irmãs Franciscanas Missionárias (1874) para a educação das meninas pobres e órfãs, foi nomeado bispo de Susa no consistório de 31 de dezembro de 1877.

Eu gosto muito e com todo o carinho do coração, ofereço todas as casas de nossa Congregação para qualquer serviço que possam oferecer à pessoa respeitável dela ou à diocese que a divina Providência lhe confiou.

Não tenho a pretensão de ser professora, mas acredito que ela logo terá o coração de tudo em suas mãos:
1 Se ele cuidará especialmente dos doentes, dos velhos e dos pobres.

2 ° Ir muito devagar em fazer mudanças na equipe já estabelecida pelo seu antecessor.

3º Fazer o que puder para ganhar a estima e a afeição de alguns que ocuparam ou ocuparam altos cargos na diocese; que julga ter sido negligenciada e seu senhorio preferido.

4 ° Ao tomar medidas severas contra qualquer membro do clero, seja cuidadoso e tanto quanto você possa ouvir o acusado. Além disso, espero que em março possamos conversar pessoalmente.

Hoje, por volta das três e meia, a grande e incomparável estrela da Igreja, Pio IX, foi extinta. Os jornais darão os detalhes. Roma está toda desanimada e eu acredito o mesmo em todo o mundo. Dentro de muito pouco tempo, certamente estará nos altares.

Acredito que seu senhor sempre me permitirá escrever com a confiança do passado; e orando a Deus para iluminar e mantê-lo em boa saúde, recomendo-me à caridade de suas orações sagradas e professar-me com a maior veneração
De seu mais reverendo e querido senhorio
Amigo muito carinhoso
Sac. Giovanni Bosco

284. Para uma senhora escrupulosa

ASC A1780410 Orig. Lett. recuperou recentemente, Armelonghi. Ed. Em E III, pp. 388-389.

Turim, 26 de setembro de 1878
Altamente estimado em Jesus Cristo
Em relação à sua consciência, você acredita:
1 ° Nunca tente refazer confissões passadas.

2 ° Pensamentos, desejos e tudo o que é interno nunca é uma questão de confissão.

3 Confesse apenas as obras, os discursos que o confessor julgará como culpados e nada mais.

4º Obediência cega ao confessor.

Tenha calma de consciência e ore por mim para que eu seja sempre você em Jesus Cristo
Humilde servo
Sac. Giovanni Bosco

285. Para um padre da paróquia desanimado

A

SC A1940605 Cópias de orig. Ed. Em E III, p. 399.

Turim, 25 de outubro de 1878
Querida no Senhor
Recebi sua boa carta e os francos 18 dentro dela. Obrigado: Deus, você retornará. É maná que cai em relevo dos nossos estreitos. Ela está quieta então. Não fale em isentar-se da paróquia.

Existe trabalho a fazer? Eu morri no campo de trabalho, milhas bônus Christi [2 Tii 2,3].

Eu sou um pouco bom? Omnia possum no eo qui me confortat [Fil 4,13].

Existem espinhos? Com os espinhos se transformando em flores, os anjos tecerão uma coroa para ela no céu.

Os tempos são difíceis? Eles sempre foram assim, mas Deus nunca perdeu sua ajuda. Christus heri et hodie.

Você precisa de conselhos? Aqui está: tome cuidado especial com as crianças, os velhos e os doentes e se tornará o dono do coração de todos. Afinal, quando você vem me fazer uma visita, vamos falar sobre isso por mais tempo.

Sac. Giovanni Bosco

QUARTA SEÇÃO

A DIMENSÃO MARIANA DA ESPIRITUALIDADE SALESIANA

 

apresentação

Dom Bosco, incansável apóstolo da devoção mariana, na Juventude Providenciada, enfatiza o papel da Santa Virgem no que diz respeito à salvação individual: é mediadora das graças, defendida pelos assaltos do mal, apoio no compromisso com a vida cristã e no caminho da santidade. São elementos que ele extrai de Santo Afonso de Ligório: a verdadeira devoção, que se expressa sobretudo em uma vida virtuosa, garante o mais poderoso patronato que se pode ter na vida e na morte.

Os temas são retomados no livreto Il mese di maggio (1858), onde o santo enquadra explicitamente a devoção mariana popular e juvenil em um contexto destinado a um sério compromisso ético e espiritual e vincula a devoção mariana à salvação eterna.

Dez anos depois (1868), por ocasião da inauguração da Igreja de Maria Auxiliadora, compila um panfleto intitulado Maraviglie della Madre di Dio invocado sob o título de Maria Auxiliadora2. É particularmente evidente o enquadramento da devoção mariana numa perspectiva eclesial, sobre a qual abrimos cada vez mais o olhar de Dom Bosco e para o qual se orientam suas preocupações missionárias e educacionais. Através de algumas meditações evangélicas, o santo também desenvolve outros aspectos em relação à vida espiritual: Maria é um modelo de união com Deus, de serviço aos outros, de atenção operacional às necessidades dos irmãos e tem uma tarefa de maternidade universal.

Desde o momento da consagração do santuário de Valdocco, Dom Bosco tornou-se um incansável apóstolo da devoção à ajuda dos cristãos: ajuda da Igreja nas batalhas da história; apoio inspirador e poderoso do trabalho salesiano; presença materna operativa e benéfica na vida de quem nela confia.

A Associação dos devotos de Maria Auxiliadora (fundada em 1869), * que visa "promover a devoção à Mãe de Deus e a veneração pelo augusto
1 Giovanni Bosco, O mês de maio consagrado a Maria SS. Imaculada para o uso das pessoas. Turin, dica. Paravia and Company 1858 (OE X, 295-486).

2 Giovanni Bosco, Maraviglie da mãe de Deus invocado sob o título de Maria Auxiliadora. Turin, dica. Do Oratório de São Franc. das vendas 1868 (OE XX, 192-376).

sacramento da Eucaristia5, certamente responde à sensibilidade religiosa da época, mas exprime de maneira excelente o esforço de Dom Bosco de encorajar a entrega a Maria e de estimular em todos ela a imitação de suas "belas virtudes".

Com a difusão mundial da obra salesiana, o culto da Auxiliadora espalhou-se por toda parte, indissoluvelmente ligado à figura de Dom Bosco e sua missão.

Esta seção, que é uma amostra simples extraída de um vasto material, inclui sete meditações (n. 286-291 e 293), algumas orações oferecidas aos membros da Associação dos devotos de Maria Auxiliadora (nº 292) e uma "boa noite". "aos jovens sobre a eficácia do apelo à ajuda dos cristãos (n. 294).

286. Razões para ser devoto de Maria

Editado em G. Bosco, The month of may ..., pp. 12-18 (OE X, 306-312).

Venha comigo, ou cristão, e considere as inúmeras razões que todos nós temos que ser devotos de Maria. Começarei mencionando os três principais e são os seguintes: Maria é mais santa que todas as criaturas, Maria é a mãe de Deus, Maria é nossa mãe.

1. Ao longo do Antigo Testamento, Maria é chamada de toda bela e sem defeito: ela é comparada ao sol resplandecente; para a lua que está na plenitude de sua luz; para as estrelas mais brilhantes; para um jardim cheio de flores o mais delicioso; para uma fonte selada da qual a água mais clara flui; para uma pomba humilde; para um lírio muito puro. No Evangelho vem então do anjo Gabriel chamado cheio de graça, "Ave, gratia pieno". Cheia de graça, que é criada e formada em graça, o que significa que desde o primeiro momento de sua existência Maria ficou sem mancha original e real e sem defeito perseverou até o último alento da vida. Cheia de graça e, portanto, não havia o menor defeito que entrou em seu coração mais puro; tampouco você tinha alguma virtude que, no mais sublime grau, não fosse praticada por Maria. A Igreja Católica expressa essa santidade de Maria ao definir que ela estava sempre isenta de toda culpa e nos convida a invocá-la com as seguintes preciosas palavras: Regina sine original conceta, ora pro nobis. Rainha concebida sem pecado original, ore por nós que recorremos a você.

2. Ser Maria isenta de qualquer mancha de pecado original e atual; ser adornado com todas as virtudes que podemos imaginar; tendo sido preenchidos com graça por Deus mais do que qualquer outra criatura, todas essas prerrogativas a fizeram escolher entre todas as mulheres para serem elevadas à dignidade de mãe de Deus.Este é o anúncio que o anjo fez para ela: esta repetida Santa Isabel quando São. ela foi visitada pela santa Virgem: esta é a saudação que os fiéis cristãos dão todos os dias dizendo: Santa Maria, Mãe de Deus, roga por nós. Para o glorioso nome de mãe de Deus há menos ingenuidade humana, portanto curvando nossas testas no sinal da mais profunda veneração, nos limitamos a dizer que nenhuma criatura pode ser elevada a uma dignidade mais sublime, nenhuma criatura pode alcançar maior grau de glória; e consequentemente nenhuma criatura pode ser mais poderosa com Deus do que Maria é.
Cf o doc. n. 41: Súplica a Pio IX pelas indulgências a favor da Associação estabelecida de Maria Auxiliadora.

3. Mas se o título de Mãe de Deus é glorioso para Maria, então é muito consolador e útil para nós que somos seus filhos. Por se tornar a mãe de Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, ele se tornou nossa mãe também. Jesus Cristo, em sua grande misericórdia, quis nos chamar de irmãos e, com esse nome, ele nos torna todos filhos adotivos de Maria. O Evangelho confirma o que dizemos aqui. O divino Salvador estava na cruz e sofreu as dores da mais dolorosa agonia. Sua mãe santíssima e o apóstolo São João estavam a seus pés imersos na dor mais profunda; quando Jesus abriu os olhos e talvez tenha sido a última vez que os abriu em sua vida mortal, viu o discípulo amado e sua querida mãe. Então ele dissolve os lábios moribundos - Mulher, disse ele a Maria, contemple seu filho em João; então ele disse a João: "Aqui está sua mãe em Maria; mulier, ecce filius tuus; mater excepcional [Jo 19,26-27]. Neste fato, os santos padres reconhecem unanimemente a vontade do divino Salvador, que antes de deixar o mundo queria nos dar Maria para nossa mãe amorosa e todos nós constituímos seus filhos. Maria também é nossa mãe porque nos regenerou por meio de Jesus Cristo na graça. Porque, como Eva é chamada a mãe dos vivos, Maria é a mãe de todos os fiéis pela graça (Riccardo da San Lorenzo). Nesse sentido, São Guilherme, o abade, se expressa assim: Maria é a mãe da cabeça, então ela também é a mãe dos membros, que somos: Nos sumus membra Christi. Maria dando à luz a Jesus também nos regenerou espiritualmente. Por esta razão, Maria é justamente aplaudida por todos e como tal merece ser honrada (William Abbot, Cant. 4).

Aqui está você, ó cristãos, a pessoa que venho propor a sua veneração durante este mês. Ela é a mais santa de todas as criaturas; a mãe de Deus, nossa mãe, uma mãe poderosa e compassiva que deseja ardentemente nos encher de favores celestiais. Eu, ela nos diz, eu vivo no mais alto dos céus para encher meus devotos de graças e bênçãos: ut ditem diligentes me, etc. Thesauros eorum Repleam [Pr 8.21].

Coragem, portanto, ó devotos de Maria; é uma questão de fazer uma grande festa para nossa mãe, a mãe de Jesus.Quando chega a festa de nossa mãe, gostamos de reunir parentes e amigos para nos colocar na companhia deles e oferecer um buquê de flores com algumas expressões de afeto. O mês de maio é a festa da nossa verdadeira mãe, do nosso protetor celestial. Então vamos fazer isso com alegria. O grupo mais bonito que podemos oferecer é aquele que será composto das virtudes que ela nos deu exemplos luminosos. Neste dia, decidimos tratar das orações da manhã e da noite e de todas as afeições do nosso coração àquelas que gostamos de poder chamar nossa mãe. Vamos orar agora mesmo para que nós desejemos interceder uma graça especial com seu filho Jesus, solicitemos a graça que sabemos que mais precisa.

Exemplo - Para excitar-lhe solenemente solenizar o mês de maio em honra de Maria, o exemplo do exército do Oriente vale a pena quando estava em Constantinopla. Longe de sua terra natal, desprovidos de igrejas e quase destituídos de ministros sagrados, esses soldados cristãos traziam devoção e confiança para Maria de suas casas. Aqui está o relatório que faz um jornal impresso em 7 de junho de 1855: "O mês de maio foi celebrado em alguns hospitais com uma solenidade piedosa e regular, que honra muito o exército do Oriente. Não há dúvida de que as bênçãos do céu Choveu em muitas almas tocadas pela graça, eles vão derramar sobre todo o exército e será coroado com um resultado feliz da guerra em si.Antes daquelas salas estavam em nosso poder, eles eram mesquitas, isto é, igrejas consagradas a Maomé. os louvores da rainha do céu ressoam, um altar foi erguido aqui para Maria e foi adornado com um gosto que mostra como cada regimento tem seus artistas. "" Há colunas esculpidas como por magia. mármores, os melhores, há aparatos em papel e em cor que são as obras de alguns convalescentes que dedicam seu tempo a coisas que servem para aumentar a dignidade da adoração em relação à santa Ver. gine. Cada casa organizou o seu coro de canções. Todos os músicos e os mais talentosos da sociedade harmônica tomam parte. Alguns então compuseram canções espirituais que, junto com a alegria, reúnem cantando em homenagem a Maria. À noite, quando termina o canto dos louvores sagrados e as ladainhas da Virgem Santa, o capelão ou outro hóspede faz uma instrução adaptada àquele dia, que é ouvida avidamente pelos ouvintes em grande número reunidos e dedicados. Muitas vezes a sala não pode conter a multidão de ouvintes. Os mesmos feridos são levados meia hora antes, para ter certeza de tê-los ali. Este é para eles o momento mais belo do dia ". Aqui, oh cristão, como podemos também celebrar este mês e dar a Maria um sinal de terna devoção. Nas cidades, no campo, nas casas, na solidão, nos claustros e no regimentos do mesmo militar podem oferecer tributos de devoção à rainha de todos os santos.

Ejaculação: Virgem piedosa, / veja meu coração // você o inflamou / com amor sagrado.

Oração - Lembre-se, piedosa Virgem Maria, que nunca foi ouvida no mundo, que foi rejeitada ou abandonada por você, que implora por seus favores. Com essa confiança, eu me apresento a você. Não quero que a mãe da Palavra Eterna despreze as orações deste seu filho mais humilde, ouça-o favoravelmente, seja misericordiosamente, seja devota ou doce Virgem Maria.

287. Maria, nossa protetora na vida presente

Editado em G. Bosco, The month of may ..., pp. 169-175 (OE X, 463-469).

1. Estamos neste mundo como num mar tempestuoso, como num exílio, num vale de lágrimas. Maria é a estrela do mar, o conforto em nosso exílio, a luz que nos mostra o caminho para o céu secando nossas lágrimas. E isso torna essa mãe carinhosa com contínua ajuda espiritual e temporal. Não podemos entrar em nenhuma cidade, em qualquer país onde não há monumento das graças obtidas de Maria para seus devotos. Deixando de lado muitos famosos santuários cristãos, onde milhares testemunham as graças recebidas dos muros, menciono apenas o da Consolata, que felizmente temos em Turim. Vá, ó leitor, e com a fé de um bom cristão, entre naqueles muros sagrados e admire os sinais de gratidão a Maria pelos benefícios recebidos. Aqui você vê um homem doente enviado pelos médicos que recupera a saúde. Há graça recebida e é aquela que foi libertada das febres; lá outro recuperou-se da gangrena. Essa graça recebida e é aquela que foi libertada pela intercessão de Maria das mãos dos assassinos; havia outro que não foi esmagado sob uma grande pedra caindo; lá para a chuva ou serenidade obtida. Se você der uma olhada na praça do santuário, você verá um monumento que a cidade de Turim levantou para Maria em 1835, quando foi libertado de um coleramorbus mortal, que infestou terrivelmente os distritos vizinhos.

2. Os favores mencionados dizem respeito apenas às necessidades temporais, o que diremos sobre as graças espirituais que Maria obteve e obtém para seus devotos?
Grandes volumes devem ser escritos para enumerar as graças espirituais que seus devotos receberam e recebem todos os dias nas mãos desse grande benfeitor da humanidade. Quantas virgens devem a preservação deste estado para a proteção dela! Quantos confortos para os aflitos! Quantas paixões lutaram! Quantos mártires fortificados! Quantas armadilhas do demônio superam! São Bernardo depois de ter enumerado uma longa série de favores que Maria sempre recebe de seus devotos, acaba dizendo que todo o bem que nos vem de Deus vem a nós através de Maria: Totum nos Deus habere voluit para Mariam.

3. Nem é apenas a ajuda dos cristãos, mas também o apoio da Igreja universal. Todos os títulos que damos a você lembram de um favor; todas as solenidades celebradas na Igreja se originaram de algum grande milagre, de alguma graça extraordinária que Maria obteve em favor da Igreja. Quantos hereges confusos, quantas heresias foram erradicadas, sinal de que a Igreja expressa sua gratidão dizendo a Maria: Só você, ou grande Virgem, foi ela quem erradicou todas as heresias: Cunctas haereses interemisti solo in universo mundo.

Exemplos - Vamos relatar alguns exemplos que confirmam os grandes favores que Maria obteve para seus devotos. Vamos começar com a Ave Maria. A saudação angélica, ou Ave Maria, é composta das palavras ditas pelo anjo à santa Virgem e daquelas que ela acrescentou Santa Isabel quando foi visitá-la. A Santa Maria foi acrescentada pela Igreja no século 5. Neste século, um herege chamado Nestório viveu em Constantinopla, um homem cheio de orgulho. Ele chegou à impiedade de negar publicamente o augusto nome de Mãe de Deus à Santíssima Virgem. Esta foi uma heresia que visava quebrar todos os princípios da nossa santa religião. O povo de Constantinopla tremeu de indignação com essa blasfêmia; e para esclarecer a verdade, foram enviadas súplicas ao Sumo Pontífice, que na época se chamava Celestino, exigindo insistentemente a reparação do escândalo. O pontífice no ano 431 tinha um conselho geral reunido em Éfeso, uma cidade na Ásia Menor, às margens do arquipélago. Os bispos de todas as partes do mundo católico intervieram neste conselho. São Cirilo patriarca de Alexandria presidiu em nome do Papa. Todo o povo, de manhã à noite, estava às portas da igreja onde os bispos estavam reunidos; quando ele viu a porta se abrir e São Cirilo aparecer à frente de 200 ou mais bispos e ouvir a condenação do ímpio Nestório, as palavras de júbilo ressoaram em todos os cantos da cidade. As seguintes palavras foram repetidas na boca de todos: o inimigo de Maria é derrotado! Viva Maria! Viva a grande, a sublime, a gloriosa mãe de Deus, foi nesta ocasião que a Igreja acrescentou todas as outras palavras: santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós pecadores. Assim seja. As outras palavras, agora e na hora de nossa morte, foram introduzidas pela Igreja em tempos posteriores. A declaração solene do Concílio de Éfeso, o augusto título de Mãe de Deus entregue a Maria, foi também confirmada em outros concílios, até que a Igreja instituiu a festa da maternidade da Santíssima Virgem, celebrada todos os anos no segundo domingo de outubro. Nestório, que ousou se rebelar contra a Igreja e blasfemar contra a grande mãe de Deus, foi severamente punido até mesmo na vida presente.

Outro exemplo Na época de São Gregório, o Grande assolou em muitas partes da Europa e especialmente em Roma uma grande epidemia. Para pôr fim a este flagelo, São Gregório pediu a proteção da grande mãe de Deus e, entre as obras públicas de penitência, ordenou uma procissão solene à imagem milagrosa de Maria, venerada na Basílica de Libério, hoje Santa Maria Maggiore. Como a procissão progrediu, a doença contagiosa se afastou desses distritos, até chegar ao local onde o monumento do imperador Adriano (que por essa razão foi chamado de Castel Sant'Angelo), um anjo de forma apareceu acima dele humana. Ele colocou a espada ensangüentada na bainha como um sinal de que a ira divina havia diminuído e que, por intercessão de Maria, ela acabaria com o terrível flagelo. Ao mesmo tempo, um coro de anjos era ouvido cantando o hino: Regina coeli laetare alleluia. O Santo Pontífice acrescentou dois versos a este hino com uma oração e desde então os fiéis começaram a usá-lo para honrar a Virgem na época da Páscoa, uma época de toda alegria pela ressurreição do Salvador. Bento XIV deu as mesmas indulgências do Angelus Domini aos fiéis que o recitam na Páscoa. O uso de recitar o Angelus é muito antigo na Igreja. Sem saber a hora exata em que a Virgem foi anunciada, seja pela manhã ou pela tarde, a fiel primitiva a saudou nestas duas vezes com a Ave Maria. Daí veio o uso de campainhas pela manhã e à noite, para lembrar os cristãos desse piedoso costume. Acredita-se que isto foi introduzido pelo Papa Urbano II em 1088. Ele havia ordenado algo para excitar os cristãos a usar Maria para implorar sua proteção na manhã da guerra que estava queimando entre cristãos e turcos à noite implorar felicidade e harmonia entre os príncipes cristãos. Gregório IX em 1221 também adicionou o som dos sinos ao meio-dia. Os pontífices enriqueceram este exercício devocional com muitas indulgências. Em 1724, Bento XIII deu a indulgência de 100 dias para cada vez que ele foi recitado e para quem recitou uma indulgência plena plenária durante um mês inteiro, desde que em um dia do mês ele tivesse feito a confissão sacramental e a comunhão.

Oração Ejaculatória: Ó Maria, nossa advogada, / de toda graça dispensadora, // da saúde mensageira / ao homem justo e ao pecador. // Ah! do céu, mãe compassiva, / olhe para seus devotos, // ouça nossos votos, / ó grande mãe do Senhor.

288. Maneira de assegurar a proteção de Maria

Editado em G. Bosco, The month of may ..., pp. 179-183 (OE X, 473-477).

1. Agora que terminamos o mês de Maria, julgo bem a conclusão do mesmo para lhe dar algumas lembranças úteis para assegurar a proteção desta grande mãe nossa, na vida e na morte. Maria, sendo nossa mãe, deve certamente abominar os ultrajes que são feitos a seu filho Jesus. Portanto, aqueles que desejam desfrutar de seu patrocínio na vida e na morte devem abster-se do pecado. Nossa esperança seria em vão se acreditássemos que desfrutássemos da proteção de Maria, ofendendo seu filho Jesus a quem ela amava acima de tudo. Mas não devemos apenas nos proteger de ofender Jesus, mas ainda com toda a força de nosso coração para meditar nos mistérios divinos de sua paixão, para segui-lo em penitência. A própria Maria disse a Santa Brígida: "Filha, se queres fazer-me uma coisa grata, ama meu filho Jesus de todo o coração. Maria é um refúgio para os pecadores, por isso devemos trabalhar com santo conselho, solicitude, orações, bons livros e outras maneiras de levar as almas a Jesus e aumentar os filhos de Maria. Nada é mais importante para Jesus do que a saúde das almas; portanto, Maria, que ama ternamente seu filho, não pode receber deferência mais agradável do que o que é feito ganhando-lhe alguma alma. Devemos também tentar oferecê-la em homenagem à vitória de alguma paixão. Portanto, se alguém de natureza colérica, muitas vezes, se manifesta em atos de impaciência, maldições e blasfêmias, ou contrai o hábito de falar sujo e com pouco respeito por questões religiosas, é apropriado que você compare sua linguagem para prestar boas vindas à Virgem. Em suma, todos devem estudar para escapar do mal e fazer o que é bom para Maria.

2. Entre os muitos aspectos que podemos fazer a Maria, então, está se preparando para devotadamente celebrar suas solenidades com triduums, novenas, oitavas, de acordo com o desejo de fazê-las em igrejas públicas ou mesmo em casas particulares. Santa Isabel, Rainha de Portugal, em todos os sábados e em todas as alas que precederam as solenidades da Virgem, ela jejuou com pão e água. Alguns outros costumam confessar-se e comunicar-se em feriados públicos, assim como São Luís Gonzaga, Santo Estanislau Kostka e outros. Outros dão esmolas aos pobres e prejudicam o sufrágio às almas mais devotas que Maria na vida. Há também alguns devotos de Maria, que em honra dela muitas vezes freqüentam a Santa Missa com a intenção de agradecer a Santíssima Trindade que criou Maria no trono mais belo do céu. Revere os outros com adoração especial os santos mais próximos a ela em parentesco, como São José, seu mais sagrado marido, São Gioachino e Santa Ana, seus pais mais felizes.

3. Há também práticas devocionais especiais que são como chamas de fogo que fazem com que esta compassiva Mãe de amor nos abrase. Por exemplo, o Angelus de manhã, ao meio-dia, à noite; o rosário todos os dias ou pelo menos em cada feriado; assistir às vésperas, intervir nos exercícios da piedade, que se realizam aos sábados em honra de seu coração imaculado. Mas eu recomendo que você diga todas as noites antes de deitar três vezes a seguinte oração: Querida Madre Virgem Maria, deixe-me salvar minha alma. Lembremo-nos sempre de que ser dedicado a Maria é um dos meios mais seguros de alcançar a vida eterna. Ela mesma nos assegura dizendo: Aqueles que são meus devotos terão a vida eterna: Qui elucidant me, vitam aeternam habebunt [Senhor 24.31].

Exemplo - Eu recomendo que você nunca deixe nenhum sábado passar sem fazer nada em honra de Maria. Desde os primeiros tempos da Igreja, os cristãos praticavam alguma devoção à Santa Virgem no dia de sábado. O dia de sábado significa descanso e quer ser escolhido para aludir ao repouso, ou local de habitação que a Palavra divina se dignou a fazer no mais puro seio de Maria. Um dos propagadores mais quentes do culto de Maria no sábado foi Santo Ildefonso Arcebispo de Toledo. Ele compôs algumas canções em louvor a esta mãe de misericórdia e no sábado seguinte ouviu os anjos cantando-os na igreja, entre os quais estava a própria Virgem. Depois disso, o culto do sábado se espalhou rapidamente por toda a Europa. Desde o décimo século a abstinência de carne estava em uso hoje em homenagem a Maria. Um pouco mais tarde a missa e o escritório foram compostos apenas para serem recitados naquele dia. Tanto a missa como o escritório filrono aprovado pelo Papa Urbano II no Concílio de Chiaramonti [Clermont] no ano de 1095. Nunca passemos nenhum sábado sem praticar qualquer ato de virtude em honra de Maria e se pudermos fazer santa comunhão ou pelo menos vamos ouvir uma missa pelas almas do purgatório.

Ejaculatório: Oh se um dia eu pudesse ver / todos os corações de amor definham / então sim linda rainha e ouça / seu nome para todo louvor; // so


na terra para cada fronteira / ressoar com doce harmonia, viva, viver para sempre Maria, Deus vivo que a amou tanto.

289. Maria mostra no casamento de Caná seu zelo e seu poder para seu filho Jesus

Ed. Impresso em Giovanni Bosco, Maraviglie da mãe de Deus invocado sob o título de Maria Auxiliadora. Turin, dica. Do Oratório de São Franc. das vendas 1868, pp. 31-37 (OE) 0C, 223-229).

No Evangelho de São João, encontramos um fato que demonstra claramente o poder e o zelo de Maria em nos ajudar. Nós relatamos o fato que o evangelista São João nos diz no capítulo II.

Em Caná da Galiléia houve um casamento e houve a mãe de Jesus, e Jesus também foi convidado com seus discípulos para o casamento. Quando o vinho falhou, ele disse a sua mãe: "Eles não têm vinho". E Jesus disse a ela: "O que eu tenho a ver com você, mulher?" minha hora ainda não chegou. Ele disse a sua mãe para aqueles que serviram: - Faça o que ele lhe disser. Agora havia seis idries de pedra preparados para a purificação judaica, cada um contendo de duas a três metretas. Jesus disse a eles: - Encha aqueles hydrays com água. E eles os encheram até a borda. E Jesus disse-lhes: "Tome agora e tome o professor da casa. E eles trouxeram isto. E assim que ele fez o ensaio da água convertida em vinho, a governanta, que não sabia como isso saiu (mas os servos que haviam puxado a água sabiam disso), a governanta chama o noivo e diz a ele : - Todo mundo serve o melhor vinho de qualidade no começo e quando as pessoas estão empolgadas, então elas dão o inferior, mas você manteve o melhor até agora. Assim, Jesus em Caná da Galiléia começou a fazer milagres e manifestou sua glória e seus discípulos acreditaram nele.

Aqui São João Crisóstomo pergunta: Por que Maria esperou nesta ocasião do casamento de Caná convidar Jesus a fazer milagres e não lhe pediu para fazê-lo primeiro? E ele responde que Maria fez isso por um espírito de submissão à providência divina. Por trinta anos Jesus levou uma vida oculta. E Maria, que fez preciosas reservas de todos os atos de Jesus, conservabat haec omnia conferens em corde, como diz São Lucas (capítulo II, v. 19), com um respeitoso silêncio reverenciado aquela humilhação de Jesus. sua vida pública tinha começado, que São João no deserto já havia começado em seus sermões para falar dele e que Jesus já tinha discípulos, então ele apoiou a iniciação da graça com aquele mesmo espírito de união com Jesus com o qual ele tinha para trent anos respeitou sua ocultação e interpôs sua oração para instá-lo a realizar um milagre e manifestar-se aos homens.

São Bernardo, nas palavras Vinum não habitado, não tem vinho, vê uma grande delicadeza de Maria. Ela não faz uma longa prece a Jesus como Senhor, nem o ordena como filho; não faz nada além de anunciar a necessidade, a falta de vinho. Com corações que são benéficos e inclinados à liberalidade, não é necessário arrancar a graça com a indústria e a violência, basta propor a ocasião (São Bernardo, Serm. 4 in Cant.).

O doutor angélico São Tomás admira a ternura e misericórdia de Maria nesta breve oração. Porque é apropriado para a misericórdia considerar as nossas necessidades como os outros, já que a palavra misericordiosa é quase como um coração feito para os pobres, para erguer os pobres e cita aqui o texto de São Paulo aos Coríntios: Quis infirmatur et ego non infirmor? [2Cor 11,29]. Quem está doente, quem não está doente? Agora, desde que Maria estava cheia de misericórdia, ela queria fornecer para esses convidados e, portanto, diz o Evangelho: - Faltando o vinho, a Mãe de Jesus disse a ele. Por isso São Bernardo nos encoraja a recorrer a Maria, porque se ele tivesse tanta compaixão pela vergonha dessas pessoas pobres e as proporcionasse, embora não rezasse, quanto mais ele teria misericórdia de nós se as invocássemos com confiança? (São Bernardo, Sermão 2 Dominicae II Epif.).

St. Thomas, em seguida, elogia a solicitude e diligência de Maria em não esperar que o vinho seja completamente perdido e os convidados vindo a percebê-lo com a desonra do convidativo. Tão logo a necessidade era iminente, o alívio, de acordo com o dito do Salmo 9, era apropriado: Adiutor em oportunitatibus, em tribulação [Sl 9.10].

A bondade de Maria que nos é mostrada neste fato é mais marcante na conduta que ela realizou depois da resposta de seu divino filho.

Às palavras de Jesus, uma alma menos confiante, menos corajosa que Maria, teria desistido (Nilo ainda espera. Maria, no entanto, nada incomodada, vira-se para os servos da mesa e diz: - Faça o que ele lhe disser: Quodcumque dixerit vobis , do (Jo 2: 5) Como se dissesse: Embora pareça que você nega fazer, mas fará (Bede).

A erudita P. Silveira enumera um grande complexo de virtudes que brilha nessas palavras de Maria. Ele deu à Virgem (diz este autor) um exemplo luminoso de fé, pois, embora tenha ouvido a resposta difícil de seu filho: "O que tenho a ver com você, mas ele não hesitou". A fé, quando é perfeita, não hesita diante de qualquer adversidade. Ele ensinou confiança: embora ele tenha ouvido de seu filho palavras que pareciam expressar um negativo, de fato, como diz o Venerável Bede mencionado acima, a Virgem poderia muito bem crer que Cristo rejeitaria suas orações, mas ele trabalhou contra a esperança, confiando na misericórdia de filho. Ele ensinou amor a Deus, enquanto ele procurava que, com um milagre, sua glória se manifestasse. Ele ensinou obediência enquanto persuadiu os servos a obedecer a Deus não nisto ou naquilo, mas em tudo sem distinção; quodcumque dixerit [Jo 2,5], seja o que for que te diga. Ele também deu um exemplo de modéstia, enquanto ele não aproveitou esta oportunidade para se gabar de ser a mãe de um filho, porque ele não disse: "Tudo o que o meu filho lhe disser; mas ele falou na terceira pessoa. Ele ainda inspirou a reverência por Deus ao não pronunciar o santo nome de Jesus.Eu nunca encontrei ainda, diz este autor, nos escritos que a Santíssima Virgem pronunciava este santíssimo nome para a soma de veneração que professava. Ele deu um exemplo de prontidão, porque ele não os incita a ouvir o que ele teria dito, mas a fazê-lo. Ele finalmente ensinou a prudência com misericórdia, pois disse aos servos para fazerem o que ele lhes havia dito, de modo que, quando entendessem a ordem de Jesus de encher a água com água, não a impunham ser ridícula: era apenas uma soma de misericórdia. e é prudente evitar que outros caiam no mal (P. Silveira, tom. 2, livro 4, pergunta 21).

290. Maria elegeu a ajuda cristã no Monte Calvário por Jesus morrendo

Ed. Na impressão em G. Bosco, Maraviglie da mãe de Deus ..., pp. 37-42
(OE XX, 229-234).

A mais esplêndida prova de que Maria é a ajuda dos cristãos que encontramos no Monte Calvário. Enquanto Jesus agonizava na cruz, Maria, superando sua fraqueza natural, ajudou-o com uma força sem precedentes. Parecia que nada mais restava para Jesus fazer para mostrar o quanto ele nos amava. Seu afeto, no entanto, ainda o fez encontrar um presente que tinha que selar toda a série de seus benefícios. Do alto da cruz, ele vira seu olhar agonizante para a mãe, o único tesouro que restou na terra. - Mulher, Jesus disse a Maria, aqui está seu filho; Então ele disse ao discípulo João: "Aqui está sua mãe". E a partir daí, conclui o evangelista, o discípulo a levou entre suas posses.

Os santos pais, nestas palavras, reconhecem três grandes verdades: 1. Que São João sucedeu em tudo e por tudo a Jesus como filho de Maria; 2. Que, portanto, todas as maternidades que Maria exerceu sobre Jesus passaram a favor do novo filho João; 3. Que na pessoa de João Jesus ele pretendia entender toda a raça humana.

Maria, diz São Bernardo de Siena, com sua amorosa cooperação no ministério da Redenção, nos gerou verdadeiramente no Calvário para a vida da graça; Na ordem da saúde todos nascemos das dores de Maria como também do amor do Pai eterno e de seu filho. Nesses momentos preciosos, Maria tornou-se estritamente nossa mãe.

As circunstâncias que acompanharam este ato solene de Jesus no Calvário confirmam o que estamos dizendo. As palavras escolhidas por Jesus são genéricas e apelativas, observa P. Silveira, mas são suficientes para nos fazer saber que aqui se trata de um mistério universal, que inclui não só um homem, mas todos aqueles homens a quem este título discípulo amado de Jesus.Assim, as palavras do Senhor são uma declaração muito ampla e solene de que a Mãe de Jesus se tornou a mãe de todos os cristãos: Ioannes est nomen particulare, discipulus commune ut denotetur quod Maria omnibus detur in matrem.

Jesus na cruz não foi apenas uma vítima da malícia dos judeus, ele foi um pontífice universal que trabalhou como reparador para toda a raça humana. Assim, da mesma forma que implorando perdão aos crucificadores, ele o obteve para todos os pecadores; abrindo o paraíso para o bom ladrão abriu para todos os penitentes. E como os crucifixadores no Calvário, de acordo com a expressão energética de São Paulo, eles representavam todos os pecadores e o bom ladrão todos os verdadeiros penitentes, então São João representava todos os verdadeiros discípulos de Jesus, os cristãos, a Igreja Católica. E Maria se tornou, como Santo Agostinho diz, a verdadeira Eva, mãe de todos os que vivem espiritualmente, Mater viventium; ou como Santo Ambrósio afirma, a mãe de todos aqueles que crêem, Mater omnium credentium.

Maria, portanto, tornando-se nossa mãe no Monte Calvário, não só recebeu o título de ajuda dos cristãos, mas comprou o ofício, o magistério e o dever. Portanto, temos o direito sagrado de recorrer à ajuda de Maria. Este direito é consagrado pela palavra de Jesus e garantido pela ternura materna de Maria. Agora que Maria interpretou a intenção de Jesus Cristo na cruz neste sentido e que ele a fez mãe e ajudante de todos os cristãos, a conduta que ela realizou então provou isso. Sabemos pelos escritores de sua vida quanto zelo demonstrou em todos os momentos pela saúde do mundo e pelo aumento e glória da Santa Igreja. Ela dirigiu e aconselhou os apóstolos e discípulos, exortados, animou a todos a manter a fé, a preservar a graça e torná-la ativa. Sabemos pelos Atos dos Apóstolos como ela foi assídua em todas as reuniões religiosas realizadas pelos primeiros fiéis de Jerusalém, porque os mistérios divinos nunca foram celebrados sem ela participar. Quando Jesus subiu ao céu, ela o seguiu com os discípulos no Monte Oliveto, para o lugar da Ascensão. Quando o Espírito Santo desceu sobre os apóstolos, no dia de Pentecostes, ela estava no cenáculo com eles. É o que conta São Lucas, que depois de ter nomeado os apóstolos reunidos no Cenáculo, um por um, diz: "Todos estes perseveraram em oração junto com as mulheres e com Maria, a mãe de Jesus".

Os apóstolos também e os discípulos e quantos cristãos viviam naquele tempo e em torno de Jerusalém, todos se reuniram para Maria para ser aconselhado e dirigido.

291. O título de "Auxiliadora"

Ed. Impresso em Giovanni Bosco, Associação dos devotos de Maria Auxiliadora canonicamente erigida na igreja dedicada a ela em Turim. Com informações históricas sobre este título. Turim,
Dica. dell'Orat. de S. Franc. das vendas 1869, pp. 5-9 (OE XXI, 343-347).

O título de Auxílio dos Cristãos, atribuído à augusta mãe do Salvador, não é novo. Nos mesmos livros sagrados, Maria é chamada a rainha que está à direita de seu divino filho, vestida de ouro e cercada de variedade. Adstitit regina a dextris tuis in vestitu deaurato, circumdata varietate (Sl 45, 10). Este manto, dourado e rodeado de variedade, segundo o espírito da Igreja, são tantas pedras preciosas e diamantes, ou títulos, com os quais Maria costuma ser chamada. Quando, portanto, chamamos a Santíssima Virgem Auxiliadora, não é outra coisa senão nomear um título especial que lhe agrade, como um diamante acima de suas roupas douradas. Neste sentido, Maria foi recebida pela humanidade desde os primeiros tempos do mundo, quando Adão caiu em culpa, um libertador foi prometido, que teve que nascer de uma mulher, que com seu pé imaculado teria esmagado a cabeça do sapato de cobra.

De fato, esta grande mulher é simbolizada na árvore da vida, que existia no paraíso terrestre; na arca de Noé, que salva os adoradores do verdadeiro Deus do dilúvio universal; na escada de Jacó, que sobe para o céu; no mato de Moisés, que arde e não se consome e que alude à virgem Maria depois do parto; na arca da aliança; na torre de Davi, que defende de todo assalto; na rosa de Jericó; na fonte selada; no bem cultivado e vigiado jardim de Salomão; é figurado em um aqueduto de bênção: no velo de Gedeon. Em outros lugares, é chamada a estrela de Jacó, bela como a lua, escolhida como o sol, uma íris de paz, uma pupila do olho de Deus, uma aurora que traz consolo, uma virgem e mãe e a mãe de seu Senhor. Esses símbolos e expressões, que a Igreja aplica a Maria, fazem manifestos dos sinais providenciais de Deus, que queriam torná-la conhecida antes de seu nascimento como a primogênita entre todas as criaturas, a mais excelente protetora, ajuda e apoio, até reparadora dos males. , para o qual a humanidade sucumbiu.

No Novo Testamento, não é apenas com símbolos e profecias apeladas para a ajuda dos homens em geral, mas ajuda, apoio e defesa dos cristãos. Sem mais figuras, sem mais expressões simbólicas; no Evangelho tudo é realidade e um cumprimento do passado. Maria é saudada pelo arcanjo Gabriel que a chama cheia de graça; Deus contempla a grande humildade de Maria e eleva-a à dignidade da mãe da Palavra eterna. Jesus, o imenso Deus, se torna o filho de Maria. Ela nasceu, educada, assistida por ela; e a Palavra eterna feita carne submetida em tudo à obediência de seu pai augusto. A pedido dela, Jesus realiza o primeiro de seus milagres em Caná da Galiléia; no Calvário é de fato constituída a mãe comum dos cristãos. Os apóstolos estão guiando e ensinando virtudes. Com ela, eles se reúnem para rezar no Cenáculo; com ela esperam a oração e finalmente recebem o Espírito Santo. Ele dirige suas últimas palavras aos apóstolos e voa gloriosamente para o céu.

De sua mais alta posição de glória, ela volta seus olhares maternos e diz: "Ego in altissimis habito, ut ditem diligentes me et thesauros eorum" [Pr 8,21]. Permaneço no mais alto trono de glória para enriquecer aqueles que me amam com bênçãos e encher seus tesouros com favores celestiais. De sua Assunção ao Céu começou a constante e nunca interrompida concordância dos cristãos com Maria, nem nunca se ouviu, diz São Bernardo, que alguém confiou nesta Virgem misericordiosa e não foi ouvida. Daí a razão pela qual todos os séculos, todos os anos, todos os dias e, podemos dizer, todos os momentos são relatados na história por algum grande favor concedido àqueles que o invocaram com fé. Daí também a razão pela qual cada reino, cada cidade, cada país, cada família tem uma igreja, uma capela, um altar, uma imagem, uma pintura ou algum sinal que remeta à veneração universal dada a Maria e ao mesmo tempo lembra qualquer das muitas graças concedidas àqueles que fizeram um apelo a ela nas necessidades da vida.

292. Oração acessível ao espírito da associação de devotos de Maria Auxiliadora

Edições impressas em G. Bosco, Associação dos devotos de Maria Auxiliadora ..., pp. 55-59
(OE XXI, 393-397).

Virgem Maria, rainha do céu e da terra, em quem depois de Deus pus toda a minha confiança, humildemente te pus a teus pés, como o último de teus servos, para me consagrar a teu serviço nesta piedosa associação erigida sob sua proteção. e prometo de todo o coração praticar todas as coisas que as regras prescrevem com a maior devoção possível, de modo que, pelos méritos de Jesus Cristo, seu querido filho e por sua poderosa intercessão, todos os associados sejam preservados de todo mal espiritual e corporal. em sua vida; que sejam abençoados pelo Senhor em todas as suas ações e que finalmente tenham a graça de morrer da morte dos justos. Desde o único desejo de agradar a você é o que me leva a abraçar esta associação devotada; por isso, humildemente suplico-te, ó Santa Virgem, que queira receber-me nas fileiras dos teus filhos e obter para mim a graça de corresponder com a bondade dos costumes e com a santidade das obras ao exaltado carácter do teu servo.

Ó gloriosa Virgem Maria, do seu alto trono se digne olhar para mim com aquele olhar bondoso que está sempre aberto para aqueles que se consagraram ao seu serviço; e desde hoje eu indico meu nome no livro desta associação piedosa, portanto, digne escrevê-lo em seu coração materno; Ore para que seu filho divino agrade que eu seja contado entre aqueles que estão escritos no livro da vida eterna. Assim seja.

Ato de filiação com o qual levamos a Virgem Maria para a mãe
Meu Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, o único filho de Deus e da santa Virgem, eu o reconheço e te adoro como meu primeiro começo e último fim. Peço-lhe que renove a meu favor aquele misterioso testamento amoroso que você fez na cruz, dando ao amado apóstolo São João a qualidade e o título de filho de sua mãe Maria. Diga estas palavras para mim também: Mulher, aqui está seu filho. Permita-me ser capaz de pertencer a ela como um filho e tê-la como mãe em todo o tempo da minha vida mortal nesta terra.

Bem-aventurada Virgem Maria, minha principal defensora e mediadora, eu NN miserável pecador, o mais indigno e o menor de seus servos, humildemente prostrado diante de você, confiada à sua bondade e misericórdia, e animado por um grande desejo de imitar o seu virtudes bonitas, eu te eleger hoje para minha mãe, implorando a você, para me receber no número da sorte de seus queridos filhos. Eu faço uma doação total e irrevogável de mim mesmo. Receba meu protesto da graça; como a confiança com a qual me abandono em seus braços. Concede-me a vossa protecção materna ao longo da minha vida e, particularmente, na hora da morte, para que a minha alma, libertada dos laços do corpo, passe deste vale de lágrimas para gozar convosco a glória eterna no reino dos céus . Assim seja.

Oração de Sua Santidade Pio IX

Senhor Deus Todo-Poderoso, que permeia esta má saúde, como é para os recursos não humanos, como para os pedigrees que permeiam um fogo de meio de tantos assaltos e perseverações. Não permaneça, dê-nos força com mediação de Maria Santíssima, sempre sermos capazes de nos conformar à da santíssima vontade.

293. Maria ajuda nas necessidades da vida

Ed. Impresso em Giovanni Bosco, Nove dias consagrados à augusta Mãe do Salvador, sob o título de Maria Auxiliadora. Turin, dica. dell'Orat. de S. Francisco de Sales 1870, pp. 14/07
(OE XXII, 259-266).

1. Uma boa mãe é sempre um verdadeiro tesouro e um grande conforto para sua família. Assim, nossa compassiva Mãe Maria será certamente uma fonte de graças e bênçãos para as famílias dos cristãos espalhados pelo mundo. Vivemos como num mar tempestuoso, como no exílio, como num vale de lágrimas. Agora, Maria é a estrela do mar, o conforto de nosso exílio, a luz que nos ilumina, o caminho para o céu, é vida, doçura, nossa esperança: vida, dulcedo, spes nostra. Ela nos mostra isso obtendo ajuda espiritual e temporal contínua. Maria, diz São Jerônimo, tem um coração tão compassivo e terno para com os homens, que nunca foi uma pessoa, tão entristecida com suas próprias dores, quanto Maria dos sofrimentos dos outros (Epist. In Eustoc.). Portanto, não é tão cedo visto uma necessidade que imediatamente nos traz alívio. Assim, Maria mal sabia do arcanjo que a família de Zacarias e, especialmente, Elizabeth precisava de ajuda, com pressa ele a levou, fazendo uma viagem de cerca de setenta milhas através de montanhas escarpadas: abiit em montana cumfestinatione (Lc 1:39). Quando Maria chegou naquela casa de aventuras, durante três meses ela a serviu como uma humilde criada e nunca a deixou até que ela não precisasse mais de seu serviço. Ela fez o mesmo em Caná da Galiléia. Houve um casamento que Maria convidou com Jesus e outros personagens distintos: quando o vinho está faltando na melhor refeição. Maria, com seu olho materno, vê que os cônjuges estão com dor e agora estão cobertos de vergonha. Nessa visão, Mary é movida e sem ser perguntada, ela pensa em trazer-lhes ajuda. O escritório de auxiliares piedosos logo foi assumido, como reflete São Bernardino de Siena: ufficium piae auxiliatricis supõe non non rogata (sant'Alfonso de 'Ligório, Glorie di Maria). - Filho, ele diz em um sussurro para Jesus, eles não têm vinho. Maria pronuncia estas palavras com tal expressão que dá a conhecer que ela deseja um milagre em favor dos seus devotos, obtê-los e consolá-los (João 2: 3).

2. Essa preocupação tenra Maria não diminuiu desde que ela foi levada pelos anjos para o céu; pelo contrário, aumentou-o. Oh! Sim, ela ainda se lembra que no Monte Calvário Jesus fez dela nossa mãe. Mulier, ecce filius tuus, e depois ao amado discípulo: Ecce mater tua (Jo 19, 26-27). Naquele momento, Jesus a tocou - todo o coração e tanta ternura por nós o encheu de que a imaginação não pode ser feita pela mente humana. Também reunimos o amor que todas as mães trazem para os filhos; mas a plenitude de afeição de todas essas mães nunca será digna de igualar o amor que só Maria traz para cada um de nós. O caro pensamento, doce conforto! ter uma mãe tão carinhosa e amorosa no céu! Esta é a razão, ou cristão devoto, para o qual não lemos que, ao longo de muitos séculos, Maria nem sempre veio em auxílio dos cristãos em tudo o que precisavam. Oh! não, Santo Agostinho e São Bernardo exclamam em uma só voz, no mundo nunca se ouviu ninguém em suas necessidades confiantemente voltado para Maria e foi abandonado por ela (Santo Afonso, Novena das Meditações). Você também realiza as páginas dos livros sagrados e todas as histórias, percorre todas as partes do mundo cristão, questiona os povos, reinos, cidades, aldeias, famílias e pergunta se alguma vez entre eles aconteceu que Maria não conseguiu corra para a ajuda de seus filhos necessitados. Sua pergunta todos irão responder à sua pergunta: não, nunca. Para melhor persuadi-lo desta verdade, meu senhor, entre em algum santuário dedicado a Maria e logo você estará convencido de que é a ajuda dos cristãos nas necessidades da vida. Procure por sinais de sua bondade e poder naqueles muros sagrados. Lá você vê um homem doente já enviado pelos médicos, mas que em vez disso adquire saúde para Maria; aqui um de febres, outro de doença passageira, um terço de gangrena livre. Outros ainda os observam, que através de sua intercessão escaparam das mãos dos "assassinos ou das águas ou dos incêndios ou de uma queda e assim por diante. Para sair dali você não será capaz exceto exclamar: Ó Maria, quão poderoso você é e quão bom você é, o quanto é verdade que você traz ajuda para aqueles que o invocam nas necessidades da vida.

3. Se Maria nos ajuda em necessidades temporais, com muito mais cuidado, ela nos ajuda nas necessidades espirituais. Seria necessário escrever grandes volumes para todos enumerarem os grandes benefícios que Maria fez aos seus devotos. São Bernardo exprime esta verdade dizendo: - Deus queria que todo bem viesse a nós através de Maria; totum nos habere voluit para Mariam; e São Bernardino de Siena acrescenta: - Todas as graças que recebemos de Deus são dispensadas através de Maria e são dispensadas àqueles que querem Maria, quando ela quer e como Maria quer (Santo Afonso, Glórias de Maria). E oh! Quantas virgens devem sua sinceridade virginal à sua proteção! quão jovem é a vitória das paixões! quantos pais, quantas mães a saúde eterna de seus filhos! Pode-se dizer que na nova lei não há santo que não reconheça sua santidade da intercessão de Maria. A história nos diz que os mais famosos deles também foram os mais dedicados de Maria. Nem só Maria é a ajuda dos cristãos em particular, mas o apoio da Igreja universal. Para a ajuda de Maria, os apóstolos, os mártires, a igreja primitiva conquistou os perseguidores; a idolatria foi erradicada por sua ajuda; para ela o estandarte da cruz acenou para o mundo inteiro e triunfou (São Cirilo Aless., Homil. cont. Ninho; Octava Nativitatis B. V.). Para ela superar os bárbaros, para ela hereges confusos, para ela erradicou heresias. Portanto, com razão, São João Crisóstomo já chamou Maria de decoro, a glória, a firmeza da Igreja: Ecclesiae nostrae decus, glória e firmamentum (Serm. Apud Metaf., Die 5 Nativitatis B. V. in Off.). Portanto, ó leitor devoto, digamos com São Bernardo: Em perigos, em aflições, em dúvidas, pense em Maria, chame Maria. Maria nunca sai de sua boca; Maria nunca se desvia do seu coração. Em periculis, em angustiis, Mariam cogita, Mariam invoca; não recedat ab ore, não recedat a cordas (Hom. 2 super Missus est).

294. Eficácia do apelo a Maria Auxiliadora

Conferências ASC A000303, Quads III, 1877-1878, ms de Giacomo Gresino, pp. 4-104. Boa noite, discurso aos jovens do Oratório.

Domingo 20 de maio de 1877

Estamos na festa de Pentecostes e na novena de Maria Santíssima Auxiliadora. Nestes dias não se obtém graças alguma de muitos, mas muitos por dia, de Maria Santíssima, quer se chegue aqui para pedi-los e obter-se, ou as relações que temos de longe com as graças retumbantes obtidas de Maria Auxiliadora.

E verdadeiramente a Igreja nos faz conhecer este poder e bondade de Maria com aquele salmo que começa: Si caeli quaeris ianuas, o nome de Mariae invoca, se você buscar as portas do céu, invocar o nome de Maria. Se é suficiente invocar o nome de Maria para entrar no paraíso, deve-se dizer que ela é poderosa. E precisamente a Igreja em outro lugar representa para si mesma, sozinha como um exército ordenado para a batalha. E embora o significado literal das palavras signifique os inimigos externos da Igreja, no entanto, o espírito da Igreja também os tirou da consideração por nossos inimigos particulares.

Por isso, recomendo-lhe o quanto sei e posso, que sempre esculpiu na mente e no coração e que sempre invoca o nome de Maria, desta maneira: Maria Auxilium Christianorum, agora me pro. É uma oração não tão longa, mas uma que foi muito eficaz. Então, quando você deseja obter alguma graça espiritual, e pela graça espiritual você pode entender a libertação das tentações, das aflições do espírito, da falta de fervor, etc., se algum de vocês quiser se libertar de alguma tentação ou comprar algumas grandes virtudes, você não tem não fazer nada além de invocar Maria. Estas e outras graças espirituais são aquelas que são obtidas em maior quantidade e são aquelas que não são conhecidas e que fazem maior bem entre as almas. E a maioria dos que estão aqui, sem eu os nomear, me confessou que, se pudessem se libertar de alguma tentação, seria para Maria Auxiliadora.

Muitos então, a quem eu havia recomendado esta oração, Maria Auxilium Christianorum, agora pró nobis, me confessou que eles sentiram os efeitos. E dos cento e mil daqueles que estão aqui ou que estiveram furiosos, dos nossos e dos estrangeiros, a quem me recomendei que, se não fossem respondidos com esta oração, diriam a mim, até agora não havia quem me dissesse isso. Não havia ninguém que viesse dizer que não havia sido ouvido, mas depois questionou que ele havia me confessado que de fato pretendia orar, mas que não tinha. Então, não é mais a santa Virgem quem não responde, mas é ele quem não quer ser ouvido. Porque a oração deve ser feita insistentemente, com perseverança, com fé, com a intenção de ser cumprida.

Quero que todos vocês façam este teste e façam também a todos os seus parentes e amigos, dizendo-lhes por carta ou nesta próxima festa de Maria Auxiliadora, vindo ver-te ou não, que Dom Bosco lhes diz que, se tiverem alguma graça espiritual a ser obtida pode a Madonna rezar nesta forma: Maria Auxilium Christianorum, ora pro nobis; e se eles não forem respondidos, eles me darão muito prazer em me avisar. E se eu chegar a saber que alguém não obteve nenhuma graça espiritual de Maria, eu imediatamente escreverei uma carta a São Bernardo que estava enganado ao dizer: "Lembre-se, a mais profunda Virgem Maria, que nunca foi ouvida no mundo, mas por você se alguém que implora seus favores foi rejeitado ou abandonado. Esteja certo de que não precisarei escrever uma carta para São Bernardo. Você ri de mandar uma carta para São Bernardo. E não sabemos onde é São Bernardo? "Há dificuldade nos correios", dizia-se o padre Rua. Ah, para escrever aos santos temos um expediente mais rápido que os carros, que o vapor, que o telégrafo. Porque o telégrafo, embora seja tão instantâneo, demora algum tempo; mas eu, como falo agora, subo com meus pensamentos, sobre as estrelas, diante do trono de São Bernardo. E não tema que ele receba nossas cartas e imediatamente, mesmo que o mensageiro esteja atrasado. Então faça o teste e se você não for ouvido, não acharemos difícil enviar uma carta para São Bernardo.

Para o propósito desta novena, que ainda está em andamento, gostaria que você entrasse estas palavras em seu coração: Maria Auxilium Christianorum, agora para mim, e que você recite para todo perigo, para toda tentação, para toda necessidade e sempre; e que também pediu a Maria Auxiliadora a graça de poder invocá-la em suas necessidades. E então eu prometo a você que o diabo irá à falência. Você sabe o que significa que o diabo vai à falência? Isso significa que ele não terá mais poder sobre nós e terá que se retirar. Enquanto isso, recomendo todos vocês ao Senhor e a Maria Auxiliadora, para abençoar e proteger você e boa-noite.

 

SEÇÃO CINCO

O ZELO PARA A SALVAÇÃO DAS ALMAS OS MODELOS DE DON BOSCO

 

apresentação

Os esforços para a reforma cristã da sociedade, implementados na diocese de Turim após o colapso do império napoleônico, além da retomada da catequese paroquial metódica, a promoção de missões populares, quarenta horas e exercícios espirituais para todas as classes sociais , concentrou-se sobretudo na reforma do clero, começando com uma seleção mais cuidadosa dos candidatos ao sacerdócio e com o cuidado diligente de sua qualificação. Para esse fim, as autoridades diocesanas primeiro reorganizaram o seminário da capital (1819), reforçando os aspectos disciplinares e espirituais, e favoreceram as iniciativas do teólogo Luigi Guala, aprovando os regulamentos do internato eclesiástico (1821), ampliando depois o seminário Bra (1824). -1825), finalmente estabeleceu um novo seminário em Chieri (1829), na antiga casa dos pais Filippini, confiando-o a formadores confiáveis. O modelo de formação defendido pelo arcebispo, o camaldulense Colombano Chiaveroti (1754-1831), inspirou-se nos ideais sacerdotais da tradição católica pós-tridentina, com forte ênfase na caridade apostólica e no esquecimento pastoral (o sacerdote deve ser uma "victima charitatis") 2. Enquanto isso, grupos de eclesiásticos generosos, após seus esforços de reforma, se colocaram à disposição para a pregação popular, o ministério de confissões e orientação espiritual, juntamente com membros de algumas ordens e congregações reconstituídas após as repressões da era francesa.

Progressivamente, o compromisso de treinamento produziu seus frutos. A partir dos anos 1940, um grupo de jovens sacerdotes, bem preparados e motivados, ingressou nas paróquias e instituições de caridade da diocese, contribuindo efetivamente para a renovação espiritual da sociedade e para a retomada da prática religiosa entre a população. Novas fronteiras apostólicas foram abertas. Surgiram instituições pastorais, educacionais e assistenciais inéditas.

Dom Bosco, educado nestes anos, assimilou o fervor espiritual e apostólico dos ambientes em que foi formado. Os modelos de referência foram os santos pastores da Reforma Católica - São Filipe Néri, São Carlos Borromeu, São Francisco de Sales e São Vicente de Paulo - seu ardente dinamismo apostólico e sua caridade ativa.

Cf Aldo GIRAUDO, Clero, seminário e sociedade. Aspectos da Restauração religiosa em Turim. Roma, LAS 1993, pp. 177-213.

2 Ibid., Pp. 245-254, 277-288.
Giuseppe Cafasso, colaborador e sucessor de Guala no internato eclesiástico, surgiu por seu extraordinário talento como guia espiritual para sacerdotes e professor de moral. Diretor espiritual muito apreciado, pregador ardente, confessor incansável e esclarecido, apóstolo da caridade aos presos e aos mais pobres, brincou, com o exemplo de sua vida sacerdotal, com os carismas de que foi dotado e com o ardor de sua caridade, um papel decisivo para a regeneração espiritual e pastoral do clero e dos leigos piemonteses. Ele morreu consumido pela fadiga aos 49 anos de idade. Dom Bosco o teve como professor e guia, como modelo estimulante. Dele ele foi dirigido e encorajado ao ministério entre jovens pobres e abandonados. Dele tirou lições importantes na vida espiritual, junto com a paixão pela salvação das almas, caridade incansável, fé ardente e coragem pastoral.

Nesta quinta seção transcrevemos dois esplêndidos discursos de Dom Bosco, um sobre padre Cafasso (n. 295), outro sobre São Filipe Néri (n. 296), do qual emerge a importância espiritual, por suas escolhas e pelo O dinamismo apostólico imprimiu-se na obra salesiana, destes modelos de referência, tão radicais e ardentes em sua dedicação.

295. Discurso fúnebre no padre Cafasso Giuseppe

Ed. Na impressão em Giovanni Bosco, Biografia do padre Giuseppe Cafasso exposto em dois raciocínios fúnebres. Turin, dica. G. B. Paravia e Comp. 1860, pp. 9-45 (OE XII, 359-395) 3.

I. Esordio

Não sei, meus queridos jovens e veneráveis ​​senhores, não sei se o assunto desta manhã deve ser considerado como objeto de dor ou consolo. Certamente se na morte do padre Cafasso consideramos a perda de um benfeitor de humanidade miserável, temos sérios motivos para reclamar e chorar como se tivéssemos sido atingidos por um grave desastre. Infortúnio para o bem, acidente para os pobres, desastre para o clero, calamidade pública para a religião.

3 A comemoração foi realizada em 10 de julho de 1860 na igreja de San Francesco di Sales, no final da missa fúnebre celebrada dezessete dias após a morte de Cafasso (G. Bosco, Biografia do padre Giuseppe Cafasso ..., p. 3). Domenico Ruffino (1840-1865) escreve em sua crônica: "10 de julho. O funeral foi dado a Dom Cafasso pelos jovens do Oratório, que cuidaram de fazer a Sagrada Comunhão. [...] Às 6 da manhã 1/2 começou a missa do desfile, cantada pelo teólogo Borel, e depois deu a Dom Bosco a oração funerária, na verdade leu-a porque não teria conseguido continuar de outra forma por causa da emoção, mas as lágrimas e coisas que fluíram várias vezes ele narrou e todo o sermão raptou os ouvintes que o viram terminar arrependidamente, mas ele prometeu que escreveria a vida em paz "(ASC A0120201 Crônica do Oratório de São Francisco de Sales N 1, 1860, ms de Domenico Ruffino, p .23)

Mas se julgarmos essa perda na presença da fé, temos razão razoável para mudar nossa ansiedade em consolação, porque se perdemos um homem que nos beneficiou acima da terra, temos a firme confiança de que compramos um protetor com Deus no céu.

De facto, se olharmos para a vida do padre Cafasso, acima da inocência dos seus costumes, acima do zelo pela glória de Deus e pela saúde das almas, acima da sua fé, esperança, caridade, humildade e penitência; devemos concluir que um grande prêmio foi compartilhado com tantas virtudes e que morrendo ele não fez nada além de abandonar esta vida mortal cheia de misérias, para voar para a possessão da abençoada eternidade.

Além disso, de acordo com São Paulo, as virtudes do homem mortal são imperfeitas e nem sequer são dignas de comparação com o celestial; portanto, se a caridade do sacerdote Cafasso foi grande na terra, quanto mais será agora que cremos no céu? Portanto, se na terra ele nos beneficiou como um só, no céu ele nos beneficiará como dez, cem e mil. Afortunados são, portanto, aqueles que poderiam desfrutar da caridade de Don Cafasso quando ele estava acima da terra, mas muito mais afortunados eles e todos aqueles que agora o reconhecem como protetor com Deus no céu.

Para que possamos ser persuadidos do que eu digo, peço-lhe que me acompanhe com sua atenção compassiva, enquanto eu vou expondo as principais ações da vida desse homem maravilhoso. Eu digo para expor-lhe apenas as principais ações, porque a maioria deles ainda é desconhecida, mas com o tempo eles vão se reunir diligentemente para torná-lo glorioso depósito para a história. Por isso, vou me limitar apenas àquelas coisas que eu mesmo vi ou ouvi. Também devo, em parte, manter-me em silêncio, tanto para me manter à brevidade desejada em um discurso, quanto porque muitos deles me causariam uma emoção muito grande, da qual talvez eu fosse impedido de poder expô-los. No entanto, mesmo considerando a brevidade de um discurso e mantendo a única conta das coisas mais conhecidas daqueles que o conheciam, acredito que bastarão para nos persuadir de que o padre Cafasso Giuseppe viveu uma vida santa, à qual ele teve uma morte santa.

Estes são os dois primeiros pensamentos que vêm à mente recordando este querido e amado amigo; e esses dois pensamentos também são objeto de nossa detenção. Enquanto isso, enquanto estamos nos lembrando dos atos virtuosos e da morte preciosa do padre Cafasso, diremos que ele era um mestre de viver bem e um modelo para todos aqueles que desejam fazer uma morte santa.

11. Juventude do padre Cafasso

Accade a molti giovanetti che per lo sfortunato incontro di perversi compagni, o per la trascuratezza dei genitori e spesso ancora per la loro indole infedele alla buona educazione, dalla più tenera età diventano preda infelice del vizio, perdendo così l'inestimabile tesoro dell'innocenza prima di averne conosciuto il pregio e divenendo schiavi di satanasso senza nemmeno aver potuto gustare le dolcezze dei figliuoli di Dio. Per don Cafasso non fu così. Nacque egli nel gennaio del 1811 in Castelnuovo d'Asti da onesti contadini. La docilità, l'ubbidienza, la ritiratezza, l'amore allo studio ed alla pietà del giovinetto Cafasso, fecero sì che egli presto divenisse l'oggetto della compiacenza dei genitori e dei suoi maestri.

La cosa caratteristica fin da quella giovanile età era la sua ritiratezza congiunta ad una propensione quasi irresistibile a fare del bene al prossimo. Egli stimava giorno per lui il più felice quando poteva dare un buon consiglio, riusciva a promuovere un bene o ad impedire un male. All'età di dieci anni la faceva già da piccolo apostolo in sua patria. Fu spesso visto uscire di casa, andare in cerca di compagni, di parenti e di amici. Grandi e piccoli, giovani e vecchi tutti invitaveli a venire in casa sua, di poi accennava loro d'inginocchiarsi e fare con lui breve preghiera; poscia montava sopra una sedia che per lui diveniva un pulpito e da questa faceva la predica, cioè andava ripetendo le prediche udite in chiesa o raccontando esempi edificanti. Egli era di piccola corporatura ed il suo corpo era quasi tutto nella voce; perciò ognuno al rimirare quel volto angelico, quella bocca da cui uscivano parole e discorsi cotanto superiori a quella età, andava pieno di meraviglia esclamando colle parole proferite da quelli che rimiravano il fanciulletto san Giovanni Battista: chi mai sarà questo fanciullo? Quis putas puer irte erit? [Lc 1,66].

Voi, o Castelnovesi, che attoniti ascoltando il fanciullo Cafasso domandaste chi egli sarà per essere, allora non lo sapevate, ma io adesso sono in grado di appagarvi. Quel fanciullo sarà modello di virtù nelle scuole, quello che i maestri proporranno come esempio di diligenza ai condiscepoli; sarà lo specchio di divozione, egli dovrà guidare tanti discoli sul cammino della virtù, confermare tanti buoni nella via del bene; egli sarà il padre dei poveri,
la delizia dei genitori; egli sarà colui che in breve giungerà a tal grado di virtù da non conoscere più alcuna strada se non quella che conduce alla chiesa ed alla scuola; egli sarà colui che dopo aver passato quindici anni nello studio e nella virtù risolve di darsi tutto a Dio nello stato ecclesiastico; lavorare unicamente per la gloria di Dio; egli sarà colui.che un giorno divenuto maestro del clero somministrerà molti degni ministri alla Chiesa e guadagnerà molte anime al cielo.

III. Vida clerical de Don Cafasso

Aqui a brevidade me obriga a omitir muitos fatos para me trazer naquele momento para minha sorte que fiz seu primeiro contato pessoal. Era o ano de 1827 e em Murialdo, que é a aldeia de Castelnuovo d'Asti, foi celebrada a Maternidade da Santíssima Maria, que foi a principal solenidade entre esses habitantes. Todo mundo estava no negócio para as coisas em casa ou na igreja, enquanto outros eram espectadores ou participavam de jogos ou jogos diferentes.

Apenas um eu vi longe de cada show; e ele era um clérigo, pequeno na pessoa, olhos brilhantes, ar afável, rosto angelical; Ele estava encostado na polta da igreja. Fiquei tão arrebatado pelo seu semblante e, embora só tenha tocado os doze anos, mas movido pelo desejo de falar com ele, aproximei-me dele e lhe dirigi estas palavras: "Sir Abbot, gostaria de ver algum espetáculo do nosso partido? Terei prazer em levá-lo aonde desejar ".

Ele me deu um aceno gracioso para se aproximar de mim e começou a me questionar sobre a minha idade, sobre o estudo, se eu já havia sido promovido à Santa Comunhão, com que frequência ele se confessava, onde ia ao catecismo e coisas do tipo. Permaneci tão encantado com esses modos edificantes de falar; De bom grado respondi a todas as perguntas; depois, quase para lhe agradecer por sua afabilidade, repeti a oferta de acompanhá-lo para visitar algum programa ou alguma novidade.

- Meu caro amigo, ele resumiu, as apresentações dos sacerdotes são as funções da igreja; quanto mais eles são devotadamente celebrados, mais agradecidos são nossos shows. Nossas novidades são as práticas da religião que são sempre novas e, portanto, devem ser frequentadas com assiduidade; Eu apenas espero a igreja se abrir para entrar.

Decidi continuar o discurso e acrescentei: "É verdade o que me dizes, mas há tempo para tudo, tempo para ir à igreja e tempo para nos recriarmos".

Ele começou a rir e concluiu com estas palavras memoráveis ​​que eles eram como o programa de todas as ações de sua vida: "Aquele que abraça o estado eclesiástico vende-se ao Senhor, e nada em seu mundo deve se preocupar com ele se não aquilo que pode retornar à maior glória de Deus e para o benefício das almas ".

Então, todo pasmo, eu queria saber o nome daquele clérigo, cujas palavras e comportamento mostravam o espírito do Senhor. Soube que ele era o clérigo Giuseppe Cafasso, aluno do primeiro ano de teologia, de quem já ouvira falar várias vezes como um espelho da virtude.

Se alguma vez eu tiver tempo de chegar a uma minuciosa história das virtudes luminosas que ele fez brilhar nos anos de seu chiericato, tanto quando ele morava em casa, e quando morava no seminário em Chieri, quantos curiosos fatos edificantes eu gostaria de expor a você! Eu só digo que caridade para com os companheiros, a submissão aos superiores, a paciência em suportar as faltas dos outros, a cautela de nunca ofender ninguém, o prazer em aceitar, aconselhar, favorecer seus companheiros, a indiferença nos preparativos de mesa, a resignação nas vicissitudes das estações, a disponibilidade para fazer o catecismo aos meninos, o comportamento edificante em toda parte, a solicitude no estudo e nas coisas de piedade são as qualidades que adornavam a vida clerical de Don Cafasso; os presentes que você praticou em grau heróico tornaram seus amigos e amigos familiarizados com a afirmação de que o clérigo Cafasso não havia sido afetado pelo pecado original.

Neste momento, sou forçado a omitir uma longa série de fatos edificantes feitos pelo clérigo Cafasso por ter tempo para dizer algo sobre sua vida sacerdotal.

IV Vida sacerdotal pública de Don Cafasso

Mas quem é você, eu me pergunto, o que você espera para expor os feitos maravilhosos deste herói? Você não sabe que suas ações mais bonitas só são conhecidas por Deus? e você não sabe que as penas mais eruditas deveriam escrever grandes volumes para falar dignamente das coisas que são conhecidas no mundo? Eu sei: e garanto-vos que me vejo como um menino que, ao fazer um ramo de flores, entra em um jardim e encontra em cada canto cheio de flores tão lindas e variadas que fica confuso e não sabe o que fazer consigo mesmo. Por isso, eu, querendo falar sobre as virtudes sacerdotais de Don Cafasso, não sei por onde começar ou o que dizer antes ou depois. Por isso, limito-me a reunir e unir uma pequena coroa de virtudes que ele fez brilhar especialmente em sua vida sacerdotal pública, em sua vida privada e mortificada. Vamos começar pela vida pública.

Seu zelo, sua facilidade em expor a palavra de Deus, o sucesso de seus sermões o fez procurar por todos os lados para ditar triduums, novenas, exercícios espirituais e missões para as pessoas de vários países. Ele corajosamente fez tudo para que todos ganhassem todos para Jesus Cristo. Mas depois de alguns anos, sendo incapaz de suportar tal fadiga séria e contínua, ele teve que se limitar a pregar para o clero, que parecia ser a parte da sociedade humana de uma maneira especial da providência divina que lhe foi confiada. E aqui quem pode enumerar o grande bem que ele fez com exercícios espirituais, com conferências públicas e privadas, com a administração de livros, dinheiro para os sacerdotes restritos de meios de fortuna para que eles pudessem realizar seus estudos e exercer seu ministério sagrado tão dignamente?
A solicitude que ele tirou dos jovens pobres pertence à vida pública de padre Cafasso. Ele instruiu nas verdades da fé; aquelas roupas fornecidas para que pudessem intervir decentemente na igreja e colocar-se no trabalho com um mestre honesto; para os outros, ele pagou o custo de aprender ou administrou o pão até que pudesse ganhar a vida com seus próprios trabalhos. Esse ardente espírito de caridade começou a ser posto em prática quando ele era simples burguês e continuou quando era clérigo e, com o zelo duplicado, formas mais brilhantes quando era padre. O primeiro catequista deste Oratório nosso foi Don Cafasso e foi um constante promotor e benfeitor disso na vida e depois da morte.

Todos os dias passados ​​nas prisões pertencentes a Dom Cafasso pertencem a pregar, consolar, catequizar aqueles infelizes prisioneiros e escutar suas confissões. Aqui não sei se sua coragem ou caridade é digna de maior elogio. Se não queremos dizer que sua ardente caridade o inspirou com coragem heróica. Dos muitos atos dos quais tenho sido testemunha, transcrevo o seguinte; escute, o que é curioso.

Ele, a fim de ordenar que os prisioneiros celebrassem uma festa que acontecia em honra da Santíssima Maria, havia levado uma semana inteira para instruir e animar os internos de uma entrevista, ou camerone, onde havia cerca de quarenta e cinco dos presos mais famosos. Quase todos haviam prometido abordar a confissão na véspera daquela solenidade. Mas quando o dia marcado chegou, ninguém resolveu começar o santo empreendimento de confessar. Ele renovou o convite, ele lembrou em breve o que ele havia dito nos últimos dias, ele se lembrou da promessa feita a ele; mas era o respeito humano, se era o engano do diabo ou outro pretexto vão, ninguém queria confessar. O que fazer então?
A caridade diligente de Don Cafasso saberá o que fazer. Ele ri se aproximando de um que parece o maior, o mais forte e o mais robusto dos prisioneiros. Sem dizer uma palavra, com as mãozinhas ele o agarra com a barba espessa e comprida. O detento primeiro achou que Don Cafasso estava brincando, de maneira educada, quanto se pode esperar de tais pessoas: "Leve-me a todos, disse ele, mas deixe-me ter minha barba".

"Eu não vou deixar você ir até você se confessar." - Mas eu não vou lá.

- Mas eu não vou deixar você ir.

- Mas ... eu não quero confessar.

- Diga o que quiser, você não vai fugir de mim e eu não vou deixar você ir embora até que você tenha confessado.

- Eu não estou preparado.

- Vou te preparar.

Certamente, se aquele prisioneiro quisesse - ele poderia ter se libertado (mãos do padre Cafasso com o menor solavanco, mas comparado à pessoa, ou melhor, fruto da graça do Senhor), o fato é que o prisioneiro se rendeu e se deixou atrair pelo padre Cafasso. num canto da sala grande, o venerável padre senta-se num colchão de palha e prepara o amigo para a confissão, mas logo fica comovido e entre lágrimas e suspiros, assim que consegue terminar a declaração de seus pecados.

Então uma grande maravilha apareceu. Aquele que primeiro amaldiçoou se recusou a confessar, então foi para seus companheiros pregando nunca ter sido tão feliz em sua vida. Então ele fez isso e disse tanto que todos foram reduzidos a fazer sua confissão.

Este fato, que escolho entre milhares desse tipo, quer você queira chamar de milagre da graça de Deus, quer queira dizer o milagre da caridade de padre Cafasso, é a força para conhecer nele a intervenção da mão do Senhor (4).

4 É bom notar aqui que padre Cafasso confessou aquele dia até muito tarde, e como os colchetes e as portas da prisão não haviam sido abertos, ele estava prestes a dormir com os prisioneiros. Mas a uma certa hora da noite as cervejas e os guardiões vêm armados com rifles, pistolas e sabres, e começam a fazer a visita habitual, segurando luzes nas extremidades de alguns longos varões de ferro. Eles foram para cá e para lá observando se por acaso apareciam rupturas nas paredes, ou no chão, e se não tinham medo de enredos ou desordens entre os prisioneiros. Quando vêem um estranho, todos começam a gritar: quem vai lá. E sem esperar por uma resposta, eles o cercam e o ameaçam dizendo: o que você faz, o que você quer fazer aqui, quem é você, aonde você quer ir? Don Cafasso queria conversar, mas não foi possível, porque a cerveja gritou com uma só voz: pare, pare! e nos diga quem é. "Eu sou Don Cafasso". "Don Cafasso ...! Como ... neste momento ... por que não sair a tempo, não podemos mais deixar você sair sem relacioná-lo com o diretor das prisões". "Não importa para mim, então reporte-se a quem você quiser, mas cuide de você, porque quando a noite se aproximava você tinha que vir e ver e sair aqueles que eram estranhos para as prisões. Este era seu dever e você está em falta. por não ter feito isso ". Então todos ficaram em silêncio e tiraram Don Cafasso do bem e imploraram para que ele não publicasse o que havia acontecido, abriram a porta para ele e, para tomar sua benevolência, o acompanharam até sua casa (nota no texto original).

O restante da vida pública de Dom Cafasso vem contar-lhe sobre os muitos sacerdotes e burgueses, ricos e pobres que lhe devem os da ciência, os meios de adquiri-los, os de emprego ou de felicidade de que goza na família, os de praticando artesanato e comendo pão (5).

Aqueles muitos enfermos consolados por ele, os moribundos assistidos, as longas filas de penitentes de todas as épocas e condições que em cada dia e em todas as horas do dia encontraram nele um piedoso, sábio e prudente diretor de suas consciências, falam-lhe sobre isso.

Vêm para contar tantas pessoas infelizes condenadas à última tortura que, em desespero, não quis conhecer a religião; mas aquele assistido e, diria eu, vencido pela irresistível caridade de padre Cafasso, morreu da maneira mais consoladora, deixando uma certeza moral de sua eterna saúde.

Oh! se o céu viesse nos contar sobre a vida pública de padre Cafasso, creio eu, seriam milhares, milhares de almas que diriam em voz alta: se somos salvos, se desfrutamos da glória do céu, somos gratos à caridade, zelar pelos trabalhos de padre Cafasso. Ele nos escapou do perigo, nos guiou pela virtude; Ele nos levou da beira do inferno, ele nos enviou para o céu.

(5) Eu sei que muitos, devido à sua má condição ou aos graves desastres que ocorreram na família, eles não podiam seguir qualquer carreira. Agora muitos deles são párocos, vice-párocos, professores. Alguns são notários, advogados, médicos, farmacêuticos, causidici. Outros são agentes do país, donos de lojas, lojistas e mercadores e, embora se queixem da perda de um terno pai em Don Cafasso, dão glória à verdade dizendo: padre Cafasso foi nosso benfeitor, nos ajudou a nos vestir, nos ajudou a pagar a pensão, para se submeter aos exames. Ele nos aconselhou, nos recomendou, nos apoiou espiritualmente e corporalmente. Devemos a ele nossa honra, nosso estudo, nosso emprego, o pão que comemos (observe no texto original).

V Vida sacerdotal privada de Don Cafasso

Mas vamos parar de falar sobre a vida pública de Don Cafasso para deter um momento em torno da vida privada. Por vida privada quero dizer especialmente a prática das virtudes praticadas em suas ocupações familiares particulares, aquelas que em sua maior parte aparecem aos olhos do mundo, mas que são talvez as mais meritórias diante de Deus.E aqui está uma longa série de fatos edificantes, de virtudes luminosas são apresentadas à nossa consideração! Quantas mortificações, penitências, abstinências, orações, jejuns, ocorreram dentro das paredes daquela casa dele. Cada momento livre das ocupações do ministério sagrado foi empregado na audiência prolongada que pode ser chamada ilimitada. Ele estava sempre pronto para receber, consolar, aconselhar e confessar na mesma sala. Às vezes ele estava cansado a ponto de não conseguir mais fazer ouvir o som da voz e, não raro, teve que lidar com pessoas rudes que não entendiam nada ou mostravam que nada estava satisfeito. No entanto, ele sempre foi sereno no rosto, afável em palavras, nunca deixando transparecer uma palavra, um ato que não dava sinal de impaciência.

Oh, se as paredes daquela cabana afortunada pudessem falar, quantas virtudes, quantos atos de caridade, de paciência, de sofrimento nos tornariam gloriosas testemunhas! Sempre afável, beneficente, ele nunca permitiu que qualquer um dele partisse sem fazê-lo consolar-se com confortos espirituais ou temporais, ou pelo menos sem primeiro sugerir-lhes uma máxima útil para a alma. A multidão daqueles que pediram para falar com ele forçou-o a ser muito rápido. Então, sem se perder em elogios ou cerimônias, ele imediatamente entrou no assunto e, com uma facilidade surpreendente no primeiro aceno, entendeu o que deveria dizer e estava pronto, franco e completo. Mas isso ele fez com humildade, respeito e com tal rapidez que uma pessoa muito estimada não poderia expressar essa singular prerrogativa de padre Cafasso, se não com estas palavras: "Ele não tinha nada pela humanidade, mas tudo pela caridade".

Ele sabia e estava pregando que todo espaço de tempo é um grande tesouro, então ele aproveitou cada momento e todas as oportunidades para fazer o bem. Ao subir ou descer as escadas, indo ou vindo de visitar os doentes ou presos, ele era principalmente acompanhado por alguém com quem ele estava lidando com as coisas do ministério sagrado ou dando palavras de conforto para pessoas que de outra forma não poderiam ter falado com -lo.

Após a cantina começar um pouco de recreação. E esta foi a época da maravilhosa escola de Don Cafasso. Ali suas pupilas sugavam o belo modo de viver em sociedade como leite; lidar com o mundo sem se tornar escravo do mundo e se tornarem verdadeiros sacerdotes dotados das virtudes necessárias para formar ministros capazes de dar a César o que é de César, a Deus o que pertence a Deus.

Mas ninna algo é tão maravilhoso na vida privada de Don Cafasso, como é a precisão em observar as regras do internato eclesiástico de San Francesco. Como superior de muitas coisas, ele poderia ter dispensado, tanto por causa de sua saúde fraca quanto por causa da gravidade e da multiplicidade de ocupações que de certa forma o oprimiam. Mas ele tinha fixado em sua mente que o comando mais eficaz de um superior é o bom exemplo, é preceder os sujeitos no cumprimento de seus respectivos deveres. Portanto, nas coisas mais pequenas, nas práticas de piedade, em encontrar-se para conferências, nas horas de meditação, da mesa, ele era como uma máquina que o som do sino carregava quase instantaneamente para o cumprimento desse dever particular.

Lembro-me que um dia ele foi trazido um copo de água. Ele já tinha na mão quando ouviu o toque do sino para o rosário. Ele já não babou, depôs-o e imediatamente foi para essa prática de piedade. "Beba, eu disse a ele, e então ele ainda estará a tempo para esta oração." "Você quer, ele respondeu, você quer preferir um copo de água a uma oração tão preciosa quanto é o rosário que dizemos em honra de Maria Santíssima?"

VI Vida mortificada de Don Cafasso

Parte da vida privada de Don Cafasso é a mortificação secreta, mas contínua de si mesmo. Aqui vemos uma grande arte usada por ele para se tornar um santo. É fundamentalmente julgado que ele usou a camisa de cabelo, colocou objetos para perturbar a cama e fez outras penitências sérias. Eu estou deixando essas coisas de lado por agora. Eu só digo o que eu e todos que o conhecemos, vimos. Por mais cansado que ele nunca se debruçou nem com o cotovelo nem para descansar. Ele nunca cruzou um joelho do outro; na mesa ele nunca disse: "Eu gosto mais ou menos disso"; tudo estava ao seu gosto. Desde a idade mais jovem, ele consagrou certos dias a atos particulares de mortificação. O sábado estava rigorosamente jejuando dedicado a Maria Santíssima. Mas o que eu digo sobre o jejum do sábado, enquanto todas as semanas, todos os meses, o ano inteiro foi para ele um jejum rígido e assustador? No início, ele reduziu o número de almoços escolares e reduziu-se a comer apenas uma vez por dia, e sua comida era uma sopa e um prato pequeno.

Alguns visavam a prolongada austeridade e o censuravam respeitosamente, insinuando o dano que causaria à saúde. "Use alguma consideração, eles disseram a ele; se isso não for para o amor próprio, faça-o para o bem dos outros." Ele riu e respondeu: "Eu gosto de uma saúde melhor fazendo isso". Mas dando-lhe o esgotamento de sua força, que desceu todos os dias; logo concluiu: "O paraíso! paraíso! que força e saúde você vai dar para quem entra!". Se estivesse entorpecido pelo frio, sufocado pelo calor, oprimido pelo suor, nunca procuraria consolo, nem mesmo uma voz de lamento ou punição poderia ser ouvida.

Em qualquer época do ano, ele passava muitas horas ouvindo as confissões dos fiéis e não raramente entrava no confessionário às seis da manhã e partia às doze. Permanecer lá por tanto tempo, mesmo quando o frio é cru, fez com que quando ele saísse para ir à sacristia ele se desviasse e tivesse que se inclinar sobre o balcão para evitar cair e às vezes na metade da igreja ele era forçado a se ajoelhar ou sentar. Nessa visão, todos se sentiram tocados e muitos queriam, às suas próprias custas, comprar um banquinho aquecedor, no qual ele colocava os pés e assim ele podia se abrigar um pouco da dureza da estação. Por medo de que ele não permitiria, se ele tivesse sido informado de antemão, o clérigo da sacristia comprou este banquinho sem o conhecimento do mestre e levou-o ao confessionário antes de chegar lá. Assim que viu aquele objecto de riqueza, como o chamava, empurrou-o com o pé num canto do confessionário e depois ordenou que já não se comportasse, dizendo: "Estas coisas são inúteis, dão muito pensamento a um padre que não ele precisa ".

Vários reflexos foram feitos a ele, mas nem nisso nem em outras circunstâncias foi possível dobrá-lo para temperar aquele ardor de penitência que certamente ajudou a consumir uma vida tão preciosa.

Ele era alheio a qualquer tipo de entretenimento. Em trinta e dois anos eu sabia que nunca o vi participando do jogo de cartas, cartas de tarô, xadrez, bilhar ou outro divertimento. Convidado algumas vezes a uma dessas diversões, "tenho muito mais para me divertir, ele respondeu. Quando eu não tiver mais nenhuma preocupação, vou me divertir".

- Quando será esse tempo?
- Quando estamos no paraíso.

Além de constantemente mortificar os sentimentos do corpo, ele era muito inimigo de todos os hábitos, mesmo os mais indiferentes. "Nós temos que nos acostumar a fazer o bem e nada mais, ele costumava dizer. Nosso corpo é insaciável. Quanto mais nós damos, quanto mais pedimos, menos nós damos, menos ele pede."

Por isso, nunca quisemos nos acostumar com o tabaco ou com doces comestíveis ou com bebidas especiais, exceto com as pedidas pelo médico. Durante seus estudos, na faculdade, no seminário, ele não queria fazer uso de café ou frutas para o café da manhã e um lanche.

Ele estava no colégio eclesiástico há dez anos, já era prefeito da conferência e seu desjejum ainda consistia em um pouco de pão grosso. Em vista do trabalho duro que ele suportou, um dia eu disse a ele para pegar algo mais apropriado para sua pele frágil. "Mesmo se, ele acrescentou com alegria, chegará um momento em que algo mais terá que ser dado a este corpo, mas eu não quero satisfazê-lo até que eu não possa mais ficar sem ele."

Foi apenas alguns anos depois que ele foi forçado a temperar esse modo de vida rígido pela obediência. No entanto, apesar de sua pele fraca e saúde frágil, ele nunca quis se acostumar com qualquer alimento em particular, mas ele sempre diminuiu até que, como acabei de dizer, ele foi reduzido a uma única refeição por dia e uma refeição de sopa e um prato. Embora sujeito a muitos inconvenientes, ele não queria prolongar seu descanso normal por um momento, que era de apenas cinco horas ruins a cada noite. Ondas no frio do inverno frio, mesmo quando ele sofria de problemas de estômago, cabeça e dentes, de modo que ele mal podia ficar em pé, ele já estava de joelhos orando, meditando ou desengatando algumas de suas ocupações particulares antes das 4 da manhã. .

Este teor de laboriosa, penitente, vida de oração, de caridade, de privação e abnegação praticada até a sua morte que veio atingi-lo no momento em que tivemos maior necessidade dele, no momento inesperado para nós mas calmamente aguardado por ele e para o qual toda a vida era uma preparação constante.

Mas você, ou tempo, por que você foge tão rápido e me força a calar tantas coisas que eu ainda gostaria de contar? Embora o meu discurso já seja bastante prolongado, espero que ainda queira aproveitar um momento de paciência para ouvir a história das últimas horas do padre Cafasso. E isso eu vou fazer depois de um tempo curto.

VII. Sua santa morte

Nós traçamos um véu sobre os eventos que certamente ajudaram a nos privar de uma pessoa tão querida, útil e preciosa. Dizemos apenas que uma vida tão pura, tão santa, tão semelhante à do Salvador, tinha que ser com a ingratidão paga por aquele mundo que não o conhecia; desse mundo para cuja vantagem ele usou suas substâncias, sua saúde, sua vida. Neste nós adoramos os decretos da Providência divina.

É a verdade da fé que, no momento da morte, o homem colhe o fruto daquilo que semeou no curso de sua vida: quae seminaverit homo, haec et metet [Gal 6: 8]. Ora, Dom Cafasso, tendo vivido uma vida cheia de boas e santas obras, o bem e o santo tinham que ser sua morte. Ele mesmo disse que estava familiarizado e freqüentemente repetia isso especialmente em palestras morais: "Afortunado é aquele padre que consome sua vida pelo bem das almas; mais afortunado é aquele que morre trabalhando para a glória de Deus; ele certamente terá uma grande recompensa desse supremo". mestre para quem ele trabalha ".

Agora, com suas próprias palavras, diremos: Felizmente você, ou padre Cafasso, que você consumiu toda a sua vida promovendo a glória de Deus e a salvação das almas; Você teve muita sorte por ter terminado a sua vida em meio aos trabalhos do ministério sagrado.

Acredita-se com fundamento que ele recebeu de Deus uma revelação especial do dia e hora de sua morte, e não deu nenhuma dúvida para aqueles que nos últimos dias tiveram a boa fortuna de poder falar com ele. Ele costumava ajustar seus negócios todos os dias como se estivesse na véspera de sua morte. E antes de ir para a cama todas as noites, arrumava coisas domésticas como se aquela noite fosse a última de sua vida. Mas nos três dias que precederam sua doença, ele quase sempre os passou em seu quarto. Ele ajustou tudo sobre o bom desempenho do internato. Ele deu ordens apropriadas para suas famílias; ele respondeu algumas cartas; ele ordenou cada papel; coloque cada pedaço de papel em ordem; ele notou algumas coisas para adicionar às suas disposições testamentárias; então ele fez o exercício da boa morte que ele costumava fazer inalteravelmente uma vez por mês.

Enquanto isso, chega a manhã de segunda-feira, 11 de junho do ano em curso; e o que Don Cafasso faz? Ele ajustou tudo, tudo está preparado para sua jornada para a eternidade. Ele sai para um passeio em seu quarto esperando a voz do Senhor dizer-lhe: vem. Mas o que? Pensando no estado das forças fortes, parece-lhe que ainda pode passar alguns momentos em proveito das almas. Com um espírito alegre, mas com dificuldade, da câmara ele vai para o confessionário e leva mais horas para ouvir as confissões dos fiéis, daqueles fiéis a quem ele guiou com uma doutrina singular, prudência e piedade pelo caminho para o céu. No entanto, notou-se que o seu modo de confessar não era o costume. Ele recomendou a todos que removessem o coração das coisas terrenas; ame a Deus com todas as suas forças; peça-lhe para tirar logo das preocupações da vida para nos dar o belo paraíso. "Oh paraíso, paraíso, ele disse a um penitente, por que você não é procurado, desejado por todos? Por que você ainda demora, porque, por que ...?" Mas o homem é válido para um homem; o ardor de ganhar almas para Deus continua naquela grande alma; mas ele não tem força. Ele é forçado a abandonar esse confessionário onde, por cerca de vinte e cinco anos, ele foi um fiel distribuidor dos favores celestiais para tantas almas e este confessionário deve abandoná-lo para nunca mais voltar.

Em um ritmo lento ele vai para o seu quarto. Mas antes de ir para a cama ele se ajoelha e diz estas palavras memoráveis ​​que ele manteve escrito: "A dor que sinto, Senhor, por não ter amado você, o desejo que eu sinto mais do que amar você, me faz extremamente Essa vida é chata e pesada e eles me forçam a pedir que você queira encurtar meus dias na terra e me perdoar o purgatório na outra vida, tão cedo eu posso ir e aproveitar você no paraíso ... ". Ele não podia mais dizer e, para evitar cair exausto, foi para a cama às onze da manhã.

A doença era uma doença pulmonar com curso de sangue no estômago. Os médicos praticavam o que a arte sugere, mas tudo em vão. Quase todos os dias eles pareciam estar melhorando, mas na realidade, como ele disse, a hora de voar para o céu estava se aproximando.

Desde o primeiro dia de sua doença, ele disse francamente que nunca iria se recuperar e queria ir para o céu.

Para aqueles que perguntavam se ele era melhor, se ele descansava bem, ele sempre respondia: - Como Deus quer. Ele recomendou-se às orações de todos. Ele me disse um dia para pedir orações especiais em casa entre os nossos jovens. "Já fizemos isso, respondi, e vamos continuar a orar, mas eu disse aos nossos jovens que você seria, então um dia festivo veio para nos dar a bênção com o Santíssimo Sacramento". "Fique quieto, ele acrescentou: vá, ore e diga aos seus jovens que abençoarei a todos vocês do céu".

Perguntado se ele tinha alguma coisa para escrever, algumas memórias a serem aceitas, permissão para sair, ele olhou para mim rindo e disse: "Seria bom se eu tivesse esperado a esta hora para consertar meus negócios. Tudo está consertado para mim no mundo; A única coisa que resta para mim é me ajustar a Deus, e é que em sua grande misericórdia ele quer me dar o paraíso em breve ".

Uma singularidade foi notada por todos e foi o recebimento da bondade habitual por qualquer um que se aproximasse de sua cama; mas depois de alguns minutos, deu um sinal de que eles estavam saindo. Então ele não queria que ninguém ficasse com ele mais do que o tempo exigido pela necessidade estrita. Por essa razão, algumas vezes comecei a olhar para ele da porta do quarto dele. Eu o vi alcançar suas mãos, beijar e renascer o crucifixo, então com os olhos voltados para o céu, falando interrompido como na conversa da família.

Disto eu consegui me convencer de que ele queria ficar sozinho para poder se manter mais livre com o seu Deus, mas um dia sozinho com ele, resolvi dizer a ele que era melhor tê-lo regularmente em sua cama, tanto para esses serviços. que ele freqüentemente precisava, e também para receber algumas palavras reconfortantes. "Não, ele logo respondeu, não." Então, levantando os olhos para o céu, ele disse vigorosamente: "E você não sabe que toda palavra falada aos homens, é uma palavra roubada do Senhor?"

Mesmo quando a doença ameaçou sua vida; na mesma agonia que ele amava ficar sozinho; pelo contrário, ele não dava sinal de apreciação, mesmo quando lhe eram sugeridas como ejaculações, como se tais orações interrompessem suas conversas comuns que ele certamente tinha com Deus. . Uma pessoa de autoridade grave e que freqüentou Don Cafasso durante sua vida, visitou-o várias vezes durante o curso da doença, depois de ter examinado cuidadosamente seu comportamento, o que ele disse e fez, ele proferiu esse julgamento franco: "Ele, Don Cafasso, não precisa das nossas sugestões, ele está em comunicação direta com Deus, ele é mantido em conversas familiares com a mãe do Salvador, com seu anjo da guarda e com São José ".

Muitas coisas eu deveria lhe contar sobre sua admirável paciência em tolerar o mal, sobre as palavras dirigidas a seus amigos, sobre a bênção dada a muitos e especialmente para seus queridos pensionistas; em torno do modo edificante em que ele recebeu os últimos sacramentos; mas essas coisas me causam muita emoção e eu não poderia suportar a história.

Só lhe direi que, comparando a doença e a morte do padre Cafasso com o de São Carlos Borromeu, de São Francisco de Sales, de São Filipe Néri e de outros grandes santos, parece-me poder afirmar ser igualmente precioso aos olhos de Deus. poderia ser diferente? Se sua vida era santa, por que sua morte não seria igualmente santa?
Ele era um grande devoto de Maria e foi um promotor constante da devoção a essa mãe celestial. Todos os dias, e podemos dizer a cada momento, ela fez alguma prática ou uma breve oração em homenagem a ela. Sábado era tudo sobre Mary. Ele passou isso em jejum estrito; tudo o que lhe foi pedido naquele dia foi prontamente concedido. E muitas vezes ele expressou o desejo de morrer no dia de sábado. Muitas vezes na vida ele estava dizendo e também deixou escrito: "Que bela morte para morrer por causa de Maria. Para morrer nomeando Maria. Para morrer em um dia dedicado a Maria. Para morrer no momento mais glorioso para Maria. Para expirar nos braços de Maria. paraíso com Maria, aproveite eternamente perto de Maria ".

Ó alma sortuda! seus desejos estão satisfeitos; você está no décimo dia da sua doença; é dia de sábado; dia de Maria; você recebeu o corpo mais sagrado de Jesus algumas horas atrás Bem, Jesus te chama e quer te dar aquele paraíso que você tanto deseja, pelo qual você passou toda a sua vida. Maria, sua mãe, de quem você era tão dedicado na vida, agora ela ajuda você e quer que você leve para o céu. E aqui está o nosso Don Cafasso fazendo um sorriso ... ele envia seu último suspiro ... Sua alma com Jesus e com Maria voa para desfrutar da abençoada eternidade.

Esperamos sinceramente que, após uma morte tão preciosa aos olhos de Deus, a alma de Dom Cafasso não tenha sequer tocado as dores do purgatório e seja iminentemente levada para o céu. Por esta razão, em vez de convidá-lo a orar por ele, eu prefiro sugerir que você recorra à sua intercessão celestial. Mas desde que o Deus mais santo e mais puro encontra manchas nos próprios anjos; assim, cumprindo um dever de gratidão e amizade, oferecemos a Deus alguma oração, alguma comunhão, algumas esmolas, algumas obras de caridade em sufrágio da alma de nosso amado benfeitor: Que se estas obras não mais sejam necessárias para livrá-lo das dores do purgatório , servirá para substanciar aquelas almas purgativas a cujo alívio tanto trabalhou na vida mortal e a quem tanto recomendou apoiar.

Mente, ouvintes, mais um momento. Entre as últimas palavras de padre Cafasso estão as seguintes e são verdadeiramente dignas de recordação eterna: "Quando desci ao sepulcro, ele disse, desejo e rezo ao Senhor para fazer minha memória perecer na terra, para que ninguém jamais pense em de todos os fiéis que em sua caridade, como espero, rezem por minha alma. Aceito em penitência pelos meus pecados tudo o que será dito contra mim depois de minha morte no mundo ".

Caro Padre Cafasso, esta sua oração não será respondida; você queria se humilhar para que sua glória fosse com você para o túmulo. Mas Deus quer o contrário. Deus quer que sua grande humildade seja exaltada e você seja coroado com glória no céu. Sua memória é aquela do justo que durará para sempre. Na memória aeterna erit iustus [Sl 111.7].

Sua memória durará com os sacerdotes porque você foi o modelo deles na santidade da vida e professor na ciência do Senhor. Sua memória durará com os pobres que choram a sua morte como o de um tenro pai; durará para os duvidosos a quem você deu conselhos santas e saudáveis; com o aflito, a quem você trouxe consolo de muitas maneiras; durará nos agonizantes que você consola; nas prisões onde você cria tantas pessoas infelizes; a tantos condenados que sua caridade foi enviada para o céu. Vai durar com seus amigos, e seus amigos são todos aqueles que te conheceram; a todos aqueles que valorizam os grandes benfeitores da humanidade como foram em todo o curso de sua vida mortal. Finalmente, sua memória durará entre nós, porque a caridade que você teve por nós na terra nos assegura que você é nosso protetor com Deus, agora que você é glorioso no céu.

Então viva para sempre com Deus, ou grande alma, alma fiel. O tempo de sofrimento para você passou; Sem mais dores, sem mais aflições, sem mais doenças, sem mais tristezas, sem mais morte, sem mais. Deus é sua recompensa; você está nele; e com ele e com ele você desfrutará de todo bem para sempre. Maria, aquela mãe celestial que você tanto amou e fez amar na terra, agora quer que você se aproxime dela para lhe dar a devida recompensa do afeto filial que você lhe trouxe. Mas do meio da sua glória, por favor! pena, um olhar para nós que você fez miserável e órfão com a sua partida do mundo. Deh! para nós intercedermos e fizermos isso, vivendo de acordo com os conselhos que você nos deu, seguindo os brilhantes exemplos de virtude que nos deixou, poderemos um dia alcançar a glória daquela glória com Jesus e com Maria, com todos os santos paraíso pode ser apreciado para todo o sempre. Assim seja.

296. Panegyric em honra de São Filipe Neri

ASC A2250704, ms aut. de Dom Bosco6 (cf. MB IX, 213-221).

[I. Esordio]

As virtudes e ações dos santos, embora todas sejam dirigidas ao mesmo fim, que é a maior glória de Deus e a salvação das almas, contudo, o caminho para alcançar o sublime grau de santidade ao qual Deus as chamou é diferente. A razão parece ser esta: na maravilhosa dispensação de seus dons Deus de várias maneiras e de diferentes maneiras nos chama a si mesmo para que as várias virtudes todas contribuindo para adornar e embelezar nossa religião santa cobrem, por assim dizer, a santa Igreja com o manto de variedades que a faz aparecer nos olhos da esposa celestial como uma rainha sentada no trono de glória e majestade. De fato, admiramos o fervor de tantos solitários que, desconfiados de si mesmos em tempos de perseguição ou por medo de serem naufragados no século, abandonaram seus lares, parentes, amigos e todas as substâncias para ir a desertos estéreis e quase inutilizáveis ​​de feiras. Outros, soldados quase corajosos do rei dos céus, enfrentaram todo perigo e desprezaram o ferro, o fogo que a própria morte ofereceu alegremente a vida, confessando Jesus Cristo e selando com seu sangue as verdades que eles altamente proclamaram. Por isso, um exército movido pelo desejo de salvar almas que foram levadas para países distantes, enquanto muitas outras entre nós com estudo, com pregação, recuando com a prática de outras virtudes, acrescentam esplendor ao esplendor da Igreja de Jesus Cristo. Há também alguns fatos de acordo com o coração de Deus, que contêm um complexo de virtudes, de ciência, de coragem e de operações heróicas, que nos tornam muito claros como Deus é maravilhoso em seus santos: Mirabilis Deus in sanctis suis ( Sl 66, 36). Todas as eras da Igreja são glorificadas por alguns desses heróis da fé. O século XVI, entre outros, tem um São Filipe Néri, cujas virtudes são objeto desta respeitável reunião e desta, nossa eventual detenção.

6 O panegírico de São Filipe Néri foi realizado por Dom Bosco aos sacerdotes da diocese de Alba (Cuneo), a convite do bispo mons. Eugenio Galletti, em maio de 1868 (cf. MB II, 46-48).

Mas em uma detenção, o que eu poderia dizer sobre um santo, cujas ações coletadas apenas em compêndio formam grandes volumes? Ações que são o único a dar um modelo perfeito de virtude para o cristão simples, para o fervoroso claustro, para o mais diligente eclesiástico? Por estas razões, não pretendo expor a você todas as ações e todas as virtudes de Filipe, porque você já leu, meditou e imitou-as melhor do que eu, vou me limitar a dar apenas uma dica do que é como a dobradiça ao redor a qual todas as outras virtudes são satisfeitas, por assim dizer; isso é zelo pela salvação das almas! Este é o zelo recomendado pelo divino Salvador quando ele disse: "Eu vim para trazer um fogo sobre a terra e o que eu quero, se não que acenda?" Ignem veni mittere in terram et quid volo visi ut accendatur? (Lc 12: 49) Zelo que fez o apóstolo Paulo exclamar ser anátema de Jesus Cristo por seus irmãos: Optabam ego iphe anátema esse para Christo pro fratibus meis (Rm 9, 3).

Mas em que posição crítica já fiquei, senhores! Quem, logo que eu poderia ser seu aluno, agora exige ser seu professor? É verdade, e precisamente para escapar da imprudência do destemor, peço primeiro a compaixão benevolente, se em minha pequenez eu não conseguir corresponder à sua expectativa. Também espero tudo da graça do Senhor e da proteção de nosso santo.

[IL Filippo a Roma]

Para se antecipar ao tema proposto, ouça um episódio curioso. P, de um jovem que, com cerca de vinte anos de idade, movido pelo desejo da glória de Deus, abandona seus pais, dos quais ele era o único filho, renuncia às substâncias vistosas de seu pai e a um tio rico que lhe roubaram seu herdeiro. sozinho, sem o conhecimento de todos, sem meios de qualquer espécie, apoiando-se apenas na Divina Providência, ele deixa Florença, vai para Roma. Agora olhe para ele: ele é caridosamente recebido por um dos seus concidadãos (Caccia Galeotto); ele pára em um canto do quintal: ele está olhando para a cidade absorto em pensamentos sérios. Vamos nos aproximar e questionar.

- Jovem, quem é você e com o que você olha com tanta ansiedade?
- Eu sou um jovem pobre e estranho; Admiro esta grande cidade e um grande pensamento ocupa minha mente, mas temo que seja loucura e destemor.

Qual deles?
- Consagre-me para o bem de tantas pobres almas, de tantas crianças pobres, que por falta de educação religiosa estão caminhando na estrada para a perdição.

- Você tem ciência?
- Eu acabei de fazer as primeiras escolas.

- Você tem recursos materiais?
- nada; Eu não tenho um pão além do que meu mestre me dá todos os dias.

- Você tem igrejas, tem casas?
- Eu não tenho nada além de uma câmara baixa e estreita, cujo uso eu tenho concedido à caridade. Meus guarda-roupas são uma corda simples puxada por uma parede, acima da qual coloco minhas roupas e todo o meu equipamento.

- Como então você quer sem nome, sem ciência, sem substâncias e sem um site [para] empreender um empreendimento tão gigantesco?
- É verdade: precisamente a falta de meios e méritos me mantém em mente. Deus, no entanto, que inspirou a minha coragem, Deus que levanta os filhos de Abraão das pedras, esse mesmo Deus é o que ...

Este jovem pobre, ou senhores, é Filippo Neri que está meditando sobre a reforma dos cristãos de Roma. Ele almeja aquela cidade, mas oh! como você vê isso?
Ele a viu como escrava de estrangeiros por muitos anos; ele vê isso horrivelmente perturbado por pestilência, miséria; ele vê isso depois de ter sido cercado por três meses, lutado, vencido, saqueado e pode ser dito destruído. Esta cidade deve ser o campo onde o jovem Filipe reunirá frutos abundantes. Vamos ver como ele se sai com o trabalho.

Com a ajuda usual da Providência divina, ele retoma seus estudos, completa filosofia, teologia e, seguindo o conselho de seu diretor, consagra-se a Deus no estado sacerdotal. Com a sagrada ordenação, o seu zelo é duplicado para a glória de Deus.Felim, tornando-se sacerdote, persuade-se com Santo Ambrósio de que, com zelo, adquire-se fé e, com zelo, o homem é levado à justiça. Zelo fides adquiritur, zelo iustitia possidetur (santo Ambrósio, no Salmo 118).

Filipe está convencido de que nenhum sacrifício é tão grato a Deus como o zelo pela salvação das almas. Nullum Deo gratius sacrum offerri potest quam zelus animaro (Greg. M. em Ezech.). Movido por esses pensamentos, ele adverte que ele perturba os cristãos, especialmente os meninos pobres, e eles continuamente gritaram contra o profeta contra ele: Parvuli petierunt panem, et non erat qui frangerit eis (Lam 4, 4). Mas quando ele pôde assistir às oficinas públicas, penetrou em hospitais e prisões e viu pessoas de todas as idades e de todas as condições dadas a brigas, blasfêmias, roubos e viver escravos do pecado; quando ele começou a refletir quantos indignados Deus o criador quase sem conhecê-lo, eles não observaram a lei divina porque eles a ignoraram, então os suspiros de Oséias (4, 1-2) vieram à mente, que diz: porque o povo não conhece o coisas da salvação eterna, os maiores e mais abomináveis ​​crimes inundaram a terra. Mas o quanto seu coração inocente não estava amargurado quando percebeu que a maioria daquelas pobres almas só estava perdida porque não eram ensinadas nas verdades da fé. Este povo, exclamou com Isaías, não tinha entendimento das coisas de saúde, pois o inferno expandiu seu seio, abriu seus imensos abismos e seus campeões, o povo, o grande e o poderoso cairão: Quia populus meus não habuit scientiam, propérteo infernus aperuit os suum absque ulto termino; et descendence fortes eius, et populus eius, e sublimes gloriosis eius ad eum (Is 5, 13-14).

Ao ver aqueles males que ainda estão crescendo, Filipe, por exemplo, do divino Salvador, que, quando começou sua pregação, não tinha mais nada no mundo senão o grande fogo da caridade divina que o levou do céu à terra; por exemplo, dos apóstolos que foram privados de todos os meios humanos quando foram enviados para pregar o Evangelho às nações da terra, que estavam miseravelmente engolfados em idolatria, em todo vício ou de acordo com a frase da Bíblia: sepultados na escuridão e à sombra de Com a morte, Filippo faz de tudo para todos nas ruas, nas praças, nas oficinas públicas; insinua-se em estabelecimentos públicos e privados e com as maneiras suaves, gentis e agradáveis ​​que sua caridade com seu vizinho sugere, ele começa a falar de virtude, de religião para aqueles que não querem saber de um ou de outro. Imagine os rumores que estavam se espalhando sobre você! Quem diz que é estúpido, quem diz ignorante, outros o chamam de bêbado, nem aqueles que o proclamaram louco?

O bravo Philip permite que todos digam sua parte; De fato, com a culpa do mundo, ele está certo de que suas obras são da glória de Deus, porque o que o mundo diz é sabedoria é loucura para com Deus, por isso ele prossegue destemidamente no santo empreendimento. E quem poderá resistir àquela terrível espada de dois gumes, qual é a palavra de Deus? Para um sacerdote que corresponde à santidade do seu ministério?
Em pouco tempo pessoas de todas as idades, de todas as condições, ricas e pobres, eruditas e ignorantes, eclesiásticas e burguesas, da classe mais alta até os aprendizes, os varredores de rua, os centros, os pequenos, o grande pedreiro começam a admirar o zelo de servo de Deus; eles vão ouvi-lo, a ciência da fé entra em seus corações; eles transformam desprezo em admiração, admiração em respeito. Portanto, em Filippo, não se pode mais ver que um verdadeiro amigo do povo, um zeloso ministro de Jesus Cristo, que ganha tudo, tudo vence como um sinal de que todos são vítimas da caridade do novo apóstolo. Roma muda sua aparência; Todos se professam amigos de Filipe, todos elogiam Filipe, falam de Filipe, querem ver Filipe. A partir daí começaram as maravilhosas conversões, os ganhos sensacionais de tantos pecadores obstinados, dos quais o autor da vida do santo fala por muito tempo (ver Bacci) 7.

[III. Philip Apóstolo da Juventude]

Mas Deus havia enviado Filipe especialmente para a juventude, então ele dirigiu suas preocupações especiais a ela.

Ele considerou a humanidade como um grande campo para cultivar. Se bom trigo é semeado no tempo, haverá colheita abundante; mas se a sementeira estiver fora de época, recolherá palha e loppa8. Ele também sabia que neste campo místico existe um grande tesouro escondido, isto é, as almas de tantos jovens que são em sua maioria inocentes e muitas vezes perversos, se você souber. Este tesouro, Philip disse em seu coração, é totalmente confiado aos sacerdotes e, na maior parte, depende deles para salvá-lo ou condená-lo.

7 Pietro Giacomo BACCI, Vida de São Filipe Neri, fundador da Congr. Oratório. Monza, Tipografia do Instituto Paulino 1851.

8 Um termo arcaico para indicar a casca de cereais, o joio: material de pouco valor, sem importância.

Ele não era ignorante de Filippo, que tem que cuidar de seus filhos; cabe aos mestres cuidar de seus súditos, mas quando eles não podem ou não são capazes ou não querem, eles terão que deixar essas almas irem para a perdição? Especialmente desde que os lábios do padre devem ser o guardião da ciência e as pessoas têm o direito de procurá-lo de sua boca e não de outro.

Uma coisa à primeira vista pareceu desencorajar Filippo no cultivo dos meninos pobres e foi sua instabilidade, suas repercussões no mesmo mal e pior ainda. Mas desse pânico veio o temor de que muitos perseveravam no bem, que os reincidentes não eram esmagadores em número e que eles próprios estavam com paciência, com caridade e com a graça do Senhor em grande parte se colocavam no caminho certo e que portanto, a palavra de Deus era um germe que, mais cedo ou mais tarde, produzia o anseio por frutos.

Ele, portanto, seguindo o exemplo do Salvador que ensinava o povo todos os dias: erat docens diários no templo. (Lc 19:47), e que urgentemente chamou os meninos mais submissos a si mesmo, foi em toda parte exclamando: Filhos, vem a mim, eu vou te mostrar os meios de te fazer rico; mas de riquezas reais que nunca falharão; Eu te ensinarei o santo temor de Deus: Vem, deixa-me ouvir-te, timorem Domini docebo vos (Sl 33, 11). Estas palavras, acompanhadas por sua grande caridade e uma vida que era o complexo de todas as virtudes, fizeram com que crianças de todas as partes corressem para o nosso santo. Quem agora dirigia a palavra a um, agora a outro: com o estudante era um homem de letras, com o homem de ferro, o carpinteiro, o carpinteiro chefe, o barbeiro, o barbeiro, o pedreiro, o patrão, o sapateiro, o sapateiro. Desta forma, fazendo tudo para todos, ele ganhou a todos por Jesus Cristo. De modo que aqueles jovens atraídos por essas maneiras caridosas, por esses discursos edificantes, sentiam que eram traços onde Filippo queria; como um sinal de que o espetáculo inesperado aconteceu, que nas ruas, nas praças, nas igrejas, nas sacristias, em sua própria cela, durante a mesa e até a hora da oração, ele foi precedido, seguido, cercado por meninos que eles penduraram em seus lábios, eles ouviram os exemplos que ele contou, os princípios do catecismo que eles estavam expondo.

E então? Ouça. Essa multidão de meninos indisciplinados e ignorantes de mão em mão [que] foram instruídos no catecismo, pediu para abordar o sacramento da confissão e da comunhão; eles tentaram escutar a santa missa, ouvir os sermões e pouco a pouco cessaram de blasfêmias, de insubordinação e finalmente de vícios abandonados, de melhores costumes; para que milhares de crianças infelizes, que já batiam no caminho da desgraça, talvez tivessem terminado suas vidas em prisões ou com o cabresto, com sua eterna perdição, pelo zelo de Filipe, foram devolvidos bons e obedientes cristãos a seus parentes, começou na estrada para o céu. Oh santa religião católica! Oh portentos da palavra de Deus! O que te maravilha nunca trabalha através do ministro que conhece e cumpre os deveres de sua vocação!
Alguém dirá: "Essas maravilhas trabalharam em São Filipe porque ele era um santo". Eu digo de forma diferente: "Philip trabalhou estas maravilhas porque ele era um sacerdote que correspondia ao espírito de sua vocação". Acredito que, se formos animados pelo espírito de zelo, de confiança em Deus, também nos daremos para realmente imitar este santo, e certamente alcançaremos grandes resultados no ganho de almas. Aqueles de nós que não podem reunir alguns filhos, dão-lhes um pouco de catecismo em sua casa ou na igreja e se eles fossem comércios, mesmo no canto de uma praça ou de uma rua, e os instruíssem com fé; animá-los a confessar e quando devemos ouvi-los em confissão? Não podemos repetir com São Filipe: Filhos, venha e confesse a cada oito dias e comunique-se de acordo com o conselho do confessor? Mas como é que as crianças se dissipam, gostam de comer, beber e brincar, como podemos dobrá-las à igreja e à misericórdia?
Filippo encontrou esse segredo. Ouça. Imitando a gentileza e a mansidão do Salvador, Filippo levou-os ao bem, acariciou-os, deu-lhes um confeto aos outros, uma medalha aos demais, uma pequena figura, um livro e coisas semelhantes. Para os mais ignorantes daquela época e para os mais ignorantes que não sabiam provar esses sublimes traços de benevolência paterna, ele preparou um pão mais adequado a eles. Assim que pôde tê-los ao seu redor, começou imediatamente a lhes contar histórias agradáveis, convidou-os a cantar, a brincar, a representações dramáticas, a saltos, a todo tipo de diversão.

Finalmente, os mais relutantes, os mais vanerellos foram, por assim dizer, atraídos para os jardins de recreação com instrumentos musicais, com tigelas, com muletas, com azulejos, com oferendas de frutas e pequenos almoços escolares, cafés da manhã e lanches. Cada despesa, dizia Filippo, todo esforço, todo trabalho, todo sacrifício é escasso quando ajuda a conquistar almas para Deus.Assim, o quarto de Filippo se tornara quase uma loja como comerciante, como lugar de entretenimento público, mas ao mesmo tempo santo. casa de oração e como lugar de santificação. Assim, Roma viu apenas um homem sem títulos, sem meios e sem autoridade, armado com o único hotel de caridade, para combater a fraude, a fraude, a imoralidade e todo tipo de vício, e superar tudo e ganhar tudo para mostrar que muitos lobos chamados vorazes públicos, tornaram-se cordeiros mansos. Esses trabalhos graves, esses ruídos e perturbações que para nós parecem ser apenas alguns momentos suportáveis ​​foram o trabalho e o deleite de São Filipe pelo espaço de mais de sessenta anos, ou seja, durante toda a sua vida sacerdotal, até a velhice tardia, até que Deus o chamou para desfrutar do fruto de tantos trabalhos prolongados.

[IV Peroration: devemos salvar almas]

Senhores respeitáveis, você tem alguma coisa neste servo fiel que não podemos imitar? Não há nenhum. Cada um de nós em sua condição é bastante educado, ele é rico o suficiente para imitá-lo, se não pelo menos em parte. Não nos deixemos enganar com esse pretexto vão que às vezes ouvimos: não sou obrigado, você pensa em quem deve isso. Quando disseram a Filipe que ele não era obrigado a trabalhar tanto porque não se importava com almas, ele respondeu: "Meu bom Jesus tinha alguma obrigação de derramar todo seu sangue por mim? Ele morreu na cruz para salvar almas e eu, seu ministro, recusaríamos. para sustentar alguma perturbação, algum esforço para corresponder a ela? "

Eclesiásticos, vamos ao trabalho. Almas estão em perigo e devemos salvá-las. Somos obrigados a isso como simples cristãos que Deus mandou cuidar dos outros: unicuisque Deus mandavit de proximo suo (Sir 17, 12). Somos obrigados porque estamos lidando com as almas de nossos irmãos, pois somos todos filhos do mesmo Pai celestial. Devemos também sentir excepcionalmente estimulados a trabalhar para salvar almas, porque esta é a mais santa das ações sagradas: Divinarum divinissimum est cooperaci Deo in salutem animarum (Areopagite). Mas o que deve absolutamente nos empurrar para levar a cabo este ofício com zelo é o relato muito rigoroso de que nós, como ministros de Jesus Cristo, teremos de devolver ao seu divino tribunal as almas que nos foram confiadas. Ah, o grande relato, um relato terrível de que pais, chefes, diretores e, em geral, todos os sacerdotes terão que prestar à corte de Jesus Cristo as almas a eles confiadas! Aquele momento supremo virá para todos os cristãos, mas não tenhamos ilusões, também virá para nós sacerdotes. Assim que nos libertarmos dos laços do corpo e aparecermos diante do juiz divino, veremos claramente quais eram as obrigações do nosso estado e qual era a negligência. Diante dos olhos a imensa glória aparecerá de Deus preparada aos seus fiéis e veremos as almas ... Sim tantas almas que tiveram que ir para desfrutar e que por nossa negligência em instruí-las na fé elas se perderam!
Senhores, que dirão ao divino Salvador quando ele nos diz como salvar almas, ele havia deixado a mão direita de seu divino Pai, ele havia vindo sobre a terra; erat todos os dias docens no templo [Le 19.47]: ele que ignorou as dificuldades, os suores, as dificuldades, as humilhações, as contradições, as preocupações, o igualmente de todos os tipos e, finalmente, quem espalhou até a última gota seu sangue para salvar almas? O que poderemos dizer que desfrutamos disso em descanso tranquilo e talvez em passatempos e talvez pior?
Que posição terrível é a de um sacerdote quando ele aparece diante do juiz divino que lhe dirá: "Olhe para o mundo: quantas almas andam no caminho da iniqüidade e batem na estrada para a perdição. Elas se encontram nesse mau caminho por sua causa; você não se preocupou em fazer ouvir a voz do dever, não procurou por eles, não os salvou, outros, por ignorância, andando do pecado para o pecado, agora já estão precipitados no inferno. Oh, olhe quão grande é o número deles. Aquelas almas gritam vingança contra você Agora, servo infiel, sirva nequam, me dê conta disso Me dê conta daquele precioso tesouro que eu confiei a você, um tesouro que custou minha paixão, meu sangue, minha morte. seja para a alma daquele que por sua culpa se perdeu: Erit anima seu pro anima illius ".

Mas não, meu bom Jesus, esperamos em sua graça e em sua infinita misericórdia que esta reprovação não seja para nós. Estamos intimamente convencidos do grande dever que nos une para instruir as almas, de modo que, por nossa causa, elas não sejam miseravelmente perdidas. Assim, para o futuro, durante todo o tempo da vida mortal, usaremos a maior solicitude para assegurar que nenhuma alma para nossa falta seja perdida. Teremos que suportar fadiga, sofrimento, pobreza, tristeza, perseguição e até morte? Teremos o prazer de fazer isso, porque você nos deu um exemplo brilhante. Mas você, ó Deus de bondade e clemência, instila em nossos corações o verdadeiro zelo sacerdotal e faz com que sejamos constantes imitadores daquele santo, que hoje escolhemos como nosso modelo; e quando o grande dia chegar, quando tivermos que nos apresentar à sua corte divina para sermos julgados, talvez já não tenhamos um opróbrio de reprovação, mas uma palavra de conforto e consolação.

E você, oh gloriosa São Filipe, se digne a interceder por mim seu devoto indigno, interceda por todos esses sacerdotes zelosos que tiveram a bondade de me ouvir e fazer que no fim da vida todos nós possamos ouvir aquelas palavras consoladoras: Você salvou almas, você salvou seu: Animam salvasti, animam tuam praedestinasti.

 

SEXTA SEÇÃO

TESTE ESPIRITUAL

 

apresentação

A sexta seção contém a parte mais substancial do que, na tradição salesiana, foi chamado de "testamento espiritual". É um caderno de autógrafos, intitulado Memories from 1841 to 1884-5-6 for the sac. Gio Bosco a "seus filhos salesianos", em que o santo, em diferentes épocas, especialmente durante os últimos anos de sua vida, escreveu exortações e lembranças aos discípulos, amigos, benfeitores e cooperadores.

Nas primeiras páginas do caderno são relatadas as proposições formuladas por Dom Bosco, por ocasião de sua ordenação sacerdotal (5 de junho de 1841) e durante os exercícios espirituais do verão de 1842 (nº 298): um raro e interessante documento dos passos iniciais do jovem sacerdote. , antes de suas escolhas finais de campo.

Seguem-se sete breves textos de notável significado (nn. 299-305), nos quais é possível apreender uma visão sumária da vocação e da missão salesiana, juntamente com a indicação de perspectivas consideradas relevantes para uma fidelidade dinâmica: a determinação de permanecer firme vocação até a morte; a importância da observância exata das Constituições; a fuga do triunfalismo, na consciência de que todo sucesso é uma dádiva de Deus; o elo entre a missão salesiana e a devoção mariana, com o compromisso de nutrir e difundir essa devoção; o cuidado das vocações, formando os jovens ao desejo de "consagrar-se ao Senhor na juventude" e ao desapego do mundo e de sua lisonja; a missão do diretor salesiano como modelo e alma das comunidades, com uma ficção principalmente formativa; o cuidado da caridade fraterna; evitando "conforto" e "conforto", pois são perigos letais para a sobrevivência da Congregação; a atenção privilegiada às "crianças mais pobres, a mais insegura da sociedade", a sábia administração de casas e de substâncias, a primazia da Obra pela salvação das almas, o sentido de gratidão aos benfeitores, cooperadores e colaboradores: sem a sua caridade nada poderia ter sido feito, com sua colaboração o trabalho salesiano pode continuar com segurança na história.

Ed. Crítica em João Bosco, Memórias de 1841 a 1884-5-6 aos seus filhos salesianos. Editado por Francesco Motto, em DBE, Scritti, pp. 391-438.

297. Resoluções do jovem Dom Bosco durante os exercícios espirituais

Ed. Crítica em João Bosco, Memórias de 11841 a 1884-5-6 aos seus filhos salesianos.

Editado por Francesco Motto, em DBE, Scritti, pp. 399-401.

Comecei os exercícios espirituais na casa da Missão em 26 de maio, festa de São Filipe Néri, 1841.

A sagrada ordenação sacerdotal foi realizada por Mons. Luigi Fransoni, nosso arcebispo em seu episcopado em 5 de junho daquele ano.

A primeira missa foi celebrada em São Francisco de Assis, com a ajuda do meu ilustre benfeitor [e] diretor Dom Giuseppe Cafasso, de Castelnuovo d'Asti, no dia 6 de junho, domingo das SS. Trinity.

Conclusão dos exercícios realizados em preparação para a celebração da primeira Santa Missa, foi: O sacerdote não só vai para o céu, ele não vai apenas para o inferno. Se ele se sair bem, ele irá para o céu com as almas que salvou com seu bom exemplo; se doer; se ele der escândalo ele irá para perdição com as malditas almas por seu escândalo.

resoluções
1 ° Nunca faça caminhadas se não para necessidades sérias: visitas aos doentes, etc. 2 ° Estritamente ocupa bem o tempo.

3º Sofrer, humilhar-se em tudo e sempre, quando se trata de salvar almas.

4 ° A caridade e a doçura de São Francisco de Sales me guia em tudo.

5 ° Eu sempre vou me mostrar feliz com a comida que será preparada para mim, desde que
não é prejudicial à saúde.

6 ° Beberei água e só como remédio: isto é, só quando e quanto será exigido pela saúde.

A 7ª Obra é uma arma poderosa contra os inimigos da alma, portanto eu não vou: dar ao corpo mais de cinco horas de sono a cada noite. Durante o dia, especialmente depois do almoço, não descansarei: farei algumas exceções em casos de doença.

8 Todo dia eu darei algum tempo para a meditação, para a leitura espiritual. Durante o dia, farei uma breve visita ou pelo menos uma oração ao Santíssimo Sacramento. Farei pelo menos um quarto de hora de preparação e mais um quarto de hora de agradecimento à santa missa.

9 Nunca farei conversas com mulheres fora do caso para ouvi-las em confissão ou alguma outra necessidade espiritual. Essas memórias foram escritas em 1841.

1842 - Breviário e confissão
Vou tentar recitar o breviário devotamente e recitá-lo preferencialmente na igreja, para que sirva de visita ao Santíssimo Sacramento.

Abordarei o Sacramento da Penitência a cada oito dias e tentarei praticar as intenções que cada vez farei em confissão.

Quando me pedem para ouvir as confissões dos fiéis, se houver preocupação, vou interromper o ofício sagrado e também tornar a preparação e os agradecimentos da Missa mais curtos, a fim de me ajudar a exercer esse ministério sagrado.

298. Adeus, meus queridos e amados filhos em Jesus Cristo

Ed. Crítica em Giovanni Bosco, Memórias de 1841 a 1884-5-6_, em DBE, Scritti, pp. 410-411.

Antes de partir para a minha eternidade, devo cumprir alguns deveres para com você e assim satisfazer um desejo vivo do meu coração.

Em primeiro lugar, agradeço-lhe com o mais sincero afeto pela obediência que me deram e pelo que trabalhou para apoiar e propagar a nossa Congregação. Eu deixo você aqui na terra, mas só por um tempo. Espero que a infinita misericórdia de Deus faça com que todos possamos nos encontrar um dia na abençoada eternidade. Eu te espero lá.

Eu recomendo que você não chore minha morte. Esta é uma dívida que todos nós temos que pagar, mas depois todo esforço sustentado para o bem do nosso mestre, nosso bom Jesus, será amplamente recompensado.Em vez de chorar, faça resoluções firmes e efetivas para permanecer firme na vocação até a morte.

Observe e faça com que nem o amor do mundo, nem a afeição por parentes, nem o desejo de uma vida mais afluente o leve à grande impropriedade de profanar os votos sagrados e, assim, trair a profissão religiosa com a qual nos consagramos ao Senhor. Ninguém toma o que nós demos a Deus.

Se você me amou no passado, continue a me amar no futuro com a exata observância de nossas constituições. Seu primeiro reitor está morto. Mas nosso verdadeiro superior, Jesus Cristo, não morrerá. Ele sempre será nosso professor, nosso guia, nosso modelo; mas você acredita que em seu próprio tempo ele será nosso juiz e recompensador de nossa lealdade em seu serviço.

Seu reitor está morto, mas outro que cuidará de você e sua salvação eterna será eleito. Ouça-o, ame-o, obedeça-o, ore por ele, assim como você fez por mim.

Adeus, queridos filhos, adeus. Eu te espero no céu. Ali falaremos sobre Deus, Maria, mãe e apoio da nossa Congregação; ali abençoaremos para sempre a nossa Congregação, cuja observância das regras contribuiu poderosamente e eficazmente para nos salvar. Sente-se nomen Domini benedictum ex hoc nunc et usque em saeculum. Em você domine speravi, não confindar em aeternum.

299. Avisos especiais para todos

Ed. Crítica em Giovanni Bosco, Memórias de 1841 a 1884S-6 ..., em DBE, Scritti, pp. 414-415.

1) Recomendo vivamente a todos os meus filhos que assistam, falando e escrevendo, a nunca dizer ou afirmar que Dom Bosco recebeu agradecimentos de Deus ou fez milagres de algum modo. Ele cometeria um erro prejudicial. Embora a bondade de Deus tenha sido generosa para mim, nunca reivindiquei conhecer ou trabalhar coisas sobrenaturais. Eu não fiz nada além de orar e pedir ao Senhor para pedir graças de boas almas. Eu sempre experimentei as orações e comunhões de nossos jovens. Deus misericordioso e Sua Santíssima Mãe vieram em nossa ajuda em nossas necessidades. Isso ocorria especialmente sempre que precisávamos proporcionar aos nossos jovens pobres e abandonados e ainda mais quando eles estavam em perigo de suas almas.

2º A Santa Virgem Maria certamente continuará a proteger a nossa Congregação e as obras salesianas, se continuarmos a confiar nela e continuarmos a promover o seu culto. Suas festas e ainda mais suas solenidades, suas novenas, seus triduums, o mês consagrado a ela são sempre calorosamente inculcados em público e em particular; com folhetos, com livros: com medalhas, com imagens, com publicação ou simplesmente contando as graças e bênçãos que este nosso benfeitor celestial concede a cada momento à humanidade sofredora.

3 ° Duas fontes de gratidão para nós são: recomendar antecipadamente todas as ocasiões em que pudermos inculcar aos nossos jovens estudantes que, em honra de Maria, se aproximam dos santos sacramentos ou exercem pelo menos algumas obras de piedade. Ouvindo a santa missa com devoção
a visita a Jesus no sacramento, a frequente comunhão sacramental ou, pelo menos, a comunhão espiritual, são de grande satisfação para Maria e um meio poderoso para obter graças especiais.

300. Aspirantes à vocação salesiana

Ed. Crítica em Giovanni Bosco, Memórias de 1841 a 1884-5-6_, em DBE, Scritti, pp. 418-419.

Para os aspirantes, queremos dizer aqueles jovens que desejam formar um padrão de vida cristão que os torne dignos na época para abraçar a Congregação Salesiana ou como clérigos ou irmãos leigos.

Diligência especial é usado para eles. Mas aqueles que têm a intenção de se tornar salesianos ou, pelo menos, não se opõem a isso, devem ser mantidos apenas neste número, quando tal é a vontade de Deus.

Deixe-os ter uma conferência especial pelo menos duas vezes por mês. Nestas conferências, é uma questão de como um jovem deve praticar ou fugir para se tornar um bom cristão. O Younger desde administra os principais argumentos sobre este assunto.

No entanto, nós não falamos com eles sobre nossas regras em particular, nem sobre votos ou sair de casa ou parentes; são coisas que entrarão em seu coração sem nenhuma discussão sobre elas.

Mantenha o grande princípio firmemente em mente: é preciso se entregar a Deus mais cedo ou mais tarde e Deus chama abençoado aquele que começa a consagrar-se ao Sign in na sua juventude. Beatus homo cum portaperit iugum ab adolescentia sua [Lam 3.27]. O mundo então, com todos os seus elogios, parentes, amigos, lares, ou mais cedo ou mais tarde, ou por amor ou pela força, deve abandonar tudo e deixá-lo para sempre.

301. O diretor de uma casa com seus irmãos

Ed. Crítica em Giovanni Bosco, Memórias de 1841 a 1884-5-6_, em DBE, Scritti, pp. 426-428.

O diretor deve ser um modelo de paciência, de caridade com seus irmãos que dependem dele e, portanto:
- 1 ° Ajudá-los, ajudá-los, instruí-los sobre como cumprir seus deveres, mas nunca com palavras duras ou ofensivas.

2º Mostre que ele tem grande confiança neles; tratar com carinho os assuntos que lhes dizem respeito. Nunca faça censuras nem dê severos avisos na presença de outros. Mas certifique-se de sempre fazer isso na câmera caritatis, que é gentil, estritamente privada.

3 ° Se as razões para estes avisos ou censuras: eles eram públicos, também será necessário notificar publicamente, mas tanto na igreja como nas conferências especiais nunca fazem alusões pessoais. Os avisos, as repreensões, as alusões manifestamente ofendidas e não recebem a emenda:
4 ° Nunca esqueça a declaração mensal, tanto quanto possível; e nessa ocasião, cada diretor se tornou seu amigo, seu irmão, o pai de seus empregados. Dê a todos tempo e liberdade para fazer suas reflexões, expressar suas necessidades e intenções. Ele então, por sua vez, abre seu coração a todos sem nunca fazer ninguém saber; nem sequer lembrar as deficiências do passado, exceto para dar avisos paternos ou recordar caridosamente dever
quem foi negligente.

5 °, Certifique-se de nunca discutir assuntos relacionados à confissão, a menos que o confrade se candidate. Nesses casos, nunca tome resoluções para ser traduzido em um fórum externo sem ser bem compreendido com o parceiro em questão.

6 ° Na maior parte, o diretor é o confessor comum dos confrades. Mas tenha cuidado para dar ampla liberdade àqueles que precisam confessar a outro. Permanece, no entanto, entendido que estes confessores específicos devem ser
conhecido e aprovado pelo superior de acordo com as nossas regras.

7º Desde então, quem estava à procura de confessores excepcionais mostra pouca confiança no diretor, então ele, o diretor, deve abrir os olhos e chamar a atenção para a observância das outras regras e não confiar a esse confrade certos deveres que eles pareciam superiores às suas forças morais ou físicas.

N. B. O que eu digo aqui não é de forma alguma alheio aos extraordinários confessores que o superior, diretor, inspetor, terá: o cuidado de consertar na hora certa.

8 Em geral, então, o diretor de uma casa muitas vezes trata os confrades com muita insanidade, insistindo na necessidade de uma observância uniforme das constituições e, tanto quanto possível, também das palavras textuais da mesma.

9 ° Em casos de doença, observe o que as regras prescrevem e quanto
estabelecer as resoluções do capitólio.

10 ° Que seja fácil esquecer as mágoas e ofensas pessoais e com benevolência e com respeito aos estudos para vencer ou melhor corrigir, os negligentes, os suspeitos e os suspeitos. Vitórias em bono malum [Rom 12; 21].

302. Uma recomendação fundamental a todos os salesianos e salesianos

Ed. Crítica em Giovanni Bosco, Memórias de 1841 a 1884-5-6_, em DBE, Scritti, pp. 435-436.

Ame a pobreza se quiser manter as finanças da Congregação em boas condições.

Certifique-se que ninguém tem a dizer: este mobiliário não dá sinal de pobreza, esta mesa, este hábito, este quarto não é como um pobre. Quem oferece razões razoáveis ​​para fazer tais discursos, ele causa um desastre para a nossa Congregação, que deve sempre se orgulhar do voto de pobreza. Ai de nós, se aqueles de quem esperamos caridade poderão dizer que temos uma vida mais confortável do que a deles. Isso sempre deve ser rigorosamente praticado quando estamos no estado normal de saúde, porque em casos de doença todas as preocupações que nossas regras permitem devem ser usadas.

Lembre-se que sempre será um bom dia para você quando você pode ganhar um inimigo com benefícios ou fazer um amigo.

Nunca coloque o sol acima de sua raiva, nem lembre-se de ofensas perdoadas, nunca se lembre do dano, do erro esquecido. Nós sempre dizemos do coração: Dimitte nobis debita nostra sicut et nos dimittiMus debitoribus nostris [Mt 6.121. Mas com um esquecimento absoluto e definitivo de tudo aquilo que no passado nos causou algum ultraje. Nós todos amamos com amor fraterno.

Essas coisas são exemplarmente observadas por aqueles que exercem alguma autoridade sobre os outros.

303. O futuro

Ed. Crítica em Giovanni Bosco, Memórias de 11841 a 1884-5-6 ..., em DBE, Scritti, pp. 437-438.

Nossa Congregação tem diante de si um futuro feliz preparado pela Providência divina e sua glória será duradoura, desde que nossas regras sejam observadas.

Quando os confortos ou confortos começam entre nós, nossa piedosa Sociedade completou seu curso.

O mundo sempre nos receberá com prazer até que nossas preocupações sejam dirigidas aos selvagens, às crianças mais pobres e à sociedade mais insegura. Isto é para nós o verdadeiro conforto que ninguém invejará e ninguém nos arrebatará.

Não vá a casas fundadas se você não tiver o pessoal necessário para o gerenciamento do mesmo.

Não muitas casas vizinhas. Se alguém está distante do outro, os perigos são muito menores.

Tendo iniciado uma missão no exterior, continue com energia e sacrifício. O esforço deve ser sempre fazer e estabelecer escolas e levantar alguma vocação para o estado eclesiástico ou alguma freira entre as meninas.

Na ocasião, realizaremos nossas missões na China e precisamente em Pequim. Mas não nos esqueçamos de que vamos a crianças pobres e abandonadas. Ali entre povos desconhecidos e ignorantes do verdadeiro Deus, uma pessoa verá as maravilhas até agora não cridas, mas aquele poderoso Deus manifestará ao mundo.

Nós não preservamos propriedades estáveis ​​fora dos lares de que precisamos.

Quando em algum empreendimento religioso perdemos os meios financeiros, suspendemos, mas as obras começam assim que nossas economias continuam, os sacrifícios permitirão.

Quando acontece que um salesiano sucumbe e deixa de viver trabalhando pelas almas, dirá que nossa Congregação trouxe de volta um grande triunfo e as bênçãos do céu descerão abundantemente.

304. Adeus aos benfeitores e cooperadores

Ed. Em letras impressas de DB, pp. 46-49.

Meus bons benfeitores e meus bons benfeitores
Sinto que o fim da minha vida está se aproximando, e o dia está chegando, quando terei que pagar o tributo comum à morte e descer ao túmulo. Antes de deixar você para sempre nesta terra, devo dissolver uma dívida com você e assim satisfazer uma grande necessidade do meu coração.

A dívida que devo pagar é a gratidão por tudo o que você fez ao me ajudar a educar de uma maneira cristã. para colocar no caminho da virtude e trabalhar tantos jovens pobres, para que eles pudessem ter o consolo da família, útil para si e para a sociedade civil e, acima de tudo, para salvar sua alma e, desta forma, tornar-se eternamente feliz.

Sem sua caridade eu poderia ter feito pouco ou nada; com a sua caridade, em vez disso, cooperamos com a graça de Deus para secar muitas lágrimas e salvar muitas almas. Com sua caridade, fundamos várias faculdades e albergues, onde milhares de órfãos foram tirados do abandono, separados do perigo de irreligião e imoralidade, e através de boa educação, estudo e aprendizado de uma arte, boas ações. Cristãos e cidadãos sábios.

Com sua caridade, estabelecemos missões até os confins da terra, na Patagônia e na Terra do Fogo, e enviamos centenas de obreiros evangélicos para ampliar e cultivar a vinha do Senhor.

Com sua caridade, montamos gráficas em várias cidades e países, publicadas entre as pessoas com mais de milhões de cópias de livros e documentos em defesa da verdade, fomentando a piedade e apoiando a boa moral.

Com sua caridade, ainda levantamos muitas capelas e igrejas, nas quais, por séculos e até o fim do mundo, os louvores a Deus e à Santíssima Virgem serão cantados todos os dias e muitas almas serão salvas.

Convencida de que, depois de Deus, tudo isso e muito mais foi feito através da ajuda efetiva de sua caridade, sinto a necessidade de externalizá-la e, portanto, antes de encerrar os últimos dias da minha, há a mais profunda gratidão e agradeço por isso. do mais íntimo do coração ..

Mas se você tiver. ajudou-me com tanta coisa: bondade e perseverança, agora eu oro para que você continue ajudando meu sucessor - depois da minha morte. As obras que eu comecei com o seu apoio não precisam mais de mim, mas continuo precisando de você e todos aqueles que gostam de você amam promover o bem nesta terra. Eu, portanto, confiei a todos e recomendo-os.

Para o vosso encorajamento e consolação, deixo ao meu sucessor que nas orações comuns e privadas, que são feitas e se farão nas casas salesianas, os nossos benfeitores e benfeitores estão sempre incluídos, e ele coloca a intenção toda vez que Deus concede cem vezes mais. sua caridade também na vida presente com saúde e harmonia na família, com prosperidade no campo e nos negócios e com liberação e afastamento de todo infortúnio.

Em seu encorajamento e conforto, ainda percebo que o trabalho mais eficaz é obter para nós o perdão dos pecados e assegurar a vida eterna: é a caridade dada às criancinhas: Uni ex minimis, a uma criança abandonada, como assegura o mestre divino. Jesus, também quero assinalar como, nestes tempos, tornar-se doente sentiram a falta e os meios materiais para educar e fazer os jovens mais pobres e mais abandonados, os santos, educarem na fé e na boa moral: a Virgem se tornou sua protetora; e por esta razão ele obtém muitas graças e temporárias espirituais e até extraordinárias para seus benfeitores e seus benfeitores.

Eu e todos os salesianos somos testemunhas de que muitos de nossos benfeitores, que antes eram de pouca sorte, tornaram-se muito ricos depois que começaram a se espalhar em caridade em favor de nossos órfãos.

Em vista disso, e treinados a partir da experiência, muitos deles, alguns de uma forma e alguns de outra, me disseram várias vezes estas e outras palavras semelhantes: Eu não quero que você me agradeça quando dou caridade a seus pobres filhos; mas devo agradecer por me perguntar. Desde que comecei a subsidiar seus órfãos, minhas substâncias triplicaram. Outro cavalheiro, o comissário Antonio Cotta, muitas vezes vinha para trazer esmolas, dizendo: Quanto mais eu trago dinheiro para suas obras, melhor é meu negócio. Sinto-me com o fato de que o Senhor também me dá na presente vida o centuplicado do que dou por seu amor. Ele foi nosso ilustre benfeitor até os 86 anos, quando Deus o chamou para a vida eterna para desfrutar do fruto de sua beneficência ali.

Embora cansado e exausto de força, eu não deixaria mais que você falasse com você e recomendasse meus filhos para mim, a quem estou prestes a abandonar; mas devo apontar e largar a caneta.

Adeus, meus queridos benfeitores, Salesianos Cooperadores e Cooperadores, adeus.

Muitos de vocês não puderam me encontrar pessoalmente nesta vida, mas isso não importa: no outro mundo todos nós nos conheceremos e eternamente nos regozijaremos juntos no bem que fizemos nesta terra com a graça de Deus, especialmente para o benefício da juventude pobre. .

Se depois da minha morte, a divina misericórdia, pelos méritos de Jesus Cristo e pela proteção de Maria Auxiliadora, me achar digno de ser recebido no céu, sempre orarei por você, rezarei por vossas famílias, rezarei por vossos entes queridos, para que um dia todos virão para louvar a majestade do Criador para sempre, para ficarem intoxicados por suas divinas delícias, para cantar suas infinitas misericórdias, Amen.

Sempre seu servo obrigado
Sac. Giovanni Bosco.