RM Recursos

Vocação e Formação dom e tarefa

CARTA DO REITOR-MOR - ACG 416


VOCAÇÃO E FORMAÇÃO: dom e tarefa “Jesus chamou pessoalmente seus apóstolos para que ficassem com Ele e para enviá-los a proclamar o Evangelho... Ele chama para vivermos na Igreja o projeto de nosso Fundador como apóstolos dos jovens. Respondemos a esse apelo com o empenho de uma formação adequada e contínua, para a qual o Senhor dá cada dia a sua graça”. (Const. 96)

 1 A CONSISTÊNCIA E A FIDELIDADE VOCACIONAL, DESAFIOS PARA A VOCAÇÃO.
o 1.1 As motivações.
o 1.2 Oportunidades e desafios antropológicos.
 Autenticidade.
 Liberdade.
 Historicidade.
 Experiência.
 Relações humanas e afetividade.
 Pós-modernidade.
 Multiculturalidade.
 Renúncia.
 Fidelidade.
 2 VOCAÇÃO E FORMAÇÃO, DOM E MISSÃO.
o 2.1 Vocação: a graça como origem.
 A vida como vocação.
 A vida, Palavra de Deus.
 A vida, resposta devida a Deus.
 Vocação, tarefa de uma vida.
 A vocação, missão dialogada.
 A missão, casa e causa da formação.
o 2.2 Formação: a graça como tarefa.
o Identidade carismática e identificação vocacional.
o Objetivos da formação.
 1°. Enviados aos jovens: conformar-se com Cristo Bom Pastor.
 2°. Feitos irmãos para uma única missão: fazer da vida comum lugar e objeto de
formação.
 3°. Consagrados por Deus: testemunhar a radicalidade do evangelho.
 4°. Partilhando vocação e missão: animar comunidades apostólicas no espírito de
Dom Bosco.
 5°. No coração da Igreja: edificar a Igreja, sacramento de salvação.
 6°. Abertos à realidade: inculturar o carisma.
o Metodologia formativa.
 1°. Chegar à pessoa em profundidade.
 2°. Animar uma experiência formativa unitária.
 3°. Garantir o ambiente formativo e a corresponsabilidade de todos.
 4°. Dar qualidade formativa à experiência cotidiana.
 5°. Qualificar o acompanhamento formativo.
 6°. Dar atenção ao discernimento.
o 2.3 Formação: prioridade absoluta.Oração conclusiva
Roma, 31 de março de 2013.
Páscoa da Ressurreição Queridos irmãos,
há muito tempo, eu desejava compartilhar com vocês a minha reflexão sobre o tema da vocação e da
formação. Hoje, finalmente, posso fazê-lo com esta carta, que pretende ilustrar a beleza e as exigências da
nossa vocação e formação e, ao mesmo tempo, a situação atual de fragilidade psicológica, inconsistência
vocacional e relativismo ético que se manifestam na Congregação em quase todos os lugares. A situação
evidencia claramente a falta de apreço pelo significado da vocação e o papel insubstituível que a formação
tem na apreciação da idoneidade dos candidatos, na consolidação das primeiras opções vocacionais e,
sobretudo, na progressiva configuração a Cristo obediente, pobre e casto nas pegadas de Dom Bosco.
É, de fato, preocupante o elevado número de saídas tanto de professos temporários durante o período da
profissão ou ao final dos votos, quanto de professos perpétuos, ou ainda de sacerdotes que pedem a
secularização para se incardinarem nas dioceses ou apresentam o pedido de dispensa do celibato sacerdotal
e do ministério presbiteral ou – ai de mim – são demitidos.
É verdade que a Congregação como tal, e o Conselheiro para a formação em especial, fez um grande
esforço para garantir a consistência das equipes formadoras, a qualidade da proposta e dos itinerários
formativos, a qualificação e a identidade dos currículos de estudo, a salesianidade, a metodologia da
personalização, a formação dos formadores, a incipiente atenção à formação permanente. Todavia, o
problema continua a chamar a atenção, pedir o aprofundamento da reflexão e exigir intervenções corajosas
de animação e de governo em todos os níveis.
Estou convencido de que a formação inicial é tarefa irrenunciável da Congregação, responsável última da
identidade salesiana e da unidade na diversidade dos contextos, e que especialmente as decisões formativas
fundamentais cabem ao Reitor-Mor e ao seu Conselho. Estou também convencido de que as Inspetorias
têm um papel importante na orientação e no apoio às comunidades formadoras e aos centros de estudo,
sobretudo em vista da inculturação da formação; e isso comporta o seu decidido investimento de pessoal e
recursos a serviço da qualidade formativa.
Entretanto, creio que é, sobretudo, a vida ordinária das comunidades apostólicas locais a jogar afinal um
papel determinante. De fato, de pouco ou nada serve uma formação de qualidade nas comunidades
formadoras, que ajudam o desenvolvimento dos jovens irmãos segundo o Projeto de vida de Dom Bosco,
se, depois, se vive nas comunidades locais um estilo de vida que não corresponde ao mesmo projeto, ou o
despreza, ou até mesmo o renega. É justamente a falta de uma autêntica “cultura salesiana” a dar guarida a
atitudes e comportamentos não correspondentes a consagrados apóstolos salesianos. Tudo isso evidencia
que a preocupação com a vocação e a formação envolve todos os irmãos individualmente, todas as
comunidades locais, todas as Inspetorias, a Congregação em seu conjunto. Além da formação inicial, é
também preciso um sério esforço pela formação permanente, que permita a mudança da cultura de uma
Inspetoria.
Não é a primeira vez que levo à atenção de vocês para este delicado tema da formação inicial e do estilo de
vida, da mentalidade, das atitudes e comportamentos de uma Inspetoria. Já o tinha apresentado brevemente
no relatório ao CG26, e não me parece que a situação tenha se alterado.
1. A CONSISTÊNCIA E A FIDELIDADE VOCACIONAIS, DESAFIOS DA FORMAÇÃO
A consistência vocacional foi um dos temas que mais atraiu a nossa atenção desde o início do meu
reitorado. Sobre o tema, o Conselho Geral fez uma reflexão que se expressou com uma orientação do
Conselheiro para a formação.[1] O tema foi depois retomado pela União dos Superiores Gerais (USG), que
lhe dedicou duas Assembleias Semestrais.[2] Isso indica que o problema envolve todas as Ordens, as
Congregações e os Institutos, tanto de vida apostólica como contemplativa. O estudo feito examinou uma
multiplicidade de causas que estão à base da fragilidade psicológica, da inconsistência vocacional e do
relativismo moral. Para maior conhecimento de todos, acredito ser útil apresentar aqui a situação das entradas e saídas na
Congregação, durante a formação tanto inicial como permanente, no último decênio:
Formação inicial
Ano Novi-
ços[3]
Noviços
saídos
Neoprofessos Temporários
saídos
Neoprofessos
perpétuos
Neoperpétuos
clérigos
Neoperpétuos
coadjutores
Neo-
sacerdotes
2002 607 137 231 249 217 32 262
2003 580 111 470 225 254 221 33 218
2004 594 118 469 211 281 242 +1P 38 203
2005 621 151 476 237 249 219 +2P 28 230
2006 561 137 470 227 260 221 + 2P 37 192
2007 527 110 424 200 219 205 14 175
2008 557 121 417 216 220 200 20 222
2009 526 109 436 225 265 246 19 195
2010 532 125 417 222 177 161 +1P 15 203
2011 414 40 407 185 231 210 + 1P 20 206
2012 480 - 374 174 262 237 25 189
Formação permanente
Ano Perpétuos
clérigos
saídos
Perpétuos
coadjutores
saídos
Dispensa
celibato
diáconos
Dispensa
celibato
padres[4]
Exclaus-
tração
Seculariz.
previo
experimento
Seculariz.
simpliciter
Demissão
2002 8 12 3 15 18 7 11 24
2003 10 14 4 11 10 3 10 25
2004 14 15 3 20 14 9 12 26
2005 11 15 1 15 10 9 10 26
2006 13 10 3 27 11 11 11 26
2007 15 11 3 18 9 12 18 24
2008 8 6 5 18 5 12 14 24
2009 12 13 2 9 6 14 10 36
2010 9 9 1 11 0 29 8 38
2011 10 12 3 11 3 17 11 30
2012 8 11 1 33 4 23 15 29
Noviços segundo as Regiões
Ano América
Cone Sul
América
Interamérica
Europa
Oeste
Itália
Oriente
Médio
Europa
Norte
África
Madagascar
Ásia Leste
Oceania
Ásia
Sul
2002 76 110 11 43 71 55 80 135
2003 69 111 6 27 59 84 79 144
2004 86 98 12 25 51 92 84 145
2005 97 92 14 18 71 95 74 160
2006 76 88 3 22 47 92 75 158
2007 76 97 6 22 51 94 73 108
2008 58 105 4 18 48 100 89 135
2009 64 91 8 24 40 89 64 146
2010 40 73 1 18 55 114 93 138
2011 46 46 7 15 29 94 60 117
2012 43 63 3 21 38 107 69 136 TOT 731 974 75 253 560 1016 840 1522
A preocupação com as vocações e a formação sempre tiveram de enfrentar desafios antropológicos, sociais
e culturais. Isso significa simplesmente que hoje devemos lidar com um tipo de desafios que exigem
soluções novas, justamente porque nos encontramos diante de um jovem culturalmente novo, caracterizado
pela dificuldade de optar e de considerar determinada opção como definitiva, pela falta de coragem para
perseverar e viver a fidelidade, pela incompreensão da necessidade de ascese e de renúncias, pela fuga do
sofrimento e da luta. O jovem sente a necessidade da afirmação de si no plano profissional e econômico;
deseja independência e proteção ao mesmo tempo; acha difícil valorizar o celibato e a castidade,
deformados pelo panorama difundido pelos meios de comunicação social; e – last but not least – vive o
analfabetismo da fé e uma experiência pobre de vida cristã.[5] Ao lado destes aspectos de fragilidade, os
jovens apresentam certamente recursos e capacidades positivas: a busca de relações interpessoais
significativas, a atenção à afetividade, a disponibilidade e a generosidade no trabalho gratuito e no
voluntariado, a sinceridade e a busca de autenticidade.
A formação para a fidelidade a Deus, à Igreja, ao próprio Instituto, aos destinatários começa no momento
da seleção dos candidatos. É preciso mirar muito mais sobre personalidades proativas, com espírito de
iniciativa e de empreendedorismo, capazes de fazer opções livres e de organizar a vida ao redor delas, sem
constrições externas ou internas. Acrescenta-se a isso a necessidade do discernimento que tenha um duplo
ponto de referência: de um lado, a criteriologia sobre a idoneidade, compartilhada pela equipe dos
formadores e, de outro, a presença clara no candidato das qualidades que favoreçam a identificação com o
projeto de vida evangélico. Isso requer organizar sempre mais a formação sobre a personalização,
entendida como aprofundamento das motivações, aceitação pessoal de valores e atitudes concordes com a
vocação consagrada salesiana, acompanhamento qualificado da parte dos formadores.
Temos na Ratio e em Critérios e normas dois documentos muito preciosos, fruto da experiência e da práxis
formativa da Congregação, das contribuições das ciências humanas, do confronto com as “Ratio” de outras
Ordens, Congregações e Institutos religiosos, mas que, infelizmente, nem sempre são bem conhecidos e
aplicados por todas as equipes formadoras. Pode-se errar em outros campos, mas não no campo da
formação, porque isso significa arruinar gerações de Salesianos, pôr em xeque a missão e comprometer a
própria instituição. Não nos podemos esquecer de que a identidade, a unidade e a vitalidade da
Congregação dependem em grande parte da qualidade da formação e do governo nos diversos níveis: local,
inspetorial e congregacional.
Vale ressaltar novamente e explicitar mais que a formação é tarefa da Congregação, que confia às
Inspetorias o dever de realizá-la, garantindo as condições de pessoal, estruturas, recursos que a tornam
possível. Não se justifica, então, o desejo de uma Inspetoria querer todas as etapas formativas em seu
interior; em vez disso, reflita-se sobre a responsabilidade de formar o salesiano exigido hoje pela
Congregação, pela Igreja e pelos jovens. Existem ainda resistências a experiências interinspetoriais de
comunidades formadoras; mesmo não podendo garantir uma boa formação por falta de formandos ou
formadores, algumas Inspetorias continuam a querer caminhar sozinhas. Insisto que a formação é questão
de competência congregacional e não só de responsabilidade inspetorial; as pessoas são o dom mais
precioso da Congregação, que confia a realização concreta da formação inicial a Inspetorias, grupos de
Inspetorias ou Regiões. Surge então a urgência inevitável de cuidar bem das comunidades de formação
inicial, de qualificar os centros de estudo, de preparar formadores e não só professores, mas também de
garantir a vitalidade de todas as comunidades na Inspetoria, a qualidade da fé, a radicalidade da sequela
Christi de cada irmão.
1.1. As motivações
O ponto de partida é, com frequência, uma concepção equivocada de vocação; às vezes, ela é identificada
com um projeto pessoal motivado pelo desejo de autorrealização, pela sensibilidade social pelos mais
pobres ou pela busca de vida tranquila, sem grandes compromissos e sem a entrega total, incondicionada, a
Deus e à missão em comunidade. Essas motivações não são válidas ou, ao menos, não são suficientes para poder acolher o dom da vida
consagrada; elas nem sempre são expressões de fé, mas de voluntarismo (“quero ser religioso”, “decidi ser
salesiano”...) ou de sensibilidade social (“sinto-me chamado a servir os pobres, os meninos de rua, os
indigentes, os imigrantes, os dependentes de drogas...”) ou de busca de segurança.
Esquece-se que a vida só é descoberta como vocação à luz da fé e que, com maior razão, o chamado à vida
consagrada só pode existir na perspectiva da fé no Senhor que chama aqueles que Ele quer para estar com
Ele, segui-lo, imitá-lo e, depois, enviá-los a pregar. Dessa forma, a sequela Christi e a imitatio Christi
tornam-se os elementos caracterizadores da vida dos discípulos e apóstolos de Jesus; e é caminhando no
seu seguimento e procurando reproduzir suas atitudes, que nos identificamos com Ele até a plena
configuração com Ele.
É verdade que, inicialmente, podem existir motivações não totalmente válidas e, portanto, insuficientes,
para justificar e tornar possível uma opção radical de vida, toda ela centrada em Deus, no Senhor Jesus e no
seu Evangelho, no Espírito. Tarefa da verdadeira formação é ajudar a identificar, examinar, discernir as
motivações e, depois, purificá-las e fazê-las amadurecer de tal modo que elas tenham Deus e a sua vontade
como valor supremo.
Essa tarefa inevitável é muito delicada; de fato, muitas motivações são inconscientes, levando o candidato
a exprimir motivações que sentiu e aprendeu, sem poder conhecer e fazer conhecer as reais. Não se pode
esquecer que o Evangelho fala de um indivíduo que, depois de ser curado por Jesus, expressara o desejo de
ficar com ele; o Senhor não permitiu, mas lhe disse: “Vai para casa, para junto dos teus, e anuncia-lhes
tudo o que o Senhor, em sua misericórdia, fez por ti” (Mc 5,19).
Além disso, também se deve considerar a cultura que distingue as novas gerações. A União dos Superiores
Gerais dedicou duas Assembleias a este aspecto. Na primeira, procurou conhecer melhor o perfil dos
jovens que hoje batem às portas da Vida Consagrada, os valores aos quais são mais sensíveis, os desafios
que apresentam à formação e que podem ser convertidos em oportunidades formativas. Na segunda, houve
uma abordagem do tema da fidelidade, que não se identifica com a perseverança; na verdade acontece, às
vezes, que alguns religiosos perseverem, no sentido de permanecerem, quando teria sido melhor que
deixassem o Instituto; fidelidade não é apenas permanecer exteriormente fiéis a uma profissão feita ao
Senhor, mas é o compromisso de viver cotidianamente o que se professou.
1.2. Oportunidades e desafios antropológicos
Na Assembleia da USG de maio de 2006, fui convidado a oferecer uma reflexão sobre os desafios
antropológicos à fidelidade vocacional da vida consagrada, que creio importante propor-lhes. Há alguns
elementos constantes no modo de perceber o humano e suas possibilidades, que poderíamos dizer que são
uma visão intercultural e prevalente. A felicidade e a realização de si, os desejos e as aspirações, os afetos e
as emoções são oportunidades e desafios. Embora desafiadores estes aspectos antropológicos são
imprescindíveis para qualquer vida consagrada que deseje ser plenamente humana e, por isso, crível. Eles
são a base para uma boa formação à fidelidade vocacional.
Autenticidade
A atual situação antropológica oferece à vida consagrada a oportunidade de uma autenticidade renovada.
De fato, a cultura de hoje, especialmente a juvenil, valoriza a autenticidade. As pessoas querem ver-nos
felizes. Querem ver que aquilo que dizemos está de acordo com o que fazemos e que as nossas palavras são
genuínas, porque nascem da coerência de vida.
A autenticidade é uma verdadeira oportunidade porque se apoia na generosidade e no desejo de
fraternidade dos jovens, no dom de si e na alegria do encontro, que são dinamismos muito enraizados e
fortes para o crescimento na vida consagrada genuína e no amor que se doa. Ela estimula e encoraja os
membros mais velhos das nossas comunidades a serem verdadeiros modelos atraentes e provocadores, a viverem o amor por Cristo que os inspirou a abraçar a vida consagrada e entenderem que têm um papel a
jogar na formação das jovens gerações. A autenticidade exige atenção à dimensão humana do consagrado e
da vida cotidiana das comunidades.
A autenticidade também é desafio, porque exige retornar ao essencial, a superar principalmente a
funcionalidade que reduz a vida consagrada à função, ao cargo ou à profissão, comprometendo a paixão do
dom de si a Cristo e à humanidade. A autenticidade solicita todos os dias a conversão e a renovação de
nossas comunidades e a compreensão dos conselhos evangélicos como itinerário para a plena realização da
pessoa. A autenticidade desafia a vida consagrada, ameaçada todos os dias pela insídia da mediocridade e
da inércia, pelo perigo de confundir-se e nivelar-se aos valores do “mundo”.
Liberdade
Ser pessoa significa ter a vida nas próprias mãos, ou seja, decidir o que se quer fazer da própria vida. A
liberdade é responsabilidade de construir-se, é possibilidade, é futuro.
A liberdade é uma oportunidade porque só através dela é possível chegar à interiorização dos valores e à
personalização dos processos de formação e, portanto, à verdadeira maturidade.
A liberdade também é um desafio porque requer que se saiba unir autorrealização e projeto, autoformação
e acompanhamento, inclusive o acompanhamento espiritual. É preciso dar aos jovens o tempo necessário
para crescer e chegar à maturidade de acordo com o seu passo; nem sempre há correspondência e coerência
entre as etapas canônicas e as etapas da maturidade e da decisão pessoal. A opção pessoal, convicta e
madura nem sempre corresponde à ordenação presbiteral e à profissão perpétua; por isso, é preciso
formadores capazes de uma formação personalizada.
Historicidade
O homem é um ser in fieri e a sociedade está em contínua evolução. Constrói-se a pessoa no tempo; sua
autobiografia é a linha que liga a diversidade das experiências. A narração da própria história de vida
garante a própria identidade pessoal.
A historicidade é, então, uma oportunidade porque nos faz reconhecer que a nossa vida é um caminho e a
nossa formação, um processo jamais concluído. A vida é autorrealização e construção de si. A vida é uma
música contínua, que se estende entre a formação inicial e a formação permanente. E as mudanças da
sociedade obrigam a vida consagrada à renovação e adaptação contínuas; convidam-na a reapresentar-se
com a linguagem do homem de hoje.
A historicidade é também um desafio porque requer que a formação, enquanto permanente, anime e oriente
toda a formação inicial; não é suficiente mirar sobre os jovens e sua formação; é preciso colocar novamente
em movimento todas as comunidades e o Instituto, encorajando todos os membros a viverem “o primeiro
amor”, a paixão vocacional que tinham no início de sua vida consagrada. O itinerário da própria vida
também se arrisca a dobrar-se narcisisticamente sobre si mesmo e não se abrir ao dom de si. A
fragmentação domina um mundo que se transforma e está sem um centro; a formação deve servir, então,
para unificar a pessoa e centrá-la no essencial que é a sequela de Cristo.
Experiência
Hoje, é preciso superar a formação intelectualista que pretenda interiorizar conteúdos vitais sem fazer
experiência deles e sem integrá-los na vivência cotidiana. Há um grande desejo de experiências; buscam-se
as experiências mais emocionantes; deseja-se fazer as próprias experiências.
A experiência é uma oportunidade porque quando se aprende da vida, a formação torna-se mais
personalizada, concreta e profunda. Ela é necessária para todos, não só para os jovens; também os irmãos adultos precisam de uma experiência intensa e autêntica de Deus, do carisma, dos pobres, de relações
fraternas e comunicativas.
A experiência também é um desafio porque a experiência pode ser fim em si mesma, enquanto seria
preciso fazer experiência dos valores. As diversas experiências podem ser fragmentadas e isoladas; é
preciso, então, a ajuda de um guia espiritual, que facilite a unificação das experiências e promova a
interiorização dos valores. Não se trata de fazer muitas experiências, mas de escolhê-las poucas e bem
preparadas, experiências fortes, que exijam atenção pedagógica para que as experiências pontuais tornem-
se experiência pessoal.
Relações humanas e afetividade
Sente-se na cultura atual uma grande necessidade de relações humanas autênticas. Há nos jovens uma forte
sede de fraternidade e amizade, de relações informais e afetuosas; mas também os adultos buscam relações
enriquecedoras e significativas. Para ser profecia, a vida fraterna deve ter algo a dizer sobre a capacidade
de tecer relações, deve ser atraente em seu rosto humano, deve ser capaz de criar ambientes de família.
O desejo de encontro constitui certamente uma oportunidade porque encaminhar-se para o aprofundamento
das relações humanas personaliza a fidelidade e torna possível convidar outros para entrarem numa
verdadeira relação de autenticidade e comunicação, mas, sobretudo de amor e de compromisso com a
pessoa de Jesus Cristo. A fraternidade leva a dar maior atenção aos aspectos cotidianos da vida em comum.
Sente-se, contudo, a necessidade de alargar as relações e cuidar dos afetos.
A fraternidade também é um desafio porque exige mirar sobre a conversão e a renovação das nossas
comunidades. Que ambiente humano encontra o jovem candidato em nossas comunidades e que
comunicação encontram os irmãos adultos? Trata-se de um desafio que se apresenta sobre a questão de
como “regenerar” as comunidades, especialmente quando envelhecem. É um desafio porque não é fácil
encontrar formadores equilibrados e capazes de abordagem pessoal, que sabem evitar o individualismo e
oferecer um sábio acompanhamento pessoal e espiritual. É difícil, portanto, criar o equilíbrio emocional e
afetivo nas próprias relações e na própria vivência.
Pós-modernidade
Para ser profecia para o mundo pós-moderno, a vida consagrada deve saber suscitar fascínio e fazer
redescobrir a sua beleza.
Em geral, o confronto com a cultura pós-moderna é uma oportunidade para propor os valores da vida
consagrada como estímulo, purificação e alternativa aos valores do mundo: por exemplo, a fidelidade numa
cultura que se vangloria de ser infiel; a vida de fé numa sociedade sem referências aos valores religiosos; o
otimismo e a esperança num mundo cheio de medo. É também uma oportunidade para orientar a
generosidade dos jovens, a sua sede de fraternidade, o seu desejo de realização pessoal, a sua busca de
Deus.
O confronto com a cultura pós-moderna é também um desafio porque a cultura prevalente das mídias
promete uma felicidade falsa, mas atraente; cabe-nos oferecer, sobretudo aos jovens, uma experiência
pessoal e autêntica de Cristo e demonstrar com palavras e fatos que a vida consagrada favorece a plena
realização da pessoa. É preciso uma nova atualização carismática, profética e crível; ao mesmo tempo, é
preciso um novo equilíbrio carismático entre o seu frescor de renovação e as suas expressões históricas.
Multiculturalidade
Vivemos num mundo que se torna sempre mais “aldeia planetária”: do individualismo cultural vai-se
passando ao encontro, não sem resistências, de diversos mundos culturais. É um mundo caracterizado pela
globalização, pela rapidez das mudanças, pela complexidade, fragmentação e secularização. O consagrado vê nisso tudo a ação do Espírito de Deus que, em todas as situações, age onde quer, como quer e quando
quer.
A diversidade cultural é uma oportunidade porque favorece a solidariedade, a aceitação das diversidades,
as experiências de voluntariado, a empatia pelos pobres, o respeito ecológico, a busca da paz. Favorece
também a internacionalização e a experiência de universalidade das comunidades de vida consagrada como
disponibilidade ao serviço quando este for exigido. Dessa forma, o carisma se enriquece. Favorece nas
jovens gerações dinamismos de conhecimento, acolhida e diálogo.
A diversidade cultural também é um desafio porque é difícil para a maior parte dos consagrados adultos
entrarem na experiência multicultural. Surge, então, a necessidade de repensar a linguagem e a maneira de
transmitir os valores entre mundos antropológicos distantes e estranhos. Formar para a fidelidade num
mundo constantemente em mudança e culturalmente pluridirecional, tornar possível a vida de fé numa
sociedade tendencialmente sem referências aos valores religiosos e cristãos tornam árdua a tarefa formativa
que deve ser permanente e aberta a experiências interculturais.
Renúncia
A renúncia é parte essencial da vida e, portanto, também da vida consagrada; quando assumida
positivamente, torna-se experiência libertadora e enriquecedora. Não se pode escolher tudo, mesmo se
quem vive por amor e escolhe o amor, vive uma experiência totalizante.
A renúncia é uma oportunidade para viver a nossa vida consagrada com autenticidade e fazer dela uma
verdadeira “terapia espiritual” para a humanidade. Ela purifica o amor e torna-o autêntico.
A renúncia é também um desafio porque a vida consagrada oferece um itinerário privilegiado de vida,
protegendo com frequência o consagrado dos problemas e dos compromissos da vida normal. Na verdade,
a tentação consumista, a vida confortável, o bem-estar, as viagens e a posse das ‘mídias pessoais’ tocam os
consagrados em todas as culturas. É preciso retornar ao essencial em nossa vida e nas estruturas. Para os
jovens, de modo especial, mas não só, a renúncia pode ser um problema. Devemos ajudá-los a
compreender que não se trata de sacrificar alguma coisa, mas de escolher alguma coisa, ou melhor,
Alguém: o Senhor Jesus e a sua sequela. N’Ele, encontra-se plena liberdade, alegria e realização. Isso
significa ser abertos a permitir que Jesus entre em nossa vida e tome nela o primeiro lugar; sejamos abertos
para sermos livres de condicionamentos que nos possam impedir de fazer e viver esta escolha radical.
Fidelidade
A fidelidade é consequência óbvia da opção que o consagrado faz por Deus, suscitando em sua vida o fogo
da paixão por Ele e pelo Senhor Jesus, até a oferta da própria vida para sempre.
A fidelidade é uma oportunidade porque torna sempre mais profunda e personaliza a relação com o Senhor
Jesus e o seu Reino. Permite testemunhar Deus como valor absoluto e permanente, que avigora no
turbilhão das mudanças culturais. Ajuda a ver o mundo com olhares positivos e descobrir as experiências
positivas de fidelidade na família, na comunidade, na Igreja, como ação do Espírito na história. Permite
também ver o sentido dos sacrifícios que o consagrado é chamado a fazer.
A fidelidade também é um desafio porque é agitada pela situação fragmentada e passageira da cultura
atual. Nesse sentido, precisa ser constantemente acompanhada de forma pessoal e comunitária para passar
do narcisismo à morte de si mesmo na sequela de Cristo. Por outro lado, a fidelidade não pode permanecer
apenas em nível conceitual; deve ser fidelidade viva, de encontro com Cristo, que envolva toda a pessoa e
leve o consagrado das “experiências” fragmentadas à “experiência” fundante. Além disso, a fidelidade do
consagrado é um desafio permanente que deve ser aprofundado, que se traduz na questão cotidiana: a quem
sou fiel? A fidelidade é um desafio que requer a criação de comunidades fiéis que gerem fidelidade,
ajudem a passar da superficialidade à raiz profunda da fidelidade, construam e renovem a fidelidade carismática e conheçam o caminho e a dinamicidade de seus processos. A fidelidade não é mais
considerada como realidade que perdura por toda a vida, mas que pode existir apenas como fidelidade
“temporária”; por isso, em algumas Congregações retorna com frequência a questão de considerar a
possibilidade de incorporar algum tipo de compromisso temporário na vida consagrada. Nós salesianos já
nos pronunciamos contrariamente a isso. Parece-nos mais que seja preciso formar os irmãos para serem
capazes de uma entrega total ao Senhor para sempre.
Não resta dúvida de que a riqueza e a diversidade do ser humano, possível hoje, ofereçam grandes
oportunidades de valorização, juntamente com as tarefas formativas para a vida consagrada. Isso não
esvazia a contribuição determinante da graça e do Espírito, que agem justamente nos dinamismos
psicológicos e antropológicos da pessoa. Por isso, a formação estará atenta para favorecer o Espírito,
justamente a partir destas expressões do humano a fim de levá-las à sua maturidade e plenitude.
2. VOCAÇÃO E FORMAÇÃO, DOM E TAREFA
Coloca-se a questão: por que devemos nos empenhar em formar os que são chamados por Deus e que por
Ele nos são enviados? Justamente porque na Congregação nós os consideramos como dom de Deus aos
jovens, temos tanto cuidado por eles e sentimos a responsabilidade de ajudá-los a viverem à altura da
vocação recebida. Procuremos aprofundar, então, os dois elementos inseparáveis do verdadeiro chamado,
ou seja, a vocação e a formação, o dom e a tarefa, que são como duas faces da mesma medalha.
O primeiro dos artigos dedicados pelas Constituições à formação apresenta uma afirmação fundamental,
verdadeira profissão de fé, formulada do ponto de vida da pessoa chamada: “Respondemos a esse apelo
com o empenho de uma formação adequada e contínua” (Const. 96).[6]
Assim sendo, as Constituições entendem a formação como resposta à vocação. Não a identificam com o
longo período de tempo que precede a integração plena e definitiva na missão comum nem, menos ainda, a
reduzem a mero estudo, religioso e profissional, ao qual é preciso dedicar-se como preparação específica
em vista da missão pessoal. Tudo que se deve fazer para reconhecer, assumir e identificar-se com o projeto
ao qual Deus nos chama é formação: “formação é acolher com alegria o dom da vocação e torná-lo real
em cada momento e situação da existência”.[7] Ao nos chamar, Deus nos identificou. E nós só Lhe
respondemos adequadamente quando nos identificamos com o seu chamado. A identidade salesiana não se
amolda, portanto, ao que já somos, nem ao que desejamos ser; ela coincide, porém, com o projeto de Deus,
com o que Ele quer que sejamos. Pois bem, identificar-se com o que Deus quer de nós é o objetivo de toda
formação. Salesiano, sê aquilo que és chamado a ser! O chamado de Deus, que é graça imediata, precede e
motiva o esforço de adequar-se a ela, e é nisso que consiste fundamentalmente a formação, “para a qual o
Senhor dá cada dia a sua graça” (Const. 96): vocação e formação são duas formas de realizar a graça em
nós; a vocação é a graça de ser chamado, que precede, acompanha e requer a formação; a formação é a
graça de ser digno da vocação a cultivar, manter e aprofundar sempre mais.
2.1. Vocação: a graça como origem
“Nossa vida de discípulos do Senhor é uma graça do Pai que nos consagra com o dom do seu Espírito e nos
envia para sermos apóstolos dos jovens” (Const. 3).
A vocação nunca é projeto pessoal de vida, que o indivíduo realiza com suas próprias forças ou alimenta
com seus melhores sonhos; é, sobretudo, apelo d’Aquele que, o precedendo e transcendendo, propõe ao
pré-escolhido uma meta que vai além de si mesmo e de suas possibilidades. No primeiro caso, a pessoa
sente a vontade e o entusiasmo de fazer alguma coisa em sua vida, ou melhor, propõe-se – acredita ser
capaz de – fazer alguma coisa da própria vida. No segundo caso, sente-se desejado para fazer alguma
coisa da própria vida, algo que só poderá imaginar e individuar se responder ao chamado pessoal. Crer-se
chamado significa saber-se pré-escolhido (cf. Jo 15,16). “É seu [de Deus] o primado do amor. A sequela é
apenas resposta de amor ao amor de Deus. Se ‘nós amamos’ é ‘porque Ele nos amou por primeiro’ (1Jo 4,10-19). Isso significa reconhecer o seu amor pessoal com a consciência íntima que fazia dizer ao apóstolo
Paulo: ‘Cristo me amou e se entregou por mim’ (Gl 2,20)”.[8]
A vida como vocação
“A vida de cada pessoa é vocação e como tal deve ser compreendida, acolhida e realizada”.[9] Antes de
conhecer, em quem é chamado, o destino da própria vida, antes de reconhecer-se chamado a fazer alguma
coisa da própria vida, o crente sabe que é chamado por Deus pelo simples fato de viver: “Ele nos fez e nós
somos seus”, reconhece o salmista (Sl 100,3).
A vida, Palavra de Deus
A vida, a própria existência, é palavra de Deus e, ao mesmo tempo, resposta devida ao próprio Deus. É o
que nos recorda a história de Ana, mãe de Samuel, que pede um filho, e quando o recebe sente que aquele
filho pertence a Deus e, de fato, o leva ao Santuário de Silo para “ser apresentado ao Senhor, e ali ficar para
sempre”: “Eis o menino por quem eu pedi, e o Senhor ouviu a minha súplica. Por isso, eu o ofereço agora
ao Senhor, a fim de que só ao Senhor ele sirva” (1Sm 1,22.27-28). Ao chamar o homem, Deus o chamou à
existência; a pessoa chamada é obrigada a responder; com a vida dada, Deus impôs-nos o diálogo como
modo de existir na sua presença. Sendo imagem de Deus, que pensou em nós dialogando consigo mesmo,
só podemos viver em diálogo com este Deus. A vida é um pronunciar-se de Deus a nosso favor, exigindo,
portanto, o pronunciar-se do homem a favor d’Ele; não é um acaso se nascemos do nada para o interior de
um colóquio divino: Aquele que nos imaginou dialogando com Ele, pôde considerar-nos imagem sua para
que possamos dialogar como Ele e com Ele.
“Desde que o crente foi chamado à vida por Deus, ele reconhece que a sua presença no mundo não obedece
a uma decisão pessoal: não vive quem quer, quem desejou viver, mas quem foi desejado e amado...
Justamente porque a vida é efeito da vontade divina, não pode ser vivida fora do âmbito da sua vontade:
quem não existe porque assim o quer, não deverá existir como lhe pareça; a vida dada apresenta limites a
respeitar (Gn 2,16-17) e tarefas a realizar (Gn 1,28-31). O homem bíblico, pelo simples fato de viver, sabe-
se chamado por Deus e responsável diante d’Ele: vive porque Deus o quis e para viver como Deus quer...;
sabe que está vivo, porque foi chamado por Deus; sabe que viverá, se permanecer fiel à vocação (Gn 3,17-
19)”.[10]
E é assim, identificando-nos com o chamado de Deus, que encontramos o nosso bem e encontramos a
nossa liberdade: “Cada um encontra o próprio bem, aderindo ao projeto que Deus tem para ele a fim de
realizá-lo plenamente: com efeito, é em tal projeto que encontra a verdade sobre si mesmo e, aderindo a
ela, torna-se livre” (cf. Jo 8,32)”.[11]
A vida, resposta devida a Deus
Pelo simples fato de existir, o homem deve ser responsável: sendo o único ser vivo que reflete a natureza
dialógica de Deus (Gn 1,26), deverá assumir pessoalmente a responsabilidade pela criação (Gn 1,3-25), a
responsabilidade de procriar (Gn 1,27-30; Sl 8,6-9; Sr 17,1-10) e a responsabilidade sobre seu irmão (Gn
4,9). Esta responsabilidade, da qual depende a sua relação com Deus e que se realiza na guarda do mundo e
do irmão, é uma dívida permanente do homem; ele a salda na medida em que, cuidando da criação em
nome e no lugar de Deus, permanece em diálogo com Ele.
O homem bíblico vive, portanto, diante de Deus com uma dívida permanente de resposta. Aquele que deve
sua vida à Palavra de Deus, não pode permanecer em silêncio à sua presença; o crente que se cala diante de
Deus, deixou de existir para Deus; Ele nos imaginou falando, e somos imagem sua se permanecermos em
diálogo com Ele: só os mortos não podem recordar-se d’Ele, só os mortos não O louvam (cf. Sl 6,6; 88,11-
13; Is 38,18). Tudo o que nos é dado pela vida pode ser motivo de oração[12] e é tarefa cuja
responsabilidade se deve assumir pessoalmente: não há nenhuma situação humana que não seja digna de
ser comentada, dialogada, compartilhada com Deus; nem há necessidade dos irmãos nem irmão em necessidade pelos quais não devamos responder. Recordemos que Caim não quis falar de seu irmão Abel, e
até declarou que não precisava responder por ele, porque pouco antes lhe tinha tirado a vida: o assassinato
precedeu à negação de responder pelo irmão.
Vocação, tarefa de uma vida
Para o crente, a vida não é fruto do acaso, nem sequer esforço da vontade humana: toda vida é desejada por
Deus; Deus confia a cada vida humana um lugar, uma missão no seu projeto salvífico. Quem chega à
existência foi desejado por Deus: sua existência tem sentido, ao menos para Deus, e só de Deus sua vida
recebe pleno sentido.
A vocação, missão dialogada
Não é por acaso que quando se descreve na Bíblia um chamado de Deus, a narração torna-se transcrição do
diálogo iniciado por Deus com o seu eleito; revelando o projeto que alimenta em relação ao escolhido,
Deus faz-lhe saber que conta com ele para levá-lo a cumprimento.
Inesperadamente, sem merecê-lo e nem sequer desejá-lo, a pessoa chamada encontra-se com uma tarefa
que lhe é proposta e com uma forma de vida que lhe é imposta; quer se trate da geração de um povo
(Abraão: Gn 12,1-4) ou da sua libertação (Moisés: Ex 3,1-4,23), da concepção de um filho (Maria: Lc 1,26-
38) ou do convite a viver com Jesus (os primeiros quatro discípulos: Mc 1,16-20), a missão entregue não
corresponde às possibilidades do chamado e, frequentemente, não faz parte nem mesmo de suas
prioridades; nem Abraão nem Maria viam como possível a descendência prometida (Gn 15,2-3; Lc 1,34).
A missão indicada não se concilia normalmente com a atividade ou profissão que já está realizando:
Moisés, pastoreando animais alheios, assim como os primeiros discípulos de Jesus, trabalhando com suas
redes, viviam imersos em projetos bem diferentes daquele para o qual foram chamados, ou seja, guiar um
movimento de libertação nacional (Ex 2,21-3,1) ou ser pescadores de homens para o reino de Deus (Mc
1,16.19).
O crente bíblico, sabendo que sua vida é consequência de uma decisão de Deus a seu favor, pode excluir
dela o acaso e a sorte, boa ou má que seja: existindo uma Pessoa que positivamente o quis num
determinado momento e nesse momento o criou vivo, enquanto viver, jamais deixará de se sentir amado;
jamais será presa do destino, nem o imprevisto se precipitará sobre ele. Todavia, justamente por isso, desde
que não buscou a existência para si, nem pode programá-la para si, não é senhor de si mesmo: permanece
sujeito ao arbítrio d’Aquele que tanto o amou a ponto de querê-lo vivo e semelhante a Ele. Sua própria vida
revela-o, portanto, como projeto divino a realizar; sua existência pessoal é prova da preexistência de um
plano divino sobre si: a vida é sempre missão, por ter sido antes de tudo um dom; ela é tarefa e graça, pois
não foi herança automática, nem é salário devido.
A missão, casa e causa de formação
Deus pode dispor muito bem da vida de um homem, porque foi Ele quem lha deu. As histórias de
chamados, significativamente numerosas na Bíblia, demonstram de modo exemplar este traço característico
do Deus vivo: Deus revela à pessoa chamada que conta com ela, às vezes de modo categórico, malgrado
sua vontade, e, outras vezes, até mesmo contra sua vontade. Apesar das muitas objeções que a pessoa
chamada possa acumular, não poderá evitar o chamado. A não ser que Deus revogue o seu envio, o enviado
será tal para sempre; nem fugindo de Deus, será possível libertar-se d’Ele e da sua vontade, como Jonas
precisou aprender (Jn 1,1-3,3). O mais grave ainda é que mais de um dos chamados sentirá que sua vida lhe
foi roubada, lhe foi sequestrada com violência, impondo-lhe uma missão que não entrava em seus projetos
nem entrará totalmente em suas capacidades, como evidenciado por Jeremias (Jr 1,5) e Paulo (Gl 1,15).
Deus caminha de acordo com aqueles a quem chama, falando com eles; o Deus que chama falando
transforma a pessoa escolhida em interlocutora. Deus, dirigindo-se ao chamado, revela-lhe que o deseja e
para qual finalidade Ele o deseja. Pois bem, o único conhecimento sobre Deus e sobre si, que a pessoa chamada adquire ao assumir o chamado de Deus, consiste em saber que é destinada aos outros: o Deus
bíblico, quando chama, quer sim a pessoa chamada para si, mas também para os outros. Nisso consiste,
precisamente a surpresa de quem é chamado: a resposta que deve a Deus pela sua vocação deve tentar dá-la
respondendo por aqueles aos quais foi enviado; Deus chama para estar com Ele e para enviar: a amizade
íntima com Ele e a missão a favor dos outros são a maneira de viver a escolha; são a sua consequência e a a
sua prova. Tudo o que se faz para aprender a ser amigo e não servo do Senhor e realizar a missão, preparar-
se para ela e identificar-se com ela, é formação. A formação do salesiano é, por natureza, religiosa e
apostólica porque é orientada e motivada pela missão.
A única resposta que o Deus de quem é chamado considera válida é a que realiza o seu chamado, ou seja,
aquela que ele dá quando se entrega àqueles para os quais Deus o destinou no momento em que o chamou
pelo nome. Assumir a vocação pressupõe, portanto, uma vida de obediência à missão recebida: a resposta
que Deus espera do salesiano é o serviço exclusivo aos jovens. Não é por acaso que perdemos a
consciência dos nossos deveres diante dos jovens quando perdemos o prazer e a vontade de rezar; nem
muito menos nos deve maravilhar que toda tentativa de libertação da missão salesiana empobreça e torne
mais difícil a nossa oração comunitária: não é que Deus esteja se afastando de nós e nos impeça de senti-lo
próximo; nós é que estamos nos afastando dos jovens e não conseguimos estar perto de seus problemas.
Cremo-nos abandonados por Deus porque, e quando, abandonamos “a pátria da nossa missão... a juventude
carente”.[13]
Como salesianos, estamos em débito com Deus e com os jovens; este débito nasce da graça recebida:
nasceu, mantêm-se com a vocação e é saldado com a formação, “adequada e contínua” (Const. 96).
“Imerso no mundo e nas preocupações da vida pastoral, o salesiano aprende a encontrar Deus naqueles a
quem é mandado” (Const. 95). A formação consiste fundamental e principalmente nesta aprendizagem. A
meta consiste no encontro com Deus na vida que se está a viver enquanto se vive o chamado; o caminho do
sucesso e as escolhas metodológicas constituem o processo formativo que toda pessoa chamada vive em
primeira pessoa: não será preciso sair da vida que se está a viver, se ela é resposta à própria vocação. Onde
faltar a consciência de fazer diante de Deus o que Ele nos confiou, não poderá existir formação alguma,
porquanto se estude ou por quantos anos se passe nas assim chamadas ‘casas e etapas de formação’.
2.2. Formação: a graça como tarefa
Não estamos a falar obviamente em termos abstratos de vocação e formação. Como vimos no início, as
duas, vocação e formação, enfrentam desafios próprios que, segundo meu modo de ver, procedem do
contexto cultural histórico que vivemos e do tipo de presença da Igreja e da Congregação.
Em relação ao contexto social, existem alguns elementos que, na contraluz, “tocam de perto a experiência
vocacional”; de um lado, o valor da pessoa, e de outro, o subjetivismo e o individualismo; de um lado, a
dignidade da mulher, e de outro, a ambiguidade em relação a ela; de um lado, a revalorização da
sexualidade, e de outro, algumas suas expressões distorcidas; de um lado, a riqueza do pluralismo, e de
outro, o relativismo e a fragilidade do pensamento; de um lado, o valor da liberdade, e de outro, a
arbitrariedade; de um lado, a complexidade da vida, e de outro, a fragmentação; de um lado, a globalização,
e de outro, os particularismos; de um lado, um desejo maior de espiritualidade, e de outro, o
secularismo.[14]
Quanto à Igreja, ela gostaria de responder aos desafios do tempo presente com a Nova Evangelização, que,
por sua vez, requer um novo evangelizador, que faça de Cristo o tema e o conteúdo da sua pregação, do
mistério da cruz, o critério de autenticidade cristã, do evangelho, a sua força e a sua luz. Ela, então, será
capaz de unir harmoniosamente evangelização, promoção humana, cultura cristã, e promover o diálogo
cultural, ecumênico e inter-religioso.
A Congregação, por sua vez, nos últimos anos, desde o Concílio Vaticano II, procurou atualizar-se para
responder a esses desafios e esforçou-se para renovar a sua experiência de vocação e a sua práxis
formativa. A Ratio, deste ponto de vista, é muito mais do que um documento. Sua intuição fundamental é a da identidade carismática e identificação vocacional. Estamos convencidos
de que se conseguirmos garantir, através da formação, uma clara identidade salesiana, os irmãos sentir-se-
ão dotados de uma bagagem de valores, de atitudes, de critérios que os ajudarão a enfrentar com êxito a
cultura atual e realizar a missão salesiana com eficácia. Gostaria, pois, de fazer uma abordagem do tema da
formação a partir desta perspectiva.
O chamado de Deus, entregando-nos os jovens como conteúdo da nossa resposta vocacional, obrigou-nos a
viver determinado tipo de espiritualidade, que exige uma formação específica: “cremos que Deus nos está a
esperar nos jovens para oferecer-nos a graça do encontro com Ele e para dispor-nos a servi-lo neles”.[15]
Desde que a nossa experiência de Deus não pode ser compreendida sem referência aos jovens aos quais
Deus nos destinou, assim também a nossa formação não poderá ser realizada sem uma vida vivida a favor
deles: “A natureza religiosa e apostólica da vocação salesiana determina a orientação específica da nossa
formação” (Const. 97).
O salesiano sabe que sua vida apostólica é o lugar privilegiado e o motivo central do seu diálogo com
Deus: como Deus estabeleceu para ele uma missão para toda a vida, ele só poderá responder-lhe
identificando-se com essa missão e realizando-a: “É através da experiência da missão juvenil que lhe chega
o chamado de Deus; não poucas vezes é aí que principia o seguimento de Cristo. Na missão se empenham e
manifestam e nele crescem os dons da consagração. Um único movimento de caridade impele-o para Deus
e compele-o para os jovens (cf. Const. 10). Vive o trabalho educativo com os jovens como um ato de culto
e uma possibilidade de encontro com Deus”.[16]
O nome desse trabalho é formação; “formação salesiana é identificar-se com a vocação que o Espírito
suscitou por meio de Dom Bosco. É ter a sua capacidade de partilhá-la, inspirar-se em sua atitude e em seu
método de formar”.[17]
Identidade carismática e identificação vocacional
“Configurar-se com Jesus Cristo e, como Dom Bosco, dar a vida pelos jovens” é, em síntese, “a vocação do
salesiano”, a sua identidade. “Toda a formação, inicial e permanente, consiste em assumir e realizar essa
identidade nas pessoas e na comunidade”. “Dela parte o processo formativo e a ela faz constante
referência”. A identidade salesiana é “o coração de toda a formação”,[18] sua norma e sua meta. “Com
outras palavras: a identidade salesiana caracteriza a nossa formação, que não pode ser genérica, e
especifica-lhe as tarefas e as exigências fundamentais”.[19]
Objetivos da formação
Formar-se comporta reconhecer a forma de vida à qual se é chamado e nela identificar-se mais plenamente.
Como já acenei, a formação na vida consagrada não coincide com o tempo pedagógico que precede a
preparação aos votos, ao ministério sacerdotal, um tempo, portanto, limitado e a não se repetir; antes é uma
situação permanente, jamais concluída, que dura “toda a existência, por envolver toda a pessoa, coração,
mente e forças (cf. Mt 22,37) e torná-la semelhante ao Filho que se entrega ao Pai pela humanidade”.[20]
“Mediante a formação, na verdade, realiza-se a identificação carismática e adquire-se a maturidade
necessária para se viver e trabalhar em consonância com o carisma fundacional: de uma primeira situação
de entusiasmo emotivo por Dom Bosco e por sua missão juvenil chega-se a uma verdadeira configuração
com Cristo, a uma profunda identificação com o Fundador, à assunção das Constituições como Regra de
vida e critério de identidade, e a um vigoroso sentido de pertença à Congregação e à Comunidade
inspetorial”.[21]
Aquilo que somos chamados a ser determina o que devemos esforçar-nos para ser; a identidade carismática
provoca e orienta o esforço de identificação, pessoal e comunitária, que é a formação. Em outros termos, os
objetivos da formação para a vida salesiana são impostos pela própria vocação salesiana; em última
instância, por Deus que nos chama a atuar estas tarefas: 1º. Enviados aos jovens: identificar-se com Cristo Bom Pastor
Como Dom Bosco, o salesiano tem como primeiro e principal destinatário da sua missão “a juventude
pobre, abandonada, em perigo, que tem maior necessidade de ser amada e evangelizada” (Const. 26).[22]
Responder a esta missão obtêm-nos a configuração[23] a Cristo Bom Pastor, cujo fruto e garantia natural é
a caridade pastoral. Amar os jovens como Cristo os ama “torna-se para o salesiano projeto de vida”; aquilo
que fará para representar o amor de Deus aos jovens (cf. Const. 2: “ser na Igreja sinal e portador”) será o
que o identificará com Cristo apóstolo do Pai. “É através dos jovens que o Senhor entra na existência do
salesiano, ocupando aí o primeiro lugar, e o anseio de Cristo Redentor encontra eco no lema "Da mihi
animas, cetera tolle", que constitui o ponto unificador de toda a sua existência”.[24]
O salesiano configura-se a Cristo realizando a sua missão, “parâmetro seguro e definitivo da nossa
identidade”,[25] com “coração oratoriano”,[26] respondendo às necessidades dos jovens com imaginação e
sensibilidade educativa. E é na vida cotidiana, e não em comportamentos pontuais ou extraordinários, “é na
realidade de todos os dias que o salesiano traduz em experiência de vida a sua identidade de apóstolo dos
jovens”.[27]
2º. Feitos irmãos pela única missão: fazer da vida comum lugar e objeto de formação
“Viver e trabalhar juntos é para nós salesianos exigência fundamental e caminho seguro para realizarmos a
nossa vocação” (Const. 49). De fato, viver comunitariamente a missão não fica ao nosso arbítrio: não
somos livres de aceitá-lo, nem podemos libertar-nos dele de acordo com o nosso gosto; não é nem sequer
uma decisão tática com a finalidade de uma maior eficácia apostólica; “é por isso um dos traços mais
decisivamente caracterizadores da identidade salesiana. O salesiano é convocado a viver com outros
irmãos consagrados, para compartilhar o serviço do Reino de Deus entre os jovens”.[28]
O salesiano é, por vocação, “parte viva de uma comunidade” e “cultiva um profundo sentido de pertença a
ela”: “Com espírito de fé e amparado pela amizade, vive o salesiano na comunidade o espírito de família e
contribui dia após dia para a construção da comunhão entre todos os membros. Convencido de que a
missão é confiada à comunidade, ele se empenha em trabalhar com os irmãos segundo uma visão de
conjunto e um projeto partilhado”.[29]
Desde que “a assimilação do espírito salesiano é fundamentalmente um fato de comunicação de vida”
(Reg. 85), a formação enquanto identificação com o carisma salesiano requer ainda mais a comunicação
que “tem a comunidade como contexto natural”.[30] Além de ser “o ambiente natural de crescimento
vocacional”, “a própria vida da comunidade, unida em Cristo e aberta às exigências dos tempos, é
formadora” (Const. 99). Viver na e para a comunidade é viver em formação.
3º. Consagrados por Deus: testemunhar a radicalidade do Evangelho
“Missão apostólica, comunidade fraterna e prática dos conselhos evangélicos são elementos inseparáveis
da nossa consagração” (Const. 3).
A vida espiritual salesiana é uma forte experiência de Deus; ela é sustentada e, por sua vez, sustenta um
estilo de vida fundado totalmente nos valores do Evangelho (cf. Const. 60). Por isso, o salesiano assume a
forma de vida obediente, pobre e casta que Jesus escolheu para si na terra... Crescendo na radicalidade
evangélica com intensa tonalidade apostólica, faz de sua vida uma mensagem educativa, dirigida
especialmente aos jovens, proclamando com a sua existência “que Deus existe e o seu amor pode saciar
uma vida; que a necessidade de amar, a ânsia de possuir e a liberdade de decidir da própria existência
adquirem em Cristo Salvador o sentido supremo” (Const. 62)”.[31]
Consequentemente, a prática dos conselhos evangélicos além de ser mensagem e método de
evangelização[32] “constitui princípio de identidade e critério formativo”.[33] 4º. Partilhando vocação e missão: animar comunidades apostólicas no espírito de Dom Bosco.
“O salesiano não pode pensar integralmente a sua vocação na Igreja sem se referir àqueles que com ele são
os portadores da vontade do Fundador. Pela profissão, ele entra na Congregação Salesiana e se insere na
Família Salesiana”;[34] nela temos responsabilidades especiais: “manter a unidade do espírito e estimular
o diálogo e a colaboração fraterna para mútuo enriquecimento e maior fecundidade apostólica” (Const. 5).
Pelo fato de sê-lo, “todo salesiano é animador e habilita-se a sê-lo cada vez mais”;[35] responder à própria
vocação torna-o corresponsável do carisma salesiano vivido de modo diverso pelos vários membros da
Família Salesiana. “A formação dá ao salesiano um sentido intenso da sua identidade específica, abre à
comunhão no espírito salesiano e na missão com os membros da Família Salesiana que vivem projetos
vocacionais diferentes... A comunhão será tanto mais sólida quanto mais clara for a identidade vocacional
de cada um e quanto maiores forem a compreensão, o respeito e a valorização das diversas
vocações...”.[36] “A formação à comunhão nos valores salesianos faz crescer a consciência do dever de
animação carismática e para ela qualifica”.[37]
5º. No coração da Igreja: edificar a Igreja, sacramento de salvação.
“A vocação salesiana situa-nos no coração da Igreja” (Const. 6): “a experiência espiritual do salesiano é,
portanto, uma experiência eclesial”.[38] Se amar a Igreja foi para Dom Bosco um modo característico de
sua vida e santidade, para nós “ser salesianos é o nosso modo de ser intensamente Igreja”.[39]
O salesiano chega a ser salesiano crescendo no sentido de pertença à Igreja,[40] empenhado com as suas
preocupações e os seus problemas, inserido em seus projetos pastorais e envolvendo neles os jovens,
vivendo em comunhão cordial com o Papa e com aqueles que trabalham pelo Reino (cf. Const. 13).[41]
6º Abertos à realidade: inculturar o carisma
A vocação do salesiano exige “abertura e discernimento perante as transformações em andamento na vida
da Igreja e do mundo, especialmente dos jovens e dos ambientes populares”.[42] Como Dom Bosco, o
salesiano torna a realidade histórica “tecido da sua vocação”, “desafio e convite imperioso ao
discernimento e à ação... Esforça-se por compreender os fenômenos culturais que caracterizam a vida,
entrega-se a uma reflexão atenta e empenhada a seu respeito, enquadra-os na perspectiva da
Redenção”.[43] A leitura evangélica da realidade, em especial da realidade juvenil e popular, é obrigatória
em se querendo responder adequadamente à vocação salesiana: é parte integrante, portanto, da missão
educativa.
“Chamado a encarnar-se entre os jovens de determinado lugar e cultura, o salesiano precisa de uma
formação inculturada. Mediante discernimento e diálogo com o próprio contexto, esforça-se por permear
de valores evangélicos e salesianos os seus critérios de vida e por radicar a experiência salesiana no próprio
contexto. Desse fecundo relacionamento emergem estilos de vida e métodos pastorais mais eficazes porque
coerentes com o carisma de fundação e com a ação unificante do Espírito Santo (cf. VC 80)”.[44]
Metodologia formativa
“Responder ao apelo de Cristo que chama pessoalmente significa tornar reais os valores vocacionais”.[45]
Considerada a experiência secular salesiana, de Dom Bosco aos nossos dias, a identificação teórica dos
valores carismáticos pode ser considerada hoje como meta suficientemente alcançada. O maior desafio
enfrentado atualmente pela formação está mais no método formativo, em como fazer da proposta
vocacional um projeto pessoal de vida, em como passar dos valores apreciados aos valores vividos, em
como transformar o carisma salesiano em realidade cotidiana.
Impelida por uma vocação gratuita, a formação é, antes de um processo metodológico, uma experiência
vivida de graça, um dom reconhecido e uma responsabilidade assumida através do diálogo pessoal não transferível com Deus; é, e nesta ordem, “graça do Espírito, atitude pessoal, pedagogia de vida”.[46] Em
última análise, o Espírito de Deus é o autor do chamado e o único e verdadeiro formador de quem é
chamado: Ele iniciou o diálogo com sua proposta e é capaz de apoiá-lo com sua força. A ação formativa
permanece assim aberta ao sentido do mistério de Deus e da pessoa; sem este diálogo interior, nada está
garantido; demonstra-o também muito bem a nossa vivência pessoal e a nossa experiência de educadores.
Afirmada a prioridade do Espírito no processo formativo,[47] da experiência educativa salesiana, das
orientações da Igreja e da Congregação e da análise da realidade formativa, emergem nestes últimos anos
algumas opções de método que “parecem indispensáveis para a consecução dos objetivos do processo
formativo e para o cultivo continuado da vocação”.[48]
1º. Alcançar a pessoa em profundidade
A formação, “assimilação pessoal da identidade salesiana”,[49] realiza-se no ser como Dom Bosco mais do
que no trabalhar como ele. Isso obriga a centrar prioritariamente a tarefa formativa na interiorização da
experiência, sem se limitar a adquirir novos conhecimentos ou repetir comportamentos formais, exteriores,
que não exprimem realmente os valores que somos chamados a viver e são meras formas de adaptação ao
ambiente.[50] Sem interiorização corre-se um risco duplo: de um lado, reduz-se a formação a simples
informação, quando se dá por certa a apropriação de valores só pelo fato de falar frequentemente deles; de
outro lado, rebaixa-se a formação a simples acomodação, quando se assume mimeticamente um gênero de
vida sem se apropriar de suas motivações últimas.
A interiorização dos valores carismáticos envolve necessariamente a existência de profundas motivações
pessoais, e torna-se inalcançável se não se conseguir fazer dos valores carismáticos convicções subjetivas.
Só possuindo razões fortes para chegar a ser o que somos chamados a ser poderemos descobrir como
valores os elementos que formam o conjunto da vida salesiana, fazer experiência deles e assumi-los até se
tornarem modo conatural de ser. Dessa forma, a pessoa é tocada em profundidade e acontece a sua
transformação.
Indica-se, assim, um aspecto próprio da educação salesiana, que é partir da pessoa concreta, da sua
história pessoal, do seu processo realizado nas diversas dimensões da pessoa humana, superando a tentação
de, por pragmatismo, homogeneizar e nivelar a todos, sem respeitar os ritmos de amadurecimento das
pessoas. Este aspecto comporta a tarefa de ajudar a fazer com que a pessoa se conheça e se aceite, torne-se
consciente das suas convicções e submeta-as ao discernimento, como condição indispensável para construir
sobre a verdade e a aceitação de si. Implica, também, o conhecimento exato das necessidades da pessoa e a
elaboração de um itinerário adequado. Implica, enfim, a proposta clara do projeto de vida salesiana, com
todas as suas exigências, sem dar espaço a entusiasmos fáceis e emoções passageiras.
O conhecimento de si, que já é um valor, é orientado para a experiência formativa do confronto da pessoa
com a identidade vocacional que deseja assumir. Surge, então, o perfil com o qual a pessoa quer se
identificar (Cristo, à maneira de Dom Bosco, parafraseando a expressão de São Paulo: “Sede meus
imitadores como eu o sou de Cristo”) e, a partir desse perfil, delineia-se o projeto de trabalho espiritual que
favorece a identificação crescente que, como é lógico, não tem fim e vale para a vida inteira.
A primeira responsabilidade desta identificação interior recai sobre a própria pessoa chamada. Não se
trata de uma tarefa delegável, nem adiável: ninguém o pode fazer no lugar de quem é chamado, nem este
pode fazê-lo quando quiser. A pessoa chamada, justamente por ser chamada e para responder ao chamado,
deve empenhar-se a fundo, sem reservas, com generosidade e radicalidade, com convicção e entusiasmo.
Aos poucos, crescerá no sentido de pertença à família da qual quer fazer parte e se sentir em casa.[51]
2º. Animar uma experiência formativa unitária
A formação é realizada, necessariamente, através de um caminho longo e diversificado, em diversas
comunidades e com diversos responsáveis. Para que possa ser experiência integrada e personalizada, é necessário que seja compreendida e realizada como proposta única, que se realiza num único processo,
embora variem as ações concretas e as ênfases, de acordo com as diversas etapas da vida do salesiano. A
elaboração da proposta é responsabilidade comunitária:[52] transcende preferências ou necessidades
individuais e transmite o carisma fundacional de modo acessível e pedagógico.
Para evitar “o risco de fazer da formação uma soma de intervenções desorganizadas e descontínuas,
confiadas à ação individual de pessoas ou grupos”,[53] a formação deve ser pensada como projeto
unitário e orgânico e vivida com mentalidade de projeto. O projeto engloba tanto o que constitui
objetivamente o carisma salesiano (objetivos gerais), quanto o que a formação busca em cada momento e
as intervenções formativas com que o realiza (objetivos de cada etapa, estratégias para alcançá-los e
métodos de avaliação).[54]
Dado que o processo formativo está a serviço da pessoa,[55] o seu amadurecimento exige tempos
‘psicológicos’ mais do que cronológicos. Pois bem, superando certa concepção segundo a qual as coisas do
espírito não são passíveis de avaliação, a formação deve ser revista em relação à obtenção dos objetivos
formativos propostos. A formação não é questão de superar algumas fases e completar o currículo; trata-se,
antes, de integrar alguns valores e manter uma forte tensão vocacional. Uma etapa formativa deve preparar
a seguinte; a passagem de uma fase a outra deve ser marcada “mais pela consecução dos objetivos do que
pelo transcurso do tempo ou do currículo de estudos... O ritmo de crescimento vocacional é assim mantido,
sem quedas de tensão, e é sustentado por crescentes compromissos e por oportunas verificações”.[56]
Como em todo fato educativo, o ‘chamado’ é o sujeito que dá unidade às intervenções, motivações e
atividades, porque só ele pode integrar tudo de modo orgânico ao redor do projeto apostólico que é a vida
salesiana, assim como fez Dom Bosco que – utilizando as palavras do P. Rua – “não deu passo, não
pronunciou palavra, nada empreendeu que não visasse à salvação da juventude” (Const. 21).
3º. Garantir o ambiente formativo e a corresponsabilidade de todos
“A assimilação do espírito salesiano é fundamentalmente um fato de comunicação de vida” (Reg. 85).
Como no caso de Jesus com os primeiros discípulos (Mc 3,13-14; cf. Pastores dabo vobis, 60) e de Dom
Bosco com os primeiros salesianos,[57] a formação deve acontecer num ambiente de diálogo vocacional,
de convivência cotidiana e de responsabilidade compartilhada.
A primeira responsabilidade recai, evidentemente, sobre quem é chamado, “protagonista necessário e
insubstituível da própria formação, [que] em última análise, é autoformação”.[58] “Cada salesiano assume
a responsabilidade da própria formação” (Const. 99). É ele que deve conhecer, aceitar e assumir a própria
vocação e agir consequentemente. E pode fazê-lo “tomando como ponto de referência a Regra de vida e
envolvendo-se na experiência cotidiana e no caminho formativo da comunidade... Uma das formas
concretas para exprimir a própria responsabilidade na formação é ter o seu projeto pessoal de vida”.[59]
O salesiano deve encontrar em sua comunidade “o ambiente natural de crescimento vocacional... A
própria vida da comunidade, unida em Cristo e aberta às exigências dos tempos, é formadora” (Const. 99).
É evidente que não basta existir certo grau de vida comum; a comunidade é ambiente de formação quando
consegue ser sujeito coletivo de formação, ou seja, quando se organiza de tal modo que promova em seu
interior relações interpessoais muito profundas, um impulso apostólico corresponsável, competência
profissional e capacidade pedagógica, uma vida de oração estimulante, um estilo de vida autenticamente
evangélico, preocupação com o crescimento vocacional de cada irmão, através de um projeto próprio e
compartilhado, a abertura às necessidades da Igreja e dos jovens, a sintonia com a Família Salesiana.
Particularmente, a comunidade avalia o seu trabalho cotidiano na comunidade educativo-pastoral
considerando-a como “espaço privilegiado de autêntico crescimento e de intensa formação
permanente”.[60]
“Antes de ser um lugar, um espaço material”, as comunidades dedicadas especificamente à formação
inicial, devem ser “espaço espiritual, itinerário de vida, atmosfera que favorece e garante o processo formativo”.[61] Comunidades formadoras em caminho[62] caracterizam-se do ponto de vista pedagógico
pela qualidade do seu projeto formativo, elaborado e compartilhado por todos,[63] e garantindo as
condições ambientais que favoreçam a personalização da experiência formativa. Para traduzir o projeto
comum em práxis formativa cotidiana, criando atmosfera adequada, é “condição indispensável e ponto
estratégico determinante” a existência de uma equipe consistente de formadores;[64] a eficácia de suas
intervenções formativas dependerá de se apresentarem e agirem não tanto como acompanhantes isolados,
mas como equipe que representa a “mens” e a práxis formativa da Congregação e compartilha critérios de
discernimento e uma pedagogia de acompanhamento.
No interior da equipe formadora, o diretor da comunidade realiza um papel relevante, “ainda de maior
responsabilidade”[65] se for diretor de uma comunidade formadora, pois é responsável pela animação do
“crescimento vocacional de seus irmãos”.[66] Ele é “responsável pelo processo formativo pessoal de cada
irmão. É também o diretor espiritual proposto, não imposto, aos irmãos em formação”.[67] “Pai, mestre e
guia espiritual” (Const. 55) de sua comunidade, favorece nela um ambiente formativo mediante a criação
de um clima rico de valores salesianos, humanos e apostólicos, mantém-na em atitude de resposta ao
chamado de Deus e em sintonia com a Igreja e a Congregação, considera momento privilegiado o colóquio
pessoal e a direção espiritual para a personalização da vocação, constitui e encoraja a equipe de formadores
“fazendo convergir o esforço de todos num projeto comum em sintonia com o projeto inspetorial”.[68]
Chama a atenção, pela sua novidade e urgência, a apresentação da comunidade inspetorial como
“comunidade formadora, mas também comunidade em formação”: “É responsabilidade primeira da
comunidade inspetorial no âmbito formativo promover a identificação dos irmãos, especialmente dos que
estão na formação inicial, com a vocação salesiana, comunicando-lha vitalmente. Não é indiferente,
portanto, que ela se apresente intensamente motivada ou apática, vibrante na ação ou cansada. O clima de
oração e de testemunho, o sentido de responsabilidade comum e a abertura ao contexto e aos sinais dos
tempos, o viver com vigor espiritual e competência os vários empenhos da missão salesiana, o benefício de
um ambiente que oferece cotidianamente critérios e estímulos de fidelidade, a rede de relacionamentos
cordiais e de colaboração entre as comunidades, entre cada um dos irmãos, entre os grupos da Família
Salesiana e com os leigos empenhados na comunidade: todos estes aspectos constituem o ambiente
inspetorial para a formação dos irmãos. Este clima permite aos irmãos em formação fazer experiência viva
da identidade salesiana e de sentir-se sustentados na caminhada vocacional”.[69]
A missão formadora da Inspetoria “não é um puro estado de espírito nem só um fato de boa vontade; é um
princípio que organiza a vida da Inspetoria e envolve toda a sua realidade; partindo das exigências da
consciência vocacional e da corresponsabilidade de todos pela missão, traduz-se num projeto inspetorial
formativo orgânico”.[70]
4º. Dar qualidade formativa à experiência cotidiana
“Chamado a viver em todas as situações com empenho formativo”, o salesiano “se esforça para discernir
nos acontecimentos a voz do Espírito, adquirindo assim a capacidade de aprender da vida [e] confere
eficácia formativa às suas atividades ordinárias” (Const. 119). Com efeito, “a experiência cotidiana
vivida em chave formativa aproxima-nos da verdade de nós mesmos e oferece-nos ocasiões e estímulos
para tornar real o nosso projeto de vida”.[71]
Foi esta a escola de Jesus com seus discípulos, enquanto compartilhavam a vida, o cansaço e o repouso, e
enquanto caminhavam para Jerusalém. Também foi educativa a experiência cotidiana de Dom Bosco que
atribuía “valor educativo aos compromissos de cada dia, no pátio e na escola, na comunidade e na igreja
(cf. Const. 40), à maneira de ver e ler os acontecimentos, de responder às situações dos jovens, da Igreja e
da sociedade”.[72]
Apesar disso, e é inegável, a vida cotidiana não é formativa tout court; deve haver algumas condições para
que possa ser caminho concreto e cotidiano de identificação vocacional: · a presença entre os jovens: “O encontro com os jovens é para o salesiano itinerário e escola de
formação”; o contato com os jovens e o seu mundo “torna-o ciente da necessidade de competência
educativa e profissional, de qualificação pastoral e de atualização constante”;[73]
· a missão juvenil exige trabalhar em comum, que resulta formativo “quando se acompanha da
reflexão e, mais ainda, quando esta se permeia de atitude de oração. Por isso, a comunidade cria momentos
e espaços que favorecem um olhar atento, uma leitura mais aprofundada, uma partilha serena. E o salesiano
é chamado a confrontar-se com as próprias motivações de fundo, seu próprio sentido pastoral, a
consciência da própria identidade”;[74]
· a comunicação recíproca, “troca de dons e de experiências para o enriquecimento recíproco das
pessoas e das comunidades”. A comunicação requer aprendizagem: “Da parte de quem comunica, é preciso
superar certo medo ou timidez de exprimir os próprios pensamentos e sentimentos, e ter a coragem de
confiar no outro. Da parte de quem recebe a comunicação, exige-se a capacidade de acolhê-la estimando a
pessoa que a estabelece, sem julgá-la, apreciando-lhe a diferença de modos de ver”;[75]
· as relações interpessoais “favorecem e revelam o nível de amadurecimento da pessoa, indicando até
que ponto o amor se apossou de sua vida e aprendeu a expressá-lo”.[76] Sem a capacidade de amar e sem a
vontade de perdoar não são possíveis relações autenticamente pessoais;
· o contexto sociocultural incide no modo de ser, sentir e avaliar a realidade e, consequentemente,
questionar a própria identidade. Além de conhecer bem a situação atual, é preciso sabê-la interpretar a
partir de Deus, para dar respostas consonantes com a nossa vocação e missão: “A capacidade de ‘ver’ Deus
no mundo e acolher o seu apelo através das urgências dos momentos e dos lugares é uma lei fundamental
do itinerário de crescimento salesiano”.[77]
5º. Qualificar o acompanhamento formativo
A formação exige acompanhamento, que, além de ser “característica fundamental da pedagogia
salesiana”, é “condição indispensável” para a personalização e o discernimento. O acompanhamento tem a
finalidade de “assegurar ao irmão a proximidade, o diálogo, a orientação e o apoio adequado em cada
instante do itinerário formativo e fazer com que ele seja disponível e ativamente responsável no buscar,
acolher e tirar proveito de tal serviço, tendo presente que ele pode assumir variados graus e múltiplas
formas. Não se restringe ao diálogo individual; é um conjunto de relações, um ambiente e uma pedagogia,
próprios do Sistema Preventivo: vai da presença próxima e fraterna, que suscita confiança e familiaridade,
à caminhada feita em nível de grupo, à experiência comunitária; dos encontros breves e ocasionais ao
diálogo pessoal procurado, frequente e sistemático; do confronto com aspectos externos à direção espiritual
e à confissão sacramental”.[78]
Além do acompanhamento pessoal, é próprio do estilo salesiano também o acompanhamento do ambiente
educativo, que resulta das relações interpessoais, das orientações dos responsáveis, do projeto comum
compartilhado. O acompanhamento comunitário tem um papel muito importante na comunicação vital
dos valores salesianos. Preocupar-se com ele “significa assegurar a qualidade pedagógica e espiritual da
experiência comunitária e a qualidade da animação e da orientação da comunidade [...] tende também a
edificar uma experiência comunitária que, por meio das múltiplas cotidianas expressões do estilo salesiano,
orienta, estimula e sustenta. Constitui um empenho para cada ambiente formativo e especialmente para as
comunidades muito pequenas ou muito numerosas”.[79]
Para ajudar “cada um a assumir e interiorizar os conteúdos da identidade vocacional”, o acompanhamento
deve ser personalizado; é preciso garantir a presença e a dedicação de pessoas empenhadas na formação, a
sua competência e a unidade de critérios. Na tradição salesiana, o acompanhamento pessoal é realizado
com diversas formas e pessoas: · O diretor “tem responsabilidade direta em relação a cada um dos irmãos; ajuda-o a realizar sua
vocação pessoal” (Const. 55); durante a formação inicial, o diretor é o “responsável do processo formativo
pessoal”. Realiza seu serviço mediante o colóquio, “elemento integrante da práxis formativa salesiana,
sinal concreto de atenção e cuidado da pessoa e da sua experiência”. Realizado “uma vez por mês” (Reg.
79) na formação inicial é “uma forma de orientação espiritual que ajuda a personalizar o itinerário
formativo e a interiorizar os seus conteúdos”.[80]
· Outra forma de acompanhamento explicitamente prevista pela pedagogia salesiana “é constituída
pelos momentos periódicos de avaliação pessoal (escrutínios), por meio dos quais o Conselho da
comunidade ajuda o irmão a avaliar sua situação formativa pessoal, orienta-o [e] estimula-o concretamente
no seu processo de amadurecimento”.[81]
· A direção espiritual, que “é um ministério de iluminação, de apoio e de guia no discernimento da
vontade de Deus para atingir a santidade, motiva e suscita o empenho da pessoa, estimula-a a sérias opções
em sintonia com o Evangelho e confronta-a com o projeto vocacional salesiano”;[82] conforme a tradição
salesiana o diretor da comunidade de formação “é o diretor espiritual proposto aos irmãos, embora
permanecendo a sua liberdade de escolher outro diretor espiritual”;[83]
· O sacramento da reconciliação “oferece a cada irmão uma direção espiritual muito prática e
personalizada, enriquecida pela eficácia própria do sacramento. O Confessor não só absolve dos pecados.
Reconciliando o penitente, anima-o e estimula-o na via da fidelidade a Deus e, portanto, também na
perspectiva vocacional específica. É exatamente por esta razão que se recomenda tenham os irmãos durante
a formação inicial confessor estável e ordinariamente salesiano”.[84]
Há outras formas de acompanhamento pessoal e outros responsáveis que ajudam o irmão a integrar na sua
experiência formativa o exercício educativo-pastoral e o empenho na formação intelectual.[85] “Condição
chave para o acompanhamento é a atitude formativa do irmão em formação inicial”.[86] Enfim, “o
acompanhamento formativo coloca-se no âmbito da animação”:[87] evita impor, forçando, experiências
estranhas a quem está em crescimento e, ao mesmo tempo, evita renunciar a aconselhar, propor ou corrigir.
6º. Dar atenção ao discernimento
O discernimento, espiritual e pastoral, é indispensável a todo salesiano para viver a vocação com
fidelidade criativa e resposta permanente. Isso é fruto – como lhes escrevi tempos atrás[88] – da escuta da
Palavra, dócil e paciente. Nela podemos encontrar o que Deus quer hoje de nós e como o quer [...]. “Da
frequentação da Palavra de Deus [os discípulos do Senhor] tiraram a luz necessária para o discernimento
individual e comunitário que os ajudou a buscar nos sinais dos tempos os caminhos do Senhor. Eles
adquiriram assim uma espécie de instinto sobrenatural”,[89] o olhar da fé, ou seja, “sem o qual a própria
vida gradualmente perde sentido, o rosto dos irmãos torna-se opaco e é impossível descobrir nele o rosto de
Cristo, os acontecimentos da história ficam ambíguos quando não privados de esperança, a missão
apostólica e caritativa cai em atividade dispersiva”.[90]
Uma comunidade que “cultiva um olhar evangélico sobre a realidade e busca a vontade de Deus com
fraterno e paciente diálogo e com sentido vivo de responsabilidade” oferece aos irmãos o clima adequado
para exercer de modo habitual o discernimento comunitário, que “reforça a convergência e a comunhão,
sustenta a unidade espiritual, estimula a busca de autenticidade e a renovação”.[91]
O discernimento na formação inicial é “um serviço ao candidato e ao carisma”. Por isso, ele é importante,
em se tratando de verificar a veracidade do chamado, o amadurecimento das motivações, a assimilação dos
valores, a identificação crescente com o projeto de vida, numa palavra, a idoneidade vocacional. “As
admissões são [apenas] momentos de síntese ao longo deste processo. Realiza-se o discernimento em
íntima colaboração entre o candidato e a comunidade local e inspetorial. A experiência formativa parte de
um pressuposto fundamental: a vontade de trilhar juntos o processo de discernimento com uma atitude de
comunicação aberta e corresponsabilidade sincera, atentos à voz do Espírito e às mediações concretas. Objeto do discernimento vocacional são os valores e as atitudes exigidos para se viver a vocação salesiana
com maturidade, alegria e fidelidade: as condições de idoneidade, as motivações e a reta intenção”.[92]
“Ponto-chave da metodologia formativa”, o discernimento torna efetivo o empenho e a colaboração dos
responsáveis, “garantindo o conhecimento da sua natureza e das suas características, o uso dos meios
sugeridos e a atenção aos momentos específicos e, sobretudo, o empenho constante e qualificado de todos”,
a começar do candidato, “primeiro interessado em descobrir o projeto de Deus a seu respeito”. Ele “cultiva,
por isso, uma abertura constante à voz de Deus e à ação dos formadores, orienta a sua vida segundo uma
perspectiva de fé, confronta-se com os critérios vocacionais salesianos. Procura conhecer-se
verdadeiramente, fazer-se conhecer e aceitar-se; vale-se de todas as mediações e meios que a experiência
formativa lhe oferece, em particular o acompanhamento formativo e o diálogo fraterno, o colóquio com o
Diretor, a direção espiritual, o sacramento de Penitência, as avaliações e o discernimento comunitário”.[93]
Além do candidato, também intervêm no processo de discernimento, o Inspetor e seu Conselho, que se
preocupa com a “unidade dos critérios”, o diretor, que avalia “o progresso feito pelo candidato em seu
caminho vocacional”, a comunidade inteira, que expressa o próprio parecer (cf. Reg. 81).[94] Todos os
responsáveis devem, de um lado, “assumir uma perspectiva vocacional e uma atitude de fé, ter
sensibilidade pedagógica e preocupar-se com algumas competências específicas”[95] e, de outro, ter
“como ponto de referência a identidade salesiana, seus elementos constitutivos, os requisitos e as
condições para vivê-la; não é discernimento genérico. Requer, portanto, conhecimento e consonância com
os critérios indicados pela Congregação, em primeiro lugar com o critério de qualidade carismática, que
tem em mira pôr as bases de uma experiência vocacional autêntica e fiel, superando preocupações
quantitativas ou funcionais, entusiasmos não fundados ou compromissos construídos sobre idoneidades
frágeis e não provadas. Os que intervêm no discernimento fazem-no em nome da Congregação, que é a
responsável pelo carisma”.[96]
O discernimento implica conhecer a gradualidade do processo formativo e a especificidade de cada etapa,
tendo presente a unidade da pessoa e o seu desenvolvimento. Não obstante, não se pode permitir que sejam
iniciadas as etapas de formação e se assumam compromissos “para os quais o interessado não é idôneo”;
deve-se evitar, ainda, “prolongar situações problemáticas ou de indecisão, que não oferecem perspectivas
sérias de superação”.[97]
Desde que o discernimento é uma atitude não só de revisão pessoal, mas, sobretudo, de escuta da voz de
Deus, que fala continuamente e de modo particular em algumas circunstâncias, ele não se reduz à formação
inicial, mas acompanha a vida inteira do salesiano. De fato, “podem-se dar na vida do salesiano momentos
em que se sente a necessidade de um olhar mais profundo, de um exame mais atento da própria caminhada,
de uma revisão – para a reafirmação – das próprias opções ou para uma nova opção vocacional. É
muitíssimo necessário que o irmão se ponha em atitude de verdadeiro discernimento espiritual, livre de
pressões internas e externas, aberto ao diálogo, evitando o isolamento ou as decisões tomadas
solitariamente, concedendo-se o tempo necessário, aceitando as oportunidades e os meios que lhe são
oferecidos. À comunidade, por meio dos responsáveis, compete reconhecer, compreender e acompanhar o
irmão com respeito e estilo fraterno, e sustentá-lo oportunamente com intervenções ordinárias e
extraordinárias”.[98]
2.3. Formação: prioridade absoluta
Enquanto esforço de assimilação da identidade carismática, a formação “é um empenho que dura a vida
inteira”.[99] “Se, de fato, a vida consagrada é em si mesma “progressiva assimilação dos sentimentos de
Cristo”, parece evidente que tal caminho não poderá senão durar toda a existência, por envolver toda a
pessoa”.[100] Enquanto o chamado não for retirado, vivemos em débito com Deus e com nossos
destinatários, justamente porque “toda a vida é vocação, toda a vida é formação”.[101]
Embora seja verdade que a formação dura a vida inteira, seus objetivos e seus itinerários, nem sempre são
idênticos. A formação inicial, “marcada por intensas experiências espirituais que levam a decisões corajosas”,[102] mira a identificação carismática da pessoa chamada, o conhecimento e a apropriação
pessoal da vocação; dura um período de tempo limitado e dividido em etapas, que permitem um processo
gradual de assimilação do carisma e de formação à missão; “vai da primeira orientação para a vida
salesiana ao aprofundamento das motivações, à identificação com o projeto salesiano a ser vivido numa
Inspetoria concreta”;[103] mais do que tempo de espera, é tempo de trabalho e santidade (cf. Const. 105).
Diversamente, a formação permanente consiste “num esforço constante de conversão e renovação”
(Const. 99), que nos liberta para “aprender ao longo da vida, em todas as idades e estações, em todos os
ambientes e contextos humanos, de cada pessoa e de cada cultura, para deixar-se instruir por qualquer
fragmento de verdade e beleza encontrado ao seu redor”. Mas, sobretudo, faz “aprender a deixar-se formar
pela vida de cada dia, pela sua própria comunidade e pelos seus irmãos e irmãs, pelas coisas de sempre,
ordinárias e extraordinárias, pela oração como pelo trabalho apostólico, na alegria e no sofrimento, até o
momento da morte [...]. As pessoas em formação continuada apropriam-se do tempo, não o padecem,
acolhem-no como dom e entram com sabedoria nos vários ritmos (cotidiano, semanal, mensal, anual) da
própria vida, buscando a sintonia entre eles e o ritmo fixado por Deus imutável e eterno, que marca os dias,
os séculos e o tempo”.[104]
Concretamente, para nós salesianos, a formação permanente “é crescimento na maturidade humana, é
configuração a Cristo, é fidelidade a Dom Bosco, para responder às exigências sempre novas da condição
juvenil e popular”.[105] Aquele que é chamado, empenhado mediante a profissão perpétua a viver
identificado com a própria vocação, permanece fiel a si mesmo, apoiando-se na fidelidade de Deus e no
amor pelos jovens (cf. Const. 195).[106]
“Como para Dom Bosco nos primeiros tempos, também hoje para a Congregação e para cada salesiano a
identificação com o carisma e o empenho de fidelidade a ele, ou seja, a formação, constituem uma
prioridade absolutamente vital”.[107] O caminho de renovação no qual estamos empenhados, enquanto
caminhamos para a celebração do bicentenário do nascimento de Dom Bosco, “depende principalmente da
formação”[108] de cada salesiano. “Sentida como um desafio” pelo nosso CG24, “parte irrenunciável da
competência educativa e da espiritualidade do pastor”,[109] já foi considerada pelo meu predecessor, P.
Vecchi, “investimento prioritário”:[110] “Investir quer dizer estabelecer e manter prioridades, garantir as
condições, operar segundo um programa que coloque no primeiro lugar as pessoas, as comunidades, a
missão. Investir em tempo, em pessoal, em iniciativas, em recursos econômicos para a formação é tarefa e
interesse de todos”.[111]
Oração conclusiva
Concluo esta carta, que tenho como particularmente importante, porque da qualidade da formação dos
novos salesianos depende em grande parte o futuro da Congregação, invocando a Maria. Ela foi chamada
por Deus, formada pelo Seu Espírito e acompanhada, antes, por José e, depois, por Jesus, para poder
crescer na fé e permanecer fiel ao projeto de Deus sobre Ela. E justamente por ser fiel até a morte de Jesus,
seu Filho, na cruz, no-la deu como mãe.
Ó Maria, Mãe e Mestra de todos os discípulos do teu Filho, nós olhamos para ti e te contemplamos como a
primeira Consagrada, que soube responder com coração indiviso e com entrega incondicional ao
chamado do Pai. Ciente de que só Deus torna possível o que é humanamente impossível, te deixaste
habitar e formar pelo Espírito Santo para gerar em ti o Filho de Deus.
Viveste até o fim o teu belíssimo ofício de ser a Mãe do Filho de Deus, pelo que, depois de tê-lo gerado o
educaste, junto com José, de forma que ele “crescia em sabedoria, idade e graça diante de Deus e dos
homens” (Lc 2,52). Como verdadeira mãe, soubeste transmitir a teu Filho as atitudes profundas e os
grandes valores que animaram e caracterizaram a tua vida: a busca contínua da vontade de Deus, a sua
acolhida cordial mesmo quando não a entendias, mas ao mesmo tempo fazendo tesouro dela, o serviço aos
outros, especialmente aos necessitados. Não admira, portanto, ver o teu Filho retirar-se na montanha e passar a noite em oração, expressão
suprema de sua fé e momento incomparável para conhecer o que o Pai queria d’Ele, fazer disso programa
de vida e assim “mesmo sendo filho, aprendeu o que significa a obediência... e, feito perfeito, tornou-se
causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem” (cf. Hb 5,8-9). Não surpreende que não tivesse
ocupação maior, nem atenção suprema, nem alimento nutritivo a não ser fazer a Vontade do Pai (Lc 2,49;
Jo 4,34). Não admira, enfim, que definisse sua vida como serviço: “O Filho do homem, de fato, não veio
para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos” (Mc 10,45).
Ó Maria, viveste a plenitude da caridade. Em Ti se refletem e renovam todos os aspectos do Evangelho,
todos os carismas da vida consagrada. Sustenta-nos na ação cotidiana, a fim de fazer dela um esplêndido
testemunho de amor, segundo o convite de São Paulo: “Eu vos exorto a levardes uma vida digna da
vocação que recebestes!” (Ef 4,1).[112]
Tu que foste dada a Dom Bosco como mãe e mestra, desde o ‘sonho’ que deu sentido à sua vida, e
formaste nele um coração de pai e mestre capaz de entrega total, e lhe indicaste o seu campo de ação
entre os jovens, e o guiaste constantemente (cf. Const. 1.8), forma também em nós um coração cheio de
paixão por Deus e pelos jovens. A ti nos entregamos, ó Mãe. De Ti aprendamos a sermos filhos de Deus e
discípulos do teu Filho, ó Mestra. Amém.
P. Pascual Chávez Villanueva
Reitor-Mor

[1] Cf. F. Cereda, La fragilità vocazionale. Avvio alla riflessione e proposte di intervento, in ACG 385
(2004), pp. 34-53. [Os textos transcritos de ACG e de “O Projeto de Vida dos Salesianos de Dom Bosco”
têm a numeração das páginas segundo a edição em italiano: obs. do tradutor].
[2] Cf. USG, Fedeltà vocazionale. Realtà che interpella la vita consacrata. Roma, 23-25 de novembro de
2005; USG, Per una vita consacrata fedele. Sfide antropologiche della formazione. Roma, 24-26 de maio
de 2006.
[3] Para ler as três primeiras colunas, é preciso esta atenção. Os noviços que entram num determinado ano
fazem a primeira profissão no ano seguinte; portanto, os noviços que saíram resultam da diferença entre os
noviços que entraram num determinado ano e os que professaram no ano seguinte. Exemplo: em 2002
entraram 607 noviços e em 2003 professaram 470 neoprofessos; portanto, a diferença entre os noviços que
entraram em 2002 e os noviços que professaram no ano seguinte, 2003, é de 137 noviços. Este número é
colocado na linha “noviços saídos” relativos a 2002. Em 2012 entraram 480 noviços; mas saberemos os
números dos neoprofessos e, portanto, dos noviços que saíram, no final de 2013.
[4] Para a leitura das colunas relativas às dispensas do celibato, secularizações e demissões, os números
não se referem àqueles para os quais foi apresentado pedido num determinado ano, mas àqueles cuja
prática foi concluída num determinado ano.
[5] Cf. E. Bianchi, Vita Religiosa e Vocazioni oggi in Europa Occidentale, Reflexão feita a 150 jesuítas
reunidos em Bruxelas em 1° de maio de 2007.
[6] “Responder ao chamado significa viver em atitude de formação” (O Projeto de Vida dos Salesianos de
Dom Bosco. Guia à leitura das Constituições salesianas, Roma 1986, p. 682).
[7] A Formação dos Salesianos de Dom Bosco [FSDB], Roma 2000, 1. [8] Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica (CIVCSVA),
Partir de Cristo, Roma 2002, n. 22.
[9] Critérios e normas de discernimento vocacional salesiano [Suplemento de FSDB], 30
[10] Juan J. Bartolomé, “La Llamada de Dios. Una reflexión bíblica sobre la vocación”: Misión Joven 131
(1987) 6.
[11] Bento XVI, Caritas in veritate, 1.
[12] “A oração cristã autêntica inclui a vida inteira de quem reza… Aproximando-se dos fatos cotidianos
que, confrontados com os acontecimentos sociais e históricos, podem parecer de pequena importância, o
salesiano descobre valores que estão na própria realidade e tornam explícita a sua pertença aos planos de
Deus. Todas as situações podem ser transformadas em oração, contanto que se convertam em experiência
teologal” (O Diretor Salesiano. Um ministério para animação e governo da comunidade local, Roma
1986, 209-210)
[13] E. Viganò, “Dar força aos irmãos”, ACG 295 (1980), p. 26.
[14] Cf. FSDB, 7.
[15] CG23, 95.
[16] FSDB, 29.
[17] FSDB, 4.
[18] Cf. FSDB, 25.
[19] FSDB, 41.
[20] CIVCSVA, Partir de Cristo, 15.
[21] FSDB, 41.
[22] Cf. CGS, 45-49.
[23] A Exortação Apostólica Vita Consecrata fala de uma “especial comunhão de amor com Cristo” (VC,
15).
[24] FSDB, 30.
[25] CGE, Apresentação do Reitor-Mor, 31 de janeiro de 1972, pag. xv.
[26] “Inspirando-se no exemplo e nos ensinamentos de Dom Bosco, o salesiano vive a experiência
espiritual, pedagógica e pastoral do Sistema Preventivo. Seu relacionamento com os jovens caracteriza-se
pela cordialidade e por uma presença ativa e amiga, que lhes favorece o protagonismo. Assume com alegria
as fadigas e os sacrifícios que o seu convívio com os jovens implica, convencido de nele encontrar o seu
caminho de santidade” (FSDB, 32).
[27] FSDB, 42. [28] FSDB, 33. “A vocação salesiana não è concebível sem a comunhão concretizada na vida comum dos
sócios. O vínculo comunitário entre os sócios é constituído pelo seu viver e agir como salesianos” (O
Projeto de vida dos Salesianos de Dom Bosco, p. 408).
[29] FSDB, 33.
[30] FSDB, 219.
[31] FSDB, 91.
[32] Cf. VC, 96; CG24, 152.
[33] FSDB, 34.
[34] FSDB, 35.
[35] FSDB, 35.
[36] CG24, 138.
[37] FSDB, 45.
[38] FSDB, 82.
[39] O Projeto de vida dos Salesianos de Dom Bosco, p. 120.
[40] “O nosso modo de viver a pertença à Igreja e contribuir para a sua edificação consiste em ser
Salesianos genuínos e fiéis. A nossa contribuição consiste em ser, sobretudo, nós mesmos” (O Projeto de
Vida dos Salesianos de Dom Bosco, p. 122).
[41] Cf. FSDB, 83.
[42] FSDB, 42.
[43] FSDB, 37.
[44] FSDB, 43.
[45] FSDB, 205.
[46] FSDB, 1.
[47] “Dócil ao Espírito Santo, desenvolve suas aptidões e os dons da graça num esforço constante de
conversão e renovação” (Const. 99). Cf. CRIS, Los elementos esenciales de la enseñanza de la Iglesia
sobre la vida religiosa (1983), 47.
[48] FSDB, 206. A formação “é certamente dom do Espírito, mas è favorecida por uma pedagogia
adequada” (FSDB, 209).
[49] FSDB, 208.
[50] “A identificação vocacional se realiza no coração da pessoa, no nível mais íntimo de afetos,
sentimentos, convicções, motivações, não se limitando à assunção ou transmissão de conteúdos e
comportamentos. "A formação deverá, pois, atingir em profundidade a própria pessoa, de tal modo que cada uma das suas atitudes ou gestos, tanto nos momentos importantes quanto nas circunstâncias ordinárias
da vida possa revelar a sua pertença total e feliz a Deus” (Cf. Const. 98)” (FSDB, 208).
[51] “Só quando o salesiano se deixa interpelar por Deus no profundo do seu coração, ele se identifica, a
partir de dentro, com os critérios e os valores vocacionais, e sabe renunciar às atitudes que se lhe opõem,
fundamenta o próprio projeto e unifica a própria vida ao redor de motivações verdadeiras e autênticas, só
então é que a formação alcança seu objetivo fundamental” (FSDB, 209).
[52] “Mais do que um texto a atuar, o projeto é expressão e instrumento de uma comunidade que quer agir
em comum a serviço do itinerário formativo de cada irmão” (FSDB, 213)
[53] FSDB, 210.
[54] “Os conteúdos, as experiências, as atitudes, as atividades, os momentos fortes devem ser pensados,
programados e orientados segundo o objetivo de cada fase e de toda a formação, por meio de uma
pedagogia que supere o perigo da fragmentação, do improviso ou de um agir sem finalidade e dispersivo”
(FSDB, 212).
[55] “É tarefa do salesiano assumir desde o início uma clara atitude formativa, compreender os objetivos
do inteiro processo e de cada momento, viver a passagem de uma fase a outra assumindo responsavelmente
as finalidades do novo momento formativo, traçar metas e percursos concretos, verificar e partilhar a
realização do projeto formativo pessoal. É tarefa dos formadores assumir e traduzir as indicações do
projeto inspetorial e fazer com que o candidato se aproprie da proposta formativa que ele vive em
comunidade e com responsabilidade” (FSDB, 213).
[56] FSDB, 212.
[57] “Dom Bosco educador cultivou o relacionamento pessoal, mas aparece, sobretudo, como formador de
um ambiente rico de relacionamentos e figuras educativas, de propostas e estímulos (momentos,
intervenções, ritmos, celebrações, etc.), criador de um estilo e de uma pedagogia de vida, comunicador de
um projeto para viver juntos, animador de uma comunidade com fisionomia clara e pontos de referência
estabelecidos. A Comunidade de Valdocco, moldada segundo o Sistema Preventivo, oferece um ambiente
acolhedor, orienta, acompanha, estimula e exige” (FSDB, 219).
[58] João Paulo II, Exortação Apostólica Pastores dabo vobis, Roma 1992, 69. Cf. CIVCSVA, Partir de
Cristo, 46; CIVCSVA, Potissimum institutioni, Roma, 2 de fevereiro de 1990, 29.
[59] FSDB, 216. “Nele delineia cada irmão o tipo de salesiano que se sente chamado a ser e o caminho
para realizá-lo, em sintonia sempre com os valores salesianos; verifica periodicamente – em diálogo com o
Diretor – o progresso na consecução de tal objetivo” (Ibidem).
[60] FSDB, 221.
[61] Pastores dabo vobis, 42.
[62] Cf. Pastores dabo vobis, 60. “Em clima de corresponsabilidade, todos se empenham por viver juntos,
valores, objetivos, experiências e métodos formativos, programando, verificando e adequando
periodicamente a própria vida, o próprio trabalho e as experiências apostólicas às exigências da vocação”
(FSDB, 222).
[63] “Para estimular a contribuição de todos, favorecem o envolvimento na elaboração do projeto
comunitário e da programação, o trabalho de grupo, a revisão de vida e as outras formas articuladas de
encontro e de participação. Cada membro assume algum serviço útil à vida da comunidade e ao
crescimento da comunhão” (FSDB, 223). [64] Cf. FSDB, 222. Cf. Ivi 234-239.
[65] FSDB, 233.
[66] FSDB, 231.
[67] FSDB, 233. “É seu encargo principal acompanhar cada irmão, ajudá-lo a compreender e assumir a
fase formativa que está vivendo. Mantém com ele diálogo frequente e cordial, esforça-se por conhecer suas
qualidades, sabe fazer propostas claras e exigentes e indicar metas adequadas, apoia e orienta nos
momentos de dificuldade, verifica junto a caminhada formativa” (Ibidem).
[68] FSDB, 233.
[69] FSDB, 227. É evidente que o que se busca com estas orientações é criar uma atmosfera em que já se
viva o que se apresenta como ideal nas casas de formação, traduza-se em realidade o que se prometeu na
profissão pública. A vida cotidiana da Inspetoria, a qualidade da sua vida consagrada e a eficácia da sua
missão apostólica, são condições indispensáveis para a qualidade formativa de uma Inspetoria, embora
aceitando a distância que possa existir entre o ideal proposto e a realidade vivida.
[70] FSDB, 226.
[71] FSDB, 251.
[72] FSDB, 251.
[73] FSDB, 252.
[74] FSDB, 253.
[75] FSDB, 254.
[76] FSDB, 255. “As relações desagradáveis, as situações de conflito não resolvidas oportunamente através
da reconciliação agem no interior da pessoa bloqueando o processo de amadurecimento e criando
dificuldades para a mesma entrega serena e alegre à missão e a Deus” (J. E. Vecchi, “Especialistas,
testemunhas e artífices de comunhão”, ACG 363 [1998], p. 31).
[77] FSDB, 257.
[78] FSDB, 258. “A falta de acompanhamento ou um acompanhamento que não vai à profundidade ou é
descontínuo podem pôr seriamente em risco toda a ação formativa” (Ibidem).
[79] FSDB, 259.
[80] FSDB, 261.
[81] FSDB, 261.
[82] FSDB, 262.
[83] FSDB, 262.
[84] FSDB, 263. [85] Pelo interesse que reveste, vale a pena citar o que é exigido dos outros formadores: “disponibilidade e
dedicação; a consciência de serem mediadores da ação de Deus, do ministério da Igreja, da mens da
Congregação. São, além disso, indispensáveis... uma atitude espiritual e uma perspectiva de fé, a ótica da
vocação salesiana e, portanto, o conhecimento dos critérios para discerni-la e das condições para vivê-la,
uma sensibilidade pedagógica que favoreça o clima de liberdade e a atenção à pessoa e ao seu ritmo de
amadurecimento, algumas habilitações específicas referentes quer à dimensão humana quer à pedagogia
espiritual” (FSDB, 264).
[86] FSDB 265. “Desde o pré-noviciado está consciente de que a caminhada vocacional é em primeiro
lugar obra de Deus, que ‘se serve da mediação humana’ (VC 66); que a formação salesiana é diálogo
sincero e corresponsável com a comunidade portadora do carisma; que a autoformação não quer dizer
autossuficiência ou caminhada individual” (Ibidem).
[87] FSDB, 266.
[88] Cf. P. Chávez, “Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna” (Jo 6,69). Palavra de Deus
e Vida salesiana, ACG 386 [2004], p. 37-38.
[89] Vita consecrata, 94.
[90] CIVCSVA, Partir de Cristo, 25.
[91] FSDB, 268.
[92] FSDB, 269.
[93] FSDB, 270.
[94] FSDB, 270.
[95] FSDB, 271.
[96] FSDB, 272.
[97] FSDB, 321.
[98] FSDB, 276. Para o acompanhamento dos irmãos em situações especiais, cf. L’Ispettore Salesiano,
Roma 1987, 390-395; O Diretor Salesiano. Um ministério para animação e governo da comunidade local,
Roma 1986, 268.
[99] FSDB, 42.
[100] CIVCSVA, Partir de Cristo, 15. Cf. Vita consecrata, 65.
[101] FSDB, 520.
[102] CIVCSVA, Partir de Cristo, 9.
[103] FSDB, 308.
[104] CIVCSVA, Partir de Cristo, 15.
[105] FSDB, 309. [106] “Somente haverá novidade de vida se a formação permanente conseguir ser o novo modo de ser da
vida consagrada, o novo modo de pensar dos consagrados. Se quisermos que acabe o escândalo dos
consagrados apagados e sem entusiasmo, rígidos e autossuficientes em suas certezas, insensíveis e frios
diante de qualquer estímulo, a formação permanente é o caminho obrigatório para sair desta situação”.
[107] FSDB, 5.
[108] CIVCSVA, Partir de Cristo, 14. Cf. CIVCSVA, Diretrizes sobre a formação nos Institutos
Religiosos, Potissimun institutioni, Roma, 2 de fevereiro de 1990, 1.
[109] J. E. Vecchi, “’Eu por vós estudo…’ (Const. 14) A preparação adequada dos irmãos e a qualidade
do nosso trabalho educativo” ACG 361 [1997)], p. 6.
[110] J. E. Vecchi, ibidem p. 25. “Devemos não só administrar as crises, mas semear para o futuro” (ivi p.
35).
[111] CG24, 248.
[112] Cf. Partir de Cristo, 46.