Santidade Salesiana

Elias Comini

Início do processo: 3-12-1995; Conclusão do Processo: 11-25-2001

Escolhido pelo arcipreste de Salvaro

Elia Comini nacque il 7 maggio 1910 para Calvenzano, na província de Bolonha, de Claudio para Emma Limoni. Em 1914 o famiglia di Elia se eu transferi em um località chiamata "Casetta", nella parrocchia de Salvaro. L'Arciprete di Salvaro, mons. Fidenzio Mellini, dá militare a Torino aviva frequentato san Giovanni Bosco, che gli aveva profetizzato il sacerdozio.

Mons. Mellini stimava molto Elia per la sua fede, o bontà e le singolari capacità intellettuali. D'accordo con i genitori enviou-lhe all scuola dei salesiani para finale emilia, pomba Elia chiese di salesman Dante. Dopo il noviziato para Castel de 'Britti, fece a primeira professora religiosa em 1926. Nello stesso anno morì il papà di Elia. Dar esse momento l'Arciprete gli farà da secondo pai. Completò gli studi para Torino Valsalice, em seguito e laureò in lettere presso l'Università statale di Milano. Il 16 de março de 1935 venne ordinate priest.

Ele encarnou a caridade pastoral de Dom Bosco

Dom Elia Comini, pai e professor, apóstolo e educador de jovens, nas escolas salesianas de Chiari e Treviglio. Ele encarna particularmente a caridade pastoral de Dom Bosco e os traços da bondade salesiana, que transmitiam através dos jovens o afeto, a bondade e o sorriso.

No verão de 1944 se RECO para Salvaro para ajudar os idosos mãe e mons para ajudar. Mellini A área tornou-se um epicentro de guerra entre os Aliados, partidários e alemães, entre o terror da população e a devastação quase total. Os Salvaresi e as localidades deslocadas daqueles sempre viram Don Elia ao lado dele curto para as Confissões, ZELANTE na pregação, capaz de explorar seus talentos músicos bem mais para fazer Liete funções sagradas ele.

Junto com a visita do Pai SCJ Martino Capelli e equipes de resgate e os refugiados ajuntados, doutor os feridos, enterra os mortos, Coloca ritmo entre ou população, e os partisans alemães, muitas vezes também da própria vida para Risco. Na paróquia de Salvaro, cheia de refugiados clandestinos, chegava a notícia de que, depois de um confronto seguido dos partidários, Terribili SS havia capturado 69 pessoas, entre as quais pessoas moribundas que agora precisavam de conforto.

Sob fogo inimigo

Don Elia e o padre Martino debaixo do fogo pegam os óleos sagrados e andam. Eles são capturados porque são considerados espiões partidários e forçados a trabalhar duro. Eles foram colocados juntos com outros reféns em um estábulo. Don Elia, com heróica caridade pastoral, recusou a liberdade que lhe foi proposta para ficar perto dos outros prisioneiros.

Fusível

Ele disse: "Ou eles nos libertam a todos ou a ninguém!" Eles foram julgados e acusados ​​injustamente. Antes da execução Don Elia e Padre Martino, como já Mons. Versiglia e Don Caravario confessaram um ao outro. Então Don Elia pronunciou a absolvição para os outros reféns em voz alta, que responderam com um sinal da cruz. Seu corpo foi então perdido no rio Reno.